Verdade

Imagem: Carlos Cruz-Diez
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TALES AB’SÁBER*

Comentário sobre a peça em cartaz dirigida por Alexandre Dal Farra

Alexandre Dal Farra e seu grupo de atores e diretores, o Tablado de Arruar, de São Paulo, já se dedicaram, bem antes da catástrofe de agora, à força política regressiva e intensa que movia um pastor evangélico popular do Brasil, em Matheus, 10. Também já chegaram em lugares obscuros e primitivos da política, refletindo os impasses que se tornavam definitivos com a chegada do partido de esquerda de massas ao poder, em sociedade de classes, consumo e desindustrialização permanente, na trilogia Abnegação.

Já observaram a corrosão do caráter animada e nova de classe média brasileira, entre os negócios, a política e o crime, em mais de uma peça. Até os impasses de se poder ou não falar da história negra do país, sendo sempre o racista por princípio fixado, da cultura progressista entre nós, foram investigados em Branco. Sempre correndo contra o tempo, e no tempo, o grupo mergulhou agora em uma nomeação do Exército Brasileiro, e sua relação eterna, mesmo que proibida, com a política do país.

Ridículo, choque, metáfora, grotesco, história, reflexivo, autoritário, investigativo, cômico e especulativo, são muitos os modos que Verdade, encenada há dois meses em São Paulo, mobilizou para pensar a presença do Exército em nossa vida no presente histórico, o processo “sem sujeito” de ocupação da política e do Estado pelas forças armadas desde 2016, suas ações estratégicas tendencialmente bolsonaristas e, principalmente, no meu entender, o exercício aberto de questionamento do que poderíamos chamar de uma teoria da corporação, uma filosofia do que é “o militar”.

Entre a história degradante da democracia no Brasil reenquadrada por estratégias e táticas militares de seu próprio avanço sobre a vida política e o trabalho de conceber uma metafísica do militar, a peça marca com força os passos históricos da nova-velha presença das forças armadas no país, ao passo em que desdobra em monólogos intensos, de valor teórico, sua filosofia do militar.

O estranho processo brasileiro de descida às ruas sob disfarce, que culminou com um general de quatro estrelas presente, sem explicação, na comitiva – mas sempre tentando tornar-se ausente – de Jair Bolsonaro na cidade do interior de Minas Gerais onde ele sofreria o excêntrico e decisivo atentado, é articulado à investigação dos elementos puros, por assim dizer, do que seria o militar, ou, como diz a peça, “o que há de militar no militar”.

Surgem os monólogos, que vão da reflexão ao desespero de fardados e não fardados, e esquadrinham um sistema de estranhezas e violências, meio histórico meio transcendental: a vida como estratégia, a presença social forte como ausência, a diferenciação radical de tudo que diz respeito à vida civil e seus critérios, a valorização da posição extrema do controle, da hierarquia absoluta e do direito pleno ao extermínio da diferença, a complacência com a submissão e com a morte, o desejo de agir sem deixar marcas da própria presença, o lugar negativo absoluto, descomprometido da vida, do militar como coisa em si. Pureza, limpeza, autonomia arrogante, recusa do mundo da vida, o sonho do templo puro e vazio do poder transcendente, o militar como o limiar de um deus definitivamente ausente.

Se em outros mundos históricos e teatros políticos, reis, príncipes ou industriais e burgueses, gangsteres, deram espaço para a sua investigação pelo teatro, como investigação e poesia dos sujeitos do poder, do poder nos sujeitos, podemos bem dizer que o príncipe do reino podre do Brasil pode ser pensado como o nosso militar, o Exército brasileiro, nossos generais, tão espertos, tão idiotas.

Se nos é cara a depreciação e a apresentação do ridículo político, e mesmo humano, de nossos íntimos e comuns Generais Villas Boas, Heleno, Mourão, Pujol, Etchegoyen e mais outros, se podemos nos vingar do poder e da tortura incorporada historicamente com a radicalidade da inteligência que nos permite a derrisão, a caricatura e o desprezo, que a peça demonstra serem simétricos, mas diferentes, ao deles por nós, a dimensão reflexiva individual dos personagens, sua pergunta sobre a própria existência, e sua resposta, que com sistema escapa à vida humana comum escapando a eles próprios, interessa um tanto mais do que a forte impressão do grotesco histórico sem limites do caso geral.

Entre a vida alienada, o cálculo permanente, o grito como palavra, o ódio pelo companheiro, a disputa política como dissimulação absoluta e o entendimento de nossas vidas civis como espécie de lama, mole e sem caráter, Verdade ilumina uma verdade obscura que nos diz respeito e não devia. A da força simples e de raiz da coisa infinitamente positiva do militar entre nós.

*Tales Ab´Sáber é professor do Departamento de Filosofia da Unifesp. Autor, entre outros livros de O soldado antropofágico: escravidão e não-pensamento no Brasil (n-1 Hedra).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • Rio Grande do Sul – o desmantelamento do estadoAmélia Cohn 21/05/2024 Por AMÉLIA COHN: A catástrofe climática no Rio Grande do Sul não configura-se mais como uma tragédia repetida como farsa, pois não é a primeira enchente que devasta o estado e a capital gaúcha
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES