As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Doze dias

Paul Klee, Barcos a vela, 1927
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o romance de Tiago Feijó

Albert Camus disse, em sua obra O Mito de Sísifo, que só há um problema filosófico verdadeiramente sério: o suicídio. Se a vida vale a pena ser vivida é, para o escritor argelino, questão advinda de uma reflexão sobre a falta de controle sobre o destino, sobre as engrenagens sociais que determinam e conformam vidas, sobre os grilhões éticos e morais que nos aprisionam.

O romance Doze dias, de Tiago Feijó, não trata de suicídio, mas em vários momentos traz à tona estas questões. Ao mergulhar no difícil reencontro entre um filho e um pai que não se veem há quinze anos, na UTI de um hospital, o autor nos envolve em um tempo-espaço sem contornos definidos, onde os dias variam de ordem e os fatos pouco a pouco vão revelando nuances sobre os personagens.

O que poderia resultar num drama sombrio e masoquista é contornado com habilidade por Tiago Feijó. Ao introduzir um casal de velhos na mesma antessala de UTI, que vai interagir com o pai e filho por alguns dias, ele coloca a possibilidade de vidas felizes, de esperança de cura, descrevendo o fervor simplório de quem acredita em milagres. Um luminoso contraponto ao cinzento horizonte em que se encontram os protagonistas.

Outros personagens saem da penumbra. A mãe, separada há muitos anos do senhor Raul, e que criou o filho Antônio praticamente sozinha (supomos). A meia irmã, que ele mal conhece, a segunda mulher do pai, que faz uma aparição fugaz. As enfermeiras, sempre eficientes e insuficientes. Em alguns momentos a narrativa sai do hospital e acompanha o filho que retorna à casa paterna agora vazia, em Lorena, para regar as plantas a pedido do pai.

O grande personagem de Doze dias é o narrador. Onisciente, dialoga com o leitor ora descrevendo o estado mental dos protagonistas, ora antecipando ações que só ocorrerão algumas páginas depois. Desnuda com detalhes a vida dissoluta do senhor Raul, revela as inseguranças do filho, não perde tempo em detalhes dos personagens secundários.

Tiago Feijó controla com maestria todos as camadas da narrativa, e entrega um belo romance onde o leitor vai compartilhar um drama que está presente na vida de milhões de pessoas que sentem na proximidade da morte uma natural compulsão a reavaliar seus laços familiares, suas relações afetivas, e também a sua própria vida. Sem a pretensão de dar lições, mas de fazer boa literatura.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referência

Tiago Feijó. Doze Dias. São Paulo, Penalux, 2022, 186 págs.
https://amzn.to/45XRVl9


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Capel Narvai Marcelo Módolo José Luís Fiori Priscila Figueiredo Leonardo Boff Paulo Nogueira Batista Jr Everaldo de Oliveira Andrade André Singer Anselm Jappe Ricardo Musse Atilio A. Boron Paulo Sérgio Pinheiro Bento Prado Jr. João Feres Júnior Anderson Alves Esteves Francisco Pereira de Farias Eugênio Trivinho Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco Fernandes Ladeira Luiz Carlos Bresser-Pereira João Paulo Ayub Fonseca Francisco de Oliveira Barros Júnior Jean Marc Von Der Weid Michael Löwy Rodrigo de Faria Renato Dagnino Chico Alencar Paulo Martins Roberto Noritomi Marcos Silva Flávio R. Kothe Ricardo Antunes Henry Burnett Heraldo Campos Igor Felippe Santos Thomas Piketty Ladislau Dowbor Ronald León Núñez Ari Marcelo Solon Eleonora Albano Ricardo Fabbrini Mariarosaria Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre de Freitas Barbosa Michael Roberts Luiz Eduardo Soares Fernando Nogueira da Costa Luciano Nascimento Gilberto Lopes Marcos Aurélio da Silva Marcus Ianoni Alexandre de Lima Castro Tranjan José Geraldo Couto João Carlos Loebens José Dirceu Alexandre Aragão de Albuquerque Bruno Machado Chico Whitaker Tadeu Valadares João Carlos Salles Kátia Gerab Baggio Fábio Konder Comparato Luiz Marques Caio Bugiato Celso Frederico Dênis de Moraes Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Roberto Alves José Micaelson Lacerda Morais Marcelo Guimarães Lima Leonardo Sacramento Otaviano Helene João Lanari Bo Daniel Costa José Machado Moita Neto Ricardo Abramovay Daniel Brazil Leonardo Avritzer Salem Nasser Jean Pierre Chauvin Eugênio Bucci Jorge Luiz Souto Maior Maria Rita Kehl Luís Fernando Vitagliano Gabriel Cohn Valério Arcary Marjorie C. Marona Vanderlei Tenório Rubens Pinto Lyra Rafael R. Ioris Sandra Bitencourt Denilson Cordeiro André Márcio Neves Soares João Adolfo Hansen Manuel Domingos Neto Eliziário Andrade Leda Maria Paulani Jorge Branco Samuel Kilsztajn Roberto Bueno Yuri Martins-Fontes Luis Felipe Miguel Henri Acselrad Liszt Vieira Gilberto Maringoni Luiz Costa Lima Vinício Carrilho Martinez Annateresa Fabris Elias Jabbour Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt Carlos Tautz Armando Boito Andrew Korybko Mário Maestri Daniel Afonso da Silva Afrânio Catani Walnice Nogueira Galvão Claudio Katz Remy José Fontana Fernão Pessoa Ramos Ronald Rocha Boaventura de Sousa Santos Sergio Amadeu da Silveira José Raimundo Trindade José Costa Júnior Berenice Bento Eleutério F. S. Prado Bernardo Ricupero Tales Ab'Sáber Lorenzo Vitral Paulo Fernandes Silveira Julian Rodrigues João Sette Whitaker Ferreira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Renato Martins Marilia Pacheco Fiorillo Osvaldo Coggiola Alysson Leandro Mascaro Celso Favaretto Lincoln Secco Flávio Aguiar Carla Teixeira Eduardo Borges Dennis Oliveira Juarez Guimarães Airton Paschoa Marilena Chauí Antonio Martins Milton Pinheiro Manchetômetro Gerson Almeida Luiz Werneck Vianna Antonino Infranca Tarso Genro Vladimir Safatle Luiz Bernardo Pericás Érico Andrade Antônio Sales Rios Neto Slavoj Žižek

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada