De pires na mão

Imagem: Gritt Zheng
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO ABRAMOVAY*

A retórica e a prática do governo tentam legitimar uma espécie de liberalismo miliciano.

Tontura, olhos pesados, um sono profundo e você só acorda no dia seguinte. Aí percebe que está num mundo novo. Não é mais possível qualquer atividade que conduza à emissão de gases de efeito estufa. O cidadão norte-americano, canadense ou chinês não pode tirar o carro da garagem. Luz elétrica ou internet, só algumas poucas horas por dia, já que a matriz energética destes países (e da maior parte dos outros) depende da queima de combustíveis fósseis. Se a vida não parar, o colapso do sistema climático, as secas, os incêndios, os furacões e a subida no nível do mar vão se tornar ainda mais destrutivos.

A pandemia ofereceu uma versão suave deste cenário apocalíptico. Em média, durante 2020, as emissões de gases de efeito estufa tiveram, globalmente, retração inédita de 7%. Tal declínio só foi alcançado com uma redução brutal das atividades econômicas e da interação social.

O ritmo de queda da dependência humana dos combustíveis fósseis é muito mais lento do que o necessário para evitar a intensificação dos eventos climáticos extremos. Por isso, Estados Unidos e União Europeia comprometem-se a reduzir pela metade suas emissões nos próximos dez anos. E, claro, não querem fazer isso paralisando a vida econômica.

O caminho então é duplo: em primeiro lugar, enfrentar interesses poderosos que ajudam a perenizar nossa dependência dos combustíveis fósseis. O mais importante, porém, é que estas metas só serão alcançadas caso melhorem muito as tecnologias ligadas às energias renováveis modernas e a sua armazenagem, para contrabalançar a intermitência da solar e da eólica.

Nos EUA serão introduzidos 50 milhões de automóveis elétricos e três milhões de pontos de abastecimento dos veículos com energia elétrica até 2030. A siderurgia, a produção de cimento e outros setores altamente dependentes de emissões terão que ser transformados e muito rapidamente. A agropecuária também terá que emitir muito menos que hoje.

São transformações que vão exigir investimentos altíssimos, mudanças de hábitos, novos padrões de produção e de consumo. E tudo isso só será possível se a ciência avançar e abrir caminho a tecnologias que tornem viáveis estes novos padrões. Em outras palavras, o que os especialistas chamam de “descabonização profunda” (que terá de ocorrer nos próximos dez anos) atinge diretamente a vida cotidiana dos cidadãos, a oferta de bens e serviços e tudo isso supõe pesquisa de ponta.

E nós? O dado mais importante para a reunião climática convocada pelo presidente Biden é que entre os dez maiores emissores globais, o Brasil é hoje o único (junto com a Indonésia) em que quase metade das emissões de gases de efeito estufa vem do desmatamento. Ora, zerar o desmatamento não depende de ciência e tecnologia, não exige novos hábitos nem de produção nem de consumo.

Se você é o cidadão que caiu em sono profundo e acordou num mundo de desmatamento zero, sua comida não ficará mais cara, seus hábitos de consumo não serão modificados, nem serão necessárias transformações estruturais na vida econômica e social de seu país. Haverá, é verdade, alguma redução na renda gerada pelo desmatamento, vinculada frequentemente a trabalho escravo e a menor compra de equipamentos para a ocupação de áreas públicas, invasão de terras indígenas e para a mineração ilegal.

Hoje, se o desmatamento cresce e se o Governo Federal tenta fazer crer ao mundo que zerar a destruição é tão difícil quanto descarbonizar a matriz dos transportes e da energia, isso se deve a uma razão: é que a retórica e a prática do Planalto e da Esplanada dos Ministérios tentam legitimar uma espécie de liberalismo miliciano em que atividades sabidamente criminosas e destrutivas buscam aparecer como se fossem a expressão máxima das virtudes do empreendedorismo. É esta gente, que depende politicamente da apologia ao crime e da tentativa de sua legalização, que vai agora alegremente a Washington de pires na mão. E voltarão, de mãos abanando, dizendo, ferozes, que os outros fazem pouco para combater a crise climática.

*Ricardo Abramovay é professor sênior do Programa de Ciência Ambiental do IEE/USP. Autor de Amazônia: Por uma Economia do Conhecimento da Natureza (Elefante/Terceira Via).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Benicio Viero Schmidt Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Martins Mariarosaria Fabris Andrew Korybko Rafael R. Ioris José Raimundo Trindade Lucas Fiaschetti Estevez Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva Leonardo Sacramento Alexandre de Lima Castro Tranjan Otaviano Helene Fábio Konder Comparato Michael Löwy Milton Pinheiro Rubens Pinto Lyra Ricardo Abramovay Berenice Bento Everaldo de Oliveira Andrade Ronald Rocha Valerio Arcary Luís Fernando Vitagliano Antonio Martins José Micaelson Lacerda Morais José Costa Júnior João Paulo Ayub Fonseca Remy José Fontana Ari Marcelo Solon Luiz Carlos Bresser-Pereira Lincoln Secco Marcelo Módolo Érico Andrade Heraldo Campos Anselm Jappe Daniel Brazil Celso Favaretto Eugênio Bucci Liszt Vieira Jorge Branco Luiz Roberto Alves Leda Maria Paulani João Adolfo Hansen Luciano Nascimento Antônio Sales Rios Neto João Lanari Bo Marjorie C. Marona Renato Dagnino Jorge Luiz Souto Maior Antonino Infranca Caio Bugiato Eleonora Albano Bruno Fabricio Alcebino da Silva Yuri Martins-Fontes Tarso Genro Jean Marc Von Der Weid Eduardo Borges Osvaldo Coggiola Leonardo Boff Boaventura de Sousa Santos Ladislau Dowbor Vinício Carrilho Martinez Ricardo Fabbrini Carlos Tautz Francisco Pereira de Farias Anderson Alves Esteves Fernão Pessoa Ramos Marilena Chauí Rodrigo de Faria Julian Rodrigues Bernardo Ricupero Tadeu Valadares Gabriel Cohn Fernando Nogueira da Costa Gilberto Lopes Gilberto Maringoni Tales Ab'Sáber Bruno Machado Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser Manchetômetro Matheus Silveira de Souza Juarez Guimarães Eleutério F. S. Prado Vladimir Safatle Sergio Amadeu da Silveira Sandra Bitencourt Armando Boito Paulo Capel Narvai Paulo Fernandes Silveira Flávio Aguiar Lorenzo Vitral Luis Felipe Miguel Luiz Renato Martins Afrânio Catani Thomas Piketty José Machado Moita Neto Mário Maestri Dênis de Moraes Ricardo Musse Henri Acselrad Airton Paschoa João Carlos Loebens Claudio Katz Michael Roberts José Dirceu Eugênio Trivinho João Feres Júnior José Geraldo Couto Chico Alencar Henry Burnett Samuel Kilsztajn Andrés del Río Paulo Nogueira Batista Jr Jean Pierre Chauvin Francisco Fernandes Ladeira Slavoj Žižek Atilio A. Boron Marcos Aurélio da Silva Annateresa Fabris Chico Whitaker Alexandre de Freitas Barbosa Eliziário Andrade Carla Teixeira Kátia Gerab Baggio Luiz Marques Marcus Ianoni Priscila Figueiredo Marcelo Guimarães Lima Walnice Nogueira Galvão Ronald León Núñez Bento Prado Jr. Elias Jabbour Luiz Bernardo Pericás Daniel Afonso da Silva Maria Rita Kehl Manuel Domingos Neto Vanderlei Tenório Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Eduardo Soares André Márcio Neves Soares Igor Felippe Santos Paulo Sérgio Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira Valerio Arcary José Luís Fiori Ronaldo Tadeu de Souza Denilson Cordeiro Alexandre Aragão de Albuquerque João Carlos Salles Gerson Almeida Daniel Costa Celso Frederico Flávio R. Kothe Michel Goulart da Silva Ricardo Antunes Dennis Oliveira André Singer Luiz Werneck Vianna Leonardo Avritzer

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada