As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Fragmentos IX

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Airton Paschoa*

Seis peças curtas

Como conversar com fascista

Em penhor de trato civilizado, sem o que não fora diálogo, mister é que ostente mente aberta. Atados sob a mesa pés e mãos, enfie-lhe a cabeça, aos tapas se preciso, na abertura ao centro dela, a tal fim destinada, e regule o garrote ao lado, suspendendo-o pelos cabelos, senão pelas orelhas, se deles desprovido, até imobilizar-lhe o pescoço, na expectativa de calar calão de gogó giratório. Uma boa machadadinha, vistosa e vertical, partindo ao meio a cabaça, o habilita a ouvi-lo em condições controladas. Em hipótese alguma se recomenda, a exemplo de macacos vivos, gostar-lhe o miolo mole, cuja aparência de cogumelo venenoso não deve enganar. Jogue fora tudo e passe ao próximo.

B.P.

No bilhete de papelão pregado com prego grosso e fundo no peito do samango se soletrava entre pegadas de terra e sangue pisado à guisa de pontuação: “MEGANHAS QUE ARREPIAM ARREGANHAMOS B.P.” Brigada Popular penso traduzir a sigla — com duas bic perfurações rematando as vezes dos pontos. A transcrição não reproduz as letras de fôrma rasgadas, talvez tremidas. Não tremia mais o corpo pendurado no improvisado varal, como a aludir à impossibilidade de lavar farda suja em casa. Cogitações agitadas, queiram perdoar, de quem tremia no lugar, da cabeça que rodava aos pés e pernas sem rodelas, incapaz de ajoelhar, possuído daquela emoção estranha, estética quase, que topamos ao dar com assalto a banco bem-feito, sem vítima. Sensação símil, não sei, sei apenas que tremia, sabe deus se do vento ou advento.

Franco atirador

Tiro e queda. O capacete cheio voa mais longe que a moto desgovernada. Descabeçado, o boneco desvia do poste e esborracha contra o paredão. Na mosca! Deleite inda maior quando estrebucha, eletrizado, antes de esticar as canelas. Escola por quê? Gostoso é rebentá-los robustos. Ou templo. Mandá-los ao inferno — orando?! Não aprendeu nada com Hamlet, o vacilão? Aguardá-los sair é o mandamento e, ao aspirarem fundo o éter capitoso da soberba manhã de domingo, dando graças in pectore ao milagre de existir, encher-lhes de chumbo grosso o pulmão pavão, abrindo a calda rubro-gosma e a geleia de olhinhos. Não, não tem ação mais sustentável que estourar miolos. Eis o que nos estrema do frango atirador. Descansar o queixo na boca do cano, à espera da declaração fogosa, e atacar com as mãos bobas as partes baixas, internas, os dois buracos em torno, os dedos caprichando, desenhistas, contornando-o, G — o ponto, G de gozo & gatilho.

Chegada

Pelo menos arranjara o que fazer. A número 1 resplandecia de cara contra o fundo transparente do soro. Devia ser a apresentadora do circo. Era abrir as cortinas e dar com ela, esfregando as patinhas de contentamento, como que a anunciar o maior espetáculo vivo da Terra. Apareciam de noite, acho que voavam, que é quando acordava. Ou quando achava que acordava e voavam. A número 2 fazia mais suspense. Mimetizando o fundo de sangue, permitia entrever de relance uma antena distraída, um fiapo dela a acenar aos fãs. Estava ali a artista, o público sentia, de respiração entrecortada. Isto quando não despedia de entrada, pra variar o número, inesperada e circular carreira, voltando ao bastidor, à mostra largando uma perninha, senão o curvo traseiro, como boa dançarina de cancã. Só não gostava quando aparecia a número 3 ou a número 4, que tumultuavam a largada. Felizmente costumava acontecer só mais tarde, à maneira do público invadindo a pista na reta de chegada. No começo não. No começo a número 1 dava sua volta de apresentação inaugural e ficava aguardando a número 2 dar o ar da graça, descer pelo fio e finalmente debutar em asqueroso esplendor, de dentro da bolsa como que saindo e largando de rasto o filete de sangue.

Não sabia quanto tempo demoravam, tantas as marchas e contramarchas e, por que não confessar a esta altura? um ou outro cochilo, mas tinha certeza que chegavam. Aí era divertido; embora não as visse, podia senti-las, as atletas rebolando por não se afogarem no peito peludo. E antes de ganharem as margens do leito, extenuadas mas salvas, levava-o a sorrir, em pensamento, intubado que estava, a cosquinha involuntária do nado desesperado. Agora era esperar e apostar em outra corrida.

Metamorfose

Daqui a um ou dois séculos, quando o homem for varrido da face da terra e as baratas baterem palminhas de contentes, restará o Livro. Dali a um ou dois séculos, quando tiverem decifrado os rastos negros largados em paredes tão finas, exultarão com a meta formosa do antigo mundo, a grande Mãe original rompendo da casca humana. A crítica antenada enaltecerá então o parabólico rapsodo, o qual, com as orelhas pontiagudas de um K, pressentia já despontando as parábolas do Jazigo Final.

Queima total

Quando a Terra não for mais que um cemitério lunar a girar espaço fora, não faltarão lápides (aceitam-se encomendas) para todos os gostos. Um livro, um quadro, um carro, um jazigo, um violino, um viaduto, um shopping… Nada como a livre escolha! Hão de faltar leitores, apreciadores, artistas, engenheiros, coveiros, consumidores, em suma, mas não devemos, para além da etiqueta, lastimá-la, a queima de estoque. Uma humanidade 80% off vive em liquidação.

*Airton Paschoa é escritor, autor, entre outros livros, de A vida dos pinguins (Nankin, 2014).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Carlos Salles Alexandre Aragão de Albuquerque Marcos Aurélio da Silva Walnice Nogueira Galvão Mariarosaria Fabris Henry Burnett Leonardo Boff Flávio Aguiar Michael Löwy Lorenzo Vitral José Dirceu Leonardo Avritzer Alexandre de Lima Castro Tranjan Érico Andrade Samuel Kilsztajn Vanderlei Tenório Juarez Guimarães Everaldo de Oliveira Andrade Anderson Alves Esteves Leda Maria Paulani Francisco Pereira de Farias Berenice Bento José Micaelson Lacerda Morais José Luís Fiori Vladimir Safatle Rafael R. Ioris Valerio Arcary Bento Prado Jr. Leonardo Sacramento Tarso Genro Marcelo Módolo Antônio Sales Rios Neto Renato Dagnino Luís Fernando Vitagliano Ari Marcelo Solon Vinício Carrilho Martinez Ricardo Abramovay Armando Boito Paulo Fernandes Silveira Mário Maestri Paulo Sérgio Pinheiro Valério Arcary Michael Roberts Luiz Costa Lima Fábio Konder Comparato Anselm Jappe João Sette Whitaker Ferreira João Feres Júnior João Paulo Ayub Fonseca Marcelo Guimarães Lima Paulo Nogueira Batista Jr Marilia Pacheco Fiorillo Manuel Domingos Neto Roberto Bueno André Singer Ronaldo Tadeu de Souza Rodrigo de Faria Luiz Bernardo Pericás Andrew Korybko Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Branco Salem Nasser Francisco Fernandes Ladeira Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Dennis Oliveira Luiz Roberto Alves Thomas Piketty Sergio Amadeu da Silveira Sandra Bitencourt João Lanari Bo José Costa Júnior José Raimundo Trindade Priscila Figueiredo Luiz Eduardo Soares Celso Favaretto Alysson Leandro Mascaro Tales Ab'Sáber Eugênio Bucci João Carlos Loebens Bruno Machado Manchetômetro Marjorie C. Marona Boaventura de Sousa Santos Carla Teixeira Ronald Rocha Carlos Tautz Antonino Infranca Francisco de Oliveira Barros Júnior Annateresa Fabris Eleonora Albano Ronald León Núñez Daniel Afonso da Silva Yuri Martins-Fontes Atilio A. Boron Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Fabbrini Slavoj Žižek Chico Alencar Osvaldo Coggiola Gabriel Cohn Claudio Katz Luiz Renato Martins Marilena Chauí Denilson Cordeiro Gerson Almeida Eugênio Trivinho Kátia Gerab Baggio Rubens Pinto Lyra Ricardo Antunes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Martins Fernão Pessoa Ramos Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Machado Moita Neto Dênis de Moraes Eliziário Andrade Gilberto Maringoni Julian Rodrigues André Márcio Neves Soares Henri Acselrad Paulo Capel Narvai Otaviano Helene Daniel Costa Marcus Ianoni José Geraldo Couto Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Bernardo Ricupero Flávio R. Kothe Daniel Brazil Afrânio Catani Luiz Carlos Bresser-Pereira Lincoln Secco Liszt Vieira Alexandre de Freitas Barbosa Marcos Silva João Adolfo Hansen Gilberto Lopes Luciano Nascimento Roberto Noritomi Tadeu Valadares Remy José Fontana Caio Bugiato Ricardo Musse Airton Paschoa Jean Pierre Chauvin Antonio Martins Heraldo Campos Chico Whitaker Luis Felipe Miguel Maria Rita Kehl Benicio Viero Schmidt Luiz Werneck Vianna Luiz Marques Ladislau Dowbor Celso Frederico Elias Jabbour Jean Marc Von Der Weid Eduardo Borges

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada