As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A Volkswagen e o terrorismo de Estado

Imagem: Paulinho_Fluxuz
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANTÔNIO PINHEIRO SALLES*

A Volkswagen teve uma inequívoca participação nas articulações do golpe de 1964

As trabalhadoras e os trabalhadores brasileiros estão com os olhos voltados para a empresa alemã Volkswagen. É que ela teve uma inequívoca participação nas articulações do golpe de 1964, desde que, como proeminente associada, manteve estreitas ligações políticas e econômicas com o Ipes (Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais) e o Ibad (Instituto Brasileiro de Ação Democrática). Ambas as organizações subordinadas à CIA (Central Intelligence Agency). Consequentemente, a empresa muito contribuiu na deposição do presidente João Goulart (1962-1964). Além disso, recorrendo à experiência adquirida junto ao nazismo, na Alemanha, sua montadora no ABC paulista foi transformada em algo semelhante a um campo de concentração.

Os operários passaram a conhecer métodos de opressão e perseguição como os ditados, anos atrás, por Adolf Hitler. Eram observados, vigiados, espionados, seguidos, num permanente clima de insegurança e apreensão. Alguns funcionários, cumprindo ordens superiores, passaram a exercer o espúrio papel de informantes, delatores, arapongas, alcaguetes, dedos-duros. Assim, as prisões se sucediam. Trabalhadores eram conduzidos para os porões da ditadura, torturados, assassinados ou processados, condenados, fichados, demitidos, impossibilitados de conseguir novo emprego. Pior ainda: a Volkswagen estava na linha de frente das empresas que, em parceria com a ditadura militar, viabilizaram a instalação e manutenção dos aparelhos repressivos do Estado, priorizando o Dops (Departamento de Ordem Política e Social) e o DOI-Codi, Oban (Destacamento de Operações e Informações – Centro de Operações de Defesa Interna, Operação Bandeirantes).

No momento em que atravessamos os turvos tempos do bolsonarismo, com a agravante da Covid-19, adquire relevância internacional a construção de um memorial que resgate e preserve a história das lutas dos trabalhadores contra os malefícios que infelicitaram a nação brasileira. O projeto tem integral apoio das centrais sindicais, de movimentos sociais e personalidades comprometidas com a democracia e a defesa dos direitos humanos. Todos compreendem que recuperar a memória significa sustentar a resistência, reconquistar a esperança. Jamais se poderia permitir a repetição de tragédias superadas com o sangue de mulheres e homens que recusaram a convivência com o arbítrio e a violência institucionalizada.

A Volkswagen foi investigada pelo GT Ditadura e Repressão aos Trabalhadores e o Movimento Sindical (GT-13), da Comissão Nacional da Verdade (CNV), por Comitês e outras Comissões da Verdade de São Paulo, sendo a empresa responsabilizada pela sua atuação ao lado do governo militar. Ao final do funcionamento da CNV, em 2014, divulgou-se um documento com uma série de recomendações, considerando o resultado das provas levantadas contra “empresários, bem como empresas privadas e estatais”. O GT recomendou, inclusive, “o resgate da memória de luta dos/as trabalhadores/as que garanta a reparação histórica, somando-se à reparação econômica, sob responsabilidade do Estado e das empresas envolvidas com a repressão”.

Em setembro de 2015, o Fórum de Trabalhadores por Verdade, Memória, Justiça e Reparação, várias instituições, entidades e personalidades apresentaram, contra a Volkswagen, uma denúncia ao Ministério Público Federal, em São Paulo. Desde essa ocasião, quando houve o protocolo da representação e abertura do inquérito, vem sendo reivindicada a construção de um Centro de Memória das Lutas dos Trabalhadores e da Participação Empresarial no Terrorismo de Estado. Logo, ainda no mês de setembro, a empresa informou à imprensa que estudava, “entre outras iniciativas, fazer um memorial” (Estadão, 1º de novembro de 2015). Em 2017, efetivamente, deu-se início a um processo de negociações. Só que hoje, quando o Brasil suporta um governo que defende torturadores e ditaduras, a Volkswagen recua e procura a justificativa da Covid-19 para suspender as negociações em andamento.

Lembre-se que a empresa, durante o nazismo na Alemanha (1933-1945), escravizou judeus e outros operários na fabricação de veículos para o exército de Hitler. Terminou assumindo sua responsabilidade, mas em 1998. Por exigência judicial, criou um fundo milionário para indenizar suas vítimas. Aqui, entretanto, alega que, com a pandemia da Covid-19, somou um prejuízo de 1,4 bilhão de euros, ficando sem condições de tratar da questão. Não informa, porém, que faturou 17 bilhões de euros no ano passado (hoje, 112 bilhões e 71 milhões de reais). São pertinentes, por conseguinte, as seguintes perguntas: 1) O que representa para a Volkswagen meia centena de indenizações de operários brasileiros? 2) A criação de um lugar de memória, um memorial, quebraria a Volkswagen? 3) Para financiar o golpe ditatorial de 1964, a instalação e manutenção de centros de terror no Brasil, teria faltado dinheiro? 4) Quanto a empresa lucrou, e aumentou seu patrimônio, levando apoio à ditadura militar?

Que a Volkswagen reveja sua decisão e, sem demora, dê continuidade às negociações. Que isso seja feito com expresso desejo de atendimento às justas, legítimas, humanas e democráticas reivindicações de mulheres e homens sofridos, mas honrados, que nunca perderam a disposição para enfrentamento dos desafios. O nazismo foi derrotado (para que não seja esquecido e repetido, uma parcela dos seus crimes contra a humanidade está registrada no Museu Topografia do Terror, em Berlim). Trump tem seus dias contados nos dedos da mão direita. No Brasil, a ditadura militar não perdurou como seus artífices equivocadamente vaticinaram. Os nebulosos tempos atuais não impedem ninguém de enxergar as luzes acesas no horizonte. Nenhuma empresa conseguiria deter a inexorável marcha da história.

Mais que a solução do caso em pauta, sem meias palavras, protelações e dificuldades, um pedido de desculpas deve ser formalizado à classe trabalhadora e ao povo brasileiro. Sabe-se que abalada se encontra a credibilidade da empresa, até já experimentando a necessidade de contornar uma ameaça de boicote no mercado norte-americano. Certamente não lhe seria producente o agravamento de crises, com o advento de problemas maiores. Reconhecendo o significado dos altos lucros que lhe são assegurados a cada ano, com ajuda da barata força de trabalho, a Volkswagen não negligenciaria na pretensão de continuar vendendo seus carros em nosso país. Não existe dúvida: se os sobreviventes das masmorras estão morrendo, multiplica-se o número de pessoas aglutinadas em torno dos seus direitos e objetivos.

Não serão perdoados os horrores impostos às vítimas diretas e aos seus familiares, principalmente com a participação da Volkswagen do Brasil. Ditadura nunca mais!

*Antônio Pinheiro Salles é jornalista. Autor do livroNinguém Pode se Calar – Depoimento na Comissão Nacional da Verdade.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Annateresa Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronaldo Tadeu de Souza José Dirceu José Costa Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Afonso da Silva Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Bucci Alysson Leandro Mascaro Igor Felippe Santos Liszt Vieira João Adolfo Hansen Leonardo Boff Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo Ronald León Núñez Ronald Rocha Caio Bugiato Luiz Costa Lima Luiz Bernardo Pericás Heraldo Campos Alexandre de Freitas Barbosa Vanderlei Tenório Renato Dagnino Alexandre de Lima Castro Tranjan João Carlos Salles Bruno Machado Everaldo de Oliveira Andrade Manchetômetro João Sette Whitaker Ferreira Henri Acselrad Tarso Genro Gilberto Maringoni Tales Ab'Sáber Ricardo Antunes Bento Prado Jr. Tadeu Valadares Slavoj Žižek Paulo Martins Atilio A. Boron Marilena Chauí Francisco de Oliveira Barros Júnior Afrânio Catani Luís Fernando Vitagliano Dennis Oliveira Valério Arcary Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral Marcelo Guimarães Lima Julian Rodrigues Fábio Konder Comparato Francisco Fernandes Ladeira José Geraldo Couto Michael Löwy José Micaelson Lacerda Morais Lucas Fiaschetti Estevez Chico Alencar Jean Marc Von Der Weid Marcos Aurélio da Silva Sandra Bitencourt Airton Paschoa Boaventura de Sousa Santos Carlos Tautz Chico Whitaker José Luís Fiori José Raimundo Trindade Eugênio Trivinho Leonardo Avritzer Marcelo Módolo Thomas Piketty Michael Roberts Bernardo Ricupero Juarez Guimarães Paulo Capel Narvai Marcos Silva Jean Pierre Chauvin Elias Jabbour João Lanari Bo Maria Rita Kehl Francisco Pereira de Farias Eduardo Borges Celso Favaretto Henry Burnett Priscila Figueiredo Flávio Aguiar Ladislau Dowbor Ricardo Fabbrini Mariarosaria Fabris Ricardo Musse Otaviano Helene Roberto Noritomi Leda Maria Paulani Salem Nasser Daniel Costa Marjorie C. Marona Luiz Renato Martins Kátia Gerab Baggio Rubens Pinto Lyra Luis Felipe Miguel Lincoln Secco João Feres Júnior Gerson Almeida Remy José Fontana Celso Frederico Eleonora Albano Luiz Roberto Alves Fernão Pessoa Ramos Eleutério F. S. Prado Marcus Ianoni Gabriel Cohn Vinício Carrilho Martinez Benicio Viero Schmidt Denilson Cordeiro Érico Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Brazil Anderson Alves Esteves Carla Teixeira Luiz Eduardo Soares Berenice Bento João Carlos Loebens Flávio R. Kothe Ari Marcelo Solon Paulo Fernandes Silveira José Machado Moita Neto Luiz Marques Roberto Bueno Antonino Infranca Mário Maestri Gilberto Lopes Rafael R. Ioris Luciano Nascimento João Paulo Ayub Fonseca Osvaldo Coggiola Alexandre Aragão de Albuquerque Samuel Kilsztajn Milton Pinheiro Rodrigo de Faria Luiz Werneck Vianna Anselm Jappe André Singer Ricardo Abramovay André Márcio Neves Soares Antonio Martins Armando Boito Leonardo Sacramento Vladimir Safatle Manuel Domingos Neto Walnice Nogueira Galvão Valerio Arcary Paulo Sérgio Pinheiro Dênis de Moraes Yuri Martins-Fontes Eliziário Andrade Fernando Nogueira da Costa Jorge Luiz Souto Maior Jorge Branco Andrew Korybko

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada