As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

José Almino Alencar, poeta

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Prefácio a um livro ainda inédito do escritor pernambucano

Por Maria Rita Kehl*

Tive a sorte de conhecer José Almino quando o escritor foi convocado a nos ajudar nas pesquisas da Comissão Nacional da Verdade, em 2013. Até então, não tinha tido contato com sua poesia. Li, encantada, os poemas de A estrela fria, (Companhia das Letras, 2010). Me fizeram lembrar a economia de metáforas de Francisco Alvim – mas onde o minimalismo de Alvim é predominantemente irônico, o de Almino não perde a ternura. Como neste poema curto, que dá nome ao livro:

De longe/ a infância queima:/ ela é a luz de uma estrela fria.

Depois de saber de meu encantamento com os poemas, Almino me apresentou a suas crônicas (O motor da luz, Editora 34, 1994), também excelentes. Com a mesma precisão, a mesma economia de metáforas e de adjetivos e com o mesmo olhar enternecido, o poeta compõe, ali, retratos de tipos populares de Recife, muitos deles frequentadores da casa da família. Tenho em mãos, agora, Encouraçado e cozido dentro da pele, versos de sua leva recente

A expressão que me ocorre ao pensar na poesia de Zé Almino é pedestre. O adjetivo não designa uma poesia banal; é bem o contrário disso. É que o olhar do poeta abrange – sem perder a ternura – o que se passa nas calçadas e nas ruas do Recife. Nem por isso o leitor deve esperar pouco de seus versos. O que se “eleva”, aqui, não é o tom: é a simpatia do autor por todos, por qualquer um, pelos tipos mais comuns de sua Recife natal. Mas como consegue combinar tão bem a ternura e o distanciamento exigido pela boa poesia?

Dizer de sua pegada irônica não esclarece muita coisa: a ironia marca a poesia moderna pelo menos desde Baudelaire. Mas neste poeta, a ironia não vem para revelar o distanciamento crítico do poeta em relação a seu objeto e promover a mesma disposição afetiva no leitor. Ou pelo menos, não serve apenas a este propósito. Me parece que o uso da ironia, em José Almino, vem para temperar a vastíssima ternura que banha sua voz poética:

E a suavidade das presenças fraternas/ e a consolação dos aflitos/ O oco do mundo.

Como no livro anterior, vários poemas deste atual também descrevem personagens pernambucanos do século passado. Quero dizer: o vinte. São tipos populares com que o poeta conviveu desde a infância em Recife, à época uma cidade progressista com traços inevitavelmente provincianos. Alguns desses personagens viviam, ou compareciam, na própria casa da família; outros chegavam no portão a procurar ajuda de seu pai, o governador Miguel Arraes, mais tarde cassado e exilado pela ditadura – a família toda mudou-se para a Argélia, que depois da guerra da independência contra a França passou por um período progressista.

Em breves linhas, à maneira de caricaturas, o poeta nos transmite os traços essenciais dos personagens que inspiram sua poesia: neste aqui o falso ar blasé esconde a tristeza; no outro, nota-se o jeito manso de andar. Uma frase do poeta dirigida ao leitor resume o doutor Nazareno: “Mulato de terno branco e gravata grená”. Nos idos do século vinte, um mulato bem vestido seria considerado pernóstico?  Nazareno é doutor. É bovarista. Mas a primeira palavra com que o poeta o define, na intenção de chacoalhar o leitor, é mulato. Já o uso do termo “bovarismo”, eu diria que resume a melancolia brasileira: pretensões fracassadas, semblants adotados por um pobre coitado, (como qualquer brasileiro pé de chinelo, qualquer pobre diabo como nós), na ilusão de – como a Emma de Flaubert – “tornar-se outro”.

No entanto o recurso – marca de Almino desde o livro anterior – de inserir no meio de seus poemas trechos de versos de poetas canônicos da melhor cepa dos séculos dezenove e vinte, não é, como poderia parecer, bovarista. Penso que, bem ao contrário, indicam que o autor abdica de qualquer pretensão de autoria absoluta, narcisista, de seus poemas. Sem tirar o chapéu, sem “licença meu branco[i]”, José Almino exige docemente do leitor o reconhecimento de que sua poesia navega no grande oceano onde navegaram Baudelaire, Rilke, Valéry, T.S.Eliot, Emilly Dickinson, assim como seus conterrâneos Joaquim Cardoso, Manuel Bandeira e João Cabral.

E notem como este pernambucano sutil, “comovido feito o diabo[ii]” com a condição do povo à sua volta, está à vontade nesse panteão! Ele nos introduz no ambiente erudito de seus melhores amigos literários para, em seguida, desapear o leitor:

…que me agarrei ia infância/ que me agarrei na esperança… depois, a contrapelo:  que me agarrei no pandeiro.

No pandeiro: recurso do povo, instrumento rítmico só nosso – motor do carnaval. Em que qualquer pé de chinelo pode se agarrar em troca de uns tostões de alegria.

A enorme simpatia pelos tipos populares de sua terra não deve ser razão para que o leitor dessa poesia se instale no conforto das emoções fáceis. José Almino anda no fio da navalha. Sabe se comover – e comover-nos – sem qualquer auto complacência.

Num certo momento, o leitor se depara com referência cortante a João Pedro Teixeira, “cabra marcado para morrer” cuja tragédia foi registrada no filme de Eduardo Coutinho iniciado em 1964 e terminado apenas depois da redemocratização, em 1984.

O cabra marcado para morrer/morreu/só. // Foi só isso/ Foi isso/ só.

Poemas como estes dois citados acima iluminam – a luz de vela, não de neon – o enigmático título desse Encouraçado e cozido dentro da pele. Título que citaum verso do terceiro poema, “Nada não”:

Encouraçado e cozido dentro da pele/ em agulha e fio firme, um nó cego/ um baque n’água/ que ninguém ouve/ ou jamais ouviu/ nem ouvirá.

Será este verso uma alusão à melancolia brasileira, esta que volta e meio retorna por cima de todos os carnavais e, também, com toda essa fúria que se alterna com nossa “euforia pra inglês ver”? Será o poeta, como também se declara Drummond[iii], um ressentido? Pergunta retórica: estou convencida de que não. Um recolhido, talvez. Pouco afeito aos holofotes. “Porque a glória”, como teria dito Sinhô ao jovem Mário Reis[iv] – “é de um tremendo mau gosto”.

Nesse aspecto, devo apontar que o poeta se inscreve sim, como os descendentes dos escravos que inventaram o samba. Assim como o melancólico Drummond. E como Goeldi. Como Clementina e tantos outros brasileiros (cito a esmo) que escaparam à cafonice de reivindicar a glória. Esperteza declarada:

Sou besta[v],?/mas nem tanto.

*Maria Rita Kehl, psicanalista, é autora, entre outros livros, de Ressentimento (Casa do psicólogo)

Notas


[i] Como no verso do poema Irene, de outro conterrâneo de José Almino: Manuel Bandeira.

[ii] Verso de Drummond no Poema de sete faces.

[iii] “Que o poeta é um ressentido e o mais são nuvens”, CDA

[iv] Veja-se o filme “Mandarim” de Ronaldo Bressane, 1988.

[v] “O desânimo manso”, p. 16.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antonio Martins Berenice Bento Érico Andrade Lucas Fiaschetti Estevez João Paulo Ayub Fonseca Vinício Carrilho Martinez Anselm Jappe Francisco Fernandes Ladeira Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Roberto Alves Tales Ab'Sáber Salem Nasser Antônio Sales Rios Neto Maria Rita Kehl Jorge Branco Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Anderson Alves Esteves Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron Henri Acselrad Francisco Pereira de Farias Renato Dagnino André Márcio Neves Soares Tarso Genro Leonardo Sacramento Gerson Almeida Boaventura de Sousa Santos Marcelo Módolo Manuel Domingos Neto Jean Marc Von Der Weid Eleonora Albano Ricardo Antunes Leonardo Boff Benicio Viero Schmidt Flávio Aguiar Bernardo Ricupero Rodrigo de Faria João Adolfo Hansen Ari Marcelo Solon Lorenzo Vitral Otaviano Helene Alexandre de Freitas Barbosa Ronald León Núñez Luiz Marques Manchetômetro Flávio R. Kothe Andrew Korybko Juarez Guimarães Afrânio Catani Marcus Ianoni Marilena Chauí Mário Maestri Daniel Brazil Priscila Figueiredo Ronald Rocha João Sette Whitaker Ferreira Gabriel Cohn Ricardo Fabbrini Paulo Fernandes Silveira Celso Frederico Jorge Luiz Souto Maior Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Werneck Vianna Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Feres Júnior Eleutério F. S. Prado Valério Arcary José Luís Fiori Rafael R. Ioris Fernando Nogueira da Costa Leonardo Avritzer Eduardo Borges José Machado Moita Neto Yuri Martins-Fontes Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan Michael Roberts Bruno Machado Osvaldo Coggiola Valerio Arcary Eugênio Trivinho Rubens Pinto Lyra Marjorie C. Marona Antonino Infranca Tadeu Valadares Remy José Fontana Jean Pierre Chauvin Vladimir Safatle Marcelo Guimarães Lima Liszt Vieira Claudio Katz Sandra Bitencourt Elias Jabbour Milton Pinheiro Alysson Leandro Mascaro Gilberto Maringoni Walnice Nogueira Galvão Ricardo Abramovay Fábio Konder Comparato José Costa Júnior Luiz Bernardo Pericás Vanderlei Tenório Luiz Renato Martins Daniel Afonso da Silva Bento Prado Jr. Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Sérgio Pinheiro João Carlos Loebens Slavoj Žižek Leda Maria Paulani Luciano Nascimento Denilson Cordeiro Ricardo Musse Bruno Fabricio Alcebino da Silva Caio Bugiato Eugênio Bucci José Dirceu Henry Burnett Carlos Tautz José Raimundo Trindade Armando Boito Luís Fernando Vitagliano Roberto Bueno Airton Paschoa Marcos Aurélio da Silva Dennis Oliveira Michael Löwy Samuel Kilsztajn Roberto Noritomi Thomas Piketty João Carlos Salles Julian Rodrigues João Lanari Bo Gilberto Lopes José Geraldo Couto Igor Felippe Santos Fernão Pessoa Ramos Paulo Capel Narvai Paulo Martins Carla Teixeira Mariarosaria Fabris Daniel Costa Marcos Silva José Micaelson Lacerda Morais Luis Felipe Miguel Chico Whitaker Eliziário Andrade Celso Favaretto Ladislau Dowbor Ronaldo Tadeu de Souza Annateresa Fabris Luiz Eduardo Soares André Singer Dênis de Moraes Chico Alencar Heraldo Campos Kátia Gerab Baggio Luiz Costa Lima Lincoln Secco

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada