O elogio da burrice

Imagem: João Nitsche
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

A mídia globalizada, aliada a interesses econômicos e políticos, passou a definir os gostos e escolhas

Assistir à série O Gambito da Rainha pode deixar quem tem mais de quarenta anos um tanto melancólico. Trata-se da história de uma garota que, no final dos anos 1950 e década de 1960, se destaca no xadrez, vencendo campeonatos importantes nos EUA e indo disputar torneios na Europa. A hegemonia da época era dos russos, considerados imbatíveis. A juventude dos anos 1960 se interessava pelo jogo, sabia o nome dos campeões mundiais, jornais e TVs relatavam as finais eletrizantes. Meio mundo acompanhou o match Fischer x Spassky, em 1972, com o cenário da Guerra Fria por trás. Aliás, havia coluna de xadrez nos jornais, e até revistas especializadas, como bem ilustra a série.

Saltemos para 2020. Os jovens de hoje acompanham e sabem os nomes de lutadores de MMA, aquela imbecilidade que alguém já definiu como dois homens de cueca se agarrando dentro de um galinheiro. Desapareceram as colunas de xadrez, e até mesmo as palavras cruzadas.

Claro, gostávamos (e aqui me incluo) também de esportes, Olimpíadas, futebol tricampeão, São Silvestre, vôlei e até boxe. Alguém sabe quem é o campeão mundial de boxe hoje? Nos anos 1960-70-80 todos sabiam. Mesmo sendo um esporte bruto, os homens vestiam luvas de couro estofadas para não ferir o rosto do opositor. E tínhamos Muhammad Ali, campeão inconformado, símbolo de resistência negra ao sistema. Quem é contra o status quo no UFC? Aliás, há algum jogador de futebol rebelde e politizado hoje, no Brasil? Só a jogadora de vôlei Carol Solberg esboça um solitário protesto, e será “cancelada” pela ditadura midiática por um largo tempo.

Não, a juventude de hoje não é culpada por não saber dessas coisas. É a mídia globalizada, aliada a interesses econômicos e políticos, que passou a definir os gostos e escolhas. Fez sumir o xadrez, as palavras cruzadas e desidratou os cadernos literários dos jornais. A imprensa atualé como um supermercado pobre, de um cafundó qualquer perdido no mundo, que só oferece uma marca de macarrão nas prateleiras. O consumidor sobrevive achando que só existe aquilo.

O esquema midiático contemporâneo guindou às manchetes o que, no século XX, era considerado o esgoto do jornalismo: a fofoca sobre a vida íntima de artistas e personalidades, a exaltação do físico em detrimento do intelecto, a manipulação de dados, a despolitização, a propaganda descarada dos interesses financeiros. Abra o portal de qualquer um dos maiores veículos da mídia contemporânea (G1, Uol, et caterva) e meça o espaço destinado à cultura, ao debate de ideias, à discussão dos problemas reais da nação, comparando com o espaço destinado à fofoca, aos vídeos idiotas, aos crimes mais banais. Há até colunas que se dedicam a comentar programas execráveis como BBB e A Fazenda, reality showsque fariam os criadores da televisão morrerem de vergonha, se é que tiveram alguma.

Nas faculdades de comunicação do século XX havia matérias como Deontologia e Ética. Parece que desapareceram nos cursos atuais. Perdeu-se algo no caminho, e isso é mais um dos sintomas da grave doença que acomete o jornalismo atual. Gerações sendo (de)formadas pela mídia mais mercenária, cultivando o individualismo, a arrogância e o desprezo por causas sociais. O (ou a) jornalista sai da faculdade sem saber quem foi John Reed, mas sonha em cobrir um desfile de moda ou festival de música com direito a lanche grátis.

O estrago é mundial, e não há como dissociar isso do avanço do conservadorismo, do totalitarismo, do fanatismo religioso no século XXI. No Brasil, o projeto de renovar os meios de comunicação do país, animado pelo avanço democrático da era Lula, foi enterrado junto com as conclusões da Conferência Nacional de Comunicação, em 2009. Depois de mobilizar dezenas de entidades, sindicatos, associações, universidades, patrões e empregados, engavetaram as indicações que iriam atualizar um marco regulatório vigente desde 1962. É esse que continua em vigor, em pleno ano de 2020, mantendo os privilégios da velha e oligárquica imprensa monopolista, colonizada e vil.

Entre outros pontos, a Confecom propunha cotas regionais de produção audiovisual, respeito à diversidade, direito de resposta, fim da propriedade cruzada de veículos (como nos EUA), criação de canais audiovisuais municipais, estaduais e federais com verba pública geridas por conselhos comunitários. Considerando que haverá eleições presidenciais em 2022, não seria o caso de recolocar, desde já, este tema na pauta de todos os candidatos de esquerda? A palavra de ordem já existe faz tempo: democratização dos meios de comunicação, já!

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Carla Teixeira Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Alexandre de Freitas Barbosa Flávio R. Kothe Salem Nasser Valerio Arcary Maria Rita Kehl Rafael R. Ioris Luiz Renato Martins Kátia Gerab Baggio Daniel Afonso da Silva Leonardo Avritzer João Adolfo Hansen Benicio Viero Schmidt Henry Burnett Gilberto Lopes Priscila Figueiredo Heraldo Campos Gerson Almeida Julian Rodrigues Elias Jabbour Paulo Nogueira Batista Jr Milton Pinheiro Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Módolo Luiz Bernardo Pericás Paulo Fernandes Silveira Airton Paschoa Chico Whitaker Jorge Luiz Souto Maior Tadeu Valadares Ronald León Núñez João Feres Júnior Renato Dagnino Atilio A. Boron Lincoln Secco Jean Pierre Chauvin Juarez Guimarães Marcus Ianoni José Machado Moita Neto João Carlos Salles Manuel Domingos Neto Leda Maria Paulani Francisco Pereira de Farias Carlos Tautz Fernão Pessoa Ramos Alexandre Aragão de Albuquerque Eliziário Andrade Celso Frederico Otaviano Helene Valerio Arcary Eleutério F. S. Prado Anselm Jappe Andrew Korybko Marcelo Guimarães Lima Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henri Acselrad Ricardo Musse Michael Roberts Matheus Silveira de Souza Bento Prado Jr. Samuel Kilsztajn Luís Fernando Vitagliano Walnice Nogueira Galvão Thomas Piketty Igor Felippe Santos Daniel Costa Dennis Oliveira Marcos Aurélio da Silva Bruno Machado Osvaldo Coggiola Vinício Carrilho Martinez Daniel Brazil Liszt Vieira João Sette Whitaker Ferreira André Singer Ari Marcelo Solon Ronaldo Tadeu de Souza João Lanari Bo Eleonora Albano Eugênio Trivinho André Márcio Neves Soares Luis Felipe Miguel José Raimundo Trindade Vanderlei Tenório Lorenzo Vitral Marilena Chauí José Micaelson Lacerda Morais Jorge Branco Mariarosaria Fabris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fernando Nogueira da Costa Fábio Konder Comparato Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva Érico Andrade Luiz Roberto Alves Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Eduardo Soares Manchetômetro Annateresa Fabris Claudio Katz Michael Löwy Rodrigo de Faria Berenice Bento Leonardo Sacramento Alexandre de Lima Castro Tranjan Ladislau Dowbor Bernardo Ricupero Marilia Pacheco Fiorillo Antonino Infranca Tarso Genro Ronald Rocha Mário Maestri Remy José Fontana Armando Boito Antônio Sales Rios Neto João Carlos Loebens Dênis de Moraes Afrânio Catani José Costa Júnior Michel Goulart da Silva Celso Favaretto Gilberto Maringoni Antonio Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Boaventura de Sousa Santos Yuri Martins-Fontes Flávio Aguiar Tales Ab'Sáber José Luís Fiori Slavoj Žižek Sandra Bitencourt Jean Marc Von Der Weid Marjorie C. Marona Andrés del Río Rubens Pinto Lyra Paulo Capel Narvai José Geraldo Couto Everaldo de Oliveira Andrade Luciano Nascimento Alysson Leandro Mascaro Luiz Marques Gabriel Cohn Leonardo Boff Denilson Cordeiro Paulo Martins Vladimir Safatle Ricardo Fabbrini João Paulo Ayub Fonseca Chico Alencar Caio Bugiato Francisco Fernandes Ladeira Eugênio Bucci Luiz Werneck Vianna Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Abramovay José Dirceu Eduardo Borges Ricardo Antunes

NOVAS PUBLICAÇÕES