As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Educação superior x ensino fundamental?

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Nelson Cardoso Amaral*

O ministro Weintraub procura assim retomar uma pauta e uma discussão superada. O próprio Banco Mundial (BM) revisou sua posição histórica que indicava ações nesse sentido, reconhecendo os prejuízos inerentes à adoção dessa política pública. O BM publicou, em 2000, um documento sobre a educação superior, intitulado Higher Education in Developing Countries – Peril and Promise, que reavalia suas propostas anteriores.

Em um texto fornecido à imprensa no dia do lançamento desse documento, o Grupo do Banco Mundial responsável pelo estudo dessa questão conclama aos governos que os seguiram ao longo do tempo para agirem de outra forma: “Desde os anos 80 muitos governos nacionais e organismos financiadores internacionais têm atribuído à educação superior um nível de prioridade relativamente baixo. As análises econômicas, de olhar estreito e, em nossa opinião, equivocado têm contribuído para formar a opinião de que o investimento público em universidades e em instituições de educação superior se traduziria em ganhos insignificantes em comparação com os ganhos do investimento em escolas primárias e secundárias; assim como de que a educação superior aumenta exageradamente a desigualdade de ganhos. (. ..) O Grupo de Estudo está coeso na convicção de que a urgente tomada de medidas para expandir a quantidade e melhorar a qualidade da educação superior nos países em desenvolvimento, deveria constituir-se em máxima prioridade nas atividades de desenvolvimento”.

O Grupo de Trabalho defendeu ainda que os países em desenvolvimento aumentem a quantidade e a qualidade da pesquisa nacional no intuito de selecionar, absorver e criar conhecimentos de maneira mais eficiente e acelerada. Além disso, afirma que a “educação geral tem por objetivo desenvolver o indivíduo como um todo, para além das formações ocupacionais específicas” e mais, que “as disciplinas específicas variam de país para país, incluem, porém, uma combinação de humanidades e de ciências sociais e naturais”.

As consequências dramáticas da aplicação da política equivocada estabelecida nos anos de 1950 e 1960 podem ser examinadas no relato de Marco Antônio Rodrigues Dias, Diretor da Divisão de Educação Superior da Unesco: “Há algum tempo, tive oportunidade de assistir a um depoimento emocionante de um dos chefes de Estado africano mais expressivos, o tanzaniano Julius Nyerere, afastado do poder (desde 1985), mas que se tornou uma figura mitológica e uma das personalidades africanas mais respeitadas tanto em seu continente como fora dele. Visitando o Conselho Executivo da UNESCO, Nyerere recordou que, após a Independência, seu país logrou grande sucesso, nos anos 1960 e 1970, com uma política voluntarista em favor da alfabetização e da educação de base. No entanto, acentuou ele, a Tanzânia cometeu um grande erro. Por seguir os conselhos de especialistas internacionais, deixou de dar atenção particular ao ensino superior e, hoje, verifica-se que não dispõe de quadros nem de pesquisadores necessários ao seu desenvolvimento. Por outro lado, muito do que foi feito em educação de base perdeu-se, pois faltaram condições para assegurar a qualidade devido a deficiências na formação de professores e na preparação de pesquisadores em educação, que normalmente são formados pelas universidades. Dirigindo-se, em particular, a seus colegas africanos, Julius Nyerere acentuou: “não cometam o mesmo erro que nós!”.

O discurso que afirma que se deve priorizar um nível educacional em detrimento dos outros níveis é uma falácia. Quando se avalia a hipótese de que a educação básica brasileira poderia ser muito melhor se fossem transferidos recursos das Universidades Federais para esse nível educacional, não é difícil concluir que isso não é uma verdade.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulga o total dos recursos financeiros públicos aplicados tanto no setor público quanto no setor privado separando-os por nível educacional. Em 2014 foram aplicados na Educação Básica (EB) o equivalente a 4,8% do PIB, o que significa um montante de R$ 265 bilhões aplicados na EB. Em 2014 o número de estudantes na EB era de 49.771.371, o que resulta em R$ 5.324,00 por aluno.

No ano de 2014 foram aplicados R$ 36 bilhões em recursos do tesouro nas Universidades Federais. Se supusermos que a metade desses recursos fossem transferidos para a EB, o valor por aluno passaria de R$ 5.324,00 para R$ 5.684,00 na EB, um aumento de 6,8%.

A Educação Básica poderia melhorar muito pouco se esta ação fosse realizada e pode-se perguntar: o que ocorreria com as 63 Universidades Federais se seus recursos fossem reduzidos pela metade? Podemos afirmar que seriam destruídas.

*Nelson Cardoso Amaral é professor da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Referências:

DIAS RODRIGUES. La Unesco frente al cambio de la educación superior en America Latina y el Caribe. Publicação da CRESALC/UNESCO – Caracas, 1996.

Disponível aqui. Acesso em: 30 jul. 2019.

SGUISSARDI e AMARAL. O Banco Mundial revisa posições: quem há de pagar a conta?  PERSPECTIVA. Florianópolis, v.18, n.33 p. 65-76, jan./jun. 2000.

UOL. MEC quer tirar recursos do ensino superior, para creche. Que disputa é essa?. Disponível aqui.

WORLD BANK. Task Force on Higher Education and Society. Higher Education in Developing Countries – Peril and Promise. Washington, D.C.: The World Bank, 2000. Disponível aqui.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Sérgio Pinheiro Rubens Pinto Lyra Leonardo Boff Eleonora Albano Leonardo Avritzer Luis Felipe Miguel Alexandre Aragão de Albuquerque Vinício Carrilho Martinez Armando Boito Manchetômetro Lorenzo Vitral Marcos Silva Daniel Afonso da Silva Henri Acselrad Michael Roberts Andrew Korybko Francisco Fernandes Ladeira Dênis de Moraes Liszt Vieira Michael Löwy Érico Andrade Rodrigo de Faria Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Bernardo Pericás Fábio Konder Comparato Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Sette Whitaker Ferreira João Carlos Salles Salem Nasser Annateresa Fabris José Geraldo Couto Alexandre de Freitas Barbosa Ari Marcelo Solon Luiz Marques Jean Pierre Chauvin Caio Bugiato Marcus Ianoni Marcelo Guimarães Lima Paulo Capel Narvai Sergio Amadeu da Silveira João Lanari Bo Benicio Viero Schmidt Alexandre de Lima Castro Tranjan Bernardo Ricupero Gilberto Lopes Eliziário Andrade José Luís Fiori Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Costa Lima Luiz Roberto Alves Bruno Machado Fernão Pessoa Ramos Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Lucas Fiaschetti Estevez Mariarosaria Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Milton Pinheiro João Carlos Loebens Ricardo Abramovay Daniel Brazil Jorge Branco Leda Maria Paulani Vladimir Safatle Luiz Renato Martins Tadeu Valadares Paulo Fernandes Silveira Chico Whitaker Remy José Fontana Dennis Oliveira João Paulo Ayub Fonseca Plínio de Arruda Sampaio Jr. Chico Alencar Maria Rita Kehl Flávio R. Kothe Valério Arcary Marilia Pacheco Fiorillo Samuel Kilsztajn Heraldo Campos Renato Dagnino Luís Fernando Vitagliano Otaviano Helene Gerson Almeida Thomas Piketty Walnice Nogueira Galvão Eugênio Bucci Vanderlei Tenório Lincoln Secco José Costa Júnior José Machado Moita Neto Rafael R. Ioris José Dirceu Jean Marc Von Der Weid Daniel Costa Francisco Pereira de Farias José Micaelson Lacerda Morais José Raimundo Trindade Gabriel Cohn Mário Maestri André Márcio Neves Soares Antonino Infranca Leonardo Sacramento Yuri Martins-Fontes Carlos Tautz Roberto Bueno Eleutério F. S. Prado Slavoj Žižek Priscila Figueiredo Antônio Sales Rios Neto Bento Prado Jr. Carla Teixeira Berenice Bento Valerio Arcary Luciano Nascimento Atilio A. Boron Celso Favaretto Ronaldo Tadeu de Souza Sandra Bitencourt Ronald Rocha João Adolfo Hansen Marilena Chauí Gilberto Maringoni Tarso Genro Kátia Gerab Baggio Jorge Luiz Souto Maior Ladislau Dowbor Roberto Noritomi Julian Rodrigues Juarez Guimarães Marcelo Módolo Ricardo Musse Afrânio Catani Claudio Katz Marcos Aurélio da Silva Eugênio Trivinho Fernando Nogueira da Costa Igor Felippe Santos Paulo Martins Celso Frederico André Singer Manuel Domingos Neto Osvaldo Coggiola Flávio Aguiar Ricardo Antunes Anselm Jappe Henry Burnett Elias Jabbour Anderson Alves Esteves Luiz Eduardo Soares Marjorie C. Marona Eduardo Borges Luiz Werneck Vianna Boaventura de Sousa Santos Ronald León Núñez Antonio Martins Airton Paschoa Ricardo Fabbrini João Feres Júnior Denilson Cordeiro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada