As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A financeirização em números

Imagem: Paulinho Fluxuz_
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LADISLAU DOWBOR*

O poder dos grandes grupos econômicos

A revista Valor econômico: Grandes grupos, publicada em dezembro de 2020, apresenta a evolução dos 200 maiores grupos econômicos do país. Baseado em dados de 2019, portanto antes do impacto da pandemia, o estudo constata que “dos quatro setores analisados, apenas o setor de Finanças registrou aumento no lucro líquido (27,1%). Comércio (-6,8%), Indústria (-7,8%) e Serviços (-34,8%) caminharam para trás” (1). Trata-se não do conjunto da economia, mas dos grandes grupos, onde as finanças predominam. O estudo ressalta “o bom desempenho da área financeira, sobretudo bancos, cuja fatia no lucro líquido consolidado dos 200 maiores aumentou de 37,7% para 48,9%”.

Traduzindo: o que rende no Brasil é ser banco, e de preferência grande. O resultado é muito impressionante, pois os bancos, intermediários do dinheiro dos outros, constituem atividade-meio, devendo custar à sociedade o menos possível, ao mesmo tempo em que tornam o dinheiro mais produtivo, fomentando a economia. Um banco que reúne poupanças, e oferece crédito a custos razoáveis para produtores industriais ou agrícolas ou de outros setores produtivos, torna empresários capazes de gerar emprego e produto.

Quando extraem mais dinheiro da sociedade do que contribuem em termos produtivos, eles estão empobrecendo as famílias que gastam em juros o que poderiam gastar em bens e serviços. Isso fragiliza a demanda, o que, por sua vez, fragiliza as empresas, e ambas fragilizam o fluxo de receitas para o Estado. Lembremos que estamos no oitavo ano de economia paralisada, desde 2014, quando começou o processo do golpe, o desmonte causado pela Lava Jato, a guerra eleitoral, a promoção da “austeridade”.

Se a China, ou o Vietnã e outras economias estão se desenvolvendo, é porque controlam os juros e canalizam os financiamentos para o fomento da economia. Aqui, os intermediários, em vez de servir a economia, decidiram servir a si mesmos. A tabela abaixo, que lista os 10 grupos que mais lucram no país, é clara. A Petrobrás está em primeiro lugar, mas não é propriamente ‘produtora’: o petróleo é da natureza, e é extraído, é natural que gere grandes lucros. Os cinco lugares seguintes são ocupados por bancos.

De toda forma é um documento importante, pois ao apresentar dados básicos sobre os maiores grupos do país, está trazendo uma radiografia do poder econômico, inclusive do sistema financeiro, pois tanto os bancos como outros grandes grupos constituem o essencial da atividade da bolsa, e desempenham também um papel central em termos de poder político.

É muito útil aproximar esse estudo dos 200 grandes grupos do estudo anterior da revista Forbes, sobre os mais de 200 bilionários brasileiros, onde se mostra como o dinheiro apropriado pelos grupos econômicos se transforma em fortunas pessoais. Joseph Safra, por exemplo, recentemente falecido, aumentou em 12 meses a sua fortuna em cerca de 30 bilhões de reais, o equivalente a um ano de Bolsa Família. Lembremos que as grandes fortunas são isentas de impostos (lei sobre lucros e dividendos distribuídos, 1995) (2).

Os dados mais recentes da Forbes mostram que 42 bilionários (em dólares) brasileiros aumentaram as suas fortunas pessoais em US$34 bilhões entre 18 de março e 12 de julho 2020. É o equivalente a cerca de 180 bilhões de reais, 6 anos de Bolsa Família, para apenas 42 pessoas, com a economia em queda, e isentos de impostos (3), enquanto tantos estão em dificuldades, porque a pandemia agravou o processo.

É o que tem sido chamado na literatura internacional de “extractive capitalism”, capitalismo extrativo. O caminho para onde estão carregando o nosso país constitui um imenso retrocesso. Produzir aqui não rende, ou rende muito menos do que especular no sistema financeiro. A desindustrialização faz parte, a fuga de empresas também.

*Ladislau Dowbor é professor titular de economia da PUC-SP. Autor, entre outros livros, de A era do capital improdutivo(Outras Palavras & Autonomia Literária).

Publicado originalmente no portal Carta Maior.

Referência


Valor Econômico: Grandes Grupos. Dezembro de 2020, Ano 19, Nº 19.

Notas


(1) Valor Econômico: Grandes Grupos. Dezembro de 2020, Ano 19, Nº 19, p. 12.

(2) Os dados da Forbes sobre as fortunas dos brasileiros são apresentados por Eduardo Moreira em https://dowbor.org/2019/11/eduardo-moreira-a-lista-de-bilionarios-da-forbes-e-a-destruicao-do-brasil-em-youtube-23-min.html/

(3) O relatório da Oxfam está disponível em https://dowbor.org/2020/07/bilionarios-da-america-latina-e-do-caribe-aumentaram-fortuna-em-us-482-bi-durante-pandemia-oxfam-brasil-2020-3p.html/

 

 

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Marques Henri Acselrad Dennis Oliveira Marcus Ianoni Rubens Pinto Lyra Chico Alencar Celso Frederico João Carlos Salles Lincoln Secco Samuel Kilsztajn Valerio Arcary Eleonora Albano Leonardo Avritzer Gilberto Maringoni Igor Felippe Santos Paulo Capel Narvai Marcos Silva Manchetômetro Claudio Katz Gabriel Cohn Caio Bugiato Lucas Fiaschetti Estevez Rafael R. Ioris Denilson Cordeiro Jean Pierre Chauvin José Luís Fiori Fernão Pessoa Ramos Ricardo Musse Chico Whitaker Liszt Vieira Yuri Martins-Fontes Fernando Nogueira da Costa Tadeu Valadares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gerson Almeida Érico Andrade Annateresa Fabris Luciano Nascimento Berenice Bento Eleutério F. S. Prado Roberto Bueno Tarso Genro Atilio A. Boron Fábio Konder Comparato Antonino Infranca Luiz Renato Martins Vladimir Safatle André Márcio Neves Soares Paulo Sérgio Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Henry Burnett João Feres Júnior Boaventura de Sousa Santos Sergio Amadeu da Silveira Alexandre de Freitas Barbosa Mariarosaria Fabris Julian Rodrigues Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Anderson Alves Esteves André Singer Daniel Afonso da Silva Anselm Jappe Antonio Martins Daniel Costa Luiz Carlos Bresser-Pereira Jorge Branco Bento Prado Jr. Luiz Roberto Alves Armando Boito Tales Ab'Sáber Remy José Fontana Thomas Piketty Luiz Werneck Vianna Paulo Fernandes Silveira Marilena Chauí Eugênio Trivinho João Carlos Loebens Gilberto Lopes Salem Nasser Maria Rita Kehl Slavoj Žižek Carlos Tautz Ladislau Dowbor Daniel Brazil Alysson Leandro Mascaro Marcelo Módolo Alexandre de Lima Castro Tranjan Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Ricardo Abramovay Valério Arcary Dênis de Moraes Francisco Pereira de Farias Luiz Costa Lima Jean Marc Von Der Weid Flávio R. Kothe Afrânio Catani Bernardo Ricupero Walnice Nogueira Galvão Francisco Fernandes Ladeira Osvaldo Coggiola Airton Paschoa Andrew Korybko Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Sacramento Sandra Bitencourt José Dirceu Flávio Aguiar Eugênio Bucci Ronald León Núñez Roberto Noritomi Bruno Machado Marilia Pacheco Fiorillo Rodrigo de Faria Ricardo Antunes Luiz Eduardo Soares José Raimundo Trindade José Costa Júnior Carla Teixeira José Micaelson Lacerda Morais João Lanari Bo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Ronald Rocha Priscila Figueiredo José Geraldo Couto João Paulo Ayub Fonseca Milton Pinheiro Elias Jabbour José Machado Moita Neto Paulo Martins Vanderlei Tenório Ari Marcelo Solon Benicio Viero Schmidt Vinício Carrilho Martinez João Sette Whitaker Ferreira Paulo Nogueira Batista Jr Luís Fernando Vitagliano Luiz Bernardo Pericás Jorge Luiz Souto Maior Kátia Gerab Baggio Lorenzo Vitral Luis Felipe Miguel Juarez Guimarães Renato Dagnino Leda Maria Paulani Ricardo Fabbrini Otaviano Helene Manuel Domingos Neto Marcelo Guimarães Lima Mário Maestri Leonardo Boff Eduardo Borges Celso Favaretto Heraldo Campos Marjorie C. Marona Michael Roberts João Adolfo Hansen Michael Löwy

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada