A vitória da extrema direita na Holanda

Imagem: Rachel Xiao
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JUAN TORRES LÓPEZ*

A extrema direita aparece porque, ao mesmo tempo, as esquerdas desaparecem ou perdem o norte, dividem-se privilegiando as questões identitárias e territoriais ou dizendo à sociedade o que é ou não politicamente correto

A recente vitória da extrema direita nas eleições gerais dos Países Baixos (Holanda) só surpreendeu aqueles que estavam alheios ao que vem acontecendo nesse país nos últimos treze anos. Desde então, governa a direita liberal, liderada por Mark Rutte, que não parou de implantar reduções de impostos para os mais ricos, privatizações e cortes nas despesas e benefícios sociais.

Os Países Baixos, por exemplo, têm um dos sistemas fiscais mais regressivos da Europa: a porcentagem da renda gasta em impostos para a maioria dos grupos por renda é de cerca de 40%, mas apenas 20% para o 1% mais rico da população.

Os sucessivos governos liberais seguiram uma política de habitação orientada para o mercado, que incrementou as dificuldades de acesso para a classe média, sem melhorá-lo para as pessoas com renda mais baixa, o que provocou um aumento acentuado dos preços.

Mark Rutte disse, no início de seu mandato, que tinha que acabar com a ideia que, segundo ele, seus compatriotas tinham do Estado: “uma maquininha de felicidade”. Para conseguir isso, cortou os investimentos e as despesas, provocando uma piora dos serviços públicos de saúde, transportes, educação e assistência (em 2015, a assistência aos idosos e seus dependentes passou a ser uma “obrigação” familiar). A diretora da UNICEF nos Países Baixos denunciou em 2018 que, nesse país tão próspero, os direitos das crianças vulneráveis foram deixados de lado.

Nos últimos treze anos, os sucessivos governos liberais levaram a cabo uma verdadeira espoliação da renda e dos direitos das classes de renda média e baixa, ao mesmo tempo em que transformaram seu país no paraíso fiscal mais agressivo da Europa, concedendo todo tipo de favores fiscais e financeiros às grandes empresas.

Talvez a prova mais evidente desta espoliação é que as famílias dos Países Baixos possuem o endividamento mais elevado em relação à sua renda bruta disponível de toda a Europa: 187,03% no primeiro trimestre deste ano, o dobro das famílias espanholas (89,4%).

A estratégia seguida pelos liberais holandeses (como os de outros países) para evitar que esta espoliação se traduzisse em revolta social foi dupla. Por um lado, culpar as classes trabalhadoras pelo desperdício de dinheiro público e, por outro, responsabilizar a imigração por todo o mal que lhes estava acontecendo.

A primeira atingiu seu pico mais vergonhoso em 2021: até o governo teve que renunciar, quando se descobriu que tinha acusado mais de 30 mil famílias de baixa renda de fraude nos benefícios sociais, sem qualquer fundamento. Cerca de 70.000 crianças foram as principais vítimas da falsa acusação e 1.115 acabaram em instituições de acolhimento por conta disso.

O discurso contra a imigração não parou, tornando-se cada vez mais forte, na medida em que crescia a espoliação, quando, na verdade, os trabalhadores imigrantes estão nos empregos de salários mais baixos e precários e os problemas associados à imigração têm a ver, sobretudo, com o enfraquecimento dos serviços públicos e sociais referidos.

Ao contrário do que acontecia há algumas décadas, a direita liberal não esconde a espoliação que ocorre quando governa. Reconhece-a agora, mas culpa a imigração ou os próprios espoliados (como dizem meus colegas economistas liberais, porque não investem o suficiente em si próprios).

É quando aparece a extrema direita, oferecendo ajuda (soberania, segurança, valores tradicionais, defesa da nação…) e proteção contra o inimigo que vem tomar “o que é nosso”.

Contudo, a extrema direita aparece porque, ao mesmo tempo, as esquerdas desaparecem ou perdem o norte. Em vez de se centrarem nas questões socioeconômicas que realmente condicionam a vida das pessoas com um discurso ecumênico, dirigido às grandes maiorias sociais para protegê-las numa perspectiva transversal e de sentido comum, dividem-se e fragmentam-se para se identificarem com os interesses de pequenos segmentos ou grupos minoritários da população, privilegiando as questões identitárias e territoriais ou dizendo à sociedade o que é ou não politicamente correto. Sem conseguir impedir o que vem para cima de nós.

*Juan Torres López é professor de economia na Universidad de Sevilla. Autor, entre outros livros, de La renta básica (Planeta).

Tradução: Fernando Lima das Neves.

Publicado originalmente no site Ganas de escribir.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jorge Luiz Souto Maior Francisco Fernandes Ladeira João Carlos Loebens Ladislau Dowbor Leda Maria Paulani Thomas Piketty Eduardo Borges Armando Boito Daniel Brazil Bruno Machado Tales Ab'Sáber Milton Pinheiro Luiz Roberto Alves Samuel Kilsztajn Luiz Marques Mário Maestri Marcelo Módolo Luciano Nascimento Heraldo Campos Ari Marcelo Solon Alexandre de Lima Castro Tranjan Manchetômetro Kátia Gerab Baggio Chico Alencar Eugênio Bucci Marcus Ianoni Mariarosaria Fabris Tarso Genro Ronald Rocha Alexandre de Freitas Barbosa Elias Jabbour João Feres Júnior Matheus Silveira de Souza Marjorie C. Marona Everaldo de Oliveira Andrade Denilson Cordeiro Tadeu Valadares Ronaldo Tadeu de Souza Salem Nasser Fernão Pessoa Ramos Gilberto Maringoni Marilia Pacheco Fiorillo Andrew Korybko Jorge Branco João Sette Whitaker Ferreira José Geraldo Couto José Raimundo Trindade Francisco Pereira de Farias Vinício Carrilho Martinez Paulo Fernandes Silveira Luiz Eduardo Soares Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Bernardo Ricupero Carlos Tautz Daniel Afonso da Silva Gabriel Cohn José Micaelson Lacerda Morais Fábio Konder Comparato Airton Paschoa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcos Aurélio da Silva Flávio Aguiar André Singer Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Martins Manuel Domingos Neto Paulo Sérgio Pinheiro Maria Rita Kehl Michael Löwy Dennis Oliveira João Paulo Ayub Fonseca Carla Teixeira Eugênio Trivinho Leonardo Boff Érico Andrade Alysson Leandro Mascaro Annateresa Fabris Juarez Guimarães Flávio R. Kothe Gerson Almeida Rafael R. Ioris Michel Goulart da Silva Rodrigo de Faria Paulo Capel Narvai João Adolfo Hansen Lucas Fiaschetti Estevez Valerio Arcary Eleutério F. S. Prado Marilena Chauí Andrés del Río Yuri Martins-Fontes Eliziário Andrade Priscila Figueiredo José Costa Júnior Sergio Amadeu da Silveira Marcos Silva Daniel Costa André Márcio Neves Soares Julian Rodrigues Walnice Nogueira Galvão Luís Fernando Vitagliano Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano Caio Bugiato Chico Whitaker Jean Pierre Chauvin Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rubens Pinto Lyra Sandra Bitencourt Antonino Infranca Boaventura de Sousa Santos Dênis de Moraes João Lanari Bo Afrânio Catani Liszt Vieira Leonardo Sacramento Ricardo Musse Osvaldo Coggiola Valerio Arcary José Machado Moita Neto Vladimir Safatle Atilio A. Boron Bento Prado Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Antunes Henri Acselrad Slavoj Žižek Otaviano Helene Leonardo Avritzer Benicio Viero Schmidt Ricardo Fabbrini Antonio Martins Renato Dagnino José Dirceu Anselm Jappe Ronald León Núñez Henry Burnett Luiz Werneck Vianna Celso Favaretto Claudio Katz Luiz Bernardo Pericás Ricardo Abramovay Lincoln Secco Igor Felippe Santos Gilberto Lopes Vanderlei Tenório Celso Frederico José Luís Fiori Remy José Fontana Michael Roberts Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral Luis Felipe Miguel Luiz Renato Martins Jean Marc Von Der Weid João Carlos Salles Alexandre Aragão de Albuquerque Berenice Bento

NOVAS PUBLICAÇÕES