Maus

LEDA CATUNDA, Todo Pessoal, 2006, acrílica s/ tecido e voile, 247x333cm.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AFRÂNIO CATANI*

Comentário da história em quadrinhos de Art Spiegelman

Nascido em Estocolmo em 1948 e naturalizado estadunidense, Art Spiegelman foi editor da revista The New Yorker (1993 a 2007) e cofundador e editor de Raw, conhecida publicação de quadrinhos e artes gráficas de vanguarda. Exibiu seus desenhos e gravuras em galerias e museus de vários países. Entre as honrarias recebidas por Maus destacam-se o Prêmio Pulitzer, uma bolsa Guggenheim, além de indicações para o Prêmio da National Book Critics Circle. Publicou regularmente no New York Times e em The Village Voice, tendo sido professor da New York ‘s School of Visual Arts.

Maus, que em alemão significa rato, apresenta como cenário a Polônia durante a Segunda Guerra Mundial, em que os nazistas são gatos, os judeus ratos, os poloneses porcos e os estadunidenses cães. Autobiográfico, Maus narra a história de Vladek Spiegelman, pai de Artie, o narrador, um judeu polonês sobrevivente do campo de concentração de Auschwitz.

O livro é dividido em duas grandes partes, escritas em momentos distintos. A primeira, “Meu pai sangra História”, abarca de “meados dos anos 30 até o inverno de 1944”, enquanto a narrativa de “E aqui meus problemas começaram” tem como subtítulo “De Mauschwitz às Catskill e mais adiante”.

Artie, no livro, é um jovem desenhista que vive nos Estados Unidos e procura compreender o temperamento mesquinho do pai – estereótipo do avarento – e se reconciliar com a memória da mãe (Anja), que se suicidou em 1968. A aventura de Vladek e Anja tem início na década de 1930, logo após o casamento, prosseguindo durante a guerra, numa sequência de fugas, perseguições, esconderijos em sótãos e porões, enforcamentos e extermínio sistemático dos judeus. Ao final do armistício Vladek e Anja haviam perdido todos os familiares, inclusive o garoto Richieu, o primeiro filho do casal.

Terminada a guerra, ambos emigraram para os Estados Unidos. Após ficar viúvo, o pai de Artie se casou com Mala, amiga do casal, também sobrevivente dos campos de concentração, tornando a vida de ambos insuportável: velho, com problemas cardíacos, tomando inúmeras pílulas, continuou a economizar centavos e a falar constantemente que alterou o seu testamento. Em determinada parte da história, queixando-se a Artie, Mala acusou Vladek de tê-la desposado devido a seu porte físico, pois assim ela poderia aproveitar todo o guarda-roupa de Anja.

Em outro momento Mala é ainda mais cáustica, ao dizer que todos os seus amigos estiveram em campos de concentração, mas nenhum é tão desagradável como Vladek. Ao que Artie acrescenta: “É algo que me preocupa em relação ao livro que estou fazendo sobre ele. De algum modo, ele é como a caricatura racista do judeu miserável”.

Todos os personagens de Maus são reais, tanto que Artie agradece a Mala “por sua ajuda em traduzir livros e documentos poloneses” e por querer que o livro “acontecesse”. Constata-se, ao longo da leitura, que a ansiedade e a paranoia de Vladek – que quando jovem atraía as mulheres-ratas a exemplo de Rodolfo Valentino (tanto é assim que o primeiro capítulo se intitula “O Sheik”) –, principalmente devido às experiências vivenciadas na guerra, acabam levando Anja ao suicídio.

Maus é um livro que incomoda já a partir de sua capa, aliás, a única coisa colorida desta novela em quadrinhos: um casal de ratos está abraçado, com os olhos esbugalhados. Acima deles, uma suástica nazista com Adolf Hitler numa cara de gato. Um texto publicado em The Times sobre a obra afirma que “todos são terrivelmente humanos”, os gatos, ratos, porcos e cães, embora Hitler tenha falado que “os judeus são indubitavelmente uma raça, mas não são humanos”.

Seres humanos com cabeças de animais, os personagens de Maus são desenhados em preto e branco, com traços rústicos, porém no interior de uma estrutura narrativa sofisticada. Na ocasião do lançamento, a Associated Press realizou um comentário expressivo sobre o livro: “Art Spiegelman transformou a Alemanha nazista numa monstruosa ratoeira”.

*Afrânio Catani, professor aposentado da Faculdade de Educação da USP, atualmente é professor sênior na mesma instituição. Professor visitante na UERJ, campus de Duque de Caxias.

Referência


Art Spiegelman. Mauss: a história de um sobrevivente. Tradução: Antonio de Macedo Soares. São Paulo, Companhia das Letras, 2019 [40a. reimpressão], 296 págs (https://amzn.to/3KFm3co).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES