Chico e Caetano

Patrick Caulfield, A carta, 1967
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Chico e Caetano são também prolíficos escritores, pensadores cada qual à sua maneira

Música e literatura muitas vezes caminham juntas, permitindo comparações, contrastes, analogias e cruzamentos simbólicos. Alguns de nossos maiores compositores, como Chico e Caetano, são também prolíficos escritores, pensadores cada qual à sua maneira. Caetano, autor do meticuloso e autobiográfico Verdade Tropical, mantém um constante trabalho de observação da música e da cultura brasileira através de artigos publicados em diversos veículos. Experimentou o cinema também, com o curioso O Cinema Falado. Chico, além de compositor de obras primas incontestáveis, é romancista, escreveu para teatro, mas no cinema só trabalhou como ator, de forma discreta.

Os dois são amigos desde os anos 1960, quando se conheceram nos festivais da Record. Fizeram shows juntos, gravaram discos, tiveram programa de TV em dupla, mas curiosamente muita gente pratica um certo Fla x Flu entre eles. Turma do Chico, supostamente mais engajada, mais politizada, turma do Caetano supostamente mais libertária, mais, digamos, “odara”.

Bem, isso talvez tenha feito sentido em algum momento do século passado, visto de uma maneira rasa, linear. Mas a realidade não é isso, nunca foi. Qualquer mente mais arejada consegue enxergar a grandeza e a beleza da obra destes dois gênios. Não cresceram de forma isolada, pois pertencem à extraordinária geração que também nos deu Milton Nascimento, Gilberto Gil, Paulinho da Viola, Tom Zé, Luiz Melodia e outros criadores originais, mas estes nunca foram colocados em confronto, como tentaram fazer com Chico e Caetano.

Ambos compuseram fados inesquecíveis, e aproveito essa deixa sonora para atravessar o Atlântico. Em Portugal há dois luminares da literatura contemporânea, um já falecido e outro com a idade de Caetano: Saramago e Lobo Antunes. Escritores de grande talento, originais na forma e críticos do status quo, mas se detestavam. Depois que Saramago ganhou o Nobel, piorou. Lobo Antunes, rancoroso, vendo desaparecer no horizonte a sua chance – imagine dois escritores portugueses ganhando o Nobel! – passou a desprezar o prêmio, falando mal em toda a oportunidade. E obviamente há uma torcida pró-Saramago e outro pró-Antunes em Portugal.

Chico Buarque ganhou o Prêmio Camões de Literatura. Caetano aplaudiu. Uma lição que os dois artistas brasileiros deixam, nas entrelinhas. No campo da arte, a competição mais depõe do que enobrece.

Vejam estas palavras de Caetano, em artigo recente, sobre o ilustre filho de Sérgio Buarque de Holanda: “O Brasil é capaz de produzir um Chico Buarque: todas as nossas fantasias de autodesqualificação se anulam. Seu talento, seu rigor, sua elegância, sua discrição são tesouro nosso.

Amo-o como amo a cor das águas de Fernando de Noronha, o canto do sotaque gaúcho, os cabelos crespos, a língua portuguesa, as movimentações do mundo em busca de saúde social. (…) Suas canções impõem exigências prosódicas que comandam mesmo o valor dos erros criativos. (…) O samba nos cinejornais de futebol do Canal 100, Antônio Brasileiro, o Bruxo de Juazeiro, Vinicius, Clarice, Oscar, Rosa, Pelé, Tostão, Cabral, tudo o que representou reviravolta para nossa geração foi captado por Chico e transformado em coloquialismo sem esforço. Vimos melhor e com mais calma o quanto já tínhamos Noel, Haroldo Barbosa, Caymmi, Wilson Batista, Ary, Sinhô, Herivelto. A Revolução Cubana, as pontes de Paris, o cosmopolitismo de Berlim, o requinte e a brutalidade de diversas zonas do continente africano, as consequências de Mao. Chico está em tudo. Tudo está na dicção límpida de Chico. Quando o mundo se apaixonar totalmente pelo que ele faz, terá finalmente visto o Brasil. Sem o amor que eu e alguns alardeamos à nossa raiz lusitana, ele faz muito mais por ela (e pelo que a ela se agrega) do que todos nós juntos”.

Caetano, que os inimigos acusam de ególatra e vaidoso, é pura paixão pela obra de Chico. Este, mais contido, não escreve artigos derramados, porém não deixa de homenagear o companheiro de ofício. Ou você não percebeu que sua mais recente composição, Que tal um samba, cita explicitamente versos do “rival”? “Um filho com a pele escura/ com formosura/ Bem brasileiro, que tal?/ Não com dinheiro, mas a cultura.” (Chico Buarque, 2022). Lembra de algo? “Não me amarra dinheiro não/ mas formosura/ Dinheiro não/ a pele escura/ Dinheiro não” (Caetano Veloso, 1979).

Desculpem, portugueses, mas nossos dois gênios dão uma aula de civilidade, respeito e amor nos de vocês!

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

⇒O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.⇐
Clique aqui e veja como.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Michael Löwy Benicio Viero Schmidt Anderson Alves Esteves Mariarosaria Fabris Alysson Leandro Mascaro Paulo Martins Ronald León Núñez Paulo Sérgio Pinheiro Gabriel Cohn Henry Burnett João Carlos Salles Tarso Genro Matheus Silveira de Souza Eleonora Albano Gilberto Maringoni Leda Maria Paulani Francisco de Oliveira Barros Júnior José Costa Júnior Eduardo Borges Osvaldo Coggiola João Paulo Ayub Fonseca Liszt Vieira Antonino Infranca Rubens Pinto Lyra Bento Prado Jr. Vanderlei Tenório Marcos Aurélio da Silva Manuel Domingos Neto Luiz Bernardo Pericás Luís Fernando Vitagliano Gilberto Lopes Eliziário Andrade Luis Felipe Miguel João Sette Whitaker Ferreira Maria Rita Kehl Ronaldo Tadeu de Souza Marjorie C. Marona Luiz Eduardo Soares Slavoj Žižek Andrew Korybko Eugênio Bucci Marcus Ianoni Flávio Aguiar Chico Whitaker Otaviano Helene Lincoln Secco Fábio Konder Comparato Daniel Costa Marcos Silva Atilio A. Boron Marilia Pacheco Fiorillo Airton Paschoa Antônio Sales Rios Neto Juarez Guimarães Ricardo Abramovay Marcelo Guimarães Lima Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Roberto Alves Jean Marc Von Der Weid Denilson Cordeiro João Feres Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tadeu Valadares Julian Rodrigues Dênis de Moraes Igor Felippe Santos João Lanari Bo Leonardo Avritzer José Dirceu Carla Teixeira José Micaelson Lacerda Morais Chico Alencar Caio Bugiato Fernão Pessoa Ramos José Luís Fiori Ari Marcelo Solon Jorge Branco Salem Nasser Vinício Carrilho Martinez Paulo Nogueira Batista Jr Afrânio Catani Manchetômetro Alexandre Aragão de Albuquerque Marilena Chauí Eugênio Trivinho Luiz Werneck Vianna Luiz Renato Martins Lorenzo Vitral Priscila Figueiredo João Adolfo Hansen Heraldo Campos Paulo Capel Narvai Tales Ab'Sáber Marcelo Módolo Andrés del Río Celso Favaretto Lucas Fiaschetti Estevez Dennis Oliveira Celso Frederico Paulo Fernandes Silveira Anselm Jappe Eleutério F. S. Prado Rafael R. Ioris Sandra Bitencourt Flávio R. Kothe José Geraldo Couto Remy José Fontana Luciano Nascimento Antonio Martins Rodrigo de Faria Francisco Pereira de Farias Gerson Almeida Thomas Piketty Armando Boito Valerio Arcary Ricardo Antunes Ricardo Fabbrini Daniel Afonso da Silva Berenice Bento Annateresa Fabris Luiz Marques João Carlos Loebens Sergio Amadeu da Silveira Valerio Arcary Renato Dagnino Vladimir Safatle Ricardo Musse Ladislau Dowbor Daniel Brazil Michael Roberts Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre de Lima Castro Tranjan Walnice Nogueira Galvão Francisco Fernandes Ladeira Bruno Machado Elias Jabbour Milton Pinheiro José Raimundo Trindade Fernando Nogueira da Costa Leonardo Boff José Machado Moita Neto Leonardo Sacramento Bernardo Ricupero Ronald Rocha Yuri Martins-Fontes Luiz Carlos Bresser-Pereira Mário Maestri Claudio Katz Jorge Luiz Souto Maior Boaventura de Sousa Santos Michel Goulart da Silva Samuel Kilsztajn Kátia Gerab Baggio André Márcio Neves Soares Alexandre de Freitas Barbosa Jean Pierre Chauvin Carlos Tautz André Singer Érico Andrade Henri Acselrad

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada