As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O fotojornalismo no 8 de janeiro

Imagem: Alexander Zvir
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RAFAEL VALLES

O entendimento sobre o que ocorreu no dia oito de janeiro de 2023 passa pelo modo como compreendemos o uso das imagens

No livro Ver é um todo – entrevistas e conversas (1951-1998), o renomado fotógrafo francês Henri Cartier-Bresson resumiu em poucas linhas uma questão importante para pensar-se o trabalho dos fotojornalistas: “Não tenho ‘mensagem’ ou ’missão’, tenho um ponto de vista. A fotografia é um meio de comunicação muito importante, e somos responsáveis diante das milhões de pessoas que alcançamos com nossas reportagens difundidas pela imprensa” (CARTIER-BRESSON, 2015, p.37).

Através do olhar de Cartier-Bresson, fica evidente não só a importância de um sentido ético para o ofício do fotojornalismo, mas também a responsabilidade que o trabalho de um fotojornalista acarreta diante de quem irá ler as notícias e ver as imagens. Por isso, é sempre importante ter em conta que o trabalho de um fotojornalista não se reduz a “complementar” um texto jornalístico: trata-se, antes, de entender as responsabilidades de construir, através das imagens, um olhar sobre determinado acontecimento.

Quis a ironia do destino que o dia oito de janeiro – celebrado como o Dia Nacional da Fotografia e o Dia do Fotógrafo aqui no Brasil – fosse marcado, neste ano, por imagens tão tristes para a história do país. Ver os registros fotográficos dos atentados golpistas cometidos por grupos de extrema direita aos prédios dos Três Poderes reforça, ainda mais, uma reflexão sobre o papel das imagens diante de eventos históricos e traumáticos.

O entendimento sobre o que ocorreu no dia oito de janeiro de 2023 passa pelo modo como compreendemos o uso das imagens. Os registros fotográficos e audiovisuais feitos pelos bolsonaristas não só exaltam a barbárie do ato que cometeram, mas também constituem parte fundamental da construção do ato. As selfies e as publicações dessas imagens em redes sociais cumprem um anseio de legitimidade e ostentação por parte de quem as registrou. O que, para a justiça, configura uma prova de crime, para os seus autores, configura um ato de suposto patriotismo e valentia “antissistema”. Estamos, assim, alcançando níveis nunca antes vistos nesta “sociedade atomizada por um individualismo com beiradas narcisistas, que precisa ver sua bela imagem refletida no olhar alheio para ser” (SIBILIA, 2008, p. 263).

No entanto, é preciso levar em conta que, durante estes atentados à democracia, às instituições e ao patrimônio público, também foram registradas imagens por pessoas que não apoiaram a tentativa de golpe. Ao exercerem o seu ofício de documentar os fatos, os fotojornalistas assumiram a dura missão de transmitir em imagens a dimensão do vandalismo e da destruição praticados pelos golpistas. Os relatos de fotojornalistas que estiveram presentes naquele dia em Brasília mostram como os bolsonaristas encaravam a imprensa como inimiga.

É o caso, por exemplo, do depoimento de Gabriela Biló, fotojornalista da Folha de S. Paulo: “Eu não consegui entrar dentro do STF por causa da violência. Além da agressividade dos golpistas, a polícia tinha começado a retomada do STF, então estava arriscado de qualquer forma para mim. (…) Muitos, mas muitos colegas foram covardemente agredidos. (…) Tiveram fotógrafos que foram espancados dentro do Palácio do Planalto. No dia seguinte, na sala dos fotógrafos tinha até sangue no chão”.[i]

Marina Dias, repórter e fotojornalista do jornal norte-americano The Washington Post, expõe o que passou naquela fatídica tarde na capital federal: “Eu e colegas jornalistas fomos agredidos enquanto trabalhávamos na cobertura de atos terroristas em Brasília. Fui cercada, chutada, empurrada, xingada. Quebraram meus óculos, puxaram meu cabelo, tentaram pegar meu celular”.[ii]

Um repórter do jornal mineiro O Tempo, que preferiu manter a sua identidade preservada, apresenta outro relato dramático: “Três ou quatro homens vestidos como militares me cercaram, me abordaram e passaram a me bombardear com perguntas: “quem é você? o que faz aqui? por que não está vestido como um patriota? é infiltrado? é petista?”. Gelei. Um deles passou a perna em mim e caí. Apareceu mais gente. Todos gritavam, apontavam o dedo para mim, ameaçavam. Uns chutavam as minhas pernas. Tomaram a minha mochila, acharam o meu crachá. Falei que eu era funcionário do Grupo Sada, de Minas Gerais, mas eles não queriam conversa. Roubaram o meu crachá, quebraram ele. Pegaram minha carteira, roubaram meus documentos, pegaram meu celular. Repetiam a todo momento que eu era petista infiltrado. Eu respondia que não era, estava ali a trabalho. Foi então que colocaram uma arma na minha cintura, dizendo que eu ia morrer. Outro apareceu com uma arma colocada nas minhas costas e não paravam de me dar tapa na cara, xingar”.[iii]

Outros repórteres e fotojornalistas – de entidades como Agência Reuters, Agência France Presse, Agência Brasil, canal BandTV, site Metrópolis lataram agressões por parte dos golpistas.

Diante de relatos como estes, é sempre importante resgatar os ensinamentos de Cartier-Bresson: “[…] o mais gratificante para um fotógrafo não é o reconhecimento, o sucesso, etc. É a comunicação: o que você diz pode ter um significado para outras pessoas e adquirir certa importância. Temos uma grande responsabilidade e devemos ser absolutamente honestos com o que vemos” (CARTIER-BRESSON, 2015, p. 26). Mesmo diante do cenário de guerra e de todas as adversidades que enfrentaram no dia oito de janeiro, lá estiveram os fotojornalistas para informar e comunicar.

Enquanto as imagens feitas pelos golpistas servem de prova para incriminá-los pelos atos de selvageria que cometeram, as imagens feitas pelos fotojornalistas constroem um caminho para compreendermos a complexidade da história sendo escrita. Os registros feitos por repórteres e fotojornalistas hoje percorrem o mundo para mostrarem por que o dia oito de janeiro se tornou um dos momentos mais dramáticos da história deste país e por que nunca mais poderá se repetir. De alguma forma, o Dia Nacional da Fotografia e o Dia do Fotógrafo ganharam um sentido mais profundo neste ano de 2023.

*Rafael Valles é escritor, jornalista, realizador audiovisual. Doutor em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Referências


CARTIER-BRESSON, Henri. Ver é um todo – Entrevistas e conversas 1951-1998. São Paulo: Gustavo Gili, 2015.

SIBILIA, Paula. O show do eu – a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

Notas


[i] https://www.instagram.com/reel/CnXVMtTuOXw/?igshid=YmMyMTA2M2Y=

[ii] https://twitter.com/falamarina/status/1612282583462600704?s=20&t=lBP0M2LxZ0Ae9sy6dXos3w

[iii] https://www.youtube.com/watch?v=-EYLSCAe298

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Mariarosaria Fabris Francisco Fernandes Ladeira Lucas Fiaschetti Estevez José Luís Fiori Francisco de Oliveira Barros Júnior Eliziário Andrade Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Fernandes Silveira Gabriel Cohn Jorge Branco Vanderlei Tenório Luiz Carlos Bresser-Pereira Everaldo de Oliveira Andrade Osvaldo Coggiola Carlos Tautz Anselm Jappe João Carlos Loebens Chico Whitaker Ronald Rocha José Dirceu Carla Teixeira Paulo Nogueira Batista Jr Marcelo Módolo Marcus Ianoni Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Costa Júnior Fernando Nogueira da Costa Bruno Machado Ricardo Antunes Alexandre de Freitas Barbosa Lincoln Secco Igor Felippe Santos Alexandre Aragão de Albuquerque Otaviano Helene Remy José Fontana Michael Löwy Yuri Martins-Fontes Ricardo Fabbrini Paulo Martins José Raimundo Trindade Juarez Guimarães Gilberto Lopes Leonardo Avritzer Vinício Carrilho Martinez Luiz Costa Lima Boaventura de Sousa Santos Priscila Figueiredo Fábio Konder Comparato João Adolfo Hansen Alysson Leandro Mascaro José Machado Moita Neto Bernardo Ricupero Manchetômetro Afrânio Catani Liszt Vieira Bento Prado Jr. Rafael R. Ioris André Márcio Neves Soares Luciano Nascimento Fernão Pessoa Ramos Luis Felipe Miguel Andrew Korybko Roberto Noritomi Jean Marc Von Der Weid Atilio A. Boron Luiz Bernardo Pericás Francisco Pereira de Farias Leonardo Boff Eleutério F. S. Prado Mário Maestri Elias Jabbour José Micaelson Lacerda Morais Eleonora Albano Paulo Capel Narvai Slavoj Žižek Luiz Eduardo Soares João Feres Júnior Marcelo Guimarães Lima Valerio Arcary Airton Paschoa Claudio Katz Maria Rita Kehl Marcos Silva Marilia Pacheco Fiorillo Manuel Domingos Neto Luiz Werneck Vianna Berenice Bento Jorge Luiz Souto Maior Denilson Cordeiro Celso Frederico Samuel Kilsztajn Daniel Afonso da Silva Ronald León Núñez Celso Favaretto Lorenzo Vitral Jean Pierre Chauvin Dênis de Moraes Tadeu Valadares João Sette Whitaker Ferreira Chico Alencar Luiz Renato Martins Annateresa Fabris Leda Maria Paulani Caio Bugiato Walnice Nogueira Galvão Luís Fernando Vitagliano Roberto Bueno Flávio Aguiar Antônio Sales Rios Neto Tales Ab'Sáber Ladislau Dowbor Eduardo Borges Ari Marcelo Solon Renato Dagnino Michael Roberts Gerson Almeida João Carlos Salles Daniel Costa Valério Arcary Salem Nasser Vladimir Safatle Tarso Genro Henri Acselrad Sergio Amadeu da Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonio Martins Leonardo Sacramento Kátia Gerab Baggio Paulo Sérgio Pinheiro André Singer Daniel Brazil Marjorie C. Marona Ricardo Musse Rubens Pinto Lyra Henry Burnett José Geraldo Couto Armando Boito Marilena Chauí João Lanari Bo Eugênio Bucci Benicio Viero Schmidt Dennis Oliveira Heraldo Campos Anderson Alves Esteves Julian Rodrigues Rodrigo de Faria João Paulo Ayub Fonseca Thomas Piketty Luiz Marques Flávio R. Kothe Antonino Infranca Luiz Roberto Alves Eugênio Trivinho Bruno Fabricio Alcebino da Silva Milton Pinheiro Gilberto Maringoni Ricardo Abramovay Érico Andrade Sandra Bitencourt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada