A trajetória filosófica de Giorgio Agamben

Fritz Wotruba (1907-1975), Große Skulptur , 1972.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ARI MARCELO SOLON*

Comentário sobre o livro recém-lançado de Adam Kotsko.

Adam Kotsko oferece em Agamben’s Philosophical Trajectory uma chave de leitura alternativa àquela subjacente a muitas das interpretações disponíves dos textos do autor. Essas interpretações pressupõem e enquadram esse conjunto de textos como pedras em um monumento ou um templo, a liga entre uma multiplicidade de palavras de uma trajetória intelectual de meio século a operar como uma “dispensa oculta,” rendendo-as como meros mecanismos, sem os quais o espírito do gênio não teria corpo.

Ao assim proceder, na tradição que nos foi legada pelo romantismo tardio, essas interpretações não tanto criticam, quanto comentam os textos que têm diante de si, e ao assim fazê-lo, contribuem como escravos a um senhor, para seu acréscimo e nutrição, ao invés de marcarem sua sobrevida. Não é sem alguma ironia então que parcela considerável dos comentários dedicados aos escritos de Giorgio Agamben acabe restando em contradição com aquilo que esses textos, quando lidos de outra perspectiva, como aquela proposta por Kotsko, chamam e inspiram, quer dizer, que eles sejam desoperados e não interpretados, mas sim usados – para que mil “Agambens” possam florescer, para me remeter diretamente às palavras de Kotsko.

O capítulo primeiro é dedicado ao que outros autores chamam de fase “apolítica” de Agamben. Para Kotsko, não se trata tanto de uma fase apolítica, mas de um desgosto perante as opções que se lhe afiguravam na época da Guerra Fria, entre os anos 1980 e 1990, fazendo com que Agamben se voltasse a uma teoria geral da linguística e uma busca da experiência individual através das ciências humanas.

O segundo capítulo passa a tratar da fase chamada “política” de Agamben, em que se tem início o projeto que lançaria Agamben ao centro do palco da teoria politica contemporânea. À luz da tragédia iugoslava, mas também como uma contribuição ao debate entre Jean-Luc Nancy e Maurice Blanchot acerca da noção de comunidade, Agamben escreve Homo Sacer (ed. UFMG), o homem sagrado que não poderia ser sacrificado, mas ainda assim morto. Valendo-se da distinção entre zoe e bios tal qual articulada por Hannah Arendt, mas também do messianismo fraco de Walter Benjamin. Correspondentemente, Benjamin citando Maimônides, enfatizava como a diferença entre o mundo atual e o mundo messiânico seria, em última instância, ínfima.

Marcada a distinção entre essas duas fases, o terceiro capítulo “Em busca do método” trata da expansão e armação do projeto Homo Sacer, rumo aos domínios da teologia. Em Paulo, Agamben encontra estratégias para avançar em relação ao messianismo fraco de Benjamin, dando a uma palavra que se lhe tornaria tão cara quanto como que sua assinatura, potencialidade, um importante índice histórico. Não se trataria, assim, de apenas um messianismo fraco, mas um Hōs me, um como se não, o inverso de uma ficção, a desoperação da ficção que, ao interroper o curso do tempo, antecipa uma era messiânica pensada de um modo original.

O quarto capítulo mostra como a conclusão de Homo Sacer leva ao uso dos corpos. O uso, ao contrário da obra, implica na desoperação. Ao se desoperar seja a liturgia, seja a lei, têm-se a abertura de um espaço de experiência marcado pela noção de uso, resgatada através da leitura cuidadosa de textos consagrados da tradição ocidental, esse modo de leitura que designamos no início e que, argumentavelmente, pode ser lido no esforço de Kotsko ao propor para que se comece a usá-lo para ler Agamben ele próprio. O quinto capítulo, por sua vez, dedicado a obras tardias, oferece uma explicação interessante para a decisão em editar todos os volumes da série Homo Sacer em uma única obra.

Para além de interesses biográficos, baseados nas conversas que Adam Kotsko travou com Giorgio Agamben em sua casa em Veneza, Kotsko mobiliza esses fragmentos da vida do autor de maneira criativa, desoperando a relação entre vida e obra constitutiva dos cânones de interpretação ainda vigentes no campo das humanidades. Em uma formulação elegante acerca de um esforço filosófico que se lançou no desafio de pensar o contemporâneo, Kotsko sugere que em sua fase apolítica, Agamben foi mais contemporâneo.

Em contraste, em sua fase política, ao ser explicitamente contemporâneo, Agamben acaba estando fora do tempo. De fato, é difícil não ler nesse caráter talvez a sua principal contribuição à arqueologia como método. A arqueologia de Agamben, segundo Kotsko, não busca encontrar uma arche no sentido de um comando a forçar tudo a vir a ser necessariamente no modo pelo qual veio a ser. Pelo contrário, Agamben buscaria inserir um espaço entre nossa tradição e a origem, rendendo a tradição algo contingente e sem fundamento. Argumentavelmente, é o esforço em inserir esse espaço na obra de Agamben, desoperando-a enquanto tal e revelando-a em termos de uma trajetória, que caracteriza e destaca a originalidade e importância de Agamben’s Philosophical Trajectory.

*Ari Marcelo Solon é professor da Faculdade de Direito da USP. Autor, entre outros, livros, de Caminhos da filosofia e da ciência do direito: conexão alemã no devir da justiça (Prismas).

Referência


Adam Kotsko. Agamben’s Philosophical Trajectory: The Development of a Contemporary Thinker. Edimburgo, Edinburgh University Press, 2020, 240 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Valerio Arcary Liszt Vieira José Raimundo Trindade Elias Jabbour Vinício Carrilho Martinez Eliziário Andrade Atilio A. Boron Ricardo Musse Sergio Amadeu da Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Aurélio da Silva Thomas Piketty Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Rubens Pinto Lyra João Lanari Bo Matheus Silveira de Souza Fábio Konder Comparato Carla Teixeira Gerson Almeida Paulo Martins Chico Whitaker Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Luís Fiori Slavoj Žižek Daniel Brazil Anselm Jappe Lorenzo Vitral Leda Maria Paulani Annateresa Fabris Paulo Nogueira Batista Jr Marcelo Módolo Manchetômetro André Márcio Neves Soares Heraldo Campos Ronald Rocha Paulo Sérgio Pinheiro Antônio Sales Rios Neto Paulo Capel Narvai Salem Nasser Sandra Bitencourt Francisco Fernandes Ladeira Érico Andrade Luiz Marques Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Julian Rodrigues Daniel Afonso da Silva Renato Dagnino Luiz Renato Martins Ladislau Dowbor Vladimir Safatle Dênis de Moraes Ari Marcelo Solon Samuel Kilsztajn Michael Löwy Marilena Chauí Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni José Micaelson Lacerda Morais Luís Fernando Vitagliano Alexandre de Lima Castro Tranjan Andrew Korybko Armando Boito Fernão Pessoa Ramos Everaldo de Oliveira Andrade Kátia Gerab Baggio Chico Alencar Vanderlei Tenório Marcelo Guimarães Lima Tadeu Valadares Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Eleonora Albano Bernardo Ricupero Marilia Pacheco Fiorillo Milton Pinheiro Claudio Katz Rafael R. Ioris Marcos Silva Daniel Costa Boaventura de Sousa Santos João Carlos Loebens Alexandre de Freitas Barbosa Rodrigo de Faria Yuri Martins-Fontes José Geraldo Couto José Costa Júnior Henri Acselrad Fernando Nogueira da Costa Benicio Viero Schmidt Maria Rita Kehl Dennis Oliveira Eleutério F. S. Prado Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Andrés del Río Luis Felipe Miguel Lincoln Secco Luiz Werneck Vianna Igor Felippe Santos Priscila Figueiredo Remy José Fontana Jorge Luiz Souto Maior Marcus Ianoni Juarez Guimarães Mariarosaria Fabris Leonardo Avritzer Ricardo Abramovay Eugênio Trivinho Celso Frederico Ricardo Fabbrini José Dirceu Berenice Bento Otaviano Helene Luiz Roberto Alves Bento Prado Jr. Jorge Branco José Machado Moita Neto Paulo Fernandes Silveira João Carlos Salles Tales Ab'Sáber Francisco de Oliveira Barros Júnior Celso Favaretto Gilberto Lopes Bruno Machado Valerio Arcary Afrânio Catani Antonino Infranca Ricardo Antunes Leonardo Sacramento Flávio Aguiar André Singer Jean Pierre Chauvin Michael Roberts Mário Maestri Marjorie C. Marona Osvaldo Coggiola Luciano Nascimento Henry Burnett Luiz Bernardo Pericás João Paulo Ayub Fonseca Gabriel Cohn Walnice Nogueira Galvão Francisco Pereira de Farias Jean Marc Von Der Weid Luiz Carlos Bresser-Pereira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michel Goulart da Silva Luiz Eduardo Soares Carlos Tautz Leonardo Boff Eduardo Borges João Sette Whitaker Ferreira Antonio Martins Airton Paschoa João Feres Júnior Flávio R. Kothe Denilson Cordeiro Ronald León Núñez Eugênio Bucci

NOVAS PUBLICAÇÕES