As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

China – qual socialismo?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ELIAS JABBOUR*

Considerações sobre a natureza da formação econômico-social chinesa.

A natureza do processo de desenvolvimento chinês por si é motivo de imensas e apaixonadas polêmicas, sendo a principal delas a que se refere à natureza de sua formação econômico-social. Socialismo ou capitalismo. Não seria demais advertir que a colocação da questão nestes termos não tem sentido marxista, pois se remete mais ao “princípio da identidade” de Kant do que à “correlação múltipla dos fenômenos”.

Uma realidade não é capitalista ou socialista à priori. Ela é fruto da combinação de diferentes modos de produção coetâneos, mas não contemporâneos dando forma e conteúdo a formações sociais específicas. O socialismo de mercado chinês, a nós, seria uma tipologia nova de formações econômico-sociais.

Tomar a realidade partindo deste nível de abstração demanda visão de processo histórico como antídoto aos famosos “check-lists” positivistas que encerram a velha mania da ciência social ocidental (incluindo os influenciados por Marx) de buscar classificar e organizar critérios para todo fenômeno diante de si. O contrário seria o correto: o conceito se realiza no movimento real. Neste sentido não seria nenhum exagero afirmar que a China, e o movimento que seu processo de desenvolvimento encerra, acumula material suficiente para voltarmos a problematizar o socialismo em termos dialéticos, por dentro do real e não como um ideal abstrato.

No fundo a questão não é refazer o que Marx (não) fez quando o assunto é socialismo. O problema é encontrarmos a forma histórica presente mais próxima daquilo que ele definiu um dia como socialismo (superação da divisão social do trabalho, abolição das classes e da propriedade privada). O preço a se pagar politicamente por se fixar em arquétipos é muito alto.

É o preço de se esquivar diante da realidade que devemos transformar. O que na verdade os comunistas chineses estão conseguindo com muita capacidade. De país mais pobre do mundo em 1949 ao fim da pobreza extrema em um país com as peculiaridades geográficas e diferenciais regionais de produtividade não é algo qualquer. Talvez seja o maior feito da história humana em séculos. Fruto de uma força política chamada Partido Comunista e que reivindica a si o comando de um processo que eles dão o nome de socialismo.

Voltando à questão da natureza da formação econômico-social chinesa. O critério primário para isso é o poder político. Encontrar alguma formação econômico-social onde o poder político está comprometido e dispõe dos elementos essenciais para alcançar determinados objetivos. Poder político não se exprime em “novas relações sociais de produção”. Poder político se exprime em novas relações de propriedade. O banimento de Hegel no ocidente levou a uma apropriação utopista do marxismo feita por acadêmicos e marxistas ocidentais. Ao colocar o pensamento à frente da matéria, percebe-se que uma nova sociedade já nasce sob bases próprias, ou relações sociais avançadas na primeira hora. Quando na verdade a grande questão é a base material que serve de suporte ao poder político.

Trata-se de uma forma sútil de negar a política e se refugiar no “ardil do conceito” hegeliano. Novas relações sociais não surgem fora dos marcos da propriedade pública e essa propriedade deve ter um grau de produtividade do trabalho maior que a propriedade privada. O próprio Marx nos adverte sobre o fato de novas relações sociais não surgirem sem antes as forças produtivas que a sustentam não terem se esgotado. Do ponto de vista político impor relações sociais novas em forças produtivas inexistentes abre campo à reação e ao fascismo. Mas esse é um outro ponto, do qual poderemos nos concentrar em outro momento tamanha a sua importância.

Muitos dos problemas do socialismo decorrem desta forma equivocada, tomando a nuvem por Juno. O papel do poder político de novo tipo é elevar o grau das forças produtivas, montar uma muralha de aço para sua autodefesa. As relações de produção têm relação de efeito a este movimento. Trata-se de pontos interessantes para começar a pensar a China como uma gigantesca experiência socialista.

Por exemplo, por que não pensar na grande empresa ou corporação empresarial estatal mediada e voltada para grandes tarefas postas pelo Partido Comunista como uma interessante forma histórica de propriedade? E como caracterizar uma formação econômico-social onde o núcleo da economia é este tipo de propriedade (no caso chinês, 96 conglomerados empresariais estatais)?

E onde é este tipo de propriedade a geradora dos ciclos de acumulação na economia em oposição às formações econômico-sociais de tipo capitalista onde o Estado induz, mas é o setor privado o gerador destes ciclos? As possibilidades abertas por um poder exercido pelo Partido Comunista baseado na grande produção e finanças estatais não seria uma forma histórica orientada a superação de antigas formas, baseadas na grande propriedade privada? Ou nos refugiaremos no “super-trunfo” para quem os problemas do socialismo se resolvem, à priori (nada positivista…) com “poder operário” e “democracia”?

Nos últimos 20 anos a China construiu cerca de 40 mil quilômetros de trens de alta velocidade. Ao lado disso tecnologias disruptivas (plataforma 5G, Big Data e Inteligência Artificial) surgidas no seio dos grandes conglomerados empresariais estatais elevaram em demasia a capacidade de planificação do Estado chinês. Em outras palavras: elevou-se a capacidade humana de intervir na natureza, o que significa mudança qualitativa no modo de produção dominante àquela formação econômico-social com o surgimento de novas regularidades a serem decifradas pela ciência social moderna. A China, literalmente, arrasta para frente a fronteira das ciências humanas e sociais.

Pensar em termos científicos a formação econômico-social chinesa passa necessariamente pela apreensão do fato de diferentes modos de produção coabitarem em uma verdadeira unidade de contrários. O socialismo enquanto forma histórica que se realiza na grande propriedade pública e na planificação em nível superior não está alheios às contradições de ordem capitalista que por ali coexistem. Fetiche da mercadoria, consumismo, surgimento de bilionários e precarização do trabalho são fenômenos reais, não imaginários.

Talvez são estas contradições que servem de motor ao surgimento de novas soluções políticas e econômicas a determinadas questões. A elevação da regulação estatal sobre as fintechs e a aceleração de compras de ativos de empresas privada pelo Estado não demonstra somente ação política. Em movimento significa o próprio surgimento de novas formas históricas de propriedade não previstas em nenhum manual.

Finalizando esta breve discussão, fica uma questão e uma breve resposta. Qual a forma histórica correspondente ao socialismo em nosso tempo apontada pela experiência chinesa? Não tenho dúvidas que a elevação da capacidade de planificar a economia e basear a planificação no sentido de elaborar e executar grandes projetos pode ser a chave que nos encaminhe para um socialismo que tem na razão uma forma histórica em oposição à irracionalidade capitalista. Não estaríamos ressuscitando o velho Ignacio Rangel e observando na China o surgimento de uma “Nova Economia do Projetamento”? O projeto de uma ponte, viaduto ou milhares de linhas de trens de alta velocidade não passam de uma operação contábil ou em sua essência não estaria a realização do socialismo enquanto transformação da razão em instrumento de governo?

O socialismo é uma ciência. E como ciência devemos encará-lo. Ou não?

*Elias Jabbour é professor dos Programas de pós-graduação em Ciências Econômicas e em Relações Internacionais da UERJ. Autor, entre outros livros, de China Hoje – Projeto Nacional Desenvolvimento e Socialismo de Mercado (Anita Garibaldi).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Antunes Dênis de Moraes Mário Maestri Claudio Katz José Micaelson Lacerda Morais Gerson Almeida Walnice Nogueira Galvão Armando Boito Mariarosaria Fabris Anderson Alves Esteves Elias Jabbour Slavoj Žižek Gilberto Maringoni Tales Ab'Sáber Sergio Amadeu da Silveira Chico Whitaker José Dirceu Paulo Sérgio Pinheiro Milton Pinheiro Renato Dagnino João Lanari Bo Paulo Martins Jorge Luiz Souto Maior Atilio A. Boron Annateresa Fabris Bruno Machado Afrânio Catani Dennis Oliveira Celso Frederico Marcos Silva Luiz Renato Martins Manchetômetro Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lincoln Secco Berenice Bento Lorenzo Vitral Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Ladislau Dowbor Rodrigo de Faria Caio Bugiato Leonardo Avritzer Henry Burnett Gabriel Cohn Eduardo Borges Antonino Infranca Manuel Domingos Neto Valerio Arcary Luiz Carlos Bresser-Pereira Tadeu Valadares Roberto Noritomi Paulo Nogueira Batista Jr Everaldo de Oliveira Andrade Fábio Konder Comparato Luiz Werneck Vianna Airton Paschoa Eleutério F. S. Prado Alexandre de Lima Castro Tranjan Marilena Chauí Marcos Aurélio da Silva Ricardo Musse Ricardo Fabbrini Ronaldo Tadeu de Souza José Machado Moita Neto Daniel Costa Daniel Brazil Érico Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Samuel Kilsztajn Jean Pierre Chauvin Bento Prado Jr. Luiz Roberto Alves Roberto Bueno Eugênio Trivinho Liszt Vieira Luis Felipe Miguel Jean Marc Von Der Weid Leonardo Sacramento Michael Roberts Marcus Ianoni Luciano Nascimento Priscila Figueiredo Luiz Costa Lima André Márcio Neves Soares Yuri Martins-Fontes Luiz Eduardo Soares Luís Fernando Vitagliano Otaviano Helene Plínio de Arruda Sampaio Jr. Heraldo Campos José Raimundo Trindade José Costa Júnior Vladimir Safatle Julian Rodrigues Ronald León Núñez João Feres Júnior Jorge Branco Paulo Fernandes Silveira Denilson Cordeiro Sandra Bitencourt André Singer Flávio Aguiar Antônio Sales Rios Neto Luiz Marques Lucas Fiaschetti Estevez Vinício Carrilho Martinez Carlos Tautz João Adolfo Hansen Valério Arcary Andrew Korybko Tarso Genro Antonio Martins João Paulo Ayub Fonseca Daniel Afonso da Silva Ari Marcelo Solon Michael Löwy Salem Nasser Paulo Capel Narvai José Luís Fiori Anselm Jappe Marcelo Guimarães Lima Remy José Fontana Alysson Leandro Mascaro Leonardo Boff Francisco Pereira de Farias Ronald Rocha João Carlos Salles Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Rafael R. Ioris Marilia Pacheco Fiorillo Celso Favaretto Rubens Pinto Lyra Bernardo Ricupero Eleonora Albano Osvaldo Coggiola José Geraldo Couto Thomas Piketty Vanderlei Tenório Flávio R. Kothe João Carlos Loebens Carla Teixeira Henri Acselrad Fernão Pessoa Ramos Chico Alencar Maria Rita Kehl Igor Felippe Santos Leda Maria Paulani João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Abramovay Eugênio Bucci Juarez Guimarães Gilberto Lopes Eliziário Andrade Benicio Viero Schmidt Marjorie C. Marona Marcelo Módolo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada