As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As diferenças em comum: Deleuze, Marx e o agora

Maria Bonomi, Malvinas coaguladas, Litografia, 53,50 cm x 44,00 cm,l 1982.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARILENA CHAUI e por BENITO EDUARDO MASEO*

“Prefácio” e “Apresentação” do livro recém-lançado.

Prefácio [Marilena Chaui]

Se a diferença precede a contradição e se esta, como pensamento que opera com identidades, se opõe àquela, podemos indagar: é possível conciliar uma filosofia da diferença e o pensamento dialético? Em outras palavras, é possível re-unir Deleuze e Marx? Eis o desafio proposto e enfrentado por Benito Maeso.

No primeiro, realiza o levantamento exaustivo, temático e cronológico, das referências de Deleuze a Marx no contexto da tradição francesa de esquerda e no constante debate com os comunistas althusserianos.

No segundo, chega à construção deleuziana da figura de Marx, a partir da crítica que este endereça a Hegel, ou seja, a ênfase é dada ao materialismo e à interpretação do conceito de totalização em Marx, colocando-o à distância do hegelianismo para aproximá-lo do conceito deleuziano de rizoma (horizontalidade que exclui transcendências e hierarquias).

Tal aproximação jamais recusa as distinções entre ambos, mas enfatiza a proximidade entre a ideia de “nós de determinações” (no rizoma deleuziano) como significação explícita do tema das “múltiplas determinações” (na dialética marxiana), tema com que Marx define o concreto, de tal maneira que a dialética não seria síntese, mas, segundo Deleuze, “tensão relacional” ou “síntese não identitária”.

No terceiro caminho, Maeso apresenta o motivo que sustenta a busca da reunião dos dois pensadores. Esse motivo tem em seu centro duas noções deleuzianas: a de agenciamento e a de minoritário.

O agenciamento (em lugar de ideias como estrutura e sistema) é entendido como relação de elementos heterogêneos que produzem efeitos no real como práxis, isto é, atividade social, histórica e pessoal (donde o lugar central da ideia de desejo). Por um lado, torna-se possível, com o agenciamento, mapear as condições de nosso presente, o arranjo atual das forças e, por outro lado, propor um novo mapa a partir da desintegração dessas forças, abrindo uma outra práxis.

Se o materialismo de Marx pensa a unidade do sujeito e do objeto e não sua identidade, então abre para nós um materialismo que indague qual a política capaz de enfrentar o neoliberalismo (como economia e como ideologia), a passagem da sociedade da disciplina, vigilância e trabalho para a sociedade do controle (o surgimento de uma nova institucionalidade jurídica a respeito dos direitos e da política) e do consumo, na qual se dá a aparição da subjetividade digital (que, permanentemente exposta e controlada, acredita na igualdade entendida como direito igual de acesso).

É nesse contexto que Maeso examina a possibilidade político-social do novo, trazendo à cena o novo sujeito dessa nova práxis a partir daquilo que Deleuze, analisando a obra de Kafka, designa com o termo minoritário: o que se desvia do padrão (tido como “maior” ou majoritário), e se volta contra ele. Como se observa, a noção de minoritário não se refere às minorias e é mais amplo do que o de classe: refere-se ao momento em que há contestação coletiva e oposição ao que está posto como norma e padrão – desvio. Social e politicamente, minoritário são todos os que estão fora do poder constituído pela imbricação de lei-dinheiro-controle-marketing-autoexposição, própria da sociedade neoliberal e digital.

É fundamental que o termo empregado seja contestação, pois não se trata da tomada desse poder e sim de sua desintegração – ou, em termos deleuzianos, a derrocada do molar pela ação do molecular. O sujeito minoritário surge como instituição contínua de um novo modo de vida no qual o agenciamento é dado pelo comum, não como propriedade comum e sim como bem comum e felicidade de todos.

Não se trata de encontrar em Marx e Deleuze uma receita de ação, mas de, a partir deles, indagar: “como operar um tipo de síntese disjuntiva entre o potencial criativo e a positividade da diferença com o poder crítico da negatividade e da dialética? Essa relação tensa poderia, ao menos do ponto de vista teórico, auxiliar na construção de uma alternativa prática do nó górdio no qual pensamento e ação crítica parecem se encontrar. Em suma, trata-se de pensar o social e o político tais como estão agenciados diante de nós e em nós e, dessa compreensão, buscar como poderemos ultrapassar o que está dado, graças ao que está por fazer. Este livro é um convite a um pensar político novo”.

Apresentação [Benito Eduardo Maseo]

Por que promover hoje o diálogo entre autores que, mesmo importantes, pertencem ao passado? O autor desta obra não crê no “poder mágico” ou premonitório do pensamento de Marx ou de Deleuze. Mas assume a premissa de que seres humanos influenciam e são influenciados por sua relação com o meio onde vivem. Logo, todo pensamento é histórico e social, localizado no tempo, mas dotado de certo grau de “universalidade” pois o que ocorre hoje é efeito de práticas do passado e é causa dos eventos futuros.

Essa dialética torna a relação Deleuze-Marx imperativa. Se hoje o mundo é outro, permanece como seu motor um sistema que simultaneamente se autodestrói e cria as condições de sua sobrevivência. Se as formas de trabalho, emprego, subjetividades e exploração da natureza, entre outras, modificaram-se ao ponto de parecer não ser mais possível pensar o capitalismo com as mesmas categorias, manteve-se um axioma ou núcleo central: a busca por gerar mais capital a partir do próprio capital. Mudam as máscaras, mas o conteúdo é igual, tanto na vergonhosa escravidão dos povos da África como na ilusão do empreendedorismo neopentecostal: transformar a existência humana em fonte de lucro, a partir da exploração de seres humanos por outros humanos e por si mesmos.

Marx e Deleuze (e Engels e Guattari), em suas épocas, buscaram compreender tal máquina social desde seus fundamentos econômicos até implicações políticas, culturais e subjetivas. Dito isso, surpreende que tal relação só passou a ser estudada a fundo nos últimos anos, tanto no Brasil como no exterior.

Isso salta aos olhos na entrevista de Deleuze a Negri, em 1990, quando o francês declara “permanecer marxista”. Considerando o clima intelectual na França, “permanecer” de alguma forma era tudo que não se queria – e muito menos uma associação a Marx, alvo inclusive de “enterros simbólicos” sob aplausos de pensadores pós-modernos. Mas o que seria “ser marxista” para Deleuze? E por que há um recurso importante ao “nome de Marx” já em Diferença e repetição?

Definida a pergunta, estabeleceu-se a estratégia pouco usual de dividir o trabalho em dois campos: o histórico e o conjuntural. No primeiro, mapeou-se a presença marxiana na filosofia de Deleuze, abarcando também o pano de fundo envolvido na propagação do pensamento de Marx entre os franceses e, por tabela, as relações com Hegel, Nietzsche e a formação partidária e de movimentos sociais na política francesa.

A leitura da produção deleuziana revela o duplo papel (aliado e antagonista) operado pelo pensador alemão, surgindo um Marx vibrante e presente no coração da Filosofia da Diferença. Também foi preciso estabelecer a relação entre a Diferença, as variações da dialética marxiana e a partir desta, e a diferença de significação do conceito de negativo entre as escolas francesa e alemã. Se o nome de Marx protege a Diferença de ser considerada “bela alma”, haveria nela elementos “dialéticos” ou elementos diferenciais na dialética? Surge uma nova compreensão da experiência negativa: tanto negação/pensamento como afirmação/materialidade plenas.

Já o desenvolvimento conjuntural do livro parte do Desejo como motor do capitalismo e como suas mudanças alteram o tecido social. A esquizofrenia do capitalismo pode ser o “espectro que assombra a Europa”? É certo que as sociedades de hoje, marcadas pelo controle e pela vigilância, são diferentes das de Marx; porém a máquina capitalista sempre produziu mercadorias, subjetividades e, notadamente, informações. O que Deleuze chama de “alegrias do marketing” podem ser as mudanças nas formas de difusão, produção e circulação de informações e a formação de uma nova racionalidade de mundo, na qual o capitalismo extrai mais-valor da psique individual e coletiva. Forma-se um cabo-de-guerra entre a demanda desenfreada por satisfazer desejos e o medo constante do contingente. Para fugir do medo, abrem-se as portas para o autoritarismo.

Nas sociedades de controle o caos é a força motriz do capital: se o indivíduo tornou-se o empresário de si, os demais tornam-se concorrentes e o mercado torna-se o próprio tecido social. O empresário de si é o dono da produção da mercadoria de si, ou o sujeito-mercadoria: nós mesmos. A sociedade se organiza de forma antissocial e sua administração tende a um totalitarismo no qual cada indivíduo vigia e é vigiado simultaneamente.

É possível, então, tensionar uma sociedade na qual a tensão é norma? O autor crê nisso a partir do encontro entre as filosofias políticas de Deleuze e Marx, do resgate de conceitos como “Comum”, “minoritário” e “luta de classes”. É possível ler Marx pela luz do menor deleuziano? Ou ler a Diferença como variação da luta de classes? As filosofias de Deleuze e Marx – filósofos de crise em tempos de crise – podem apontar o resgate da dimensão comum da vida social sem perder de vista a individualidade e a diferença. Esta obra busca, dentro do percurso acima, trazer sua contribuição a um debate tão atual e que, ao mesmo tempo, nos mobiliza há tempos.

*Marilena Chaui é professora Emérita da FFLCH-USP. Autora, entre outros livros, de Contra a servidão voluntária (Autêntica).

*Benito Eduardo Maseo é professor de filosofia no Instituto Federal do Paraná (IFPR).

Referência


Benito Eduardo Araújo Maseo. As diferenças em comum: Deleuze, Marx e o agora. Curitiba, Appris, 2020, 244 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marilia Pacheco Fiorillo Marjorie C. Marona Luiz Werneck Vianna Rodrigo de Faria Luciano Nascimento Samuel Kilsztajn Jean Marc Von Der Weid Bruno Machado Daniel Costa Manuel Domingos Neto Luiz Costa Lima Jorge Luiz Souto Maior Ricardo Abramovay Érico Andrade Caio Bugiato Juarez Guimarães Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Capel Narvai Atilio A. Boron Jorge Branco Sergio Amadeu da Silveira José Machado Moita Neto Daniel Brazil Otaviano Helene Marilena Chauí Heraldo Campos Berenice Bento Paulo Martins Gilberto Maringoni Ronaldo Tadeu de Souza Walnice Nogueira Galvão Mariarosaria Fabris Bento Prado Jr. Eduardo Borges Vinício Carrilho Martinez Ronald León Núñez Leonardo Avritzer Carlos Tautz José Costa Júnior José Dirceu Maria Rita Kehl José Geraldo Couto Francisco Pereira de Farias Andrew Korybko Marcus Ianoni Gabriel Cohn Alexandre de Lima Castro Tranjan Lorenzo Vitral André Márcio Neves Soares Francisco Fernandes Ladeira Lucas Fiaschetti Estevez Lincoln Secco Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Fabbrini Eugênio Bucci Valerio Arcary Ricardo Antunes Leonardo Boff Fábio Konder Comparato Henri Acselrad Flávio R. Kothe Antonino Infranca Gerson Almeida Airton Paschoa Roberto Bueno Julian Rodrigues Luiz Marques Milton Pinheiro Luis Felipe Miguel João Lanari Bo Armando Boito Valério Arcary João Sette Whitaker Ferreira Rafael R. Ioris Anselm Jappe Michael Roberts Paulo Nogueira Batista Jr Henry Burnett Flávio Aguiar Luiz Carlos Bresser-Pereira Chico Whitaker Antonio Martins José Luís Fiori Sandra Bitencourt Bernardo Ricupero José Micaelson Lacerda Morais Alexandre Aragão de Albuquerque Tales Ab'Sáber Eugênio Trivinho Thomas Piketty Tarso Genro João Carlos Loebens Claudio Katz Eleonora Albano Osvaldo Coggiola Tadeu Valadares Luís Fernando Vitagliano Marcelo Módolo João Feres Júnior Afrânio Catani Luiz Bernardo Pericás Vanderlei Tenório Carla Teixeira Mário Maestri Marcos Aurélio da Silva Leda Maria Paulani Jean Pierre Chauvin Dennis Oliveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ari Marcelo Solon Manchetômetro Igor Felippe Santos Luiz Eduardo Soares Roberto Noritomi Denilson Cordeiro Vladimir Safatle José Raimundo Trindade João Adolfo Hansen Marcelo Guimarães Lima Dênis de Moraes Elias Jabbour Luiz Renato Martins Renato Dagnino Remy José Fontana Rubens Pinto Lyra Paulo Fernandes Silveira Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa João Carlos Salles Liszt Vieira Priscila Figueiredo Yuri Martins-Fontes Celso Frederico Kátia Gerab Baggio Luiz Roberto Alves Celso Favaretto Ronald Rocha Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser Marcos Silva Chico Alencar André Singer Michael Löwy Ricardo Musse Eleutério F. S. Prado Francisco de Oliveira Barros Júnior João Paulo Ayub Fonseca Slavoj Žižek Leonardo Sacramento Gilberto Lopes Everaldo de Oliveira Andrade Ladislau Dowbor Antônio Sales Rios Neto Daniel Afonso da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eliziário Andrade Benicio Viero Schmidt Annateresa Fabris Boaventura de Sousa Santos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada