As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Dalmo Dallari (1931-2022)

El Lissitzky, Proun Composition, c. 1922
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUELA CARNEIRO DA CUNHA*

Dalmo deixou, sem alarde, um enorme legado aos povos indígenas

 

Dois artigos na Constituição Federal de 1988 são decisivos para os direitos indígenas. Ambos foram de inspiração de Dalmo Dallari. Ele nos deixou no dia 6 de abril, quando oito mil indígenas estavam justamente reunidos em Brasília para defender a letra desses dois artigos.

O artigo 231 reconhece que os direitos dos indígenas às terras que tradicionalmente ocupam são originários: originários significa que os direitos são anteriores a qualquer lei. Eles, portanto, não são “concedidos” pela Constituição, mas “reconhecidos” por essa lei máxima. Isso foi o que nos explicou Dalmo, que na ocasião nos deu um exemplo exótico: os cantões suíços guardaram seus direitos anteriores, originários ao se unirem para formar o Estado suíço.

A União, continua o artigo 231, tem o dever de proteger essas terras e, para tanto, demarcá-las. O governo Bolsonaro procura inverter os termos e fazer crer que os direitos dos índios às suas terras dependem da conclusão do (longo) processo de demarcação. Não dependem. O Supremo já se pronunciou clara e reiteradamente sobre isso. Mas essa aberração tem justificado um aumento inédito da grilagem de terras indígenas e a tentativa da atual Fundação Nacional do Índio (Funai) de se eximir de seus deveres.

O artigo 232 também foi formulado por Dalmo. Foi fruto de experiência em acompanhar conflitos e prejuízos que povos indígenas tentavam ajuizar. No mais das vezes, os juízes não admitiam a capacidade dos indígenas de entrarem com ações. Alegavam que era a Funai, e não eles, que devia ingressar com a ação. Ora, era frequente que a Funai fosse justamente a autora dos prejuízos, ou, pelo menos, conectada aos autores. Não iria entrar em juízo contra si própria.

É notável que os indígenas já tinham assegurados direitos importantes. Mas o diabo está nos detalhes. De que valiam esses direitos se os indígenas não tinham acesso direto à Justiça, sob o pretexto absurdo de que eram tutelados? Ao longo da década de 1970, Dalmo já havia protestado que o Código Civil havia instituído a capacidade relativa dos índios como uma proteção negocial, mas que a tutela estava sendo, nos tribunais, interpretada contra eles. Nada mudou, porém.

Para resolver esse obstáculo, Dalmo Dallari veio com uma solução elegantíssima no artigo 232: “Os índios, suas comunidades e organizações são partes legítimas para ingressar em juízo em defesa de seus direitos e interesses, intervindo o Ministério Público em todos os atos do processo”. Esse artigo não só trouxe o auxílio do Ministério Público Federal, mas mudou da água para o vinho o acesso dos indígenas à Justiça. Ninguém o contestou na Assembleia Constituinte.

De uma só tacada, os indígenas e suas formas de organização, tanto tradicionais quanto inovadoras, tinham capacidade jurídica reconhecida, e não precisavam de nenhum CNPJ. Esse foi um dos argumentos que permitiu à Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) ser legitimada como autora, no Supremo Tribunal Federal, da notável ADPF 709 de 2020, que procurou defender os povos tradicionais da Covid-19.

Dalmo deixou, sem alarde, um enorme legado aos povos indígenas.

*Manuela Carneiro da Cunha, antropóloga, foi professora na Unicamp, na USP e na Universidade de Chicago. Autora, entre outros livros, de Índios no Brasil (Companhia das Letras).

Publicado originalmente no blog da Comissão Arns.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Claudio Katz Ricardo Musse Luís Fernando Vitagliano Mariarosaria Fabris Salem Nasser Renato Dagnino João Carlos Salles Gilberto Maringoni Carlos Tautz Lincoln Secco Luiz Bernardo Pericás Chico Alencar Eleutério F. S. Prado Daniel Afonso da Silva Eugênio Trivinho Rubens Pinto Lyra Marcelo Módolo Luiz Werneck Vianna Francisco Fernandes Ladeira Jorge Branco Daniel Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Marques Marilena Chauí Gabriel Cohn Armando Boito José Geraldo Couto Luiz Eduardo Soares Marcelo Guimarães Lima Ricardo Abramovay Ladislau Dowbor Luiz Carlos Bresser-Pereira Alysson Leandro Mascaro Airton Paschoa Mário Maestri Fernando Nogueira da Costa Marcus Ianoni Tadeu Valadares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leda Maria Paulani Henri Acselrad José Dirceu Anderson Alves Esteves Leonardo Sacramento Boaventura de Sousa Santos José Costa Júnior Eugênio Bucci Érico Andrade Daniel Brazil Paulo Nogueira Batista Jr Otaviano Helene Vanderlei Tenório Jean Marc Von Der Weid Eduardo Borges Fernão Pessoa Ramos Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Renato Martins Remy José Fontana Dennis Oliveira Carla Teixeira Samuel Kilsztajn Luciano Nascimento José Micaelson Lacerda Morais Milton Pinheiro José Machado Moita Neto Roberto Noritomi Denilson Cordeiro Manuel Domingos Neto Luis Felipe Miguel Henry Burnett Marcos Silva Sandra Bitencourt Igor Felippe Santos Jean Pierre Chauvin Michael Löwy Slavoj Žižek Elias Jabbour Heraldo Campos Chico Whitaker Tarso Genro Lorenzo Vitral Andrew Korybko Leonardo Avritzer João Paulo Ayub Fonseca Sergio Amadeu da Silveira Celso Frederico Valerio Arcary Leonardo Boff Maria Rita Kehl Rodrigo de Faria João Adolfo Hansen Marilia Pacheco Fiorillo José Luís Fiori Celso Favaretto Eleonora Albano Paulo Capel Narvai Kátia Gerab Baggio André Singer Antônio Sales Rios Neto Ronald Rocha Flávio Aguiar Afrânio Catani Francisco Pereira de Farias Marcos Aurélio da Silva José Raimundo Trindade Michael Roberts Ronaldo Tadeu de Souza Roberto Bueno Eliziário Andrade André Márcio Neves Soares Marjorie C. Marona Priscila Figueiredo Paulo Fernandes Silveira Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Yuri Martins-Fontes João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Antunes Manchetômetro Walnice Nogueira Galvão Antonino Infranca Alexandre de Freitas Barbosa Antonio Martins Berenice Bento Paulo Sérgio Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Bernardo Ricupero Ricardo Fabbrini Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Roberto Alves Bruno Fabricio Alcebino da Silva Dênis de Moraes João Carlos Loebens Luiz Costa Lima Atilio A. Boron Gerson Almeida Gilberto Lopes João Feres Júnior Osvaldo Coggiola Bruno Machado Tales Ab'Sáber Ronald León Núñez Ari Marcelo Solon Anselm Jappe Benicio Viero Schmidt Jorge Luiz Souto Maior Paulo Martins Rafael R. Ioris Valério Arcary Vladimir Safatle Francisco de Oliveira Barros Júnior Caio Bugiato Liszt Vieira Thomas Piketty Juarez Guimarães João Lanari Bo Julian Rodrigues Bento Prado Jr. Fábio Konder Comparato Alexandre Aragão de Albuquerque

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada