Desafios da luta antifascista

Imagem: Felipe Durante
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PEDRO TIERRA*

O combate ao neofascismo passa inevitavelmente pela punição exemplar dos responsáveis pela tentativa de golpe de Estado

O assalto das hordas fascistas inspirado (engendrado?) pelo energúmeno, que se refugiou nos Estados Unidos horas antes do eleito tomar posse, consumou-se no domingo, 8 de janeiro de 2023.

As instalações dos três poderes da república foram devastadas pelo impulso destrutivo acumulado ao longo de quatro anos do pesadelo neofascista, nutrido quotidianamente pelo discurso do ódio às instituições democráticas vocalizado pelo delinquente derrotado nas urnas de outubro último.

A tentativa de golpe de Estado fracassou. Como fracassaram as anteriores desde janeiro de 2019, estimuladas pelo o governo dos milicianos de Rio das Pedras que emergiu do submundo do crime para assumir o governo central de um país bestificado pelo fanatismo e pelo culto à ignorância, com a conivência, quando não com o apoio explícito do capital financeiro, de setores do agro e dos empresários da fé.

A parcela majoritária do povo brasileiro que resistiu à estratégia de demolição do país, ao longo de seis anos, fez fracassar a tentativa de reeleger a figura sinistra que encarnou a barbárie, em 2 de outubro e 30 de outubro de 2022. Ali se consumou uma virada histórica quando o energúmeno foi derrotado pela frente ampla liderada por Lula.

O silêncio que se seguiu à derrota não admitida não era outra coisa senão um caldeirão de ressentimentos a alimentar a fúria e o terror contra as instituições e os eleitores que lhe negaram as pretensões de perpetuar-se, até a explosão de 8 de janeiro.

O que a sociedade brasileira assistiu nesse domingo de assombros foi uma metáfora do que viveu o país enquanto durou o governo de liquidação nacional, em todas as áreas de ação do estado. Uma metáfora materializada na destruição física das dependências dos edifícios-sede dos três poderes da república. Já que não foram capazes de destruir o país – porque o povo brasileiro resistiu – restava à legião dos ressentidos o último gesto de demolir seus símbolos mais emblemáticos.

Uma ação típica de hordas fascistas que buscam destruir pela força aquilo que sequer alcançam compreender: a democracia. Ainda que seja esta democracia liberal mal desenhada que o país veio construindo desde 1988.

A tela de Emiliano Di Cavalcanti que recebeu as digitais do fascismo – sete golpes desferidos com pedras portuguesas recolhidas da Praça dos Três Poderes, utilizadas com instrumento contundente – será um testemunho duradouro da passagem da barbárie de 8 de janeiro, uma espécie de epílogo sinistro do governo derrotado.

Salta aos olhos da sociedade – 90% dos brasileiros e brasileiras repudiam a tentativa de golpe de Estado – a leniência, a incompetência ou mesmo a conivência das autoridades de segurança pública do Distrito Federal.

O ex-ministro da justiça do governo derrotado nas urnas de 30 de outubro de 2022, Anderson Torres, inexplicavelmente nomeado Secretário de Segurança Pública do DF pelo governador Ibaneis Rocha, uma semana depois de tomar posse, foi localizado gozando férias na Flórida, onde, por obra do acaso se refugiou o inspirador da devastação perpetrada pelas hordas fascistas contra o STF, o Congresso Nacional e o Palácio do Planalto.

O interino que o substituiu enviou mensagem ao governador na tarde de domingo, 8 de janeiro, garantindo que as manifestações seriam pacíficas, enquanto sua polícia conduzia alegremente a horda que meia hora depois estaria vandalizando os edifícios públicos que abrigam o coração institucional do país. Fato que levou o governador do DF a exonerá-lo e o Presidente Lula a decretar prontamente a intervenção federal na área de Segurança Pública do DF, visivelmente acumpliciada com as manifestações golpistas de 12 de dezembro último e agora com os atos terroristas de oito de janeiro.

Um dado curioso e revelador: as hordas da extrema direita que se deslocaram para perpetrar a barbárie na Praça dos Três Poderes, partiram de um acampamento mantido à sombra das guaritas do Quartel General do Exército Brasileiro, desde a derrota do energúmeno, em 30 de outubro. O Ministro da Defesa do governo, José Múcio Monteiro, homem lhano, adotou a tática de “comer pelas beiradas” para desmobilizar os acampamentos – verdadeiras incubadoras de atos terroristas na opinião de seu colega, o Ministro da Justiça Flávio Dino – e colheu a catástrofe de 8 de janeiro de 2023.

O Ministro Múcio Monteiro revelou, uma semana depois da posse, não ser o homem talhado para conduzir uma área cujo quotidiano é marcado pelo desafio de converter em realidade o que determina a Constituição: subordinar o estamento armado, portador histórico de uma cultura autoritária e golpista, ao poder civil conferido pela soberania popular em um governo democrático.

O estamento militar brasileiro cultiva com zelo invejável, ao longo da história, a pretensão de situar-se acima da Constituição, e como se algum ente sobrenatural o definisse como o tutor do poder civil.

O impulso econômico, social e cultural que resultou na tentativa de golpe de estado promovida, nesse 8 de janeiro, pela extrema-direita segue latente na sociedade. Ainda que seu mito tenha se refugiado em Orlando, levando consigo a expectativa de voltar nos braços dos garimpeiros ilegais, dos matadores de indígenas, dos devastadores e comerciantes de madeira, dos grileiros, dos envenenadores do meio ambiente nessa tentativa, afinal frustrada. Aos defensores da democracia cabe lembrar, os fatores que o levaram ao poder durante quatro anos, guardam energia suficiente para sustentá-lo ou algum outro aventureiro de perfil semelhante.

O que impõe, mais do que nunca, na história do Brasil, a unidade das forças populares e democráticas para enfrentar o neofascismo em todas as suas manifestações. Seja nas estruturas do Estado contaminadas pela ideologia autoritária da extrema direita – e o lavajatismo é apenas uma delas –, seja na sociedade onde a “guerra cultural” se converteu num elemento mobilizador do que há de mais reacionário na sociedade para reconstruir uma utopia regressiva, em busca de um passado que, a rigor, nunca existiu.

Os setores populares, os movimentos dos trabalhadores, os sindicatos, movimentos culturais têm diante de si a tarefa permanente de tensionar o governo Lula, sustentado por uma frente heterogênea como todos sabem, para avançar além das políticas públicas de combate à fome, de inclusão social, de redução das desigualdades regionais, rumo à construção e consolidação de mecanismos de participação democrática capazes de respaldar a vocação transformadora do projeto que o elegeu pela terceira vez.

O combate ao neofascismo passa inevitavelmente pela punição exemplar dos responsáveis pela tentativa de golpe de Estado – e seus financiadores – e só se tornará realidade com uma expressiva participação popular organizada nos ambientes de trabalho, nas escolas, universidades e centros de pesquisa e quotidianamente nas redes sociais.

Lula no Planalto e a militância antifascista nas ruas!

*Pedro Tierra é poeta e ex-presidente da Fundação Perseu Abramo.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marjorie C. Marona Plínio de Arruda Sampaio Jr. Flávio Aguiar Heraldo Campos José Luís Fiori Luiz Renato Martins Bruno Machado Andrés del Río Antonio Martins Ricardo Antunes Armando Boito Sandra Bitencourt Ladislau Dowbor Claudio Katz Kátia Gerab Baggio Luiz Marques Luciano Nascimento Celso Frederico Dennis Oliveira João Feres Júnior Valerio Arcary Manchetômetro Priscila Figueiredo Marcelo Guimarães Lima Alysson Leandro Mascaro Antônio Sales Rios Neto Carlos Tautz Michael Löwy Juarez Guimarães Ronald Rocha Valerio Arcary Chico Whitaker Mário Maestri Jean Pierre Chauvin Berenice Bento João Adolfo Hansen Gilberto Maringoni Henry Burnett José Costa Júnior Eduardo Borges Ari Marcelo Solon Liszt Vieira Luiz Bernardo Pericás Atilio A. Boron Anselm Jappe Eugênio Trivinho Tadeu Valadares Renato Dagnino Igor Felippe Santos Elias Jabbour Paulo Nogueira Batista Jr Bento Prado Jr. Vinício Carrilho Martinez Flávio R. Kothe Leonardo Avritzer Salem Nasser Ricardo Fabbrini Tarso Genro Leonardo Sacramento Luiz Eduardo Soares Yuri Martins-Fontes Henri Acselrad Annateresa Fabris Slavoj Žižek Jean Marc Von Der Weid Alexandre Aragão de Albuquerque Michael Roberts Lincoln Secco Luiz Carlos Bresser-Pereira Airton Paschoa Boaventura de Sousa Santos Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bernardo Ricupero Daniel Afonso da Silva Lorenzo Vitral Michel Goulart da Silva Daniel Costa Eugênio Bucci Francisco Fernandes Ladeira Fernando Nogueira da Costa João Paulo Ayub Fonseca Marcos Silva Ricardo Musse Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Boff Paulo Fernandes Silveira Gabriel Cohn Gerson Almeida Maria Rita Kehl Jorge Luiz Souto Maior Eleutério F. S. Prado Ronald León Núñez João Carlos Salles Luís Fernando Vitagliano Jorge Branco Chico Alencar Luis Felipe Miguel João Carlos Loebens Julian Rodrigues Eleonora Albano Marilena Chauí Samuel Kilsztajn Rubens Pinto Lyra Paulo Capel Narvai Manuel Domingos Neto Ronaldo Tadeu de Souza Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonino Infranca Gilberto Lopes Rafael R. Ioris Marilia Pacheco Fiorillo Afrânio Catani Fernão Pessoa Ramos Sergio Amadeu da Silveira Tales Ab'Sáber Carla Teixeira Andrew Korybko Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Milton Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira José Dirceu Caio Bugiato Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcus Ianoni Fábio Konder Comparato Paulo Martins Mariarosaria Fabris Francisco Pereira de Farias Remy José Fontana João Lanari Bo Érico Andrade Marcos Aurélio da Silva Otaviano Helene José Raimundo Trindade Leda Maria Paulani Daniel Brazil Osvaldo Coggiola Luiz Roberto Alves André Singer Denilson Cordeiro Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Módolo Matheus Silveira de Souza Alexandre de Freitas Barbosa Vanderlei Tenório Dênis de Moraes Vladimir Safatle André Márcio Neves Soares Eliziário Andrade José Machado Moita Neto Benicio Viero Schmidt Thomas Piketty Ricardo Abramovay Rodrigo de Faria Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna José Geraldo Couto Celso Favaretto José Micaelson Lacerda Morais

NOVAS PUBLICAÇÕES