Do caos mundial, uma nova ordem?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

A contribuição do prêmio Nobel de Química em 1977, o russo-belga Ilya Prigogine, que recusa a ideia de que tudo termina no pó cósmico

Como poucas vezes na história geral da humanidade, possível de ser datada, constatamos uma situação de caos em todas as direções e em todas as esferas da vida humana, da natureza e do planeta Terra como um todo. Há prenúncios apocalípticos que vêm sob o nome do Antropoceno (o ser humano é o grande meteoro ameaçador da vida), do Necroceno (morte massiva de espécies de vida) e ultimamente do Piroceno (os grandes incêndios em várias regiões da Terra), tudo da irresponsável ação humana e como consequência do novo regime climático irrefreável, e não em último lugar, o risco de uma hecatombe nuclear a ponto de exterminar toda a vida humana.

Não obstante o enorme avanço das ciências da vida e da terra, principalmente do mundo virtual e da Inteligência Artificial (IA) não reina otimismo, mas pessimismo e preocupação séria sobre o eventual fim de nossa espécie. Muitos jovens se dão conta de que, ao se prolongar e ao se agravar o atual curso da história, não terão um futuro apetecível. Engajam-se corajosamente num movimento já planetário de salvaguarda da vida e do futuro de nossa Casa Comum, como o faz prototipicamente a jovem Greta Thunberg.

Não deixa de soar pesadamente a advertência do Papa Francisco em sua encíclica Fratelli tutti (2020): “Estamos todos no mesmo barco; ou nos salvamos todos ou ninguém se salva” (n. 32).

É neste contexto que cabe refletir sobre a contribuição oferecida por um dos maiores cientistas atuais, já falecido, o russo-belga Ilya Prigogine, prêmio Nobel de Química em 1977, com sua vasta obra mas principalmente em O fim das certezas (Unesp,1996). Ele e sua equipe criaram uma nova ciência, a física dos processos de não-equilíbrio, quer dizer, em situação caótica.

Em sua obra coloca em xeque a física clássica com suas leis determinísticas e mostra que a flecha do tempo não volta para trás (irreversibilidade) e aponta para probabilidades e nunca para certezas. A própria evolução do universo se caracteriza por flutuações, desvios, bifurcações, situações caóticas, como a primeira singularidade do big bang, geradora de novas ordens. Enfatiza que o caos nunca é só caótico. Ele alberga uma ordem escondida que, dadas certas condições, ela irrompe e dá início a um outo tipo de história. O caos, portanto, pode ser generativo, pois, do caos surgiu a vida afirma Ilya Prigogine.

Nesse cientista que era também um grande humanista, encontramos algumas reflexões que não são soluções, mas inspirações para desbloquear nosso horizonte sombrio e catastrófico. Pode gerar alguma esperança no meio do pessimismo generalizado de nosso mundo, hoje planetarizado, a despeito da luta pela hegemonia do processo histórico, unipolar (EUA) ou multipolar (Rússia, China e os BRICS).

Ilya Prigogine parte dizendo que o futuro não está determinado. “A criação do universo é antes de tudo uma criação de possibilidades, as quais algumas se realizam, outras não”. O que pode acontecer está sempre em potência, em suspensão e em estado de flutuação. Assim ocorreu na história das grandes dizimações ocorridas há milhões de anos no planeta Terra. Houve épocas, especialmente, quando ocorreu a rompimento da Pangeia (o continente único) que se partiu em partes, originando os vários continentes. Cerca de 75% da carga biótica desapareceu. A Terra precisou de alguns milhões de anos para refazer a sua biodiversidade.

Vale dizer, daquele caos surgiu uma nova ordem. O mesmo cabe para as 15 grandes dizimações que nunca conseguiram exterminar a vida na Terra. Antes, ocorreu em seguida um salto qualitativo e uma ordem superior. Assim aconteceu com a última grande extinção em massa acontecida há 67 milhões de anos que levou todos os dinossauros, mas poupou o nosso ancestral que evoluiu até atingir o estágio atual de sapiens sapiens ou, realisticamente, sapiens e demens.

Ilya Prigogine desenvolveu o que ele chamou de “estruturas dissipativas”. Elas dissipam o caos e mesmo os dejetos transformando-os em novas ordens. Assim, numa linguagem pedestre, do lixo do sol – os raios que se dispersam e chegam a nós – surge quase toda a vida no planeta Terra, especialmente permitindo a fotossíntese das plantas que nos entregam o oxigênio sem o qual ninguém vive. Essas estruturas dissipativas transformam a entropia em sintropia. O que é deixado de lado e caótico é retrabalhado até formar uma ordem nova. Desta forma, não iríamos ao encontro da morte térmica, um colapso total de toda a matéria e energia, mas de ordens cada vez mais complexas e altas até à uma suprema ordem, cujo sentido último nos é indecifrável. Ilya Prigogine recusa a ideia de que tudo termina no pó cósmico.

Como consequência, Ilya Prigogine é otimista face ao caos atual, inerente ao processo evolucionário. Nesta fase, cabe ao ser humano a responsabilidade de, ao conhecer o dinamismo da história em aberto, assumir decisões que deem prevalência ao caos generativo e fazer valer as estruturas dissipativas que põem um freio à ação letal do caos destrutivo.

“Cabe ao homem tal qual é hoje, com seus problemas, dores e alegrias, garantir que sobreviva ao futuro. A tarefa é encontrar a estreita via entre a globalização e a preservação do pluralismo cultural, entre a violência e a política, e entre a cultura da guerra e a da razão”. O ser humano comparece como um ser livre e criativo e poderá transformar-se e transformar o caos em cosmos (ordem nova).

Tal parece ser o desafio atual face ao caos que nos assola. Ou tomamos consciência de que sobre nós recai a responsabilidade de querermos continuar sobre este planeta ou permitir, por nossa irresponsabilidade, um Amagedon ecológico-social. Seria o trágico fim de nossa espécie.

Alimentamos com Ilya Prigogine a esperança humana (e também teológica) de que o atual caos representa uma espécie de parto, com as dores que o acompanha, de uma nova forma de organizar a existência coletiva da espécie humana dentro da única Casa Comum, incluindo toda a natureza sem a qual ninguém sobreviveria. Se grande é o risco, dizia um poeta alemão, grande também é a chance de salvação. Ou nas palavras das Escrituras: “Onde abundou o pecado (caos), superabundou a graça” (Nova ordem: Rm 5,20). Assim esperamos e assim o queira o Deus.

*Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Habitar a Terra: qual o caminho para a fraternidade universal (Vozes).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manchetômetro Jorge Luiz Souto Maior Fernando Nogueira da Costa Ricardo Musse Vinício Carrilho Martinez Tarso Genro Igor Felippe Santos Ronald León Núñez Lorenzo Vitral Anselm Jappe Osvaldo Coggiola Michel Goulart da Silva Dennis Oliveira Everaldo de Oliveira Andrade Airton Paschoa Otaviano Helene Sergio Amadeu da Silveira João Adolfo Hansen Rodrigo de Faria Juarez Guimarães Henry Burnett Michael Roberts Matheus Silveira de Souza Luiz Roberto Alves Samuel Kilsztajn Bernardo Ricupero João Sette Whitaker Ferreira Annateresa Fabris Gilberto Maringoni Gilberto Lopes Armando Boito Alexandre de Freitas Barbosa João Paulo Ayub Fonseca Érico Andrade Luiz Renato Martins Marilena Chauí Luís Fernando Vitagliano Antônio Sales Rios Neto João Feres Júnior Antonino Infranca Eliziário Andrade José Luís Fiori Afrânio Catani Eugênio Trivinho Chico Alencar Gerson Almeida Eugênio Bucci Thomas Piketty Lincoln Secco Ari Marcelo Solon Salem Nasser José Geraldo Couto Marilia Pacheco Fiorillo Liszt Vieira Daniel Brazil Luiz Bernardo Pericás Luciano Nascimento Celso Frederico Bruno Machado Marcos Silva Ricardo Fabbrini Valerio Arcary Sandra Bitencourt Celso Favaretto Ricardo Abramovay Francisco Fernandes Ladeira Benicio Viero Schmidt Fernão Pessoa Ramos Leda Maria Paulani Boaventura de Sousa Santos Luiz Werneck Vianna Elias Jabbour Andrew Korybko Marcos Aurélio da Silva Flávio R. Kothe Tales Ab'Sáber Bento Prado Jr. Marcelo Guimarães Lima Paulo Nogueira Batista Jr Jean Pierre Chauvin Gabriel Cohn Jorge Branco Henri Acselrad José Micaelson Lacerda Morais Alysson Leandro Mascaro Alexandre de Lima Castro Tranjan Kátia Gerab Baggio Daniel Afonso da Silva Marjorie C. Marona Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Renato Dagnino Paulo Capel Narvai Ladislau Dowbor José Dirceu Daniel Costa Julian Rodrigues Slavoj Žižek Luis Felipe Miguel Walnice Nogueira Galvão Ronaldo Tadeu de Souza Maria Rita Kehl Vanderlei Tenório Eleonora Albano Flávio Aguiar José Machado Moita Neto Ricardo Antunes Carla Teixeira André Márcio Neves Soares Caio Bugiato Denilson Cordeiro Manuel Domingos Neto Leonardo Boff Rubens Pinto Lyra Michael Löwy José Raimundo Trindade Mário Maestri Carlos Tautz Paulo Martins Milton Pinheiro Claudio Katz Fábio Konder Comparato Lucas Fiaschetti Estevez Marcus Ianoni João Lanari Bo Chico Whitaker João Carlos Loebens Eduardo Borges Francisco de Oliveira Barros Júnior Dênis de Moraes José Costa Júnior Heraldo Campos Marcelo Módolo Ronald Rocha Mariarosaria Fabris Remy José Fontana Rafael R. Ioris Paulo Fernandes Silveira Antonio Martins Berenice Bento Luiz Eduardo Soares Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Carlos Bresser-Pereira João Carlos Salles Luiz Marques Eleutério F. S. Prado André Singer Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tadeu Valadares Leonardo Avritzer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque Valerio Arcary Francisco Pereira de Farias Yuri Martins-Fontes Priscila Figueiredo Leonardo Sacramento Vladimir Safatle Atilio A. Boron Jean Marc Von Der Weid Andrés del Río

NOVAS PUBLICAÇÕES