As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A ordem do capital

Banksy, Idiotas, 2007
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO NOGUEIRA DA COSTA*

Comentário sobre o livro recém-lançado de Clara E. Mattei

Clara E. Mattei lançou neste ano o livro A ordem do capital: como os economistas inventaram a austeridade e abriram caminho para o fascismo, cuja leitura é muito oportuna para o atual debate público brasileiro. Desde a economia de guerra inglesa, emergiram os economistas tecnocratas; desde a instauração do fascismo na Itália, emergiu o hábito de os governos, ao enfrentarem déficits fiscais e fazerem cortes de gastos, cortarem primeiro os serviços prestados a seus cidadãos. Por qual razão isso aconteceu?

O efeito austeridade corresponde ao sofrimento social provocado quando Estados cortam benefícios públicos em nome da sua solvência (capacidade de cumprir os compromissos) para o resgate de títulos de dívida pública em longo prazo. As políticas de austeridade enfatizam os traços mais comuns da política econômica contemporânea: cortes orçamentários especialmente em gastos com bem-estar social, como educação pública, saúde, habitação e seguro-desemprego, tributação regressiva, crise deflacionária, privatização, repressão salarial até a “flexibilização” neoliberal do mercado de trabalho via corte de direitos trabalhistas.

Esse conjunto de políticas públicas concede total primazia ao mercado de títulos de dívida pública e, em consequência, concentra a riqueza financeira em seus possuidores – e em todos os investidores em pós-fixados – via elevação dos juros compostos. Pior, é apresentado, reiteradamente, como capaz de “guiar a Nação para dias melhores”.

Essas políticas são repetidas por governos neofascistas ao somar ataques aos sindicatos contra os direitos de negociação coletiva dos trabalhadores. Não permitem a reposição inflacionária e o ganho real no salário-mínimo, indispensável aos pobres.

Adotam ou mantêm políticas fiscais regressivas, capazes de imporem uma divisão desigual na cobertura fiscal das despesas públicas: uma parcela maior da receita tributária proveniente dos impostos regressivos sobre o consumo, pagos por toda a sociedade em suas compras, é combinada com isenções de impostos progressivos sobre lucros e dividendos, recebidos pelas faixas de renda mais altas. No Brasil, ocorreu essa queda da carga tributária sobre as pessoas físicas mais ricas, a partir de dezembro de 1995, no primeiro mandato do governo neoliberal de Fernando Henrique Cardoso.

No entanto, Clara E. Mattei mostra que a austeridade não é nova, nem é produto da chamada Era neoliberal, iniciada no fim dos anos 1970 de estagflação. Fora, talvez, as três décadas de expansão socialdemocrata, seguintes ao fim da Segunda Guerra Mundial, a austeridade tem sido um dos pilares do capitalismo desigualitário.

O costumeiro discurso de ex-tecnocratas ou altos funcionários, detentores no passado do poder de comando estatal, aparentemente, busca apenas soluções técnicas ou racionais para os problemas, sem levar em conta os aspectos humanos e sociais. Chegam a anunciar uma falsa ameaça: “o crédito público no Brasil está evaporando”.

O termo “tecnocracia” era usado, originalmente, para designar a aplicação do método científico na resolução de problemas sociais, em contraste com a tradicional abordagem política. No entanto, passou a ser usado, popularmente, para indicar qualquer tipo de administração feito por especialistas, detentores do poder da técnica.

A etimologia de tecnocrata mostra derivação das palavras gregas tekhne, com significado de técnica, destreza, habilidade ou aptidão, mais kratos, designadora de governo. Designou um grupo de economistas sob a cobertura do governo fascista de Benito Mussolini, O Duce, após 1922, orientador de políticas de austeridade na Itália.

Esses economistas italianos tiveram poderes excepcionais para aplicar a austeridade fiscal. Aproveitaram essa oportunidade de coerção para explorar os alcances da considerada “economia pura”, apresentada como lei natural e alinhada à austeridade.

Eles desfrutavam de uma vantagem sem precedentes na governança. Podiam implementar modelos econômicos diretamente da abstração às decisões práticas, sem o ônus de procedimentos democráticos na mediação dos conflitos de interesses políticos e sociais. Graças ao Mussolini, contavam com a ajuda da opressão política.

Para persistir, até hoje, a austeridade requer especialistas sempre dispostos a falar sobre suas abstratas virtudes. Essa propaganda enganosa permanece através de um elenco midiático de figuras tecnocráticas.

Os economistas, imersos no fascismo e/ou na economia de guerra, inclusive cultural, assumiram papéis sem precedentes na formulação e implementação de políticas econômicas para orientar as reformas favoráveis ao livre-funcionamento de O Mercado pseudo sobrenatural – onipresente, onipotente, mas não onisciente. Esses economistas apoiaram-se, teoricamente, nos princípios da “economia pura” – então um paradigma emergente, mas tornado fundamental para a Economia ainda dominante em corações e mentes dos tecnocratas de hoje, dentro da tradição neoclássica do mainstream.

O paradigma da “economia pura” é apenas o primeiro passo no método de análise econômica politicamente “neutra” em relação aos comportamentos individuais e à desigualdade social. Ao dissociar o processo econômico dos conflitos de interesses políticos – isto é, ao apresentar a teoria econômica como racionalidade abstrata e conceituar os mercados como livres das relações sociais de dominação – a economia pura iludiu a opinião pública em busca de consentimento nos sistemas capitalistas. Permitiu suas relações de dominação se mascararem como racionalidade econômica.

Sob o ponto de vista marxista de Clara Mattei, a força da tecnocracia residia nesse poder de enquadrar os objetivos mais fundamentais da austeridade – restabelecer as relações capitalistas de produção e subjugar a classe trabalhadora para aceitar a inviolabilidade da propriedade privada e das relações salariais – como um retorno ao estado natural da economia, no caso, a atividade de produção e venda de mercadorias.

A teoria “apolítica” desses economistas estava centrada em uma caricatura idealizada de um ser econômico: o poupador racional. Criou a ilusão de qualquer um poder ser, independentemente de suas condições e dotes materiais, caso trabalhasse bastante.

Com esse (falso) discurso, desacreditou e desvalorizou os trabalhadores sem sobras de renda. Eles deixaram de ser entendidos como membros produtivos da sociedade para serem vistos como sujeitos passivos, dada sua incapacidade de praticar o comportamento econômico virtuoso como a parcimônia. Como as pessoas podem economizar dinheiro sem o terem recebido de maneira excedente?!

Economistas midiáticos são contra o Partido dos Trabalhadores porque, por suas lentes neoliberais/neofascistas, a classe produtiva na sociedade não é a classe trabalhadora, mas sim a classe capitalista. Respeitam só as pessoas capazes de poupar e investir, assim contribuindo para a acumulação privada de capital e o carregamento da dívida pública.

O livro de Clara Mattei mergulha no paradoxo de uma doutrina apresentada como apolítica, mas com o propósito central da “domação (e/ou dominação) dos homens”. Sob a aparência de despolitização, os economistas tecnocratas realizam a maior ação política de todas: curvar as classes trabalhadoras às vontades e necessidades das classes proprietárias de capital para o enriquecimento dessa pequena minoria.

A austeridade se mostra eficaz em proteger as hierarquias capitalistas de danos, durante momentos de pretendida mudança social por parte do eleitorado. Ela entra em cena como protetora do capitalismo, é anunciada como um meio de “consertar” a economia, aumentando sua “eficiência” ao propor reajustes salariais com perdas em curto prazo para supostos ganhos em longo prazo.

As limitações austeras, impostas aos gastos públicos, aos salários dos servidores e ao salário-mínimo dos aposentados, pressupostamente, garantiriam, para “quem trabalhar muito e economizar muito”, o único caminho para a sobrevivência.

O despertar coletivo anticapitalista foi acentuado pelas extraordinárias medidas governamentais, durante a economia de guerra (e a recente pandemia), inclusive interrompendo temporariamente a acumulação privada de capital. Para enfrentar o esforço de produção bélica (e vacinação), os governos de todas as nações foram forçados a intervir naquilo, até então, visto como domínio imaculado do livre-mercado.

O intervencionismo estatal não apenas superou a guerra e a pandemia. Também deixou claro as relações salariais e a privatização da produção – longe de serem “naturais” – serem escolhas políticas de uma sociedade com uma hegemonia classista capitalista.

Encorajados pelos novos precedentes econômicos do esforço de mobilização, os trabalhadores votaram a favor do governo assumir sua responsabilidade social. No entanto, a pregação diuturna da responsabilidade fiscal visa preservar o mundo como os economistas tecnocratas pensam existir: sem questionamento do capitalismo.

Uma sensação de terror assola os economistas neofascistas em torno da ameaça de colapso da ordem do capital. Contra isso, defendem uma solução austera, para a crise capitalista, quando os países teriam de marginalizar até as propostas políticas recém-eleitas. Essa austeridade poderia fazer, indiretamente, o equivalente à violência física das milícias fascistas contra os trabalhadores: defender a ordem capitalista.

O Estado nacional não é apresentado como a conciliação do conflito entre classes, mas como o instrumento de tecnocratas iluminados. Para eles, os pilares do capitalismo deveriam ser salvaguardados acima de tudo com todos os cidadãos aceitando o governo dos especialistas. Estes direitistas continuam praticantes do antigo fascismo austero.

*Fernando Nogueira da Costa é professor titular do Instituto de Economia da Unicamp. Autor, entre outros livros, de Rede de apoio e enriquecimento. Disponível em https://fernandonogueiracosta.wordpress.com/2022/09/20/rede-de-apoio-e-enriquecimento-baixe-o-livro/

Referência


Clara E. Mattei. A Ordem do Capital: como os economistas inventaram a austeridade e abriram caminho para o fascismo. Chicago, The University of Chicago Press, 2022, 480 págs.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Antunes Daniel Costa Manchetômetro Daniel Brazil Paulo Sérgio Pinheiro Samuel Kilsztajn André Singer Vanderlei Tenório Luiz Bernardo Pericás Carlos Tautz Luciano Nascimento Eugênio Bucci Dênis de Moraes Annateresa Fabris Heraldo Campos Paulo Nogueira Batista Jr Vinício Carrilho Martinez Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Afonso da Silva Luiz Renato Martins Leonardo Avritzer Berenice Bento Alysson Leandro Mascaro Denilson Cordeiro João Feres Júnior Ricardo Fabbrini Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Martins Atilio A. Boron Fábio Konder Comparato Eleonora Albano Luiz Werneck Vianna Luís Fernando Vitagliano Eliziário Andrade Bernardo Ricupero Henry Burnett Flávio R. Kothe Antonino Infranca Rafael R. Ioris João Paulo Ayub Fonseca Ari Marcelo Solon Luiz Carlos Bresser-Pereira Eugênio Trivinho Bruno Machado Leonardo Sacramento Mário Maestri Roberto Bueno Ricardo Abramovay Eleutério F. S. Prado Henri Acselrad Paulo Fernandes Silveira Marcelo Guimarães Lima Boaventura de Sousa Santos Luiz Costa Lima Igor Felippe Santos Rodrigo de Faria Lucas Fiaschetti Estevez Celso Frederico Fernão Pessoa Ramos Remy José Fontana Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Geraldo Couto Antonio Martins Tadeu Valadares Andrew Korybko Gilberto Lopes João Carlos Loebens Lincoln Secco Michael Roberts Claudio Katz Osvaldo Coggiola Lorenzo Vitral Tales Ab'Sáber José Machado Moita Neto Manuel Domingos Neto Ronald León Núñez Michael Löwy Luiz Marques Jean Marc Von Der Weid Marcus Ianoni Paulo Capel Narvai José Dirceu Tarso Genro André Márcio Neves Soares Antônio Sales Rios Neto Gerson Almeida Caio Bugiato Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcos Aurélio da Silva José Micaelson Lacerda Morais Kátia Gerab Baggio Yuri Martins-Fontes Ronaldo Tadeu de Souza Slavoj Žižek Marjorie C. Marona Jorge Branco Luis Felipe Miguel Francisco de Oliveira Barros Júnior Marilena Chauí Anderson Alves Esteves Eduardo Borges José Costa Júnior Mariarosaria Fabris Francisco Pereira de Farias Leda Maria Paulani João Lanari Bo Juarez Guimarães Renato Dagnino Ricardo Musse Priscila Figueiredo Ronald Rocha Afrânio Catani Julian Rodrigues Chico Whitaker Luiz Eduardo Soares Carla Teixeira Chico Alencar José Luís Fiori Fernando Nogueira da Costa Gilberto Maringoni Gabriel Cohn Alexandre de Lima Castro Tranjan Érico Andrade Airton Paschoa Roberto Noritomi Everaldo de Oliveira Andrade Anselm Jappe Marcos Silva Thomas Piketty Flávio Aguiar Armando Boito Rubens Pinto Lyra João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Boff Luiz Roberto Alves Sergio Amadeu da Silveira Francisco Fernandes Ladeira Milton Pinheiro Celso Favaretto João Carlos Salles João Adolfo Hansen Jorge Luiz Souto Maior Maria Rita Kehl Dennis Oliveira Otaviano Helene Valerio Arcary Bento Prado Jr. Sandra Bitencourt Marcelo Módolo Marilia Pacheco Fiorillo Valério Arcary Ladislau Dowbor Benicio Viero Schmidt Elias Jabbour Vladimir Safatle José Raimundo Trindade Salem Nasser Jean Pierre Chauvin Liszt Vieira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada