Elizabeth II e o império

Imagem: Marianna
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Rememoração de alguns pontos altos (ou baixos) que se deram sob a égide da rainha inglesa

Não há quem não admire a discrição, a compostura, o senso do dever de Elizabeth II. Dá até para considerar com indulgência suas toaletes e chapéus. Os necrológios elevaram aos céus suas virtudes, varrendo para debaixo do tapete o que foi e é menos glorioso.

Todos sabem que a máxima que rege a conduta do soberano inglês é: “ O rei reina, mas não governa”. Será que ela foi caridosamente mantida na ignorância, apesar da reunião semanal obrigatória com o primeiro-ministro? E ela não lia jornais, nem via TV, nem ouvia rádio? Mas estava no trono durante o processo de descolonização do mais poderoso império do mundo, o seu: cerca de 70 países, boa parte dos quais continua até hoje membro da Commonwealth.

Vamos rememorar alguns pontos altos (ou baixos) que se deram sob a égide de Elizabeth II.

Por exemplo, a repressão aos guerrilheiros Mau-Mau do Quênia, que porfiavam em expulsar o colonizador inglês a partir de 1952, ano em que ela sucedeu ao pai, sendo coroada no ano seguinte. Por aqui pouco se sabe que os Mau-Mau sobreviventes, torturados e mutilados pelos ingleses no Quênia, entraram com pedido de ressarcimento e desculpas assinado por nada menos que 6 mil deles. E, coisa rara, conseguiram.

Outro ponto a ser lembrado é a gestão de Margareth Thatcher, aliás gestão tríplice que durou 12 anos, como primeira-ministra, e sua aporofobia (horror a pobre). Durante 12 anos a rainha reuniu-se semanalmente com ela.

Margareth Thatcher tinha ojeriza a tudo que fosse benefício do Estado aos pobres, porque achava que era socialismo. Claro, em sua concepção o estado era só para os ricos… Mas fez o serviço que a classe dominante queria e quando saiu, ao fim de três mandatos, tinha desmantelado o welfare state e a classe operária. Dizem que o que se temia mesmo era o poder político dos 250 mil mineiros, categoria profissional de tradição politizada e forte.

É só ver o que ela fez em 1981 com a repressão ao IRA (Exército Republicano da Irlanda), que lutava pela independência, quando deixou morrer numa greve de fome os militantes encarcerados que reivindicavam a condição de presos políticos, pois tinham sido condenados como criminosos comuns – o que Margareth Thatcher insistia que eram. Bobby Sands, patriota irlandês de 27 anos eleito deputado na Inglaterra enquanto na cadeia, morreu no 66º. dia de greve, juntamente com dez outros. E isso, em meio à tremenda pressão internacional. Uma amostra do imperialismo inglês.

A propósito da descolonização da Índia, Lord Mountbatten, tio querido do marido de Elizabeth II e último vice-rei, liderou uma desastrosa Partição, separando os indianos conforme a religião: hinduístas para a Índia e muçulmanos para o Paquistão. Em meio à troca, as populações entraram em conflito, com saldo de um milhão de mortos – tudo sob o beneplácito do vice-rei e de sua rainha.

Não podemos esquecer a pilhagem das obras de arte do Parthenon, hoje conhecidas como “Os mármores Elgin” do Museu Britânico. Lord Elgin, no séc. XIX, comprou do ocupante turco dois dos quatro frisos do Parthenon, que, segundo consta, extraiu a serrote. E mais umas 200 estátuas em tamanho natural, atribuídas ao ateliê de Fídias. Ao todo, lotou 22 navios para levar o fruto da rapinagem à Inglaterra, onde o vendeu ao Museu. Em 1981 Melina Mercouri, ministra da Cultura da Grécia, exigiu oficialmente sua repatriação. É claro que não foi atendida.

Não foi Elizabeth II quem inventou o campo de concentração, mas a honra, como ninguém ignora, cabe a seus antepassados ingleses na África do Sul. Eram os ingleses que lá encurralavam os bôeres e os negros, durante a Guerra dos Bôeres. O país tornou-se independente mas permaneceu na Commonwealth. Logo depois criaria as leis do Apartheid, em 1963. A tudo o que se seguiu por cerca de meio século o mundo assistiria estarrecido. Elizabeth, firme e muda.

Seria o caso de indagar: nenhuma gota de sangue respingou jamais em suas imaculadas vestes realengas? É assim que o rei reina mas não governa? Registra-se ao menos um tomate, atirado em protesto público pela morte dos 11 ativistas do IRA, em Oslo, Noruega, no dia 5 de maio de l981.

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Sette Whitaker Ferreira Celso Favaretto Heraldo Campos Carla Teixeira Ricardo Antunes Rafael R. Ioris José Costa Júnior Gilberto Lopes Manuel Domingos Neto Luiz Eduardo Soares Claudio Katz Sergio Amadeu da Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Yuri Martins-Fontes Ricardo Musse Paulo Nogueira Batista Jr Mário Maestri Carlos Tautz Tadeu Valadares Airton Paschoa Tales Ab'Sáber Eleutério F. S. Prado Tarso Genro José Dirceu Fernando Nogueira da Costa Luis Felipe Miguel Maria Rita Kehl Ladislau Dowbor Jorge Branco Francisco Pereira de Farias Remy José Fontana Daniel Afonso da Silva Renato Dagnino Benicio Viero Schmidt Leonardo Avritzer Daniel Costa Vladimir Safatle Ronald León Núñez Everaldo de Oliveira Andrade Manchetômetro Lorenzo Vitral Jean Pierre Chauvin Caio Bugiato Eugênio Bucci Thomas Piketty Eduardo Borges Denilson Cordeiro Dênis de Moraes Paulo Capel Narvai Lincoln Secco Matheus Silveira de Souza Eleonora Albano Paulo Martins Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Kátia Gerab Baggio Érico Andrade Gilberto Maringoni Marilena Chauí Luiz Marques Leonardo Sacramento Chico Whitaker José Micaelson Lacerda Morais Marcos Silva Salem Nasser Bernardo Ricupero Mariarosaria Fabris Eugênio Trivinho Dennis Oliveira Ricardo Abramovay Luciano Nascimento Luiz Werneck Vianna Armando Boito Michael Roberts Andrés del Río Antônio Sales Rios Neto Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira João Lanari Bo Vinício Carrilho Martinez Daniel Brazil Antonio Martins Rubens Pinto Lyra Berenice Bento Alexandre de Lima Castro Tranjan Igor Felippe Santos Francisco Fernandes Ladeira André Singer Marjorie C. Marona Michel Goulart da Silva Liszt Vieira Annateresa Fabris Anselm Jappe Juarez Guimarães José Machado Moita Neto José Raimundo Trindade Henri Acselrad Luiz Bernardo Pericás José Luís Fiori Atilio A. Boron Ronald Rocha João Adolfo Hansen Sandra Bitencourt Osvaldo Coggiola Bruno Machado João Feres Júnior Luiz Roberto Alves Gerson Almeida Alexandre Aragão de Albuquerque Milton Pinheiro Celso Frederico Jean Marc Von Der Weid Leda Maria Paulani Henry Burnett Fábio Konder Comparato Chico Alencar Ari Marcelo Solon Leonardo Boff Flávio Aguiar Luís Fernando Vitagliano Gabriel Cohn Fernão Pessoa Ramos Walnice Nogueira Galvão Marcos Aurélio da Silva Jorge Luiz Souto Maior Michael Löwy Elias Jabbour Alysson Leandro Mascaro Alexandre de Freitas Barbosa José Geraldo Couto Ricardo Fabbrini João Paulo Ayub Fonseca Luiz Renato Martins Bento Prado Jr. Afrânio Catani Boaventura de Sousa Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Andrew Korybko Otaviano Helene João Carlos Loebens Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares Valerio Arcary Slavoj Žižek Vanderlei Tenório Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcus Ianoni Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anderson Alves Esteves Flávio R. Kothe Rodrigo de Faria Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Sérgio Pinheiro Samuel Kilsztajn João Carlos Salles Marcelo Módolo Marcelo Guimarães Lima Antonino Infranca Julian Rodrigues

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada