Além da Eleição: O Recado da Argentina

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LISZT VIEIRA*

A frustração com o regime democrático, que concentra renda nas mãos de uma ínfima minoria e aumenta a desigualdade social, está na raiz da ascensão da extrema direita que chega ao poder pelo voto.

Muito já foi dito sobre a eleição na Argentina, com a vitória surpreendente do candidato de extrema direita Javier Milei nas prévias eleitorais de 13 de agosto. Do ponto de vista puramente eleitoral, o gráfico abaixo fala por si só. O peronismo perdeu o interior do país, com exceção de uma faixa no Noroeste e outra na periferia de Buenos Aires.

“Qualquer um dos três pode terminar como presidente, mas a onda vem a favor de quem terminou em primeiro”, afirma o diretor da Consultoria Escenarios, para quem, independente do candidato que venha a ser eleito presidente, nenhum partido terá maioria no Congresso. Javier Milei se apresentou como um outsider da política e canalizou a seu favor o voto de protesto. Trata-se de um fenômeno mundial, como mostram os exemplos de Trump, Bolsonaro e Bukele, entre outros. Milei, com um discurso contra a “casta política parasitária, corrupta e inútil” capitalizou o descontentamento da sociedade e obteve 30,3% dos votos nas Primárias Abertas Simultâneas e Obrigatórias (PASO). Ele afirma que vencerá no primeiro turno e alcançará 8 assentos no Senado e 35 na Câmara dos Deputados. Para muitos analistas, o resultado não foi surpresa, tendo em vista a inflação atual de mais de 100%.

Uma projeção mecânica e imediatista levaria à previsão de vitória de Milei no primeiro turno. Mas a ameaça de um regime fascista na Argentina assustou tanto a esquerda quanto a direita não fascista. Não digo direita liberal, porque os chamados liberais, na América Latina, têm o mau hábito de apoiar ditaduras militares quando seus interesses econômicos são ameaçados. Nesses casos, a direita engaveta seu discurso liberal e apoia a ditadura. Guardam apenas a dimensão econômica do liberalismo, ou seja, Estado mínimo e privilégios ao Mercado. No caso atual da Argentina, porém, nada garante que os empresários irão apoiar Milei, receosos do tumulto e da falta de previsibilidade econômica num quadro político gravíssimo de ingovernabilidade.

Apesar da vitória confortável de Milei nas prévias, o resultado do primeiro turno, em 22 de outubro próximo, é imprevisível. Afinal, a experiência desastrosa do fascismo bolsonarista também teve ecos na Argentina, onde, durante décadas, o peronismo e a direita liberal se alternaram no poder. De uns tempos para cá, problemas antigos retornaram, como a hiperinflação, por exemplo. Nesse quadro de desgaste econômico e político dos partidos tradicionais, cai como uma luva o discurso anti sistema que apela somente à emoção dos eleitores. A reflexão, o pensamento racional, a argumentação política, tudo fica em segundo plano em favor de palavras de ordem compactas objetivando a adesão cega de quem busca um líder para obedecer. Já vimos esse filme com o bolsonarismo no Brasil.

A questão que se coloca é determinar quais são as condições favoráveis ao advento de uma onda vitoriosa de extrema direita. A primeira delas, e talvez a mais importante, é o desgaste dos partidos tradicionais, seja de direita ou de esquerda. Isso está claro na situação argentina, e não só. Afinal, a ascensão da extrema direita é um fenômeno global.

A chamada democracia representativa liberal fracassou ao não atender às necessidades da maioria da população. A frustração com o regime democrático, que concentra renda nas mãos de uma ínfima minoria e aumenta a desigualdade social, está na raiz da ascensão da extrema direita que chega ao poder pelo voto, e implanta a seguir um regime autoritário que viola a divisão de poderes e o respeito à diversidade sociocultural.

É verdade que, uma vez no poder, a extrema direita sofre um desgaste pela violação das liberdades democráticas, pela ineficiência desastrosa de seus governos e pela corrupção de seus líderes. Mesmo assim, fora do poder, a extrema direita mantém uma sólida base de apoio. Nos EUA, por exemplo, Trump, ameaçado de prisão, é fortíssimo candidato à presidência, talvez o favorito, mesmo se estiver preso. Já no Brasil, Bolsonaro, por sua boçalidade e incompetência gritante, acusou o sistema eleitoral de fraudulento, tentou o golpe e foi declarado inelegível, deixando o espaço aberto a outro líder político que venha disputar o apoio do eleitorado de extrema direita.

De qualquer forma, a prudência recomenda não desprezar o fortalecimento da extrema direita pelo desgaste dos partidos tradicionais. No caso brasileiro, o governo Lula, eleito por uma frente ampla que reuniu esquerda, centro, e direita não fascista, ganhou a eleição para a Presidência, mas perdeu para o Legislativo. Não faltou quem recomendasse ano passado ao candidato Lula uma campanha política para pedir votos aos candidatos a deputado e senador alinhados com a chapa Lula/Alckmin. Isso não foi feito ou foi feito de forma insuficiente. O resultado é um Legislativo dominado pela direita.

Para governar e ter votos no Congresso, o governo Lula cede espaços políticos importantes ao Centrão, onde se alojam direitistas e corruptos de toda espécie. Em função disso, cargos importantes nos Ministérios estão sendo ocupados por políticos ou técnicos que apoiaram o impeachment da ex presidente Dilma, apoiaram a Lava Jato e suas decisões, entre as quais a prisão de Lula. O Governo atual do presidente Lula vai provavelmente enfrentar problemas, em termos de ineficiência e corrupção, no que se refere aos cargos ocupados por indicados do Centrão.

Em que pese os acertos já alcançados pelo Governo Lula na área social e econômica, sabemos todos que as concessões feitas ao mercado vão limitar a possibilidade de grandes êxitos nos planos de desenvolvimento econômico que, como regra, exige investimento público forte do Estado. Isso, porém, parece bloqueado, pelo menos parcialmente, pelas medidas fiscalistas adotadas. O grande risco é o Governo Lula, por mais acertos que tenha na área social, cultural, diplomática, na defesa dos direitos humanos e mesmo na área econômica, acabe gerando uma decepção em grande parte da população, principalmente na classe média que, como ocorreu no passado, se assusta quando os pobres se aproximam e os ricos se afastam.

Os ricos, embora contemplados, a classe média, assustada, e parte dos pobres, mesmo beneficiados, por razões diversas tendem a apoiar uma proposta de extrema direita se o Governo for decepcionante, a seus olhos. Acrescente-se a isso uma campanha da mídia e o apoio financeiro internacional aos grupos neofascistas.

Um fator importante para o desgaste e descrédito do regime democrático é a questão da segurança pública das populações de baixa renda em bairros populares. Os massacres perpetrados nesses bairros pela PM do RJ, da Bahia e de São Paulo, para citar os últimos casos de chacinas não punidas, levam ao desgaste e ao descrédito desses Governos Estaduais, mas também do Governo Federal, junto às populações atingidas e desprotegidas.

Assim, o resultado da eleição na Argentina é importante para o Brasil e para toda a América Latina. Ou a democracia se aprofunda e avança, eliminando seus inimigos –  entre os quais destacam-se, no caso do Brasil, os militares e as PMs de um lado, e o capital improdutivo de outro – ou a onda neofascista se avoluma e volta a ameaçar a democracia. 

*Liszt Vieira é professor de sociologia aposentado da PUC-Rio. Foi deputado (PT-RJ) e coordenador do Fórum Global da Conferência Rio 92. Autor, entre outros livros, de A democracia reage (Garamond).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Valerio Arcary Vanderlei Tenório Anselm Jappe José Dirceu Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Sacramento Marjorie C. Marona Annateresa Fabris Atilio A. Boron Rubens Pinto Lyra Francisco Pereira de Farias Eduardo Borges Eugênio Trivinho Marcos Silva Paulo Martins João Carlos Salles Jorge Luiz Souto Maior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcos Aurélio da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Eduardo Soares Airton Paschoa Andrew Korybko Milton Pinheiro Luiz Marques Leonardo Avritzer Marcus Ianoni Valerio Arcary Samuel Kilsztajn Lincoln Secco João Adolfo Hansen Leonardo Boff Flávio Aguiar Celso Frederico Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Henry Burnett Denilson Cordeiro Vinício Carrilho Martinez Luís Fernando Vitagliano Paulo Capel Narvai Ladislau Dowbor João Feres Júnior Marilia Pacheco Fiorillo Renato Dagnino Slavoj Žižek Mário Maestri Ricardo Fabbrini Sergio Amadeu da Silveira Luciano Nascimento José Costa Júnior Daniel Costa Priscila Figueiredo Armando Boito Ricardo Musse Celso Favaretto Dennis Oliveira José Luís Fiori Otaviano Helene Francisco de Oliveira Barros Júnior Fernando Nogueira da Costa Chico Whitaker Andrés del Río Luiz Carlos Bresser-Pereira Rodrigo de Faria Gilberto Lopes Sandra Bitencourt Caio Bugiato Ricardo Abramovay Eleutério F. S. Prado Gilberto Maringoni Luis Felipe Miguel Everaldo de Oliveira Andrade João Carlos Loebens João Sette Whitaker Ferreira Mariarosaria Fabris Alysson Leandro Mascaro Remy José Fontana Flávio R. Kothe Fábio Konder Comparato Matheus Silveira de Souza João Paulo Ayub Fonseca Antonio Martins Daniel Afonso da Silva Michael Roberts José Raimundo Trindade Antônio Sales Rios Neto Manuel Domingos Neto Jean Pierre Chauvin Osvaldo Coggiola Ronald Rocha Henri Acselrad Marcelo Guimarães Lima Antonino Infranca Eliziário Andrade Kátia Gerab Baggio Tadeu Valadares Elias Jabbour André Singer Paulo Fernandes Silveira Ari Marcelo Solon Bruno Machado Yuri Martins-Fontes Ricardo Antunes José Machado Moita Neto Vladimir Safatle Eugênio Bucci Liszt Vieira Bento Prado Jr. Heraldo Campos Salem Nasser Lorenzo Vitral Michael Löwy Luiz Werneck Vianna Thomas Piketty Carlos Tautz Dênis de Moraes Jean Marc Von Der Weid Tarso Genro André Márcio Neves Soares Paulo Sérgio Pinheiro Érico Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Manchetômetro Chico Alencar José Micaelson Lacerda Morais Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleonora Albano Marcelo Módolo Luiz Renato Martins João Lanari Bo Daniel Brazil Jorge Branco Leda Maria Paulani Gerson Almeida Claudio Katz José Geraldo Couto Afrânio Catani Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos Ronaldo Tadeu de Souza Bernardo Ricupero Carla Teixeira Julian Rodrigues Alexandre de Freitas Barbosa Michel Goulart da Silva Francisco Fernandes Ladeira Tales Ab'Sáber Ronald León Núñez Berenice Bento Benicio Viero Schmidt Marilena Chauí Fernão Pessoa Ramos Juarez Guimarães Walnice Nogueira Galvão Igor Felippe Santos Luiz Roberto Alves Maria Rita Kehl Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gabriel Cohn

NOVAS PUBLICAÇÕES