Literatura na quarentena: Milton Hatoum

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Daniel Brazil*

Comentário sobre a trilogia O lugar mais sombrio

A literatura brasileira ficcional sobre os anos de ditadura militar já rendeu muitos títulos, desde o pioneiro Pessach: a travessia (1967), de Carlos Heitor Cony até clássicos recentes, como K, relato de uma busca, de Bernardo Kucinski, lançado em 2011.

São dezenas de contos, novelas e romances, que abordam o período sem ainda terem esgotado todas as nuances do tenebroso período que estende sua mão sanguinária até nós, como um fantasma. Assim como a vasta literatura sobre o nazismo, o stalinismo ou a Segunda Guerra Mundial é preciso relembrar sempre, para não esquecer nem repetir.

Milton Hatoum já havia ambientado obras anteriores, como Cinzas do Norte, na época da ditadura. Mas na trilogia O lugar mais sombrio, iniciada com A noite da espera (2017) (https://amzn.to/44h0B4k) e Pontos de fuga (2019) (https://amzn.to/3Oz5fow), o governo militar golpista assume papel de protagonista, influenciando diretamente a vida de todos.

A partir de um personagem, Martim, jovem paulista cujos pais se separam e ele vai para Brasília, o primeiro volume retrata o movimento estudantil e artístico da Capital Federal nos anos 1960, até a invasão da UnB pelas tropas e a perseguição e prisão de quem fazia qualquer espécie de resistência. Morando com o pai, um inescrupuloso vendedor de lotes da Novacap, Martim cada vez mais se apega à lembrança da mãe, que não consegue rever, e aos novos amigos da UnB, que se reúnem em torno de um grupo de teatro e de uma revista literária.

O primeiro volume é forte, realista, e delineia bem os personagens, mesmo quando entra nas fímbrias do poder. O livreiro de esquerda, o diplomata desiludido, a cafetina de luxo, estão todos lá. Brasília, então uma ilha formada por migrantes de todas as regiões do país, se afunda em perfídias e traições. A militante Dinah, primeira namorada de Martim, terá papel marcante na vida de Martim. Tudo isso é reconstruído através de memórias, papéis, diários, carta e relatos de vários coadjuvantes.

No segundo volume, o cenário é São Paulo dos anos 1970. Martim abandona o pai e tenta estudar arquitetura na USP. Passa a morar numa república na Vila Madalena, onde convive com novos personagens. A leitura fica mais complexa, uma vez que as datas dos depoimentos, cartas, diários, etc, saltam algumas décadas. Paris torna-se mais presente, com vários protagonistas no exílio, recordando as peripécias da época.

Tudo isso reflete a trajetória do próprio Hatoum, que morou em Brasília, em São Paulo, estudou arquitetura e foi para Paris. Ou seja, ele fala de uma realidade que conheceu de perto, através de personagens ficcionais. Aqui e ali pescamos referências a nomes e eventos reais, como a morte de Alexandre Vanucchi Leme e a missa na catedral da Sé, cercada por policiais.

No entanto, alguma coisa se perde no segundo volume. As personagens femininas da república se confundem, ficam pouco definidas. A obsessão de Martim por reencontrar a mãe (caiu na clandestinidade?) o torna um sujeito ensimesmado e depressivo, pelo relato dos companheiros. O esquema de relatos, diários, cartas, etc, fica um pouco cansativo.

Como numa sinfonia, onde após um primeiro movimento vibrante passamos para um largo um tanto monótono (embora polifônico), tudo pode ser salvo com o terceiro movimento, se Hatoum souber amarrar todas as pontas soltas e conduzir o leitor para um finale se não emocionante, pelo menos digno de aplausos. Aguardemos, portanto, o terceiro volume da trilogia O lugar mais sombrio.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Érico Andrade Salem Nasser Mário Maestri Francisco Pereira de Farias Matheus Silveira de Souza Atilio A. Boron Daniel Afonso da Silva Leonardo Sacramento Tadeu Valadares Lincoln Secco Berenice Bento André Márcio Neves Soares Airton Paschoa Alysson Leandro Mascaro Gilberto Maringoni Marilia Pacheco Fiorillo Tarso Genro João Lanari Bo Ricardo Antunes José Luís Fiori Marilena Chauí Gerson Almeida Manchetômetro Michael Löwy Dênis de Moraes Ricardo Fabbrini Slavoj Žižek Celso Favaretto Flávio Aguiar Paulo Fernandes Silveira João Carlos Salles Priscila Figueiredo Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Bernardo Pericás Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes Renato Dagnino Eugênio Trivinho Kátia Gerab Baggio José Dirceu Michel Goulart da Silva Osvaldo Coggiola Gabriel Cohn Ronaldo Tadeu de Souza Valerio Arcary Vanderlei Tenório Gilberto Lopes Daniel Brazil Marcus Ianoni Henri Acselrad Fernando Nogueira da Costa Thomas Piketty Bruno Machado Ronald Rocha Heraldo Campos Armando Boito André Singer Luiz Eduardo Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Marques Ladislau Dowbor Eliziário Andrade Julian Rodrigues Anselm Jappe Alexandre de Lima Castro Tranjan Maria Rita Kehl Paulo Martins Eugênio Bucci Antônio Sales Rios Neto Chico Whitaker Rafael R. Ioris Jean Marc Von Der Weid Eleonora Albano Anderson Alves Esteves Claudio Katz Eduardo Borges Tales Ab'Sáber Bernardo Ricupero Marcos Silva Marcelo Guimarães Lima Eleutério F. S. Prado Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio R. Kothe Jorge Luiz Souto Maior Liszt Vieira Leda Maria Paulani Leonardo Boff Walnice Nogueira Galvão Vinício Carrilho Martinez Benicio Viero Schmidt Francisco Fernandes Ladeira Jorge Branco Manuel Domingos Neto Chico Alencar Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Antonino Infranca Igor Felippe Santos Fábio Konder Comparato Luiz Roberto Alves Marcos Aurélio da Silva Paulo Nogueira Batista Jr João Carlos Loebens Remy José Fontana Afrânio Catani Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rodrigo de Faria Andrés del Río José Costa Júnior Samuel Kilsztajn Annateresa Fabris Marcelo Módolo Everaldo de Oliveira Andrade Sandra Bitencourt Luís Fernando Vitagliano José Geraldo Couto Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Capel Narvai Ronald León Núñez Henry Burnett Andrew Korybko Juarez Guimarães Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay Lorenzo Vitral Mariarosaria Fabris Luis Felipe Miguel Elias Jabbour Boaventura de Sousa Santos José Raimundo Trindade Antonio Martins Ricardo Musse Carlos Tautz Ari Marcelo Solon Leonardo Avritzer Celso Frederico Vladimir Safatle Denilson Cordeiro Fernão Pessoa Ramos Otaviano Helene Michael Roberts Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre Aragão de Albuquerque João Sette Whitaker Ferreira Luiz Renato Martins José Machado Moita Neto José Micaelson Lacerda Morais João Adolfo Hansen Marjorie C. Marona João Feres Júnior Jean Pierre Chauvin Luciano Nascimento Luiz Werneck Vianna Valerio Arcary Daniel Costa Caio Bugiato Milton Pinheiro Lucas Fiaschetti Estevez Bento Prado Jr. João Paulo Ayub Fonseca

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada