O que foi o 8 de janeiro?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BERNARDO RICUPERO*

Não foi a “resiliência das instituições” que salvou a democracia no 8 de janeiro ou antes da tentativa do golpe frustrado

No dia 8 de janeiro de 2023 o Brasil foi surpreendido por um ataque, quando autonomeados patriotas invadiram e vandalizaram o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal (STF).

A surpresa não foi, entretanto, motivada pelo próprio ataque. O líder dos “patriotas”, Jair Messias Bolsonaro, mesmo quando eleito presidente, em 2018, colocou em dúvida os resultados eleitoras, defendendo que já havia obtido mais da metade absoluta dos votos no 1º turno do pleito. De maneira mais direta, converteu as comemorações pela independência, nos 7 de setembro de 2021 e de 2022, em verdadeiras celebrações golpistas, nas quais milhares de seus apoiadores clamavam por “intervenção militar já”.

Ou seja, a razão da surpresa foi o timing do ataque. Em outras palavras, Jair Bolsonaro não conseguiu criar condições para dar o golpe quando ainda era presidente.

Até porque os EUA deram sinais inequívocos de que não tolerariam a ruptura democrática, chegando a enviar ao Brasil o conselheiro de segurança nacional de Joe Biden, Jake Sullivan, e manifestando apoio às urnas eletrônicas, cuja lisura eram cotidianamente colocadas em dúvida por Jair Bolsonaro. Já no final do seu mandato, também o establishment econômico e social deixara claro que não embarcaria na aventura golpista, lançando uma “carta aos brasileiros” em defesa da democracia na simbólica data de 11 de agosto de 2022. Diante desse quadro, a cúpula militar, adulada pelo capitão reformado nos quatro anos em que esteve à frente do governo, preferiu não aderir à quartelada.

Tais condições contrastam com 1964. No contexto da Guerra Fria, o apoio dos EUA ao golpe militar foi inequívoco, chegando a enviar, na famigerada “Operação Brother Sam”, uma esquadra ao litoral brasileiro. Também a burguesia conspirou, de maneira evidente, contra o governo João Goulart no Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais (IPES) e no Instituto Brasileiro de Ação Democrático (IBAD). E instituições, como a Igreja Católica, tiveram papel importante na mobilização pela intervenção militar, ajudando a organizar as Marchas da Família com Deus pela Liberdade, que reuniram centenas de milhares de pessoas.

Em compensação, o 8 de janeiro brasileiro é semelhante a um outro putsch frustrado, o 6 de janeiro norte-americano, que em 2023 acabara de fazer seu primeiro aniversário. Em ambos os casos, Donald Trump e Jair Bolsonaro não conseguiram, ou talvez, nem quisessem ter o apoio dos grupos que tornariam possível realizar a ruptura que pareciam buscar. Fica-se até com a impressão que mais do que realizar o golpe estavam interessados em encená-lo.

As semelhanças são tamanhas que não faltou quem sugerisse que os tupiniquins, mais uma vez, imitam os ianques. De maneira sugestiva, o colunista do The New York Times, Ross Douthat, defendeu que o 8 de janeiro brasileiro seria “ato de pura performance” sem maiores compromissos com “as realidades do poder”.

Em outras palavras, diferente da referência famosa, a história já não se repetiria como farsa, depois de ocorrer como tragédia, mas simplesmente cairia numa espiral farsesca. Se os revolucionários de 1848, criticados por Marx, teriam procurado encenar a obra dos revolucionários de 1789, mas sem o heroísmo ou a ilusão do heroísmo de outrora, os bolsonaristas como que teriam se contentado, em tempos pós-modernos, em posar para selfies que emulariam seus ídolos trumpistas.

A análise é engenhosa. No entanto, é falsa. Falsa principalmente no que tem de reconfortante, ao sugerir que fenômenos como o trumpismo e o bolsonarismo são pura aparência.

Cai assim, por motivos opostos, no mesmo erro das interpretações sobre a “crise da democracia”, que imaginam que a democracia deveria voltar ao seu funcionamento “normal”, como se tal coisa fosse possível ou mesmo desejável. Não é difícil, porém, perceber que não foi a “resiliência das instituições” que salvou a democracia no 8 de janeiro ou antes da tentativa do golpe frustrado.

Até porque, paradoxalmente, foi crucial para o desfecho, até agora feliz, uma “anomalia institucional”: o protagonismo do Judiciário. Mais especificamente, tiveram particular peso certas ações tomadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, algumas delas, como a abertura do inquérito das “fake news”, tomadas no “arrepio da lei”. Isto é, mecanismos semelhantes aos que contribuíram para desestabilizar a democracia com a Operação Lava Jato ajudaram, pouco depois, a salvá-la.

Sinal adicional da dificuldade de retomar a “normalidade democrática” é a conturbada relação do terceiro governo Lula com o Congresso. Ela indica que o “presidencialismo de coalizão” já não funciona como antes ou, no limite, pode até mesmo deixar de funcionar. Em resumo, parlamentares, capitaneados pelo chamado Centrão, não querem abrir mão das prerrogativas, principalmente orçamentárias, que amealharam, ironicamente, durante o governo do suposto outsider Jair Bolsonaro.

Talvez devamos, assim, buscar as razões da crise para além das aparências ou das instituições. Até porque, como indicam os EUA, onde se corre o risco de se voltar a eleger Donald Trump presidente, ela persiste. Nesse sentido, apesar da derrota do 8 de janeiro, estamos longe de termos recuperado a “estabilidade democrática”. Mas tal assunto foge ao escopo desse artigo…

 *Bernardo Ricupero é professor no departamento de ciência política da USP. Autor, entre outros livros, de Romantismo e a ideia de nação no Brasil (WMF Martins Fontes).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rodrigo de Faria Leonardo Boff Armando Boito Gilberto Maringoni André Singer Francisco de Oliveira Barros Júnior Luciano Nascimento Leda Maria Paulani Paulo Sérgio Pinheiro Tadeu Valadares João Paulo Ayub Fonseca João Carlos Loebens Marcelo Guimarães Lima Manchetômetro Paulo Capel Narvai Ari Marcelo Solon Kátia Gerab Baggio Flávio Aguiar Eliziário Andrade Antonino Infranca Alexandre Aragão de Albuquerque Osvaldo Coggiola João Adolfo Hansen Salem Nasser Sergio Amadeu da Silveira Michael Löwy Rubens Pinto Lyra João Lanari Bo Yuri Martins-Fontes José Micaelson Lacerda Morais Samuel Kilsztajn José Luís Fiori Mário Maestri Carla Teixeira André Márcio Neves Soares Marcus Ianoni José Dirceu Paulo Nogueira Batista Jr Ronaldo Tadeu de Souza Thomas Piketty Rafael R. Ioris Luiz Marques Daniel Brazil José Costa Júnior Fernão Pessoa Ramos Gilberto Lopes Henry Burnett Ronald León Núñez Henri Acselrad Caio Bugiato Fernando Nogueira da Costa Manuel Domingos Neto Francisco Fernandes Ladeira Claudio Katz Dennis Oliveira Chico Whitaker Daniel Afonso da Silva Carlos Tautz João Carlos Salles Jorge Luiz Souto Maior Luiz Renato Martins Walnice Nogueira Galvão Leonardo Avritzer Slavoj Žižek Otaviano Helene José Geraldo Couto Luis Felipe Miguel Elias Jabbour Bento Prado Jr. Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Ricardo Musse Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Antunes Eugênio Bucci Eugênio Trivinho Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Lima Castro Tranjan Valerio Arcary Eleonora Albano Lucas Fiaschetti Estevez Andrés del Río Ricardo Abramovay Julian Rodrigues Mariarosaria Fabris Luiz Bernardo Pericás Matheus Silveira de Souza Priscila Figueiredo Michael Roberts João Feres Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Antonio Martins Alexandre de Freitas Barbosa Marcelo Módolo Maria Rita Kehl Vanderlei Tenório Paulo Fernandes Silveira Celso Favaretto Francisco Pereira de Farias Celso Frederico Sandra Bitencourt Dênis de Moraes Marilia Pacheco Fiorillo Michel Goulart da Silva Renato Dagnino Daniel Costa Ronald Rocha Liszt Vieira Luiz Eduardo Soares Benicio Viero Schmidt Airton Paschoa Everaldo de Oliveira Andrade Gabriel Cohn Ricardo Fabbrini Denilson Cordeiro Antônio Sales Rios Neto Boaventura de Sousa Santos Gerson Almeida Alysson Leandro Mascaro Remy José Fontana Leonardo Sacramento Afrânio Catani Marcos Aurélio da Silva Marilena Chauí Érico Andrade Jean Pierre Chauvin Tales Ab'Sáber Heraldo Campos Milton Pinheiro Berenice Bento José Machado Moita Neto Marjorie C. Marona José Raimundo Trindade Luiz Roberto Alves Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Jean Marc Von Der Weid Tarso Genro Marcos Silva Paulo Martins Andrew Korybko Atilio A. Boron Fábio Konder Comparato Luiz Werneck Vianna Valerio Arcary Vladimir Safatle Igor Felippe Santos Luís Fernando Vitagliano Eleutério F. S. Prado Bernardo Ricupero Juarez Guimarães Bruno Machado Eduardo Borges Chico Alencar João Sette Whitaker Ferreira Anselm Jappe Lincoln Secco Lorenzo Vitral Jorge Branco Ladislau Dowbor

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada