As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Marx ou Jefferson?

Imagem: George Grosz
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DYLAN RILEY*

No entendimento de Du Bois, o fundamento social da democracia não se encontra em uma estrutura de vilarejo pré-capitalista com propriedade coletiva da terra, mas em um estrato de pequenos proprietários independentes

A relação de W. E. B. Du Bois com o marxismo tornou-se o foco de um debate considerável na sociologia estadunidense; o que está em jogo são questões ao mesmo tempo intelectuais e cripto-políticas. Alguns querem inscrever Du Bois no rol da “teoria interseccional”, uma noção que sustenta que tudo tem exatamente três causas (raça, classe e gênero), ideia de certa forma análoga ao jeito que weberianos são dogmaticamente apegados a um conjunto fixo de “fatores” (ideológicos, econômicos, militares, políticos).

Outros querem incorporá-lo à tradição do marxismo ocidental e seu problema característico, a revolução fracassada. Em termos gerais, o primeiro grupo tende a enfatizar os primeiros escritos de Du Bois, relativizando, desse modo, a influência do marxismo, enquanto o segundo grupo foca no seu trabalho posterior, com suas críticas ao capitalismo e imperialismo e as reflexões sobre o experimento soviético.

Mas a obra prima de Du Bois, A reconstrução negra na América, não cabe em nenhuma dessas interpretações. O conceito de “interseccionalidade” não aparece em lugar algum, e não há nenhuma evidência que Du Bois pensava nesses termos. Assim como o proletariado de Du Bois, ou ao menos sua parte política mais importante, também não é a classe trabalhadora industrial; é, na verdade, o fazendeiro familiar, tanto no Oeste quanto no Sul, negro e branco.

Consequentemente, seu ideal político era uma “democracia agrária”. Ele às vezes se refere, de maneira um tanto enganosa, àqueles que apoiam esse programa como “agricultores camponeses” ou “proprietários camponeses”, o que poderia levar alguém a pensar que ele está mais próximo do “populismo” no sentido russo do que do marxismo. Mas essa também seria uma leitura equivocada, já que, no entendimento de Du Bois, o fundamento social da democracia não se encontra em uma estrutura de vilarejo pré-capitalista com propriedade coletiva da terra, mas em um estrato de pequenos proprietários independentes (que falhou completamente em aparecer no Sul após a Guerra Civil, devido à feroz resistência da plantocracia, o que produziu a figura anfíbia do arrendatário).

Em contraste a Du Bois, a maior parte dos marxistas europeus tem sido cautelosos em defender a redistribuição de grandes propriedades rurais, por conta das consequências políticas e econômicas de se estabelecer um campesinato de pequenos proprietários. A divisão de terras pode ser politicamente libertadora e economicamente regressiva, como a Revolução Francesa demonstrou com clareza. Lembremos também que A questão meridional de Antonio Gramsci, texto que se assemelha à Reconstrução negra, foi parcialmente escrito como uma defesa contra a acusação de que o nascente Partido Comunista italiano exigia o desmembramento dos latifúndios do sul.

Pode ser que, no final, a melhor maneira de compreender Du Bois não seja como um teorista interseccional avant la lettre e nem como um marxista, mas como um democrata radical e consistente. Seu sujeito político ideal era a família fazendeira independente, capaz de, em alguma medida, se retirar do mercado, ou ao menos participar dele em termos favoráveis e independentes.

Nisso Du Bois mostra como é um pensador profundamente americano, com uma crítica ao capitalismo que é mais republicana do que socialista. Porque a preocupação de Du Bois não era o fracasso de uma revolução socialista, mas a oportunidade perdida de uma Arcádia jeffersoniana.

*Dylan Riley é professor de sociologia da Universidade da Califórnia, em Berkeley. Autor, entre outros livros, de Microverses: observations from a shattered present (Verso).

Tradução: Julio Tude d’Avila

Publicado originalmente na New Left Review.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Carlos Tautz Luiz Bernardo Pericás Lorenzo Vitral Gabriel Cohn Daniel Afonso da Silva Marcelo Módolo Sandra Bitencourt Bruno Machado Sergio Amadeu da Silveira Liszt Vieira José Raimundo Trindade Luiz Roberto Alves Paulo Capel Narvai André Singer Fábio Konder Comparato João Carlos Loebens Paulo Sérgio Pinheiro Bernardo Ricupero Fernão Pessoa Ramos Denilson Cordeiro Ronaldo Tadeu de Souza Heraldo Campos Dênis de Moraes João Carlos Salles Luiz Renato Martins Tarso Genro Manuel Domingos Neto Luis Felipe Miguel Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Branco Salem Nasser Antonio Martins Walnice Nogueira Galvão Maria Rita Kehl José Dirceu Berenice Bento Samuel Kilsztajn Anderson Alves Esteves Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Slavoj Žižek João Adolfo Hansen Mariarosaria Fabris Ari Marcelo Solon Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Ronald León Núñez Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Guimarães Lima Yuri Martins-Fontes Eduardo Borges Marjorie C. Marona Ricardo Fabbrini Henry Burnett Andrew Korybko Vanderlei Tenório Flávio Aguiar Elias Jabbour Bento Prado Jr. Valerio Arcary Leonardo Avritzer Tales Ab'Sáber Jorge Luiz Souto Maior Mário Maestri Leonardo Boff Gerson Almeida Ricardo Abramovay Luís Fernando Vitagliano Eleutério F. S. Prado Vinício Carrilho Martinez Rafael R. Ioris Alysson Leandro Mascaro Valério Arcary Gilberto Maringoni João Sette Whitaker Ferreira Daniel Brazil Marcos Silva André Márcio Neves Soares Leda Maria Paulani Celso Favaretto Carla Teixeira Manchetômetro João Lanari Bo Eugênio Trivinho Michael Roberts Leonardo Sacramento José Micaelson Lacerda Morais Otaviano Helene Roberto Noritomi Alexandre de Freitas Barbosa Dennis Oliveira Afrânio Catani Jean Pierre Chauvin Lincoln Secco Alexandre Aragão de Albuquerque Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio Michael Löwy Luiz Marques Armando Boito Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre de Lima Castro Tranjan Milton Pinheiro Remy José Fontana Luiz Carlos Bresser-Pereira Flávio R. Kothe Henri Acselrad Claudio Katz Thomas Piketty Priscila Figueiredo Luiz Werneck Vianna Gilberto Lopes João Paulo Ayub Fonseca Julian Rodrigues Airton Paschoa Vladimir Safatle Antonino Infranca Rodrigo de Faria Atilio A. Boron Anselm Jappe Eugênio Bucci Érico Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior José Geraldo Couto Chico Whitaker Renato Dagnino Celso Frederico Daniel Costa Benicio Viero Schmidt Chico Alencar Caio Bugiato José Machado Moita Neto Ronald Rocha Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Eduardo Soares Ricardo Antunes Juarez Guimarães Jean Marc Von Der Weid Ladislau Dowbor José Luís Fiori Marcos Aurélio da Silva Roberto Bueno Osvaldo Coggiola Francisco Pereira de Farias Eliziário Andrade Rubens Pinto Lyra José Costa Júnior Annateresa Fabris Marcus Ianoni Eleonora Albano Luiz Costa Lima Paulo Martins Antônio Sales Rios Neto Tadeu Valadares Igor Felippe Santos Marilena Chauí Ricardo Musse Paulo Nogueira Batista Jr João Feres Júnior Paulo Fernandes Silveira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada