A nova Guerra Fria

Imagem: George Shervashidze
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS*

A prevalência atual do poder cru traz consigo um péssimo presságio e um enorme desafio para a democracia liberal

A discrepância entre princípios e práticas é talvez a maior especificidade da modernidade ocidental. Qualquer que seja o tipo de relações de poder (capitalismo, colonialismo e patriarcado) e os campos do seu exercício (político, jurídico, econômico, social, religioso, cultural, interpessoal), a proclamação dos princípios e dos valores universais tende a estar em contradição com as práticas concretas do exercício do poder por parte de quem o detém. O que neste domínio é ainda mais específico da modernidade ocidental é o fato de essa contradição passar despercebida na opinião pública e ser mesmo considerada como não existente.

Domenico Losurdo lembra-nos que os primeiros presidentes dos EUA, e nomeadamente os grandes ideólogos e protagonistas da revolução norte-americana (George Washington, Thomas Jefferson e James Madison), eram donos de escravos. Na lógica do liberalismo não havia contradição alguma. Os princípios universais da liberdade, igualdade e fraternidade eram aplicáveis a todos os seres humanos e só a eles. Ora os escravos eram mercadorias, seres sub-humanos. Contradição existiria se a eles fossem aplicados os princípios apenas aplicáveis aos seres plenamente humanos. Este mecanismo de supressão das contradições reside no que designo por linha abissal, uma linha radical que desde o século XVI divide a humanidade em dois grupos: os plenamente humanos e os sub-humanos, sendo estes últimos o conjunto dos corpos colonizados, racializados e sexualizados.

Se é verdade que a contradição entre princípios e práticas sempre existiu, ela é hoje mais evidente do que nunca. Saliento quatro áreas em particular: o Ocidente na nova guerra fria; o crescimento global da extrema-direita; a luta contra a corrupção; a captura de bens públicos, comuns ou globais por atores privados. Nesta crônica refiro as duas primeiras.

As potências rivais na nova guerra fria são os EUA e a China, sendo que cada um deles conta com um aliado de peso, a União Europeia, no caso dos EUA, e a Rússia, no caso da China. Tenho defendido que a rivalidade real é entre duas economias-mundo profundamente interligadas, mas com interesses de curto e médio prazos opostos: a economia-mundo do capitalismo das empresas multinacionais promovida pelos EUA e a economia-mundo do capitalismo de Estado promovida pela China. Como se sabe, não é assim que a rivalidade se apresenta na opinião pública internacional controlada ou influenciada pelos EUA.

A rivalidade é apresentada como ocorrendo entre regimes democráticos e regimes autoritários, entre a superioridade moral dos valores cristãos ocidentais do individualismo, da tolerância, da liberdade e da diversidade e os extremismos religiosos e ideológicos do Oriente. Esta formulação não deixa de ser intrigante. Ao longo de muitos séculos, os impérios ocidentais justificaram-se com valores universais que idealmente poderiam e deveriam ser adotados por todos os países do mundo. O império norte-americano foi o que levou mais longe este expansionismo ideológico através do conceito de globalização e da doutrina do neoliberalismo. Esse expansionismo foi em boa parte responsável pela rápida integração da China na economia mundial e nas organizações internacionais. Basta recordar a deslocalização de boa parte da produção industrial dos EUA para a China nos últimos trinta anos. A lógica era, pois, a da construção de um mundo globalizado, integrado no capitalismo multinacional e servido pelo capitalismo financeiro global ciosamente controlado por empresas norte-americanas.

Houve, sem dúvida, vozes discordantes, como a de Samuel Huntington no seu livro de 1996 sobre o choque das civilizações, em que se chamava a atenção para a futura ameaça de conflitos religiosos entre o judaísmo e o cristianismo, por um lado, e o islamismo, o budismo e o hinduísmo, por outro, e para a entrada em ação de atores não estatais. Esta tese só veio a adquirir maior aceitação depois do ataque às Torres Gêmeas de Nova Iorque em 11 de setembro de 2001, mas não alterou em nada a cooperação econômica com a China que continuou a aprofundar-se e a diversificar-se. Só em tempos recentes é que a China começou a surgir como o grande inimigo a abater ou a neutralizar.

A contradição reside entre o expansionismo globalizador das ideias no período ascendente do império norte-americano e a defesa do excepcionalismo ocidental, da especificidade ética do Ocidente contra um Oriente ameaçador. O paradoxo pode formular-se assim: a hegemonia ocidental consistiu em levar a globalização e o capitalismo a todo o mundo como prova da superioridade do Ocidente. E agora, que países não ocidentais adotaram a globalização e a promoveram segundo os seus próprios interesses, o Ocidente recua no seu impulso globalizante e entrincheira-se na defesa de uma especificidade ético-religiosa que mal disfarça a constatação de ter sido ultrapassado pelos países que seguiram com êxito a sua receita. O Ocidente globalizado defende-se agora enquanto Ocidente localizado, o que não deixa de ser uma prova de declínio à luz dos critérios que o próprio Ocidente impôs ao mundo a partir do século XVI. Lembremos que os povos indígenas da América Latina, ao defenderem os seus territórios e as suas riquezas contra os colonizadores, eram considerados pelo grande internacionalista espanhol do século XVI, Francisco de Vitória, como violadores do direito humano universal do livre comércio.

Esta contradição entre princípios e práticas – o sempre presente expediente de adaptar os princípios ao que é considerado mais conveniente ou útil pelas necessidades práticas do momento – tem na extrema-direita uma formulação particular. Tenha-se em mente que o crescimento da extrema-direita, apesar de ser um movimento global, assume especificidades muito acentuadas em diferentes contextos e países. Penso, no entanto, que os seguintes traços são bastante comuns. Por um lado, parece levar a contradição ao extremo ao defender no plano econômico o mais extremo individualismo neoliberal, enquanto no plano político, social e comportamental impõe um moralismo e um autoritarismo que mal se coadunam com a autonomia individualista. Por outro lado, detona a própria contradição entre princípios e práticas e justifica o poder cru das práticas ao demonizar os próprios princípios universais. É nesta última dimensão que a extrema-direita se afirma como corrente reacionária e não simplesmente conservadora.

É que enquanto os conservadores defendem os princípios do Iluminismo na formulação que lhes deu a Revolução Francesa (liberdade, igualdade e fraternidade), ainda que privilegiem o princípio da liberdade, os reacionários da extrema-direita recusam esses princípios e coerentemente defendem o colonialismo, a inferioridade de negros, indígenas, mulheres e ciganos; justificam o trabalho análogo ao trabalho escravo; recusam ver nos povos indígenas e afrodescendentes outra coisa que não comunidades de sub-humanos a ser assimilados ou eliminados; boicotam a democracia inclusiva e pretendem instaurar ditaduras ou, quando muito, democracias que se restrinjam a “nós” e imponham a servidão aos “outros”; recusam a ideia do monopólio da violência legítima por parte do Estado e promovem a distribuição e venda de armas à população civil. À luz do que referi atrás, não surpreende, embora nem por isso seja menos perturbador, que uma das principais centrais de difusão da ideologia de extrema-direita esteja sediada nos EUA e que seja neste país que mais grupos de extrema-direita existem com mais influência sobre grupos similares noutras partes do mundo.

A prevalência e a maior visibilidade do poder cru sobre o poder cozido – o crescente apelo à eliminação do inimigo interno e a hiper-discrepância entre princípios e práticas – representam um decisivo desafio para a democracia. A democracia liberal foi sempre uma das expressões fundamentais do poder cozido nas sociedades capitalistas, colonialistas e patriarcais. Foi por isso que a democracia liberal se reduziu ao espaço público, deixando todos os outros espaços de relações sociais, tais como a família, a comunidade, a empresa, o mercado e as relações internacionais, entregues ao poder mais ou menos despótico do mais forte a que chamei fascismo social. Daí a minha conclusão de que, enquanto existirem capitalismo, colonialismo e patriarcado, estaremos condenados a viver em sociedades politicamente democráticas e socialmente fascistas.

Atente-se, porém, que, apesar de limitada, a democracia liberal não é uma ilusão. Sobretudo nos últimos cem anos, a existência de democracia no espaço político possibilitou a adoção de políticas públicas de proteção social (saúde, educação, previdência pública) e direitos trabalhistas, sociais, e culturais que se traduziram em conquistas importantes e em melhorias de vida concretas para as classes populares e grupos sociais sujeitos à dominação capitalista, racista e sexista. Por outras palavras, no seu melhor, a democracia liberal tem permitido diminuir a brutalidade do poder cru do fascismo social.

A prevalência atual do poder cru traz consigo um péssimo presságio e um enorme desafio para a democracia liberal. Na raiz do poder cru contemporâneo estão o neoliberalismo e a extrema-direita, uma mistura tóxica que está a atingir o âmago da democracia liberal, os direitos cívicos e políticos, depois de ter reduzido ao mínimo a proteção social e os direitos sociais. É um processo de destruição da democracia, por vezes lento por vezes rápido, que vai injetando componentes e lógicas ditatoriais na prática concreta dos regimes democráticos. Um novo tipo de regime político está a emergir, um regime híbrido que combina discursos e práticas ditatoriais (apologia da violência, criação caótica e oportunista de inimigos, insulto impune dos órgãos de soberania eleitos, desobediência ativa de decisões judiciais, apelo à intervenção golpista das forças armadas) com práticas democráticas. Um monstro? Uma coisa é certa: a democracia liberal não é a democracia real, mas é uma condição necessária (ainda que não suficiente) para se atingir a democracia real.

*Boaventura de Sousa Santos é professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Autor, entre outros livros, de O fim do império cognitivo (Autêntica).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antônio Sales Rios Neto Bruno Machado Marcelo Guimarães Lima Marcelo Módolo Thomas Piketty Jorge Branco Annateresa Fabris Daniel Costa Eugênio Trivinho Alexandre de Freitas Barbosa Tales Ab'Sáber Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Ronald León Núñez Valerio Arcary Remy José Fontana Ronaldo Tadeu de Souza Flávio Aguiar Elias Jabbour Manuel Domingos Neto Daniel Brazil Gilberto Maringoni Fernando Nogueira da Costa Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Benicio Viero Schmidt Claudio Katz Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Fabbrini Andrés del Río Slavoj Žižek José Costa Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Renato Martins Tarso Genro Kátia Gerab Baggio Leonardo Avritzer Caio Bugiato João Adolfo Hansen João Feres Júnior André Singer Everaldo de Oliveira Andrade Henri Acselrad Gilberto Lopes Ricardo Musse Celso Favaretto Rubens Pinto Lyra José Raimundo Trindade Luiz Marques Carla Teixeira Marilena Chauí Tadeu Valadares João Carlos Loebens João Sette Whitaker Ferreira Eugênio Bucci Daniel Afonso da Silva Ronald Rocha Luiz Roberto Alves Chico Whitaker Jean Marc Von Der Weid Lorenzo Vitral Leonardo Sacramento Michael Roberts Milton Pinheiro Bento Prado Jr. Paulo Capel Narvai Jean Pierre Chauvin Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Nogueira Batista Jr Renato Dagnino Bernardo Ricupero João Paulo Ayub Fonseca Otaviano Helene Henry Burnett Valerio Arcary Julian Rodrigues Maria Rita Kehl Luis Felipe Miguel Érico Andrade Francisco Fernandes Ladeira Celso Frederico Gerson Almeida Vladimir Safatle Michael Löwy Ari Marcelo Solon Denilson Cordeiro Leda Maria Paulani Igor Felippe Santos Marcos Aurélio da Silva Andrew Korybko Marcos Silva Juarez Guimarães Priscila Figueiredo Antonio Martins Chico Alencar Francisco Pereira de Farias Osvaldo Coggiola Samuel Kilsztajn Luciano Nascimento Eleutério F. S. Prado Rodrigo de Faria Boaventura de Sousa Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Liszt Vieira Fernão Pessoa Ramos Anselm Jappe Berenice Bento José Machado Moita Neto Eleonora Albano Atilio A. Boron Luiz Bernardo Pericás Salem Nasser Antonino Infranca Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marjorie C. Marona Ladislau Dowbor Alysson Leandro Mascaro Manchetômetro Gabriel Cohn Paulo Martins Ricardo Abramovay José Luís Fiori Rafael R. Ioris Sergio Amadeu da Silveira Luiz Werneck Vianna Mariarosaria Fabris Eduardo Borges José Geraldo Couto Flávio R. Kothe Mário Maestri André Márcio Neves Soares Airton Paschoa Dennis Oliveira Yuri Martins-Fontes Vanderlei Tenório Michel Goulart da Silva Sandra Bitencourt Lincoln Secco Dênis de Moraes Ricardo Antunes Eliziário Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Matheus Silveira de Souza Heraldo Campos Luís Fernando Vitagliano Armando Boito Luiz Eduardo Soares José Dirceu João Carlos Salles Walnice Nogueira Galvão Luiz Carlos Bresser-Pereira Vinício Carrilho Martinez Leonardo Boff Afrânio Catani José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira Carlos Tautz Marcus Ianoni Fábio Konder Comparato João Lanari Bo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada