As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Na Europa, a extrema direita se aproxima de Israel

Imagem: Lara Jameson
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO AGUIAR*

O caso mais contundente do apoio da extrema direita europeia a Israel veio do espanhol Vox, que se declara herdeiro do franquismo falangista e até dos Cavaleiros Templários da Idade Média

A guerra no Oriente Médio está provocando uma maior inclinação do eixo de grande parte da extrema direita europeia para o lado israelense do conflito.

O caso mais chamativo desta tendência é o da líder do Rassemblement National [Reunião Nacional] francês, Marine Le Pen. Em declarações à imprensa e no Parlamento Nacional ela manifestou seu apoio irrestrito à sobrevivência de Israel e o seu “direito à autodefesa”.

Jordan Bardella, o presidente do Rassemblement National, complementou: “Para muitos judeus franceses o Reunião Nacional representa um escudo contra a ideologia islamista”.

Críticos da líder francesa veem neste seu movimento uma tentativa – que qualificam como “demagógica” – de apagar o passado antissemita do partido, quando se chamava “Frente Nacional” e era liderado por seu pai, Jean-Marie Le Pen, condenado em processos por minimizar o Holocausto. Apontam que ela está mirando a eleição presidencial de 2027, quando o atual presidente, Emmanuel Macron, não poderá concorrer, uma vez que a Constituição francesa proíbe o exercício de mais de dois mandatos presidenciais consecutivos. E lembram que de eleição em eleição os votos em Marine Le Pen vem crescendo continuamente.

Na Itália, o líder do partido Lega, Matteo Salvini, igualmente de extrema direita, também se posicionou ao lado de Israel numa manifestação por ele convocada na cidade de Milão. Foi cauteloso ao afirmar que “o inimigo não é o Islã, mas o extremismo islamista”.

Na Hungria não houve surpresas. O primeiro-ministro Viktor Orbán é um antigo aliado não só de Israel, mas da direita israelense, e um ardoroso defensor da “civilização europeia”. E não tardou em declarar que qualquer manifestação que apoiasse o “terrorismo do Hamas” seria proibida. Assim mesmo, destacou que deveria haver ajuda humanitária à população civil de Gaza.

O caso mais contundente deste apoio de extrema direita a Israel veio do espanhol Vox, que se declara herdeiro do franquismo falangista e até dos Cavaleiros Templários da Idade Média. O secretário-geral do partido, Ignacio Garrido, acusou o governo socialista do primeiro-ministro Pedro Sanchez e Yolanda Diaz, a líder do Sumar, uma coalizão de esquerda que apoia o governo, de supostamente “justificarem” os ataques do Hamas.

O líder do Vox, o deputado Santiago Abascal, chegou a dizer que “se possível devia-se matar os terroristas antes que eles matassem inocentes”, numa tirada que lembra o filme Minority Report, em que potenciais criminosos eram “neutralizados” antes que cometessem seus supostos crimes. O Vox se comprometeu igualmente a apresentar um projeto de lei ao Parlamento proibindo a imigração proveniente de “países de cultura islâmica enquanto não se possa assegurar sua integração”, seja lá o que isto signifique.

Na Alemanha a situação se apresentou de modo um pouco mais complexo. No Bundestag, o Parlamento Federal, o líder do AfD, Alternative für Deutschland, Alexander Gauland, declarou que “o ataque do Hamas não atingiu apenas Israel, ele nos atingiu também; Israel é o Ocidente numa vizinhança que rejeita e combate o Ocidente”. Já o presidente do partido AfD, Tino Chrupalla, condenou o ataque mas ressaltou que o momento é “para a diplomacia”. Outros membros do partido criticaram esta sua declaração, inclusive um grupo auto-intitulado “Judeus com o AfD”. Deve-se ressaltar que recentemente membros do partido foram acusados e processados como defensores, simultaneamente, de antissemitismo e de islamofobia.

Uma observação: em grande parte, exageros retóricos à parte, estas posições de partidos de extrema direita na Europa não diferem substancialmente das posições de grande parte dos governantes europeus e de autoridades da União Europeia, embora estes últimos ponham mais ênfase nas preocupações humanitárias em relação aos civis de Gaza. Entretanto elas apontam para a busca de apoio mais amplo nos países onde aqueles partidos de extrema direita atuam.

Por outro lado, atividades racistas, sejam antissemitas, islamofóbicas ou outras contam com a participação de um sem número de pequenas células clandestinas, cujo comportamento frequentemente violento será certamente reforçado pela circunstância da guerra.

*Flávio Aguiar, jornalista e escritor, é professor aposentado de literatura brasileira na USP. Autor, entre outros livros, de Crônicas do mundo ao revés (Boitempo). [https://amzn.to/48UDikx]

Publicado originalmente no site da Rádio France Internacional


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luís Fernando Vitagliano Daniel Brazil Berenice Bento Roberto Bueno Igor Felippe Santos Tales Ab'Sáber Jean Pierre Chauvin Tadeu Valadares Eleutério F. S. Prado Tarso Genro Liszt Vieira Armando Boito Antonio Martins Eliziário Andrade Valerio Arcary José Costa Júnior João Paulo Ayub Fonseca Luiz Eduardo Soares Luiz Roberto Alves Anderson Alves Esteves Leonardo Avritzer Vladimir Safatle Manuel Domingos Neto Eugênio Bucci Paulo Martins Manchetômetro Jean Marc Von Der Weid Paulo Fernandes Silveira Claudio Katz Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Capel Narvai Ricardo Musse Leda Maria Paulani Marcus Ianoni Osvaldo Coggiola Eduardo Borges Paulo Nogueira Batista Jr André Singer André Márcio Neves Soares Annateresa Fabris Carlos Tautz Valério Arcary Fábio Konder Comparato Leonardo Sacramento Bernardo Ricupero Alysson Leandro Mascaro Leonardo Boff Thomas Piketty Gabriel Cohn Maria Rita Kehl Eugênio Trivinho Sergio Amadeu da Silveira Boaventura de Sousa Santos Milton Pinheiro Ronaldo Tadeu de Souza Jorge Luiz Souto Maior Henry Burnett Luiz Bernardo Pericás João Adolfo Hansen Sandra Bitencourt Denilson Cordeiro Renato Dagnino Chico Alencar Airton Paschoa Luciano Nascimento Rubens Pinto Lyra João Lanari Bo João Carlos Salles Ari Marcelo Solon Lorenzo Vitral José Geraldo Couto Ronald León Núñez Lincoln Secco Gilberto Maringoni Luiz Werneck Vianna Alexandre Aragão de Albuquerque Caio Bugiato Vinício Carrilho Martinez Marilia Pacheco Fiorillo Fernando Nogueira da Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan Slavoj Žižek Everaldo de Oliveira Andrade Antônio Sales Rios Neto Celso Favaretto Dennis Oliveira Afrânio Catani Carla Teixeira José Luís Fiori Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Fernão Pessoa Ramos Flávio R. Kothe João Carlos Loebens Bruno Machado Anselm Jappe Francisco de Oliveira Barros Júnior João Sette Whitaker Ferreira Paulo Sérgio Pinheiro Marcos Silva Priscila Figueiredo Francisco Fernandes Ladeira Rodrigo de Faria Walnice Nogueira Galvão Érico Andrade Jorge Branco Elias Jabbour Eleonora Albano Alexandre de Freitas Barbosa Ladislau Dowbor Marcos Aurélio da Silva Heraldo Campos Bento Prado Jr. Rafael R. Ioris Julian Rodrigues Marcelo Guimarães Lima Dênis de Moraes Daniel Afonso da Silva Luiz Marques Ricardo Fabbrini Samuel Kilsztajn Roberto Noritomi José Machado Moita Neto José Dirceu Antonino Infranca Yuri Martins-Fontes Daniel Costa Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad Mário Maestri Michael Roberts Ricardo Antunes Ricardo Abramovay Mariarosaria Fabris Salem Nasser Marcelo Módolo Luis Felipe Miguel Marilena Chauí Kátia Gerab Baggio Ronald Rocha Flávio Aguiar Lucas Fiaschetti Estevez Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Renato Martins Gilberto Lopes Chico Whitaker José Micaelson Lacerda Morais Andrew Korybko Otaviano Helene José Raimundo Trindade Gerson Almeida Luiz Carlos Bresser-Pereira Marjorie C. Marona Remy José Fontana Luiz Costa Lima Vanderlei Tenório Atilio A. Boron João Feres Júnior Michael Löwy Juarez Guimarães

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada