Supremo torpor

George Rouault, Os três juízes, c.1936
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ PAULO CAVALCANTI*

O Supremo se autoconferiu um papel que não está, nem nunca esteve, em nenhuma de nossas Constituições desde o início da República

Começo explicando aos leitores não iniciados nos temas jurídicos que tudo começou em 16/03/2015, quando foi aprovado o novo Código de Processo Civil. Sendo presidente, da Comissão que o redigiu, Luiz Fux ‒ então ministro do STJ e, hoje, do Supremo. Um dos pontos mais saudados, no novo Código, foi precisamente a extensão maior dada ao art. 144 (no anterior CPC, art. 134), inciso VIII. Que fala em impedimentos e suspeição de juízes, desembargadores e ministros do STJ e do Supremo, nos feitos “em que figure como parte cliente do escritório de advocacia de seu cônjuge, companheiro ou parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau”.

O Código, assim, explicita regra que, a rigor, nem precisaria ser posta em lei. Dado que, à toda evidência, um ministro (tomo, como exemplo, só uma categoria de cada lado) não pode julgar caso proposto, ao tribunal, por sua própria mulher. Em razão de um princípio elementar de decência, nem precisaria ir mais longe.

Só que os tempos mudaram, senhores. E, hoje, o Supremo se autoconferiu um papel que não está, nem nunca esteve, em nenhuma de nossas Constituições desde o início da República ‒ o de ser uma espécie de Poder Moderador do país. Reproduzindo aquele exercido, nos tempos do Império, por Dom Pedro II. Um poder absoluto e sem nenhum limite ‒ nem nas leis ordinárias, nem na Constituição, nem na consciência dos cidadãos. E isso confessam sem nenhum pudor.

Palavras do ministro Luiz Fux: “Enquanto Suprema Corte, somos editores de um país inteiro”. Ou, ainda mais explícito, em palavras do ministro Dias Toffoli: “Nós já temos um semi-presidencialismo, com o controle do Poder Moderador que hoje é exercido pelo Supremo Tribunal Federal”. Por isso, já faz tempo, nem respeita mais o artigo 2º dessa Constituição que dispõe devam ser poderes “independentes e harmônicos o Legislativo, o Executivo e o Judiciário”. E assim, sem maiores preocupações, julga, legisla e executa (administra o país).

Em 2018 a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), acreditem senhores, requereu a declaração da inconstitucionalidade do tal inciso VIII ‒ aquele que proíbe ministros de julgar casos propostos por suas mulheres. A pedido não se sabe de quem. Sob o argumento de que a regra “se presta apenas para enxovalhar alguns magistrados”. Para a AMB, não se conformar que maridos julguem casos propostos por suas esposas seria enxovalhar alguns magistrados. Ouvidos, Câmara dos Deputados, Senado, Advocacia Geral da União, Procuradoria Geral da República e a própria Presidência da República disseram o óbvio. Que não enxergavam qualquer inconstitucionalidade na regra. Nossa OAB Nacional, naquele momento e como se pregada na Santa Cruz, permaneceu previsivelmente muda. O ministro Edson Fachin, relator do caso, acompanhou o entendimento desses todos. Para ele, sem dúvida com razão, a regra foi criada “para garantir um julgamento justo e imparcial”.

Ocorre que o Ministro Gilmar Mendes se insurgiu e abriu divergência, argumentando que seu gabinete “perde tempo na verificação dos impedimentos, deixando de auxiliar no julgamento das causas”. Sem explicar como é que esse fato significa alguma violação à Constituição. O economista Bruno Brandão, da Transparência Internacional, pediu a palavra para contradizê-lo, dizendo ser um argumento “lamentável”, porque “empresas privadas fazem, há anos, esse tipo de checagem de vínculos societários, de maneira automatizada”.

Gilmar Mendes completa, dizendo que a regra pode “macular a reputação do julgador” e “diminuir não só a pessoa do juiz, mas a imagem do Poder Judiciário”. Talvez seja o contrário, senhores. Ministros julgando casos propostos por suas mulheres é que maculam a reputação do Poder Judiciário.

Fosse pouco o bravo ministro benjamin da casa, Cristiano Zanin, teve a coragem de justificar seu voto dizendo que a regra do impedimento “afronta a liberdade de iniciativa e ao direito do trabalho e à subsistência”. De parte a falta de respeito à língua portuguesa, dá para acreditar? Ao novo ministro não preocupa ser claramente imoral que maridos julguem casos propostos por suas mulheres. Porque, segundo ele, isso “afronta a liberdade de iniciativa”. Só mesmo rindo.

Na votação do Plenário Virtual os dois foram acompanhados por Alexandre de Moraes, André Mendonça, Kassio Nunes Marques, Dias Toffoli e o próprio Luiz Fux ‒ que, ao redigir o projeto do novo Código de Processo Civil, considerou essa regra moralizadora. Enquanto, agora, votou contra. Só para lembrar Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Cristiano Zanin tem mulheres chefiando escritórios, entre os mais caros do país, com casos no Supremo Tribunal Federal.

A ex-ministra do STJ Eliana Calmon, sem meias palavras, assim disse: “A janela agora foi escancarada pelo Supremo. Ministros ganham muito pouco. Advogados de grandes escritórios, ganham muito mais. E, naturalmente, existe uma divisão familiar. Ou seja, a mulher fica com o poder econômico, nos escritórios; e os ministros ficam com o poder político, dentro do Poder Judiciário. Desta forma eles (marido e mulher) ganham muito e tem o poder político na mão. Um acasalamento perfeito”. Ao final, ela própria resumiu: “Eles estão fazendo com que haja a desmoralização do Poder Judiciário”. O que é grave porque, “sem Poder Judiciário, nós não temos Democracia”.

Voltando ao início do texto, como quem percorre um cordão sem ponta, quanto a essa (mais uma) deliberação do Supremo, Balzac com certeza diria ser uma “imoralidade”. Não vou tão longe, por conta da educação. Mas afirmo, com a consciência em paz, que isso não está certo.

*José Paulo Cavalcanti, jurista e escritor, foi Ministro da Justiça no governo de José Sarney. Ocupa a cadeira 39 da Academia Brasileira de Letras (ABL).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rafael R. Ioris Valerio Arcary Ronaldo Tadeu de Souza Claudio Katz Vanderlei Tenório João Paulo Ayub Fonseca Caio Bugiato Armando Boito Antônio Sales Rios Neto Antonino Infranca Luis Felipe Miguel Marcus Ianoni Marilena Chauí Samuel Kilsztajn Marcos Silva Jean Pierre Chauvin Denilson Cordeiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Henri Acselrad Carla Teixeira Ricardo Fabbrini Bruno Machado Matheus Silveira de Souza Mário Maestri Eduardo Borges Luciano Nascimento Rubens Pinto Lyra Flávio R. Kothe Ari Marcelo Solon Érico Andrade Chico Whitaker Jean Marc Von Der Weid Vladimir Safatle Paulo Capel Narvai Otaviano Helene Yuri Martins-Fontes Julian Rodrigues Ricardo Musse Slavoj Žižek Afrânio Catani Daniel Brazil Michel Goulart da Silva Eleutério F. S. Prado Salem Nasser João Carlos Loebens Paulo Martins Vinício Carrilho Martinez Henry Burnett Gabriel Cohn Daniel Afonso da Silva Mariarosaria Fabris Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Chico Alencar Andrew Korybko Daniel Costa Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber José Dirceu Benicio Viero Schmidt Jorge Branco Annateresa Fabris Juarez Guimarães Ladislau Dowbor José Micaelson Lacerda Morais Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron Ronald León Núñez Paulo Sérgio Pinheiro João Adolfo Hansen Ricardo Antunes Paulo Fernandes Silveira João Feres Júnior Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Walnice Nogueira Galvão Eugênio Trivinho Leonardo Boff Alexandre de Oliveira Torres Carrasco André Márcio Neves Soares Osvaldo Coggiola Anselm Jappe José Costa Júnior Luiz Werneck Vianna Airton Paschoa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luís Fernando Vitagliano Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcos Aurélio da Silva João Lanari Bo Michael Löwy Gerson Almeida Luiz Renato Martins Maria Rita Kehl Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Thomas Piketty Sandra Bitencourt Fábio Konder Comparato Leda Maria Paulani Rodrigo de Faria Lincoln Secco Marcelo Guimarães Lima Luiz Bernardo Pericás Priscila Figueiredo João Carlos Salles Igor Felippe Santos Ricardo Abramovay Alysson Leandro Mascaro Luiz Eduardo Soares Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio André Singer Ronald Rocha Luiz Marques Gilberto Maringoni João Sette Whitaker Ferreira Dênis de Moraes Leonardo Sacramento Flávio Aguiar Marilia Pacheco Fiorillo Berenice Bento Alexandre de Freitas Barbosa Eleonora Albano Andrés del Río Liszt Vieira Valerio Arcary Carlos Tautz Milton Pinheiro Alexandre Aragão de Albuquerque Elias Jabbour Celso Frederico Heraldo Campos Leonardo Avritzer Tadeu Valadares Francisco Pereira de Farias Marjorie C. Marona Michael Roberts Fernando Nogueira da Costa Eugênio Bucci Francisco Fernandes Ladeira Gilberto Lopes José Machado Moita Neto José Geraldo Couto José Raimundo Trindade Dennis Oliveira Jorge Luiz Souto Maior Tarso Genro Bento Prado Jr. Lorenzo Vitral Remy José Fontana Luiz Roberto Alves Bernardo Ricupero Celso Favaretto Antonio Martins Paulo Nogueira Batista Jr Manchetômetro Renato Dagnino Fernão Pessoa Ramos Everaldo de Oliveira Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada