No clube dos 0,0001%

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO MUSSE*

As manifestações dos bilionários brasileiros sobre o “Fora Bolsonaro”

Há um debate público intenso no âmbito da centro-esquerda e até mesmo da direita tradicional – vocalizado no que restou da opinião pública brasileira – acerca do que fazer com Jair M. Bolsonaro. Nele, quase não se ouve a palavra do setor mais poderoso da sociedade, a classe capitalista. As entidades representativas do capital agrário, industrial e financeiro (CNA, CNI, Fiesp, Fierj, Febraban etc.) mantêm um silêncio ensurdecedor, em meio aos rapapés com o ministro Paulo Guedes. Torna-se assim muito atual um ditado popular na época da ditadura militar, “quem cala, consente”.

Enquanto isso, se disseminam – a partir de comentários do jornalismo político – ideologias voltadas a encobrir a (ir)responsabilidade da classe dominante brasileira. Contrariando a lógica, sustentam que o governo genocida, antinacional, disruptivo se mantém porque: (a) sua queda não interessaria ao PT, ao Lula e à esquerda em geral; (b) a divisão da esquerda impediria uma ação conjunta; (c) os bolsonaristas, com sua indústria de fake news, garantiriam a popularidade do indivíduo por ora presidente. O produto mais recente desta “fábrica de ideologias” é a atribuição da culpa às camadas mais pobres da população, imaginariamente convertidas ao bolsonarismo por conta do pagamento do auxílio emergencial – libera-se assim o discurso moral que extravasa em tons supostamente refinados os preconceitos de classe.

Os participantes do seleto clube dos bilionários brasileiros começam, no entanto, a se manifestar. Como sempre ocorre nas cortes o primeiro a falar é o bufão. Fernando Henrique Cardoso, em entrevistas e em uma série de postagens nas redes sociais, se posicionou explicitamente contra o impeachment, recomendando paciência histórica, tolerância e até mesmo “respeito ao voto popular” (sic) [1]. Em sua mais recente postagem no twitter ele se coloca como conselheiro do presidente seguindo os movimentos de Roberto Jefferson e Michel Temer.

A classe capitalista brasileira é e será eternamente grata a FHC. No exercício da presidência adotou a paridade do Real, transformando instantaneamente com esse golpe de mágica os milionários e bilionários locais, portadores de cruzeiros novos, em detentores de fortunas em dólares. A nação paga até hoje o custo trilionário disso sob a forma de juros da dívida pública. Natural, portanto, que FHC com sua vaidade estratosférica se autoposicione como liderança política e formulador programático da classe capitalista. Trata-se, porém, de uma inversão ideológica. A sua decadência moral pode ser descrita por meio de um slogan – “de príncipe da sociologia a lacaio do capital”.

Abílio Diniz – um bilionário que deve sua fortuna à competência dos CEOs do grupo Pão de Açucar, mas posa de self-made man –, agora na situação de rentista/investidor, publicou um artigo no jornal Folha de S. Paulo, em 06 de junho de 2020, reafirmando seu apoio à agenda “ponte para o futuro”, repaginada pelo programa de reformas (sic) de Paulo Guedes. Ali repete o mantra da equipe econômica de que não “faltam recursos no mundo dos juros negativos nem investidores interessados”. Clama ao Congresso estabilidade jurídica e normas legais (no que foi ouvido prontamente, vide a votação da lei do Marco do Saneamento) e exige celeridade, na trilha aberta pelo ministro Ricardo Salles.

João Moreira Salles, sócio do conglomerado financeiro Itaú-Unibanco-BBA, um dos dez brasileiros mais ricos segundo dados coletados pela revista Forbes [3], publicou um artigo na edição de julho da revista Piauí [4]. Mecenas, cineasta, escritor e jornalista, João é reconhecidamente o mais brilhante membro dessa geração de intelectuais-herdeiros bilionários.

O artigo – como sempre muito bem redigido e que não se deixa macular pela pseudoerudição – delineia um retrato impecável da figura de Jair M. Bolsonaro e dos atos de seu (des)governo. A personalidade do presidente é dissecada a partir de sua atitude pública em relação ao luto, da observação de que sua “reação ao sofrimento alheio assume apenas duas formas: júbilo ou indiferença”. O descaso de Bolsonaro diante dos mortos pela pandemia, cristalizado em sua fala “E daí?”, é contraposto ao êxtase e à volúpia diante da violência contra aqueles constituídos como “inimigos”. Por meio do culto das armas, a amoralidade se apresenta como “libertadora”, e a pulsão mais primitiva se manifesta com tanta intensidade que – conclui Moreira Salles – “a morte o excita”.

A análise de Salles considera como carta-programa do governo o discurso proferido por Jair M. Bolsonaro no jantar na residência do embaixador do Brasil em Washington, em 18 de março de 2019, diante da “nata” da extrema direita norte-americana [5]. Na frase síntese desse discurso breve ele diz: “O Brasil não é um terreno aberto onde nós pretendemos construir coisas para o nosso povo (…) nós temos é que desconstruir muita coisa”. Moreira Salles elenca a série de ações que tornaram o país uma “terra devastada”.

Após a delimitação do fenômeno, a lógica demanda a determinação de suas causas. Salles não se exime da exigência posta pela ciência moderna. Depois de destacar, com muita pertinência as diferenças entre Bolsonaro e os demais autocratas de plantão – Viktor Orbán, Recep Erdogan, Narendra Modi, Vladimir Putin etc., legitimados em certa medida pela eficiência de suas gestões – fornece uma explicação sintetizada em um parágrafo: “É isso. Em 1964, o poder foi tomado à força. Em 2018, 57,7 milhões de brasileiros sufragaram a versão piorada de um regime odioso. Outros 11 milhões anularam ou votaram em branco. No fim das contas talvez fosse inevitável chegarmos a isso. Bolsonaro não é diferente do país que o elegeu. Não todo o Brasil, nem mesmo a maioria do Brasil (uma esperança), mas um pedaço significativo do Brasil é como Bolsonaro. Violento, racista, misógino, homofóbico, inculto, indiferente. Perverso”.

Não deixa de espantar a disparidade entre o espaço concedido à explicação e o que é dedicado ao relato do fenômeno (48 parágrafos). A isso se soma o descompasso entre a potência da descrição e a aparente singeleza da interpretação. Digo aparente porque se condensam aí alguns tópicos recorrentes na interpretação pseudocientífica do país como a tese implícita – justificativa recorrente do golpismo udenista – de que o brasileiro sempre se equivoca na escolha de seus governantes.

Em História e consciência de classe, Georg Lukács elaborou a célebre distinção entre a consciência de classe do proletariado e a da burguesia. Segundo ele, a consciência de classe dos detentores do capital (e de seus representantes), ou como prefere denominar, a sua “inconsciência” – delimitada pela função histórica prática dessa classe – impede-a de compreender a origem das configurações sociais. A classe como um todo, assim como os indivíduos que a compõem, encontra-se sujeita a essa barreira [6]. As principais características dessa carência reflexiva são a desconsideração da história com a naturalização do presente e o apego aos dados imediatos que contribuem para a ocultação das relações sociais.

O artigo de João Moreira Salles não leva em conta: (a) nem a história recente (do não reconhecimento pelo PSDB da legitimidade da eleição de Dilma Roussef em 2014, passando pelo golpe de 2016, culminando na prisão e no silêncio a que foi condenado o principal líder da esquerda durante o processo eleitoral de 2018); nem a história social do Brasil (o legado da escravidão, da inquisição, do patriarcado e do patrimonialismo) para não dizer das configurações autoritárias recorrentes durante os séculos de predomínio da sociabilidade capitalista.

Nos quadros dessa operação de transmutação da história em natureza cabe como uma luva a frase de João Salles – “talvez fosse inevitável chegarmos a isso”. Não se trata apenas de uma postura resignada, como aparece à primeira vista. Nessa atitude meramente contemplativa vige ainda para a classe capitalista brasileira o diagnóstico formulado por Lukács em 1920: “A burguesia acuada numa posição defensiva luta apenas por sua subsistência (por mais agressivos que possam ser seus meios de luta), ela perdeu irremediavelmente a força de condução” [7].

*Ricardo Musse é professor do Departamento de Sociologia da USP.

Notas

[1] Cf. https://twitter.com/FHC; https://radiojornal.ne10.uol.com.br/noticia/2020/06/26/acho-que-tem-que-ter-um-pouco-mais-de-tolerancia-diz-fhc-sobre-impeachment-de-jair-bolsonaro-190740.

[2] https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/06/o-obvio-tornou-se-incontornavel.shtml.

[3] https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/03/05/bilionarios-forbes-brasil-brasileiros.htm.

[4] https://piaui.folha.uol.com.br/materia/a-morte-no-governo-bolsonaro/.

[5] https://www.youtube.com/watch?v=dm9j0eS5iWY.

[6] Cf. Georg Lukács. História e consciência de classe, p. 383-384. São Paulo, WMF Martins Fontes, 2003. Para um comentário desse tópico veja Ricardo Musse. “Racionalismo e reificação em História e consciência de classe”. In: revista Tempo Social, v. 30, n. 3, p. 5-24. São Paulo, FFLCH-USP, 2018.

[7] Georg Lukács. História e consciência de classe, p. 170.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marilia Pacheco Fiorillo Boaventura de Sousa Santos João Carlos Loebens Luis Felipe Miguel Luiz Marques José Luís Fiori Ricardo Musse João Sette Whitaker Ferreira Vladimir Safatle Carlos Tautz Liszt Vieira Paulo Capel Narvai Kátia Gerab Baggio Eduardo Borges Chico Alencar Samuel Kilsztajn Anderson Alves Esteves Ronald León Núñez Ricardo Abramovay Mariarosaria Fabris Walnice Nogueira Galvão Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary Elias Jabbour Marcelo Módolo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Dênis de Moraes Gerson Almeida Rafael R. Ioris Eugênio Trivinho Sandra Bitencourt Michael Roberts Leonardo Boff Carla Teixeira Paulo Fernandes Silveira Igor Felippe Santos Antonio Martins João Adolfo Hansen José Micaelson Lacerda Morais Marilena Chauí Matheus Silveira de Souza Berenice Bento Andrés del Río Marcos Aurélio da Silva Annateresa Fabris Henry Burnett Claudio Katz Michel Goulart da Silva Renato Dagnino José Costa Júnior André Márcio Neves Soares Leonardo Avritzer Yuri Martins-Fontes Fernando Nogueira da Costa Luiz Carlos Bresser-Pereira José Raimundo Trindade Tadeu Valadares Eleonora Albano Francisco Fernandes Ladeira Jean Pierre Chauvin Ronald Rocha Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Lorenzo Vitral Celso Favaretto Luiz Roberto Alves Mário Maestri Antônio Sales Rios Neto Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Andrew Korybko Bernardo Ricupero João Carlos Salles Jean Marc Von Der Weid Benicio Viero Schmidt André Singer Luciano Nascimento Thomas Piketty Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Bucci Afrânio Catani Daniel Brazil Airton Paschoa Paulo Martins Marcos Silva Flávio Aguiar Milton Pinheiro Luiz Werneck Vianna Jorge Luiz Souto Maior Leda Maria Paulani Marjorie C. Marona Eleutério F. S. Prado Julian Rodrigues Denilson Cordeiro Marcelo Guimarães Lima Caio Bugiato Anselm Jappe João Lanari Bo Gabriel Cohn Remy José Fontana Fábio Konder Comparato Alexandre de Lima Castro Tranjan Érico Andrade Juarez Guimarães Tarso Genro Henri Acselrad Chico Whitaker Manchetômetro Luiz Bernardo Pericás João Paulo Ayub Fonseca José Machado Moita Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Lopes Tales Ab'Sáber João Feres Júnior Atilio A. Boron Heraldo Campos Daniel Afonso da Silva Bruno Machado Ari Marcelo Solon Armando Boito Priscila Figueiredo Alysson Leandro Mascaro Leonardo Sacramento Lincoln Secco Luís Fernando Vitagliano Celso Frederico Lucas Fiaschetti Estevez Dennis Oliveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vinício Carrilho Martinez Valerio Arcary Gilberto Maringoni Ricardo Antunes Luiz Eduardo Soares Antonino Infranca Ronaldo Tadeu de Souza Salem Nasser Luiz Renato Martins Fernão Pessoa Ramos Otaviano Helene Vanderlei Tenório José Dirceu Daniel Costa Rodrigo de Faria Francisco Pereira de Farias Ladislau Dowbor José Geraldo Couto Jorge Branco Eliziário Andrade Rubens Pinto Lyra Sergio Amadeu da Silveira Manuel Domingos Neto Bento Prado Jr. Flávio R. Kothe Maria Rita Kehl Ricardo Fabbrini Slavoj Žižek Marcus Ianoni Osvaldo Coggiola

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada