As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Um país além da ficção

Imagem: Paulinho Fluxuz_
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCELO GUIMARÃES LIMA*

O Brasil de Bolsonaro uniu, de modo supreendentemente original, o trágico e o ridículo

Se um escritor publicasse um romance com os fatos cotidianos que vemos nos jornais no Brasil, seria acusado pelos críticos e especialistas de literatura de inventor de tramas inverossímeis. O espetáculo diário de absurdos promovidos pelo desgoverno do Inominável é tal que desafia a capacidade imaginativa de qualquer um e mesmo dos ficcionistas profissionais como, por exemplo, os roteiristas de novelas vespertinas.

Quem produziu o governo Bolsonaro, de fato criou um péssimo enredo com personagens grotescos e tramas francamente absurdas. E quem foi o autor deste exemplo de subliteratura, por demais medíocre sob qualquer ponto de vista, o qual chamamos de “dia-a-dia” brasileiro ou de “as instituições que trabalham normalmente” entre outras designações gentilmente falsas e normativas? Entre outros, a Globo, representante maior do Partido da Imprensa Golpista. Junto “com o Supremo e com tudo”.

Enredo estrelado inicialmente pelo canastrão Beócio Neves, que foi logo substituído na novela do golpe por sua instabilidade emocional e péssimos hábitos profissionais, como faltar ao trabalho repetidamente e, diziam as más línguas, por abusar de café e outras substâncias performativas. Como protagonistas foram então promovidos juízes do Supremo e procuradores e policiais obscuros e de formação profissional duvidosa, mas de atuação obstinada apesar do enredo previsível e repetitivo da novela do golpe.  Deixemos de lado o papel de Conde Drácula e Judas Iscariotes que teve no (interminável) golpe de 2016 o Vampirão do MDB, o Temeroso Timorato, valentão de porta de cadeia, quem se lembra dele? Passou como “pum do palhaço”, para citar outra breve coadjuvante hoje devidamente esquecida.

Certo é que a continuidade da novela golpista e a aparente estabilidade no poder do Messias da extrema direita e seus coadjuvantes, todos da mesma estirpe moral e intelectual como o chefe, parece afirmar que de fato a trama do golpe nos é familiar, ecoa algo da nossa realidade “estrutural”. De fato, Bolsonaro é a imagem escarrada da classe dominante brasileira e, neste sentido, seu representante ideal e acabado. Alguns, como a Globo e o sr. Dória por exemplo, fingem não gostar da vulgaridade explícita do Bolsonaro mas gostam muito do desmonte geral do país que ele, na falta de outro, hoje comanda. E a ignorância, junto com a crueldade, é o elo comum entre todos eles, entre todos os mandantes e os agentes do golpe, isto é, entre o núcleo duro da classe dominante no Brasil: banqueiros, financistas, empresariado, e seus representantes e executores, tais como políticos, jornalistas ou para-jornalistas, militares, juristas, etc., todos historicamente formados e comprometidos com a ideologia e a prática escravagista e colonial do passado que carregamos ainda como uma condenação histórica de um país que, por vontade e determinação dos seus “donos”, não pode ser.

Para os donos do país, a subordinação aos donos do mundo é o caminho único a seguir e ai dos que ousam contestar, mesmo minimamente, o dogma da subordinação material e simbólica ao poder neoliberal global!

E, no entanto, não é difícil ver a instabilidade constitucional, os perigos reais desta escolha, deste caminho: a Rede Globo, por exemplo, promoveu o golpe e a crise que vai acabar com ela – será vendida a grupos estrangeiros, segundo o jornalista Luís Nassif que conhece bem o assunto. E a crise vai acabar com parte do empresariado no país, que embasou e segue apoiando o golpe que resultou no Inominável e seu cortejo de calamidades e personagens grotescos (de mais do que reconhecida incompetência profissional) em posições de poder.

A mudança de regime com o golpe de 2016 resultou na presente pseudodemocracia e suas eleições fake, que também enredam e paralisam uma parte da oposição de esquerda. Tudo isso é receita provada para um desastre ainda maior do que o desastre que vivemos hoje cotidianamente.

A calamidade do desgoverno Bolsonaro atinge hoje materialmente a maioria da população e beneficia a minoria do poder financeiro e seus serviçais. Mas como vivemos todos no mesmo espaço geográfico e institucional, apesar das diversidades internas, não é muito difícil ver que a promoção contínua da crise como forma de (des)governo tem seus limites, que repercutem na estruturação e solidariedade do todo.

Crises são essencialmente processos autônomos. Como explicam os cientistas, processos entrópicos, por exemplo, não podem ser pensados com categorias estritamente determinísticas. Traduzidas para o nosso cotidiano: a manipulação material e simbólica do país e seu povo tem limites epistemológicos (tanto quanto ontológicos). Mesmo a omnisciente e omnipotente classe dominante brasileira, no poder desde 1500, faria melhor em pôr suas barbas de molho.

Não é apenas parte da esquerda que o regime “pós-democrático” atual ilude com suas seletivas formalidades institucionais, a classe dominante aposta na institucionalização definitiva do golpe de 2016. Aparentemente os ventos lhes são favoráveis, vide as recentes eleições afincadamente dirigidas e cuidadosamente manipuladas. Mas o estudo científico das variações climáticas, por exemplo, nos ensina justamente a prudência, os limites do determinismo estrito e a complexidade inerente tanto aos processos climáticos quanto, vale a analogia, aos históricos.

E por falar em analogias, lembremos que a Revolução Francesa começou com uma revolta da aristocracia junto ao poder constituído da época pela restauração, no meio de uma crise infra- estrutural, de seus privilégios em desuso. Desencadearam um processo maior, a Revolução, no qual finalmente perderam, além de alguns privilégios, o poder, as posses e as próprias cabeças.

A classe média brasileira embarcou no veleiro do golpe de 2016 para defender seus parcos “privilégios” contra o “lulo-petismo” e a prole das empregadas domésticas adentrando as universidades públicas e os aeroportos. A classe dominante promoveu o golpe para garantir seus superlucros e passar adiante o custo da crise do capitalismo dependente dentro da crise sistêmica do capitalismo global, custo que deve ser pago pelos trabalhadores e pela a própria classe média entorpecida na sua ideologia regressiva e na sua abissal ignorância.

A repetição histórica, dizia Marx a propósito da herança histórica da Revolução Francesa, vai da tragédia para a farsa. O Brasil de Bolsonaro uniu, de modo supreendentemente original, o trágico e o ridículo. Como gênero literário, o Brasil não poderia existir. Seria, ou é de fato, uma aberração estética, um disparate categorial, ou mesmo uma impossibilidade lógico-conceitual.

*Marcelo Guimarães Lima é escritor, pesquisador e artista plástico.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Werneck Vianna Bento Prado Jr. Marjorie C. Marona Renato Dagnino Flávio Aguiar Afrânio Catani Jorge Branco Mariarosaria Fabris Ricardo Abramovay Bruno Fabricio Alcebino da Silva Berenice Bento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luís Fernando Vitagliano Atilio A. Boron Luiz Costa Lima Flávio R. Kothe Priscila Figueiredo Igor Felippe Santos Eleutério F. S. Prado Henry Burnett Sandra Bitencourt Carlos Tautz Maria Rita Kehl Eugênio Bucci Claudio Katz Fernão Pessoa Ramos Lorenzo Vitral Daniel Afonso da Silva Luiz Renato Martins Armando Boito Eduardo Borges José Dirceu Walnice Nogueira Galvão Samuel Kilsztajn Jean Marc Von Der Weid Leonardo Avritzer Thomas Piketty Jean Pierre Chauvin Tarso Genro Vinício Carrilho Martinez André Singer Rodrigo de Faria Luis Felipe Miguel Carla Teixeira Valério Arcary Paulo Fernandes Silveira Salem Nasser Valerio Arcary Benicio Viero Schmidt Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Pereira de Farias Milton Pinheiro Heraldo Campos Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Fernandes Ladeira José Luís Fiori Chico Whitaker Lincoln Secco Fernando Nogueira da Costa Marcos Silva Antonino Infranca Luiz Bernardo Pericás Dennis Oliveira Rafael R. Ioris Henri Acselrad José Micaelson Lacerda Morais Luciano Nascimento Daniel Costa Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Anderson Alves Esteves Celso Frederico João Lanari Bo Ricardo Musse Gabriel Cohn Ronald León Núñez Marcelo Módolo João Feres Júnior Marcus Ianoni José Raimundo Trindade Gilberto Maringoni Gilberto Lopes Leonardo Boff Sergio Amadeu da Silveira Alexandre de Freitas Barbosa Kátia Gerab Baggio Michael Roberts Chico Alencar Vanderlei Tenório Antonio Martins André Márcio Neves Soares Jorge Luiz Souto Maior Eliziário Andrade José Machado Moita Neto Lucas Fiaschetti Estevez Ari Marcelo Solon Slavoj Žižek Liszt Vieira Daniel Brazil Fábio Konder Comparato Marcelo Guimarães Lima João Carlos Salles Paulo Martins Paulo Capel Narvai Yuri Martins-Fontes Airton Paschoa Ricardo Fabbrini Ricardo Antunes Francisco de Oliveira Barros Júnior Julian Rodrigues Mário Maestri Luiz Eduardo Soares Boaventura de Sousa Santos Antônio Sales Rios Neto Luiz Roberto Alves Otaviano Helene Anselm Jappe Bruno Machado Bernardo Ricupero Michael Löwy Tadeu Valadares Celso Favaretto Roberto Bueno Manuel Domingos Neto Manchetômetro Denilson Cordeiro Andrew Korybko Marcos Aurélio da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Dênis de Moraes João Adolfo Hansen Remy José Fontana Alexandre Aragão de Albuquerque Tales Ab'Sáber Luiz Carlos Bresser-Pereira José Costa Júnior Ladislau Dowbor João Sette Whitaker Ferreira Osvaldo Coggiola José Geraldo Couto João Paulo Ayub Fonseca Gerson Almeida Elias Jabbour Leda Maria Paulani Paulo Nogueira Batista Jr Érico Andrade Juarez Guimarães Eleonora Albano Alysson Leandro Mascaro Alexandre de Lima Castro Tranjan Caio Bugiato Rubens Pinto Lyra João Carlos Loebens Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Marques Annateresa Fabris Ronald Rocha Eugênio Trivinho Marilena Chauí Roberto Noritomi

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada