As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Poema para afastar o ódio

Imagem: Artista desconhecido (Rússia)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO RIOS*

Manifesto contra a letra-munição e a palavra-arma que fazem do dia-a-dia terreno de batalha para almas baldias

Para Sofia, naquele tempo, neta de dezesseis meses que já se comunicava por beijos e carinhos. Hoje com oito anos, cheios de carinhos e beijos que assim seja sempre.

 

1.

que palavra é essa
que fere além da boca
que morde, estraçalha
e sem qualquer ciência
transforma em tralha
toda possível consciência

que palavra é essa
assim mal dita
que seria benfazeja
(se fosse bem dita)
como a mesma mão
que se muda de tapa e soco
para carinho suave emoção

que palavra é essa
que grita, atemoriza
aterroriza
e faz do diálogo
um monólogo narcisista
de uma gente amiga
uma estranha inimiga

que palavra é essa
que afasta
transforma uma praça diálogo da paz
em tormenta de batalha
monólogos de guerra
e deixa no corpo
as letras-estilhaços
explodidas de uma boca-granada

que palavra é essa
que uso no cotidiano
e que não sei
que avaria ela causa
porque ela não me deixa ver nada
além do meu próprio nariz

que palavra é essa
que uso sem saber
que é um dardo envenenado
uma bala azeda
que sai enviesada
penetra fundo pelo ouvido
sem passar pelo coração
vira a cabeça de quem ali
amigo irmão conhecido desconhecido
expõe entranhas falácias e medos
porque não queremos mostrar
aquilo que somos,
arremedos
do que gostaríamos de ser

que palavra é essa
que o tempo todo
uso como ameaça
para lutar contra a sorte azar
virtude fortuna
maquiavelicamente construída
e fazer de mim um falso forte

essa fala, contudo
mal criada
não muda nada
porque continuo assim
sempre frente a frente
sem escapar de mim

que palavra é essa
que quando me dou conta
bumeranguemente
me expõe ao vazio
entranhamente vazio
eu
um corpo em terreno baldio

 

2.

quero tirar a palavra guerra da minha fala
já que não posso ainda tirá-la da vida afora
quero tirar a palavra luta da minha fala
porque não posso ainda tirá-la da vida que em outros assola
quero tirar a palavra arma da minha fala
já que não posso ainda tirá-la da mão assassina
quero tirar a palavra metralhadora da minha fala
já que não posso ainda tirá-la da linha de frente
quero tirar a palavra exército da minha fala
já que não posso ainda e ainda excluí-la dos impérios nações
quero tirar a palavra soldado da minha fala
já que não posso ainda transformá-lo em ave solta
quero tirar a palavra fuzil da minha fala
já que não posso ainda tirá-la do olho cego dos raivosos
quero tirar a palavra granada da minha fala
já que não posso ainda enterrá-la na areia movediça
quero tirar a palavra revólver da minha fala
já que não posso ainda removê-la das mentes covardes e dedos insanos
quero tirar a palavra trincheira da minha fala
já que não posso ainda transformá-la em canteiro de bons sabores e odores

quero usar na minha fala
somente tudo o que seja calma e verdade
e sobretudo
que não destrua
nem a minha nem a sua
alma irmandade

quero usar na minha fala
isto sim e sempre
ao invés de intrépidos e dolorosos torpedos
suaves, simples e claros argumentos

 

3.

quero tirar algumas palavras da minha vida
já que não posso excluí-las do dicionário
porque não posso tirá-las da cabeça dos incautos

quero tirar a palavra bala irada da minha fala
e transformá-la num sempre doce alimento

porque a bala que se aninha e se aloja
provoca um sangrento ferimento
tanto no corpo animado
como no pensamento

falo em metáfora bala
como qualquer armamento
porque são letras soltas
que em dado momento
desconstroem uma cabeça
e com uma simples sentença
destroem qualquer sapiência

 

4.

há que cuidar das letras
e temperá-las com aromas
que as transformem em perfumes
ou saborosos sabores
daqueles comidos em família
sangue ou não do meu sangue
sem ser exangue

quero brincar com as letras
e com elas criar palavras
sensíveis, verdadeiras, possíveis
como paz, amor, carinho, solidariedade,
e usá-las à vontade
sem medo nem vergonha
e tentar que elas pouco a pouco
afastem calma e suavemente
o ódio, a raiva, a inveja, a maldade

vamos juntar letras areias e barros
e criar palavras tijolos e paredes
e construir novas moradas
para cabermos todos inteiros
nos nossos todos momentos
quando somos grandes ou pequenos
mas somos
e conscientemente
existimos

vamos juntas letras sementes
e criar hortas, canteiros, pomares, florestas
e criar alimentos
daqueles que se almoça e janta
para sonhar intensamente a noite
e comemorar um novo dia

vamos juntas letras notas musicais
e cantar em coro a alegria de sorrir

vamos juntar letras
e construir palavras
e então
poder olhar
depois da tempestade
um arco-íris
num horizonte porvir

o alfabeto é nosso
as letras estão aí
e as palavras…

só nos faltam ciência, coragem e consciência
para reconstruir talvez as mesmas palavras
para um novo nosso dicionário
que humanize pacificamente
por noites e manhãs
toda a nossa fala hoje amanhã dia após dia

*Fernando Rios é jornalista, poeta e artista plástico.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Carlos Salles Liszt Vieira Michael Löwy Henri Acselrad Rodrigo de Faria Vinício Carrilho Martinez Tadeu Valadares Fernando Nogueira da Costa Érico Andrade Eugênio Bucci Eugênio Trivinho José Costa Júnior Airton Paschoa Luiz Werneck Vianna Luiz Roberto Alves Marcos Aurélio da Silva Dênis de Moraes Manuel Domingos Neto José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Rubens Pinto Lyra Antonio Martins Heraldo Campos Bento Prado Jr. Carla Teixeira Henry Burnett Ladislau Dowbor Eleutério F. S. Prado Mariarosaria Fabris Lucas Fiaschetti Estevez Celso Frederico Slavoj Žižek Fábio Konder Comparato Paulo Martins Berenice Bento Ronaldo Tadeu de Souza Valério Arcary Roberto Noritomi Elias Jabbour Tales Ab'Sáber Caio Bugiato Gilberto Maringoni Marilia Pacheco Fiorillo Jorge Luiz Souto Maior Luís Fernando Vitagliano Renato Dagnino Bruno Machado Claudio Katz Gabriel Cohn Jean Pierre Chauvin Daniel Brazil Alexandre de Freitas Barbosa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Carlos Tautz Ricardo Musse Daniel Costa João Carlos Loebens Chico Alencar Luis Felipe Miguel Eleonora Albano Samuel Kilsztajn Alysson Leandro Mascaro Paulo Capel Narvai Ronald León Núñez José Geraldo Couto José Raimundo Trindade Ricardo Antunes Thomas Piketty Jean Marc Von Der Weid Osvaldo Coggiola Eliziário Andrade Valerio Arcary Flávio R. Kothe João Adolfo Hansen Vladimir Safatle Jorge Branco Marcelo Guimarães Lima Gerson Almeida Anderson Alves Esteves Lincoln Secco Alexandre de Lima Castro Tranjan José Machado Moita Neto Dennis Oliveira André Singer João Lanari Bo Denilson Cordeiro Michael Roberts Andrew Korybko Walnice Nogueira Galvão Antônio Sales Rios Neto João Paulo Ayub Fonseca Annateresa Fabris Fernão Pessoa Ramos Igor Felippe Santos Afrânio Catani Yuri Martins-Fontes Mário Maestri Marcelo Módolo André Márcio Neves Soares Julian Rodrigues Rafael R. Ioris Luiz Costa Lima Marjorie C. Marona Luiz Eduardo Soares Marcus Ianoni Francisco Fernandes Ladeira Manchetômetro Ronald Rocha João Feres Júnior Gilberto Lopes Francisco Pereira de Farias Maria Rita Kehl Juarez Guimarães Salem Nasser João Sette Whitaker Ferreira Ari Marcelo Solon Leda Maria Paulani Daniel Afonso da Silva Atilio A. Boron Tarso Genro Lorenzo Vitral Sergio Amadeu da Silveira Paulo Nogueira Batista Jr Antonino Infranca Eduardo Borges Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Boff Everaldo de Oliveira Andrade Bernardo Ricupero Marilena Chauí Milton Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Roberto Bueno Flávio Aguiar Marcos Silva Vanderlei Tenório Luciano Nascimento Celso Favaretto Sandra Bitencourt Priscila Figueiredo Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Marques Luiz Renato Martins Leonardo Sacramento José Luís Fiori Benicio Viero Schmidt Ricardo Fabbrini Remy José Fontana Kátia Gerab Baggio Leonardo Avritzer José Dirceu Boaventura de Sousa Santos Anselm Jappe Ricardo Abramovay Luiz Bernardo Pericás Chico Whitaker Armando Boito

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada