As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O reposicionamento do PT

Hélio Oiticica, Alívio Espacial (vermelho) REL 036, 1959
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FERNANDO VITAGLIANO*

O PT deve enfrentar seus dilemas, baseado em diretrizes e posicionamentos próprios

Certamente as eleições de 2022 foram as mais dramáticas do período da Nova República, não só pela diferença apertada de votos (pouco mais de 2 milhões), como pelas dificuldades encontradas ao longo da campanha e também pelo constante questionamento da legitimidade do pleito, do sistema eleitoral e dos poderes constituídos por parte do partido que ocupava o poder Executivo; além dos atos abusivos nas ruas, nas redes sociais e nas instituições da República.

A partir de uma ampla base de apoio que aos poucos se configurou no que podemos chamar de “Frente Ampla”, Lula se tornou a figura orbital do processo. O consenso se deu graças ao reconhecimento de era a única liderança política que teria a resiliência necessária para enfrentar essas eleições e se impor ao arsenal malicioso, perverso e antidemocrático da campanha da extrema direita.

Há de se reconhecer que Lula passa a ser cortejado como uma figura suprapartidária. Mas, chegou ao poder para seu terceiro mandato a partir do acumulo histórico da esquerda e das desastrosas opções políticas da direita desde 2012. Independentemente disso, abriu-se a oportunidade histórica de um governo de frente ampla, com apoios de setores diversos e contraditórios das organizações empresariais, agro e sociais. A expectativa, inclusive interna, é de que as forças que compuseram as alianças eleitorais permaneçam em negociação no próprio governo.

Essa geringonça muda consideravelmente a relação entre governo e forças políticas, principalmente para as esquerdas. Entendemos também que haverá mudanças nas relações entre partidos e governo, alterando a configuração da direita ou da centro-direita. Por exemplo, partidos com ampla representação institucional na Nova República, como PSDB e MDB, que antes ocupavam lugar privilegiado no parlamento, foram suplantados pela extrema direita.

Ao contrário, o PT institucionalmente avançou. O PT tem quatro governadores (é o partido com mais governadores eleitos ao lado do União Brasil), cresceu em deputados no Congresso, elegeu pela quinta vez um representante do seu partido a presidência da República – feito inédito. Mas, essas vitórias não podem anuviar o fato de que estamos perdendo espaço na disputa sobre as perspectivas da sociedade civil.

Nesse contexto, o PT deve enfrentar também seus dilemas, baseado em diretrizes e posicionamentos próprios. Considerando a contradição de que vencemos as eleições, mas tivemos derrotas no debate da sociedade. E passa a ser urgente se reposicionar e até mesmo recuperar algumas das estratégias que tinham lugar na disputa social.

Essas eleições distorceram conceitos importantes para nós. Democracia não pode ser entendida como o governo da maioria sobre a minoria. Justiça não pode ser usada como a opressão das armas. Socialismo não pode ser entendido como o assalto a propriedade privada. Liberdade não pode ser confundida com liberalismo. Trabalho não pode ser entendido como empreendedorismo. Empreendedorismo não pode ser associado a precarização.

Chamou bastante atenção o último debate presidencial do primeiro turno, na Rede Globo de televisão. Ali estavam apenas representantes da extrema direita como o próprio presidente/candidato, o falso padre e a candidata do União Brasil Soraya Thronicke. Além de Felipe D’Avila com seu discurso neoliberal e Ciro Gomes que o mais perto que apresentou de uma pauta progressista foi a renegociação da dívida dos pobres junto ao SPC. Não houve críticas ao capitalismo, a um sistema econômico que durante a maior crise de saúde vivida há pouco menos de um ano, aumentou o número de milionários e bilionários ao tempo em que também cresceu substancialmente o numero de miseráveis.

Durante a pandemia do coronavírus aumentou a desigualdade no mundo e os governos foram incapazes de fazer frente a concentração de riqueza. Sequer é possível dizer que nessas eleições houve uma defesa efetiva do socialismo, que foi jogada na lata do lixo por youtubers ignorantes e gente sem a menor noção do que o termo significa. Demonização de Marx, de Paulo Freire e do legado democrata civilizatório. A ausência de contrapontos tornou a ofensiva dos raivosos da antipolítica um componente de avanço do fascismo no Brasil.

Parte do PT está disputando e ganhando eleições há muito tempo, e esse flanco não pode ser incompatível com o debate e a disputa na sociedade. Conquistamos avanços sociais inegáveis que precisavam de sustentação intelectual e debate, mas agora é preciso dar uma resposta a disputa ideológica que se lançou na sociedade. Uma disputa que, inclusive coloca a intolerância religiosa entre as questões mais importantes do momento.

Ainda reverbera sem resposta o enfático discurso de Mano Brown na campanha de Fernando Haddad de 2018: “tem uma multidão que não está aqui e que precisa ser conquistada”. Conquistar votos não é conquistar visões de mundo, nem sequer construir solidariedade entre as pessoas. Conquistar votos é peça de marketing que se aproveita de movimentos já marcados na sociedade. Também precisamos disputar as visões de mundo, enfrentar a ideologia do fascismo.

Durante os quase 16 anos de mandatos de Lula e Dilma, o partido foi diversas vezes convidado a não atrapalhar o governo. Depois da ascensão da extrema direita, é a vez do partido dizer que o governo não deve atrapalhar sua disputa. Uma disputa que se dará na sociedade a respeito do que queremos para o futuro. Esse governo é o governo da reconstrução, da retomada da orientação republicana do Estado, do reconhecimento das instituições, dos seus papeis e, principalmente, dos seus limites.

Caberá aos mandatos ao qual o partido tem direito dar suporte a esse governo e disputar internamente sua direção. Mas, em outra frente desligada disso, a orientação do partido deve conduzir uma disputa na base da sociedade a respeito do país que queremos, considerando o fato de que o Brasil passa por uma mudança nas suas formas de interpretar a política e trabalhar para que o governo não o atrapalhe nesse processo que será decisivo para sua manutenção enquanto força política.

*Luís Fernando Vitagliano é cientista político e professor universitário.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco Pereira de Farias Marcos Aurélio da Silva Marcelo Guimarães Lima Lincoln Secco Lorenzo Vitral Rubens Pinto Lyra Claudio Katz Marcelo Módolo Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Costa Júnior Leonardo Avritzer Luiz Marques Heraldo Campos Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay Vanderlei Tenório Thomas Piketty Bento Prado Jr. André Márcio Neves Soares Mariarosaria Fabris João Paulo Ayub Fonseca Henry Burnett Renato Dagnino Leonardo Boff João Feres Júnior João Sette Whitaker Ferreira Francisco de Oliveira Barros Júnior Denilson Cordeiro José Machado Moita Neto Remy José Fontana Armando Boito Bernardo Ricupero Chico Alencar Dênis de Moraes Paulo Capel Narvai Vinício Carrilho Martinez Julian Rodrigues Jorge Luiz Souto Maior Luís Fernando Vitagliano Lucas Fiaschetti Estevez André Singer Maria Rita Kehl Luiz Carlos Bresser-Pereira Osvaldo Coggiola Luis Felipe Miguel Ricardo Musse Benicio Viero Schmidt Tarso Genro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tales Ab'Sáber José Geraldo Couto Celso Frederico Alysson Leandro Mascaro Milton Pinheiro Gabriel Cohn Ricardo Antunes Jorge Branco Roberto Bueno Slavoj Žižek Jean Marc Von Der Weid Gilberto Lopes Marilia Pacheco Fiorillo João Lanari Bo Priscila Figueiredo Juarez Guimarães Luiz Bernardo Pericás Marilena Chauí Luiz Costa Lima Berenice Bento Caio Bugiato Ronald Rocha Eugênio Trivinho Manchetômetro Kátia Gerab Baggio José Luís Fiori Rafael R. Ioris Alexandre de Freitas Barbosa Érico Andrade Luiz Roberto Alves José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Fabbrini Eleutério F. S. Prado Marjorie C. Marona Ari Marcelo Solon Andrew Korybko Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Sérgio Pinheiro Carla Teixeira Valério Arcary Samuel Kilsztajn Antônio Sales Rios Neto Eduardo Borges Marcos Silva Bruno Machado Michael Roberts Ladislau Dowbor Sandra Bitencourt Yuri Martins-Fontes Fábio Konder Comparato Walnice Nogueira Galvão Valerio Arcary Daniel Costa Everaldo de Oliveira Andrade Gerson Almeida José Dirceu Henri Acselrad Eugênio Bucci Salem Nasser Atilio A. Boron Anderson Alves Esteves Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Anselm Jappe João Carlos Salles Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Fernando Nogueira da Costa Daniel Afonso da Silva Marcus Ianoni Paulo Martins Tadeu Valadares Elias Jabbour Dennis Oliveira Leda Maria Paulani Luiz Eduardo Soares Antonio Martins Michael Löwy Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos José Raimundo Trindade Igor Felippe Santos Afrânio Catani Ronaldo Tadeu de Souza Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira Roberto Noritomi Manuel Domingos Neto Otaviano Helene Luiz Werneck Vianna Boaventura de Sousa Santos Carlos Tautz Airton Paschoa Daniel Brazil Celso Favaretto Mário Maestri Eleonora Albano Luiz Renato Martins Flávio Aguiar Luciano Nascimento Jean Pierre Chauvin Eliziário Andrade Ronald León Núñez Leonardo Sacramento Liszt Vieira Paulo Nogueira Batista Jr Vladimir Safatle Gilberto Maringoni João Carlos Loebens Chico Whitaker João Adolfo Hansen

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada