A cena brasileira – XXI

Imagem: Lisa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENÍCIO VIERO SCHMIDT*

Comentários sobre acontecimentos recentes

A crise fiscal tem sido um fantasma a ameaçar as relações do governo com o mercado financeiro, de modo especial; bem como o comportamento frente aos interesses maiores da população e dos trabalhadores. As idas e vindas desta tumultuada relação transparece nas oscilações do dólar, dos juros e da Bolsa de Valores; tendo como indicador de insegurança e instabilidade a saída de capitais estrangeiros do país; tendo a resistência da inflação como marca registrada de política antipopular.

Diante da execução do orçamento federal para 2022, ainda a ser votado pelo Congresso Nacional, surge o espectro “inesperado” dos precatórios a serem pagos pela União aos outros entes federativos, empresas e cidadãos ( R$ 89 bilhões). A cultura inflacionária tem aumentado estes créditos ao longo do tempo, assumindo enorme relevância no total das despesas públicas. O ministro Paulo Guedes e demais autoridades econômicas acusam o impacto sobre as finanças federais e buscam soluções alternativas: da suspensão de parte dos pagamentos (até um certo limite, presumivelmente de R$ 400 mil reais), até a reversão dos créditos em operações de privatização de empresas estatais.

Uma engenharia fiscal difícil. Paulo Guedes, apesar disto, alude a possível adiamento dos pagamentos em diversas parcelas anuais para fugir à possibilidade de um calote; fator perturbador nas já tênues relações com o mercado e com os demais entes federativos. Se os R$ 89 bilhões vierem a integrar o Orçamento tornarão inviável a cobertura das demais despesas não-obrigatórias, incluindo salários dos servidores e a própria Bolsa Família. Caso tudo for incluído, se romperá o teto dos gastos, cláusula pétrea do austericídio vigente. A peça do Orçamento Anual deve ser enviado ao Congresso Nacional até 31 de agosto. Uma tormenta à espreita, alimentando dissenções no âmbito do próprio Executivo, na medida em que Bolsonaro quer duplicar o valor da Bolsa Família (Auxílio Brasil, doravante) como forma de catapultar sua candidatura à reeleição . O custo do programa, hoje, é de R$ 34,89 bilhões, atendendo a 15,2 milhões de famílias.

Desde a decisão do STF (2015) proibindo o financiamento empresarial de campanhas políticas, o dinheiro público tem sido abundante para o Fundo Eleitoral, bem como para o Fundo Partidário. Todavia, os mecanismos de fiscalização e controle permanecem os mesmos. Neste quadro agora o Congresso Nacional discute propostas de reforma político-eleitoral. Oriundas do Grupo de Trabalho da Câmara Federal que elabora o novo Código Eleitoral, as medidas devem ser votadas imediatamente pela Câmara e depois seguem ao Senado. São propostas de afrouxamento de vários mecanismos de funcionamento da Justiça Eleitoral, indo da auditoria a multas aos partidos políticos e seus dirigentes. Um regresso institucional que reduz os já parcos recursos da Justiça sobre o funcionamento de partidos e campanhas eleitorais. O Projeto de Lei Complementar (PLC 11/2021) tem mais de 900 artigos e foi protocolado em 2 de agosto, podendo ser votado imediatamente. Entre outras propostas, o PLC limita o tempo de divulgação das pesquisas eleitorais e enfraquece a política de cotas para as mulheres e não-brancos nas eleições.

Ainda pertinente ao sistema eleitoral e seu funcionamento, tomado equivocadamente como a própria “reforma eleitoral”, destaque-se a rejeição do voto impresso (23 x 11), nesta quinta-feira; devendo ir à apreciação do plenário da Câmara Federal, tal como anunciado pelo presidente Lira. Mesmo assim, uma vitória parcial importante contra Bolsonaro e suas imprecações sobre a fraude nas urnas eletrônicas.

Importante matéria sobre a regularização de terras ocupadas pela União e pelo INCRA foi objeto de projeto de lei (PL da Grilagem) aprovado por 296 votos a 136 na Câmara Federal (03/08/21). Ele facilita sobremodo a legalização de terras invadidas e desmatados por grileiros e mineradores, especialmente na Amazônia. Reduz a fiscalização estatal sobre o marco temporal, baseando-se, inclusive, na auto-declaração dos invasores. Um regresso inaudito sobre os controles governamentais relativamente à ocupação de terras rurais. O projeto segue agora para o Senado, onde também deverá ser aprovado.

Enquanto isto, segue a saga do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) para sanar os problemas da Plataforma Lattes, com forte impacto sobre o cotidiano dos cientistas e bolsistas brasileiros. Na verdade, trata-se do resultado direto da escassez de recursos dotados à principal agência da ciência brasileira (R$ 3,1 bilhões em 2013 e R$ 1,2 bilhão em 2021).

As escaramuças entre TSE, STF e Presidência da República – sob o pretexto do voto impresso – continuam a perturbar o ambiente, em geral, como atesta recente manifesto de empresários, grandes investidores , acadêmicos e consultores (mais de seis mil assinaturas até o momento) a favor da democracia, da urna eletrônica e de um clima pacífico nas relações entre Estado e mercado. Todavia, o presidente continua seus viperinos ataques a ministros do Judiciário, sem arrefecimento e com ameaças de quebra do padrão sucessório. Algo que sublinha sua queda de prestígio em constantes pesquisas de opinião, sendo a última a do PoderData; bem como uma deterioração da linguagem oficial assumida que lembra os últimos dias e pronunciamentos de Fernando Collor antes da renúncia.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB e consultor da Empower Consult. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manuel Domingos Neto Celso Frederico Walnice Nogueira Galvão Kátia Gerab Baggio Luiz Roberto Alves Manchetômetro João Paulo Ayub Fonseca Eugênio Trivinho Luis Felipe Miguel João Carlos Loebens Ricardo Antunes Maria Rita Kehl Andrew Korybko Mariarosaria Fabris Lorenzo Vitral Eliziário Andrade José Luís Fiori Carlos Tautz Thomas Piketty Julian Rodrigues Alexandre de Lima Castro Tranjan Gilberto Lopes Chico Alencar Matheus Silveira de Souza Alexandre de Freitas Barbosa Marcelo Guimarães Lima Airton Paschoa Michael Löwy Jean Marc Von Der Weid Luiz Werneck Vianna Remy José Fontana Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Sacramento Sergio Amadeu da Silveira Paulo Nogueira Batista Jr Antônio Sales Rios Neto Marcos Silva Chico Whitaker José Micaelson Lacerda Morais Luciano Nascimento Marcus Ianoni Henri Acselrad Daniel Brazil Daniel Costa Priscila Figueiredo Luiz Bernardo Pericás Slavoj Žižek Paulo Martins Renato Dagnino Lincoln Secco Juarez Guimarães Henry Burnett Marcos Aurélio da Silva Leonardo Avritzer Annateresa Fabris Luiz Eduardo Soares Marjorie C. Marona Dênis de Moraes Denilson Cordeiro João Feres Júnior Sandra Bitencourt Heraldo Campos Flávio Aguiar Leonardo Boff Mário Maestri Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira Luís Fernando Vitagliano Lucas Fiaschetti Estevez João Sette Whitaker Ferreira Dennis Oliveira Ricardo Abramovay Alysson Leandro Mascaro Rubens Pinto Lyra Gabriel Cohn Boaventura de Sousa Santos Samuel Kilsztajn Paulo Capel Narvai Jean Pierre Chauvin Rafael R. Ioris Bento Prado Jr. Elias Jabbour Daniel Afonso da Silva Vinício Carrilho Martinez Fernão Pessoa Ramos Ladislau Dowbor Berenice Bento Gerson Almeida Marcelo Módolo Eleonora Albano Claudio Katz Benicio Viero Schmidt Gilberto Maringoni Salem Nasser Jorge Luiz Souto Maior José Raimundo Trindade Atilio A. Boron Vladimir Safatle Ricardo Musse Antonio Martins Marilena Chauí Celso Favaretto Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michael Roberts Paulo Sérgio Pinheiro André Márcio Neves Soares Eduardo Borges João Carlos Salles Ari Marcelo Solon Igor Felippe Santos José Geraldo Couto Tarso Genro José Machado Moita Neto Érico Andrade Otaviano Helene João Adolfo Hansen Yuri Martins-Fontes Flávio R. Kothe Tadeu Valadares Ricardo Fabbrini Tales Ab'Sáber Ronald León Núñez Paulo Fernandes Silveira Afrânio Catani Andrés del Río Bruno Machado Armando Boito Carla Teixeira José Costa Júnior Eleutério F. S. Prado Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre Aragão de Albuquerque Francisco Pereira de Farias José Dirceu Fernando Nogueira da Costa Ronaldo Tadeu de Souza Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Lanari Bo Jorge Branco Bernardo Ricupero Vanderlei Tenório Luiz Marques Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Anselm Jappe Valerio Arcary Milton Pinheiro Eugênio Bucci Valerio Arcary Osvaldo Coggiola André Singer Liszt Vieira Fábio Konder Comparato Leda Maria Paulani Ronald Rocha Rodrigo de Faria Michel Goulart da Silva Caio Bugiato Antonino Infranca Luiz Renato Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES