As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A reação da Lava Jato

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ SINGER*

A judicialização da política não é recomendável, porque a justiça é uma coisa e a política é outra

No dia 9 de setembro, a Polícia Federal deflagrou uma operação para desvendar um esquema de desvios no Sistema S. Em princípio, seria apenas um caso isolado, uma investigação sobre extravios financeiros no âmbito do Sistema S na cidade do Rio de Janeiro. A operação, no entanto, tornou-se enorme, com 50 mandatos de busca e apreensão tendo como alvo grandes escritórios de advocacia, alguns dos maiores do país, e entre eles os escritórios de advocacia ligados ao ex-presidente Lula e ao atual presidente Jair M. Bolsonaro.

O que chama a atenção neste episódio – cujas ramificações não estão muito claras, pois envolvem uma série de informações ainda não disponíveis – é o fato de que parece ser uma reação da operação Lava Jato, que recentemente sofreu uma série de derrotas. O Conselho Nacional do Ministério Público decidiu, no dia 08 de setembro, impor a pena de “censura” ao procurador Deltan Dallagnol por tuítes emitidos por ele na ocasião da eleição para a presidência do Senado, em fevereiro de 2019, no âmbito do julgamento de uma representação feita pelo senador Renan Calheiros.

Neste mesmo dia, a Segunda Turma do STF deliberou por remeter processos abertos contra os ex-senadores Romero Jucá e Valdir Raupp, do MDB, para a Justiça Federal, fato que também foi interpretado como outra derrota da Lava Jato. Em suma, há uma série de elementos que dão a impressão de que a Lava Jato passa por um período de retrocesso e que essa operação da Polícia Federal denominada “Esquema S”, sob a jurisdição do juiz Marcelo Bretas, de algum modo, parece ser uma reação à essa situação.

A Lava Jato foi um elemento importante do processo de judicialização da política brasileira a partir de 2014. Estamos tratando, portanto, de uma operação que perdura por seis anos, o que, por si, não é bom. A judicialização da política não é recomendável, porque a justiça é uma coisa e a política é outra.

No decorrer da Lava Jato ficou comprovada uma atitude de facciosismo que prejudicou muitos setores da política brasileira, em particular o PT e o presidente Lula. Por outro lado, a operação Lava Jato desvendou uma série de aspectos importantes acerca do modo de funcionamento da política brasileira.

No confronto que agora está posto o que podemos observar, de uma perspectiva política propriamente dita, é o acirramento do conflito entre o governo de Jair M. Bolsonaro – que, em boa medida, chegou à presidência por causa da Lava Jato – e essa operação, processo intensificado a partir da saída do líder da operação Lava Jato, o ex-ministro Sérgio Moro, do governo.

Tudo isso aponta para o fortalecimento da tendência autoritária que constitui um elemento do caráter do governo de Jair M. Bolsonaro. De modo geral, o que precisa ser restabelecido no Brasil é uma situação em que a disputa política possa ser exercida de forma democrática, com lisura, transparência e, ao mesmo tempo, sem judicialização e sem facciosismo.

*André Singer é professor titular de ciência política na USP. Autor, entre outros livros, de O lulismo em crise (Companhia das Letras).

Texto estabelecido a partir de entrevista concedida a Gustavo Xavier, na rádio USP

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Fernão Pessoa Ramos Antônio Sales Rios Neto Samuel Kilsztajn Anselm Jappe Heraldo Campos Ronaldo Tadeu de Souza Bento Prado Jr. Valerio Arcary João Paulo Ayub Fonseca Ronald Rocha Luís Fernando Vitagliano João Feres Júnior Daniel Costa Francisco Pereira de Farias Daniel Brazil Julian Rodrigues Roberto Bueno Carla Teixeira Luiz Marques João Adolfo Hansen Otaviano Helene Ricardo Musse Rubens Pinto Lyra Roberto Noritomi Eleutério F. S. Prado Eliziário Andrade Dennis Oliveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Kátia Gerab Baggio Ladislau Dowbor Gerson Almeida Lincoln Secco Marcus Ianoni Walnice Nogueira Galvão Tarso Genro Alexandre Aragão de Albuquerque Gabriel Cohn Leonardo Avritzer Paulo Sérgio Pinheiro Eugênio Bucci Jorge Branco Armando Boito Atilio A. Boron Milton Pinheiro Elias Jabbour Michael Roberts José Geraldo Couto Francisco Fernandes Ladeira João Carlos Salles Antonino Infranca Marcelo Guimarães Lima Marilia Pacheco Fiorillo Thomas Piketty Jean Pierre Chauvin Ricardo Abramovay Bruno Machado Ricardo Antunes Afrânio Catani Gilberto Lopes Chico Whitaker João Sette Whitaker Ferreira Ronald León Núñez Eugênio Trivinho Luiz Renato Martins Lorenzo Vitral Luiz Werneck Vianna Sandra Bitencourt João Carlos Loebens Marcos Aurélio da Silva Anderson Alves Esteves André Márcio Neves Soares José Raimundo Trindade Renato Dagnino Carlos Tautz Alysson Leandro Mascaro Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Eduardo Borges Leonardo Sacramento Tadeu Valadares Flávio Aguiar José Dirceu Andrew Korybko Chico Alencar Paulo Nogueira Batista Jr Fernando Nogueira da Costa Fábio Konder Comparato Liszt Vieira Leda Maria Paulani Maria Rita Kehl Rodrigo de Faria Mário Maestri Yuri Martins-Fontes Slavoj Žižek Salem Nasser Berenice Bento Paulo Capel Narvai Igor Felippe Santos Remy José Fontana Luciano Nascimento Marcos Silva Mariarosaria Fabris Denilson Cordeiro Luiz Costa Lima Flávio R. Kothe João Lanari Bo Manuel Domingos Neto Marilena Chauí Valério Arcary Claudio Katz Paulo Martins Luiz Bernardo Pericás Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Boaventura de Sousa Santos Juarez Guimarães Rafael R. Ioris Caio Bugiato Luiz Roberto Alves Luiz Eduardo Soares Manchetômetro Jean Marc Von Der Weid Annateresa Fabris Gilberto Maringoni Ricardo Fabbrini Henri Acselrad José Costa Júnior Celso Favaretto Vladimir Safatle Henry Burnett André Singer José Micaelson Lacerda Morais Plínio de Arruda Sampaio Jr. Osvaldo Coggiola Vinício Carrilho Martinez Bernardo Ricupero Celso Frederico Leonardo Boff Marcelo Módolo Benicio Viero Schmidt Sergio Amadeu da Silveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Lucas Fiaschetti Estevez Dênis de Moraes Marjorie C. Marona Tales Ab'Sáber Paulo Fernandes Silveira Eleonora Albano Vanderlei Tenório Priscila Figueiredo Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Luís Fiori Érico Andrade Airton Paschoa José Machado Moita Neto Luis Felipe Miguel Alexandre de Freitas Barbosa Antonio Martins Ari Marcelo Solon

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada