As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Avalanche de falsas bondades

Imagem: Burst
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARIO VITOR SANTOS*

Atraso e modernidade se articulam no bolsonarismo numa montagem que aponta para uma ameaça real

A resiliência do apoio a Bolsonaro junto a parcela relevante da população constitui um enigma de difícil solução. O apoio a ele desceu constantemente ao longo deste ano para um certo patamar que varia entre 22 e 33%. Depois de decrescer até aí, a sangria estancou, não cede mais, apesar da deterioração da economia, do aumento de mortes na pandemia e do aumento do bombardeio da mídia corporativa.

Para alguns observadores, inclusive todos os bolsonaristas, o apoio ao presidente seria “com certeza” maior do que indicam as pesquisas. Trata-se de juízo duvidoso, baseado apenas em impressões subjetivas. E assim mesmo, com uma certa dose de paranoia e superstição, o apoio ao presidente parece, ao menos em certos contextos, mais forte, aguerrido e disposto a riscos do que indicam o noticiário da mídia conservadora e mostram as pesquisas de opinião.

Vê-se nas ruas, no Uber, o engajamento “espontâneo” de “pessoas comuns”, mais ou menos informadas, com ideias constituídas sobre os temas a debater. Agem sob algum tipo de ideário, parecem obedecer a uma disciplina, como se viu recentemente no recuo organizado após o transe dos atos de 7 de setembro.

Vozes golpistas renitentes estimuladas por apelos do presidente contra ministros do STF, a favor do fechamento da Corte e do Congresso calaram-se em obediência a uma ordem vinda de cima. Houve revolta contra isso, abafada com rapidez como para evitar exposição.

Quem são os militantes dessa organização, que talvez seja maior, operativa e discreta do que se pode supor? Como movem formas de comunicação muito mais modernas do que suporia essa base social “atrasada” e seus valores?

Atraso e modernidade se articulam neste bolsonarismo numa montagem que aponta uma ameaça real. Há um perigo nem sequer sonhado pelos que já acham que Bolsonaro é derrota certa na eleição, talvez já mesmo no primeiro turno.

Pode ser que não. Por causa de mais um erro de leitura (em 2018, a esquerda não perdeu por fake news, mas porque a direita leu melhor o sentimento do povo), pode estar se armando a repetição de um pesadelo.

Aquilo que se pode chamar de “homem comum” é parte essencial do bolsonarismo. É o típico homem “bom”, do bem, cuja personalidade externamente bondosa tem pinceladas religiosas. Seus sinais exteriores de bondade são uma poderosa força de atração política. Aquela força que se identifica no fervor otimista dos templos prossegue nas ruas e vira a chave da política quando necessário.

Este personagem, como já se viu tantas vezes, abandona sua costumeira passividade para liberar nos compartilhamentos o ódio extremo contra todo tipo de pretensão modernizadora.

Revoluções nos costumes, títulos acadêmicos, tratamento humano a suspeitos de crime, acusações de corrupção, laicidades em geral, estão na mira dos sentidos cada vez mais treinados do homem comum e são usados como fatores de união aferrada com Bolsonaro. Trata-se de uma disputa consciente contra um inimigo no contexto de uma correlação de forças. Isso é “leninismo” de direita, nas palavras de Steve Bannon.

Nas eleições, trata-se de transformar esse fervor em votos evitando qualquer circuito convencional. É a hora em que o fanatismo conservador, seu moralismo udenista, sua “bondade” são canalizados por estruturas cada vez mais profissionais. Entram em cena os equipamentos mais sofisticados, as técnicas mais recentes fornecidas e amalgamadas às estruturas de empresas avançadas.

Esse bolsonarismo de militância “profissional”, hierarquizada, digital e insular, absolutamente blindada ao que está fora dela, será um fator de grande influência na aproximação das eleições, podendo surpreender mais uma vez os analistas e os institutos de pesquisa.

Mudanças de tendências eleitorais de 2018 sem aparente explicação não se comparam ao que pode acontecer em 2022, pois o conhecimento de comportamento do consumidor, as ferramentas de marketing digital, o uso técnico de inteligência artificial avançou muito em quatro anos tornando-se muito mais eficazes e muito menos detectáveis ainda do que foram em 2018, causando a virada inesperada e o estrago que todos conhecem.

São técnicas usadas por empresas listadas em bolsa nos Estados Unidos e no Brasil, com valores de mercado que se multiplicaram cem vezes nesses quatro anos. E elas estarão a serviço do bolsonarismo. Esqueça o que se viu em 2018, pois tudo será mais uma vez subvertido. Quem imitar o que foi usado nas eleições passadas estará superado.

Enquanto isso, institutos, analistas, a mídia conservadora e esquerda engatinham, presos às velhas linguagens e formas de ação, acomodando-se a cenários estáticos típicos da velha esfera pública, usando os números róseos do Datafolha e do Ipec para não ver a real ameaça que os aguarda sem descansar.

Militância não falta: Bolsonaro tem 3,5 milhões de seguidores no Youtube contra 350 mil de Lula. No Telegram, são 1 milhão contra magros 37 mil de Lula. No Facebook, a distância é menor: 11 milhões contra 4 de Lula. Se essa pesquisa simples não assusta, pense no atraso da campanha digital lulista e no estado da arte da inteligência de dados que estará a serviço do neofascista. Está na hora de acordar.

*Mario Vitor Santos é jornalista.

Publicado originalmente no portal Brasil 247.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Igor Felippe Santos Atilio A. Boron Luiz Carlos Bresser-Pereira Berenice Bento Francisco de Oliveira Barros Júnior Luciano Nascimento Milton Pinheiro José Geraldo Couto Lorenzo Vitral Eduardo Borges André Singer João Carlos Loebens Eugênio Trivinho Kátia Gerab Baggio João Adolfo Hansen Roberto Bueno Gilberto Maringoni Bento Prado Jr. Boaventura de Sousa Santos Celso Frederico Alexandre de Lima Castro Tranjan Leda Maria Paulani Osvaldo Coggiola Eugênio Bucci Jean Marc Von Der Weid Ricardo Abramovay Dennis Oliveira José Dirceu Tadeu Valadares Sandra Bitencourt Eleonora Albano Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rodrigo de Faria João Carlos Salles Ari Marcelo Solon Otaviano Helene João Paulo Ayub Fonseca Daniel Afonso da Silva Henri Acselrad Bernardo Ricupero Leonardo Avritzer Rafael R. Ioris José Raimundo Trindade Afrânio Catani Jean Pierre Chauvin Gabriel Cohn Manuel Domingos Neto Carla Teixeira João Lanari Bo Everaldo de Oliveira Andrade André Márcio Neves Soares Luiz Werneck Vianna Claudio Katz Gilberto Lopes Andrew Korybko Marcos Aurélio da Silva Luis Felipe Miguel Antônio Sales Rios Neto Tarso Genro Remy José Fontana Francisco Pereira de Farias Carlos Tautz Lincoln Secco Luiz Costa Lima Alexandre de Freitas Barbosa Manchetômetro Luiz Bernardo Pericás Denilson Cordeiro Ronaldo Tadeu de Souza Érico Andrade José Luís Fiori Mariarosaria Fabris Ricardo Musse Yuri Martins-Fontes Samuel Kilsztajn Jorge Luiz Souto Maior Vladimir Safatle Roberto Noritomi Valério Arcary Paulo Capel Narvai Juarez Guimarães Chico Alencar Alysson Leandro Mascaro Tales Ab'Sáber Heraldo Campos José Machado Moita Neto Salem Nasser Vinício Carrilho Martinez Fernão Pessoa Ramos Marjorie C. Marona Daniel Costa Armando Boito Anderson Alves Esteves Thomas Piketty Liszt Vieira Marilia Pacheco Fiorillo Renato Dagnino Paulo Martins Paulo Sérgio Pinheiro Celso Favaretto Fernando Nogueira da Costa Annateresa Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Brazil João Sette Whitaker Ferreira Gerson Almeida Luiz Eduardo Soares Jorge Branco Bruno Machado Anselm Jappe Antonino Infranca Chico Whitaker Dênis de Moraes Paulo Fernandes Silveira Maria Rita Kehl Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Guimarães Lima Luiz Roberto Alves Vanderlei Tenório Walnice Nogueira Galvão Ronald Rocha Caio Bugiato José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Fabbrini Leonardo Sacramento Lucas Fiaschetti Estevez Priscila Figueiredo Marcos Silva Luiz Marques Francisco Fernandes Ladeira Henry Burnett Mário Maestri Eleutério F. S. Prado Valerio Arcary Marcus Ianoni Airton Paschoa João Feres Júnior Luiz Renato Martins Eliziário Andrade Marcelo Módolo Benicio Viero Schmidt Michael Löwy Luís Fernando Vitagliano Ronald León Núñez Plínio de Arruda Sampaio Jr. Flávio R. Kothe Leonardo Boff Marilena Chauí Elias Jabbour Julian Rodrigues Slavoj Žižek José Costa Júnior Flávio Aguiar Michael Roberts Fábio Konder Comparato Ladislau Dowbor Ricardo Antunes Rubens Pinto Lyra Antonio Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada