A chacina do Guarujá

Christine Borland, gêmeos fantasmas, 1997
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

Violentas e corruptas, as polícias são singularmente incompetentes em desempenhar as tarefas às quais seriam destinadas

O governo paulista reconheceu 8 mortos, embora se fale em 10, 12 ou mesmo 19. Familiares das vítimas apontam sinais de tortura e execução. Mas Tarcísio de Freitas já se antecipou: “não houve excesso”. Também declarou estar “extremamente satisfeito com a ação da polícia”.

A Rota empreendeu a operação como vingança pela morte de um soldado. A imprensa noticiou que os policiais teriam ameaçado assassinar pelo menos 60 moradores como represália.

É o modus operandi da Rota – em 2015, promoveu uma chacina com 23 mortos para vingar as mortes de um PM e de um guarda civil municipal. Só que esse tipo de ação é coisa de bandos mafiosos, não de força policial.

Por mais justa que seja a indignação pela perda de um colega, a polícia existe para proteger a população e para identificar e prender criminosos, não para promover banhos de sangue.

Ainda que os “suspeitos” fossem todos realmente suspeitos, a violência policial não seria justificada. Mas, como todos sabem, nem isso são.

Há mais de 50 anos, a Rota é sinônimo de truculência. Suas vítimas são contadas na casa dos milhares. Mas sua diferença em relação ao padrão médio das polícias brasileiras é de quantidade, não de qualidade.

(Outro dia vi um vídeo de humor, não lembro a fonte, em que dois estrangeiros se submetem a um quiz para saber o quanto conhecem do Brasil. Uma das perguntas é “Qual é a gangue mais violenta das cidades brasileiras?” A resposta correta é “Polícia Militar”. Humorístico, mas tristemente preciso.)

Para a extrema direita, a violência policial é um valor a ser preservado. A chacina no Guarujá não é suficiente: a bancada da bala quer carta branca para matar. Pedem a retirada das câmeras dos uniformes.

Violentas e corruptas, as polícias são singularmente incompetentes em desempenhar as tarefas às quais seriam destinadas. Num círculo vicioso particularmente perverso, a falência da segurança pública turbina discursos favoráveis à violência policial. A mesma população que corre o risco de ser morta pela polícia é levada a aplaudir seus excessos.

O discurso cínico de Tarcísio de Freitas não é impensado. Ele sabe a que público está agradando quando avaliza a chacina do Guarujá.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Democracia na periferia capitalista: impasses do Brasil (Autêntica).

Publicado originalmente nas redes sociais do autor.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antônio Sales Rios Neto Anderson Alves Esteves Lorenzo Vitral Vinício Carrilho Martinez Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra Marcos Aurélio da Silva Manchetômetro Luiz Marques Tales Ab'Sáber Remy José Fontana Airton Paschoa José Machado Moita Neto João Carlos Loebens Marilena Chauí Valerio Arcary José Dirceu Afrânio Catani João Feres Júnior José Raimundo Trindade Manuel Domingos Neto Daniel Costa Ricardo Antunes Julian Rodrigues Flávio R. Kothe Caio Bugiato Walnice Nogueira Galvão Annateresa Fabris Ari Marcelo Solon João Sette Whitaker Ferreira Samuel Kilsztajn Jorge Branco Chico Alencar Everaldo de Oliveira Andrade Boaventura de Sousa Santos Tadeu Valadares Daniel Brazil Francisco Pereira de Farias Paulo Sérgio Pinheiro Lincoln Secco Antonino Infranca Érico Andrade Flávio Aguiar Jorge Luiz Souto Maior João Paulo Ayub Fonseca Eliziário Andrade Gilberto Maringoni Ricardo Fabbrini Marcus Ianoni Celso Frederico Ronald León Núñez Bento Prado Jr. Eduardo Borges Michael Roberts Denilson Cordeiro Fernando Nogueira da Costa Jean Pierre Chauvin Elias Jabbour Sergio Amadeu da Silveira José Costa Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Rafael R. Ioris Liszt Vieira Armando Boito Carlos Tautz Maria Rita Kehl Francisco Fernandes Ladeira Eleutério F. S. Prado Kátia Gerab Baggio Marjorie C. Marona Paulo Fernandes Silveira Luciano Nascimento Michel Goulart da Silva Benicio Viero Schmidt Ricardo Musse Francisco de Oliveira Barros Júnior Claudio Katz Leonardo Avritzer Celso Favaretto Luis Felipe Miguel José Geraldo Couto André Márcio Neves Soares Leonardo Boff Bernardo Ricupero Tarso Genro Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Abramovay Luiz Carlos Bresser-Pereira José Micaelson Lacerda Morais Otaviano Helene Henry Burnett João Adolfo Hansen Gabriel Cohn Antonio Martins Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fábio Konder Comparato Vladimir Safatle Henri Acselrad Rodrigo de Faria Renato Dagnino Atilio A. Boron Lucas Fiaschetti Estevez Leda Maria Paulani Ronaldo Tadeu de Souza Juarez Guimarães João Lanari Bo Andrew Korybko Gerson Almeida Salem Nasser Paulo Nogueira Batista Jr Mário Maestri José Luís Fiori Yuri Martins-Fontes Fernão Pessoa Ramos Luiz Bernardo Pericás Heraldo Campos Paulo Martins Eugênio Bucci André Singer Carla Teixeira Marilia Pacheco Fiorillo Sandra Bitencourt João Carlos Salles Paulo Capel Narvai Marcos Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Milton Pinheiro Eugênio Trivinho Marcelo Guimarães Lima Chico Whitaker Luiz Renato Martins Alysson Leandro Mascaro Luiz Werneck Vianna Thomas Piketty Jean Marc Von Der Weid Ronald Rocha Valerio Arcary Dênis de Moraes Michael Löwy Osvaldo Coggiola Vanderlei Tenório Bruno Machado Matheus Silveira de Souza Luís Fernando Vitagliano Mariarosaria Fabris Slavoj Žižek Marcelo Módolo Anselm Jappe Eleonora Albano Priscila Figueiredo Dennis Oliveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Gilberto Lopes Leonardo Sacramento Luiz Roberto Alves Ladislau Dowbor Luiz Eduardo Soares Andrés del Río Daniel Afonso da Silva Berenice Bento

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada