As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A subjetividade fascista

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

No fascismo, comungam a passividade dos oprimidos com a perversão consentida, a má consciência das “classes abonadas”

As determinações do fascismo como gênero, na crise do capitalismo, tanto nos seus conteúdos econômicos como sociais, são aquelas que fundam o seu surgimento e os seus contornos, em um determinado espaço territorial e cultural. Quando o fascismo, todavia, se torna um movimento político com perspectivas de poder – para compreendê-lo e combatê-lo – é preciso localizar na subjetividade dominante os seus esconderijos mentais mais reservados e na conduta dos sujeitos políticos as suas manifestações mais soturnas (e violentas) na vida cotidiana.

A dramática situação do país, onde a democracia se esvai em cada jargão fascista emitido pelos grunhidos presidenciais – em um país afetado pela mortandade da pandemia e pela fome endêmica – exige uma sofisticada estratégia política por parte das forças da oposição democrática para refutá-lo. O “bolsonarismo” dominante conseguiu apartar da reflexão e do diálogo político – necessário para a democracia liberal-representativa funcionar – uma parte significativa e policlassista da sociedade.

Esta foi jogada para um espaço onde o debate não penetra, os argumentos não valem e as mentes funcionam apenas refletindo a palavra autorizada do “mito”. A fragmentação da estrutura de classes da sociedade favorece este isolamento, no qual estes grupos “apartados” criam um mundo próprio, ilusório, no qual a terra pode ser aceita como “plana”. Nela, o comunismo também ronda as famílias “de bem” e a veneração das “pirocas” ocultas nas mamadeiras – como arma política – pode se reproduzir ao infinito. Aproximadamente 1/3 da população está dominada por estes bolsões de ignorância manipulada.

Ao longo da sua história, o fascismo sempre capitalizou as mentiras que se tornaram fundamentos que basearam o seu poder político. A diferença pela qual essa capitalização se processa hoje, em relação aos tempos do século passado, é que ela flui muito mais rapidamente e pode ser isolada em bolhas de inacessibilidade, nas quais as contestações ao mito são bloqueadas na sua “entrada”. E repelidas.

O bloqueio das contestações às mentiras é feito com argumentos diretos e simples, erigidos para satisfazer não só as mentes mais simplórias assediadas pela crise social e pela insegurança, mas também para repousarem nas consciências pervertidas de grande parte dos estratos mais altos da população. No plano da subjetividade pública, o fascismo é a revelação da preguiça mental dos oprimidos, combinada com a perversão consentida, presente na má consciência das “classes altas”.

Qual é a “sofisticação” a que me refiro como necessária, para a oposição tornar-se eficaz? A unidade das partes fragmentárias da proposta fascista é feita pelo “mito”, que se desloca de uma “bolha” fechada para outra, de um fragmento para outro, com protocolos simples de rejeição da modernidade ilustrada. Particularmente essa “rejeição” se contrapõe às possibilidades humanas de liberação dos sujeitos das influências dos preconceitos religiosos e a sua superação – pela verdade – dos anátemas políticos produzidos pela grande mídia, em relação à esquerda.

Os contestadores dos valores do fascismo são atacados a partir da moralidade aparente das castas do “medievo”, moralidade constituída para o bloqueio mental de tudo que estiver fora dos padrões da família patriarcal, frequentemente ampliada como ideia de nação. Para isso o fascismo aposta na cegueira pelo ódio, que essas liberdades individuais ou grupais podem provocar no senso comum, sempre apresentadas como “contrárias” à vida ordeira, que é instabilizada por estes “desvios”.

A ideologia fascista transforma, assim, a perversão e a intolerância em virtude da ordem e em projeto de nação: é a ideologia dos frustrados, dos ressentidos excluídos da boa vida dos dominadores que se voltam, então, contra todos que toleram a desordem e geram instabilidade nas famílias. A verdade do que é o mito, não interessa ao fascista, pois o que o seduz é sua própria inverdade tornada símbolo para a redenção da mediocridade mergulhada na infelicidade coletiva.

A superação desta subjetividade não ocorrerá sem a derrota do mito e a derrota do mito não ocorrerá sem que possamos quebrar a unidade daquela parte das classes dominantes com ele, produzida para os seus fins específicos de dominação. Esta dominação, em primeiro lugar, usa o “mito” para promover reformas e acentuar a privatização do Estado, tanto pelo aumento do poder das milícias, como pela privatização de ativos públicos.

A futura Frente política que deverá governar o país deve ser composta pelos quatro movimentos de uma sinfonia política, que apontem para uma retomada da ordem republicana de 1988: no primeiro, derrotar o “bolsonarismo” e expulsá-lo do poder, unindo o que tem de democrático na nação contra ele; no segundo movimento, preparando um programa de transição comum, para uma economia produtivista, não rentista e inclusiva no emprego e na atividade; um terceiro movimento, organizando a esquerda para ser o pivô de uma frente política de natureza eleitoral – que vá além da esquerda para governar –; e um quarto movimento, com a força do poder institucional, reformar o sistema político para abrir novas perspectivas de reformas sociais e institucionais que reforcem a soberania nacional e coesionem a América Latina em torno da democracia e da solidariedade continental.

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eduardo Borges Leonardo Sacramento Paulo Sérgio Pinheiro Antonio Martins Kátia Gerab Baggio André Singer Carlos Tautz Paulo Nogueira Batista Jr Rodrigo de Faria Plínio de Arruda Sampaio Jr. Juarez Guimarães Fábio Konder Comparato Marcus Ianoni Salem Nasser Henri Acselrad Anselm Jappe Marjorie C. Marona Eliziário Andrade Celso Favaretto Vanderlei Tenório Heraldo Campos Valerio Arcary José Machado Moita Neto Roberto Noritomi Marcelo Guimarães Lima Paulo Capel Narvai Tales Ab'Sáber Marcelo Módolo Leda Maria Paulani Francisco Pereira de Farias Paulo Fernandes Silveira Jorge Branco José Geraldo Couto Elias Jabbour Maria Rita Kehl Fernão Pessoa Ramos Lucas Fiaschetti Estevez Bernardo Ricupero Ronald Rocha Renato Dagnino Jorge Luiz Souto Maior Michael Roberts Ronald León Núñez Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Rubens Pinto Lyra João Sette Whitaker Ferreira Sandra Bitencourt Lorenzo Vitral Luiz Roberto Alves Airton Paschoa Eleonora Albano Ladislau Dowbor Luciano Nascimento José Micaelson Lacerda Morais Denilson Cordeiro João Carlos Salles Luiz Bernardo Pericás Jean Pierre Chauvin Annateresa Fabris Ricardo Fabbrini André Márcio Neves Soares Ronaldo Tadeu de Souza Andrew Korybko Chico Alencar Otaviano Helene Érico Andrade Yuri Martins-Fontes Samuel Kilsztajn Milton Pinheiro Marcos Silva Atilio A. Boron Boaventura de Sousa Santos Gabriel Cohn Mariarosaria Fabris Marilia Pacheco Fiorillo Chico Whitaker Paulo Martins Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Celso Frederico Mário Maestri Daniel Afonso da Silva Antonino Infranca Luiz Renato Martins Flávio R. Kothe Sergio Amadeu da Silveira Gerson Almeida Alexandre Aragão de Albuquerque Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eugênio Bucci Luiz Marques Luiz Eduardo Soares Bruno Machado Alysson Leandro Mascaro Jean Marc Von Der Weid Luiz Werneck Vianna Afrânio Catani João Paulo Ayub Fonseca Lincoln Secco Gilberto Maringoni Luís Fernando Vitagliano Francisco de Oliveira Barros Júnior João Adolfo Hansen Claudio Katz Tadeu Valadares José Raimundo Trindade Dennis Oliveira Berenice Bento João Lanari Bo Valério Arcary Henry Burnett Daniel Costa Walnice Nogueira Galvão Flávio Aguiar Vladimir Safatle Priscila Figueiredo Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcos Aurélio da Silva Gilberto Lopes Eugênio Trivinho Eleutério F. S. Prado Armando Boito Ricardo Antunes Dênis de Moraes Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Brazil Osvaldo Coggiola Fernando Nogueira da Costa Remy José Fontana Anderson Alves Esteves Slavoj Žižek Carla Teixeira Ricardo Abramovay Marilena Chauí Caio Bugiato Francisco Fernandes Ladeira Vinício Carrilho Martinez Liszt Vieira Luiz Costa Lima João Feres Júnior Antônio Sales Rios Neto Ari Marcelo Solon Ricardo Musse Rafael R. Ioris José Dirceu Alexandre de Lima Castro Tranjan Manchetômetro Michael Löwy José Costa Júnior Thomas Piketty Tarso Genro Bento Prado Jr. Leonardo Boff João Carlos Loebens Roberto Bueno Leonardo Avritzer Julian Rodrigues Igor Felippe Santos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada