As ideias de Joe Biden

Dora Longo Bahia, Paraíso – Consolação (projeto para a Avenida Paulista), 2019 Acrílica, caneta à base de água e aquarela sobre papel (24 peças) - 29.7 x 21 cm cada
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SIMON TISDALL*

Para muitos à esquerda, a perspectiva global de Biden não representa tanto um novo amanhecer quanto um retorno às políticas lideradas pelo establishment de Washington

De todo modo, Joe Biden já é velho nos caminhos do mundo. Como vice-presidente de Barack Obama, ele conheceu todos os grandes atores internacionais. Como presidente do comitê de relações exteriores do Senado, ele ajudou a dirigir a política externa dos Estados Unidos.

Depois de quatro anos de liderança maníaca de Donald Trump, os Democratas oferecem uma mão estável e confiável ao leme. O grande objetivo de Biden: uma gloriosa restauração americana, em casa e no exterior.

Mas sua longa experiência é uma faca de dois gumes. Para muitos à esquerda, a perspectiva global de Biden não representa tanto um novo amanhecer quanto um retorno às políticas lideradas pelo establishment de Washington da era pré-Trump.

Aqueles esperando por uma ação radical em assuntos urgentes, como a crise climática e a desigualdade global, ou no confrontamento de líderes autoritários ‘fortões’, podem acabar desapontados.

Caso ele vença, dizem os apoiadores de Biden, a América estará de volta no controle da direção do mundo. O funcionamento normal voltará. Os críticos de Biden dizem que ele não é mais do que a mera sombra de seu antigo chefe – um político cuidadoso e centrista como Obama, mas sem a sua visão.

De todo modo, quem Biden escolher para ocupar os cargos de secretário do estado, conselheiro de segurança nacional e secretário de defesa poderá ser crucial.

A pressão dos progressistas do partido Democrata, como Bernie Sanders e Elizabeth Warren, empurrou Biden para a esquerda durante a campanha.

As crises gêmeas, sanitária e econômica, causadas pela pandemia do coronavírus também deslocou suas ideias. Ele agora fala em ‘reimaginar’ as relações da América com o resto do mundo.

Se suas perspectivas realmente mudaram, o tempo dirá. E quanto a toda sua experiência em política externa, é claro que o foco primário de Biden, se eleito, será doméstico.

Escrevendo à revista Foreign Affairs no começo deste ano, ele dispôs uma “política externa para a classe média” cuja prioridade principal era “permitir que os Americanos sejam bem-sucedidos na economia global”.

Fortalecendo os Estados Unidos internamente era um pré-requisito para a restauração da liderança global, ele disse. Suas prioridades eram claras.

A ideia de que a América pode e deve liderar internacionalmente, e que Trump se ‘abdicou’ dessa tarefa está, sobretudo, marcada a ferro em Biden, uma cria da guerra fria.

Essa assunção de soberania é hoje desafiada por aqueles que acreditam que a liderança Americana pós 1989 e pós 11 de setembro – e particularmente suas intervenções armadas em outros países –, não serviram nem aos Estados Unidos nem ao mundo. Eles apontam para o Iraque – uma guerra que Biden defendeu.

“Se você gostava da política norteamericana de segurança nacional antes de Trump estragar tudo, então Biden provavelmente é seu cara” escreveu o historiador Andrew Bacevich, ex-coronel do exército. “Instale-o no salão Oval e a cega perseguição da ‘dominância em nome do internacionalismo’ será retomada”.

Bacevich argumenta que o estabelecimento de políticas externas – decisões sobre sancionar Cuba ou o Irã, por exemplo – devem ser retiradas das mãos da elite política, e devem ser publicamente debatidas e democratizadas.

O approach de Biden é mais tido ao tipo ‘de cima para baixo’. Para ser justo, ele diz que reconstruirá alianças, cultivará o multilateralismo e sempre tentará a diplomacia em primeiro lugar.

Mas a preocupação de que seu grande projeto poderá vir a ser uma tragédia, anunciando um retorno ao arcaico e arbitrário excepcionalismo norte-americano, persiste.

Clima e Saúde

Trump abandonou o Acordo de Paris no ano passado; Biden prometeu retornar imediatamente, comprometendo os EUA com o atendimento das metas para o aquecimento global através do corte nas emissões de gás de efeito estufa. Em Julho, ele anunciou um plano de quatro anos e 2 trilhões de dólares para investir em uma vasta gama de soluções climáticas e em um esquema separado para descarbonizar o setor elétrico até 2035. Sobre a pandemia, Biden disse que os EUA novamente se juntarão à Organização Mundial da Saúde e retomarão seu financiamento. Ele propôs uma coalizão liderada pelos EUA para coordenar a procura por uma vacina e novos tratamentos para a Covid-19.

Democracia e Valores

Biden diz que o mundo está preso em uma batalha entre democracia e autoritarismo – e que os Estados Unidos devem estar na vanguarda. “Como uma nação, temos que provar ao mundo que os EUA estão prontos para liderar outra vez –  não apenas com o exemplo de nosso poder, mas também com o poder de nosso exemplo”, ele escreveu à Foreign Affairs. Ele diz que convocará uma “cúpula global da democracia”, no seu primeiro ano de mandato, “para renovar o espírito e o propósito partilhado pelas nações do mundo livre”. Ele jurou garantir que a presidência dos EUA será, outra vez, vista como uma defensora de eleições livres e abertas, da independência judiciária, dos direitos humanos e da liberdade de expressão.

Reino Unido e Europa

Homem orgulhoso de suas raízes irlandesas, Biden se opõe a qualquer desfecho para o Brexit que comprometa o acordo Good Friday ou ameace a paz na Irlanda. Mesmo que tais preocupações sejam dissipadas, um rápido acordo de livre troca entre os EUA e o Reino Unido, como prometido por Trump, provavelmente se mostrará difícil de realizar. Dado o claro estilo ‘trumpiano’ de Boris Johnson em sua política populista de direita, espera-se que Biden apele a Berlin e a Paris, em vez de Londres, como parceiros principais nas questões europeias. Como Obama, ele é a favor de uma União Europeia forte e unida que faça causa comum com os EUA. Biden pode ser o coveiro que finalmente enterrará a ‘relação especial’.

China

Apesar de que Trump o acuse do contrário, Biden diz que será duro com a China, citando suas ameaças a Taiwan, suas práticas mercantis ‘injustas’, seu hábito de ‘roubar’ a tecnologia e a propriedade intelectual das empresas americanas. Para fazê-lo, ele propõe “construir uma frente unida de aliados dos EUA e parceiros para confrontar os comportamentos abusivos e as violações de direitos humanos da China – ainda que procuremos cooperar em questões nas quais nossos interesses convergem, tais como a mudança climática, não-proliferação e segurança sanitária global”. Ele tem sido notavelmente crítico ao tratamento de Beijing dos muçulmanos uigures.

Proliferação nuclear

Os planos de Biden de reviver o sistema de tratados de armas nucleares com a Rússia degradou-se durante os anos Trump, começando com uma extensão do tratado New Start de 2010 negociado por Obama. Ele também diz que irá reabilitar o acordo nuclear com o Irã, de 2015, que Trump abandonou, se Teerã cometer-se outra vez à observação de seus termos. Sobre as armas nucleares da Coréia do Norte, ele tem pouco de novo a dizer. No entanto, a modernização do arsenal nuclear norteamericano, iniciada por Obama, parece estar prestes a continuar.

Conflitos

Biden diz que quer revigorar a OTAN e fortalecer as alianças na Ásia; que adotará uma dissuasiva posição face as manobras anti-ocidentais da Rússia; que tentará reviver o processo de paz entre Israel e Palestina, curto-circuitado por Trump; que acabará com o apoio norteamericano à guerra saudita no Iêmen; que acabará com a separação de famílias na fronteira com o México e reformará a imigração; e que suportará a ONU e o direito internacional. Assim como Trump, ele também promete acabar com o que chama de “guerras infinitas”. “Devemos trazer de volta a vasta maioria de nossas tropas das guerras no Afeganistão e no Oriente Médio e definir estritamente nossas missões para derrotar a al-Qaeda e a ISIS”, afirma ele. Outra guerra no Oriente Médio, na Síria, é raramente mencionada.

Diplomacia em primeiro lugar

“Diplomacia requer credibilidade e Trump arruinou a nossa”, diz Biden. “Na condução da política externa, a palavra de uma nação é seu bem mais valioso. Como presidente, eu elevarei a diplomacia ao papel de ferramenta principal da política externa dos Estados Unidos”.

*Simon Tisdall é colunista e editor assistente do jornal The Guardian.

Publicado originalmente no jornal The Guardian.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lorenzo Vitral Francisco de Oliveira Barros Júnior Eduardo Borges Priscila Figueiredo Walnice Nogueira Galvão Paulo Martins Osvaldo Coggiola Caio Bugiato Elias Jabbour André Singer José Dirceu Vladimir Safatle Julian Rodrigues Alexandre Aragão de Albuquerque Michel Goulart da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Tales Ab'Sáber Marjorie C. Marona Bruno Machado Atilio A. Boron Remy José Fontana Michael Roberts Ari Marcelo Solon Antonino Infranca Ladislau Dowbor Leda Maria Paulani Renato Dagnino Annateresa Fabris Érico Andrade Ronald Rocha Valerio Arcary Ricardo Fabbrini Rodrigo de Faria Gabriel Cohn Paulo Sérgio Pinheiro Denilson Cordeiro Valerio Arcary Daniel Costa Flávio R. Kothe Maria Rita Kehl Sergio Amadeu da Silveira Bernardo Ricupero Juarez Guimarães Dennis Oliveira Ricardo Musse Lincoln Secco Sandra Bitencourt José Raimundo Trindade Fernando Nogueira da Costa Marcelo Guimarães Lima Paulo Capel Narvai Salem Nasser Vinício Carrilho Martinez Anselm Jappe Ronald León Núñez João Adolfo Hansen Fernão Pessoa Ramos João Carlos Loebens Francisco Fernandes Ladeira Andrés del Río Gilberto Maringoni José Geraldo Couto Igor Felippe Santos Armando Boito Alexandre de Freitas Barbosa Antonio Martins Bento Prado Jr. Andrew Korybko Luciano Nascimento Milton Pinheiro Francisco Pereira de Farias Carlos Tautz Luiz Renato Martins Marilena Chauí Leonardo Boff Otaviano Helene Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Costa Júnior José Machado Moita Neto Afrânio Catani Berenice Bento Thomas Piketty Fábio Konder Comparato Henri Acselrad José Micaelson Lacerda Morais Anderson Alves Esteves Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Eduardo Soares Carla Teixeira Luiz Marques Marcelo Módolo Celso Favaretto Luiz Roberto Alves Marilia Pacheco Fiorillo Mariarosaria Fabris Eugênio Trivinho João Carlos Salles Celso Frederico Eliziário Andrade Matheus Silveira de Souza Leonardo Sacramento Eleonora Albano Henry Burnett Jorge Luiz Souto Maior Eleutério F. S. Prado Antônio Sales Rios Neto João Paulo Ayub Fonseca Paulo Fernandes Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eugênio Bucci Gilberto Lopes Tarso Genro Liszt Vieira Dênis de Moraes Luís Fernando Vitagliano Daniel Afonso da Silva Manchetômetro Ricardo Antunes Kátia Gerab Baggio João Sette Whitaker Ferreira Mário Maestri Ricardo Abramovay Luiz Werneck Vianna Jean Pierre Chauvin Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Branco Heraldo Campos Marcos Aurélio da Silva Marcos Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcus Ianoni Rubens Pinto Lyra Daniel Brazil André Márcio Neves Soares Manuel Domingos Neto Samuel Kilsztajn Vanderlei Tenório Claudio Katz Luiz Carlos Bresser-Pereira Alysson Leandro Mascaro João Feres Júnior José Luís Fiori Benicio Viero Schmidt Chico Whitaker Leonardo Avritzer Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos Jean Marc Von Der Weid Yuri Martins-Fontes Slavoj Žižek Airton Paschoa Rafael R. Ioris João Lanari Bo Gerson Almeida Flávio Aguiar Luis Felipe Miguel Tadeu Valadares Michael Löwy Chico Alencar

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada