O melancólico fim do Estadão

Imagem: Luis Quintero
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista (e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

1.

Minhas eventuais, costumeiras ou novas leitoras: assistimos, agora, em tempo real, a mais um triste indício do inexorável apocalipse. O fim do mundo parece estar cada dia mais próximo. Nosso Estadão, o melhor e mais tradicional jornal brasileiro desaparecerá em breve. Sua versão impressa, outrora parruda e exuberante, virou tímido farrapo esquálido.

Calma. Não me cancelem. Explico-me. Nós, meio intelectuais, meio progressistas, acostumamos a ler a Folha de S. Paulo. Afinal, o jornal da família Frias apoiou as “Diretas Já” e o “Fora Collor”.

Mais moderno, mais plural, mais fácil de ler, a Folha de S. Paulo teve o mérito de publicar os mais relevantes articulistas e intelectuais brasileiros das últimas décadas. Florestan Fernandes, Carlos Heitor Cony, Otto Lara Resende, Antônio Callado, Jânio de Freitas, José Serra, Luis Nassif, Marcelo Coelho, Clóvis Rossi, Paulo Francis, Contardo Calligaris, Nelson de Sá, Maria da Conceição Tavares, Delfim Netto, Fernando Henrique Cardoso, Gerald Thomas et caterva passaram pelo jornal dos Frias.

O pernóstico Otavinho fez história comandando, desde meados dos anos 1980, o ousado “projeto Folha” que mudou para sempre a cara da mídia impressa aqui. Prometo escrever sobre a Folha de S. Paulo em outra oportunidade.

Demorei muito tempo para entender por que o Estadão é, ou era, muito melhor que a Folha. A Folha de S. Paulo, afinal, aparentemente é mais legalzinha, colorida, fácil de ler, mais moderna.

O Estadão sempre foi carrancudo, pesado, ruim de ler. Orgulhoso de cheirar a mofo, cioso de seus textos gigantes e editoriais parnasianos. Ocorre que o Estadão é sincero. Transparente, nunca escondeu seus compromissos de classe. Nunca enrolou ninguém.

A Folha de S. Paulo é cínica, wannabe, oportunista, niilista, hipócrita e tem orgulho de ser má. Enganou anos a fio incautos de esquerda. Estadão é conteúdo. Folha é forma e pretensão. Estadão é coerência, Folha é oportunismo. A alguns seria contra intuitivo dizer isso. Hoje em dia é meio óbvio e evidente, acho eu.

2.

A mim, impactou-me profundamente ter em mãos a edição do Estadão de 14 de junho do ano da graça de dois mil e vinte e quatro. Sim! Ainda há algumas poucas pessoinhas exóticas que não só preferem ler qualquer coisa em papel, como também insistem em comprar jornais impressos nas (brevemente extintas) bancas de rua.

Noves fora as reclamações chorosas típicas de gente velha e ranheta (aliás, quem ainda sabe tabuada, prova real e prova dos nove), eu vos declaro. E isso é ciência pura, juro. Ler em papel e ler jornal impresso é qualitativamente superior a ler no celular. Duvidam? Perguntem ao brasileiro, petista e maior cientista do mundo, o palmeirense — ninguém é perfeito — o simpático e engajado neurocientista Miguel Nicolelis.

Sem adentrar no debate sobre as mudanças tecnológicas, modelo de negócios, taxas de lucro, modernização dos meios midiáticos, etc. e tal, só queria registrar, brevemente, um alerta. Um grito. Um gemido. Um choro. Uma lágrima.

Leiam livros e jornais impressos. Saiam das telas. Façam contas matemáticas mentalmente. Escrevam em papel. Re-aprendam ortografia, sintaxe, geografia. Memorizem datas, mapas, fórmulas. Esqueçam tudo que te contaram nos últimos 30 anos. Não se trata de “decorar” artificialmente as coisas. Trata-se de saber. Memorizem tudo de novo.

O fim do Estadão não é algo progressivo. Muito antes pelo contrário. Acreditem. Não há nada de alvissareiro nessa notícia.

Termino com uma rexitegui já velha, eu sei: #mejulguem.

*Julian Rodrigues, jornalista e professor, é ativista LGBTI e de Direitos Humanos. Coordenador de formação política da Fundação Perseu Abramo.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • O filósofo e o comediantefranklin de matos 08/07/2024 Por BENTO PRADO JR.: Prefácio do livro de Franklin de Matos – uma homenagem dos editores do site ao filósofo e professor da USP, falecido ontem
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • O Trabalhismo venceu, mas não é um partido de esquerdamaçã mpodre 07/07/2024 Por KEN LOACH: O líder trabalhista Keir Starmer não é um moderado, não é um centrista, mas sim um político de direita, intransigente e orientado para o livre mercado
  • Hospitais federais do Rio de JaneiroPaulo Capel Narvai 11/07/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: A descentralização dos Hospitais federais do Rio não deve ser combatida nem saudada, ela é uma necessidade
  • A lição francesaandré kaysel 10/07/2024 Por ANDRÉ KAYSEL: Não há como derrotar a extrema direita sem a esquerda
  • O balcãohomem caminhando preto e branco 08/07/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Neoliberalismo na universidade pública
  • Nordeste — um novo cenáriovermelho ddddddddddd 10/07/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O Nordeste passará a ser visto como exemplo para o Brasil, da mesma forma que escolas públicas do Ceará são referência em qualidade de ensino
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES