A literatura vista de longe

Imagem: Andrés Sandoval
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUÍS BUENO*

Comentário sobre o livro de Franco Moretti

A importância do trabalho de Franco Moretti é perceptível logo à primeira leitura e deve ser ressaltada. Ao lançar mão de modelos de pensamento em geral pouco manobrados pelos estudiosos da literatura – a teoria da evolução e a história da longa duração, além da cartografia –, ele vem construindo há pelo menos 20 anos uma sólida alternativa de trabalho para os chamados estudos culturais, tendência que dominou a área dos estudos literários por um bom período. Mais do que isso, suas propostas recolocam no panorama intelectual de nosso tempo uma disciplina que a muitos parecia morta, a história literária (até mesmo as já enterradas histórias das literaturas nacionais), e ajudam a reconfigurar o campo da literatura comparada. Como se vê, não é pouco.

Nesse sentido, A literatura vista de longe, apesar de seu caráter algo fragmentário e mais propositivo do que conclusivo, é um ponto de chegada porque reúne estratégias esboçadas em vários outros trabalhos. Em suas três partes, “Gráficos”, “Mapas” e “Árvores”, cada uma daquelas disciplinas é evocada e busca uma forma de síntese visual capaz de captar movimentos muito amplos.

Assim, na primeira parte, temos uma história literária que, despreocupada da leitura de obras específicas, procura traçar a evolução – ascensão, vigência e declínio – dos gêneros romanescos, tornando-a visível em gráficos. Na segunda, o método de abordagem que ele havia desenvolvido no Atlas do romance europeu (Boitempo) dá um passo adiante e se refina: os mapas convertem-se em diagramas, formas ao mesmo tempo mais abstratas e mais dinâmicas, que permitem visualizar, de um só golpe, o correr da história social e da história literária. Na terceira, aparece a teoria da evolução, afeita ao estudo tanto daquelas formas que sempre mudando alcançam uma larga vigência quanto daquelas outras que não são capazes de se afirmar e se extinguem.

Uma árvore evolutiva pode dar uma imagem de quase 200 anos das constantes mudanças do discurso indireto livre, de Jane Austen ao romance latino-americano contemporâneo. Ou de como o público leitor selecionou o conto policial tal como praticado por Conan Doyle, garantido-lhe sobrevivência, e relegou ao esquecimento outras modalidades, praticadas por inúmeros autores.

O resultado é bastante convincente. Estamos habituados a entender e respeitar os gráficos, e vê-los relacionados à literatura é algo que areja o atual estado dos estudos literários. Mas é preciso notar que esses gráficos parecem mais acabados do que realmente são. É que as premissas para a eleição deste ou daquele elemento de análise são sempre um pouco obscuras. Em vez de explicar suas escolhas, Moretti naturaliza-as em golpes fortes de retórica.

Assim, na primeira parte, o gênero aparece como uma “espécie de Jano morfológico, com uma face voltada para a história e a outra para a forma”, “o verdadeiro protagonista desse tempo de meio da história literária” (os ciclos segundo Braudel). Acostumado à formulação de Antonio Candido de que a crítica deve compreender como os elementos externos ao texto internalizam-se, o leitor brasileiro se pergunta o que na forma literária é estranho à história. Nesse caso, o gênero é protagonista confrontado com o quê?

O mesmo acontece na parte final, quando o crítico atribui a uma estratégia de enredo – a presença de indícios para a resolução dos crimes – a explicação para o sucesso de Conan Doyle. Num capítulo em que propõe uma abordagem científica, esquece-se de explicar como seria possível isolar um único elemento e atribuir a ele a responsabilidade por todo um processo de grande complexidade. Os laboratórios farmacêuticos ficariam felizes – e ainda mais ricos – se pudessem comercializar substâncias testadas dessa maneira.

Aliás, quanto mais recuamos no raciocínio de Franco Moretti, mais dúvidas aparecem. A inquietação maior que move seu pensamento é a de que a história literária opera sobre uma quantidade irrisória de obras, constituindo-se numa espécie de história das exceções, uma não-história. Não há como discordar: trata-se de um problema fulcral para a história e para a crítica literária.

Mas qual a solução para isso? Ler tudo? É evidente que isso não é praticável, e ele tem razão ao afirmar que ninguém tem tempo de vida que baste para ler tudo o que se produziu num longo período, nem há método capaz de lidar com a enormidade de dados que surgiria dessa leitura, mesmo que fosse possível realizá-la. Então, diz ele, sejamos radicais e não leiamos nada. Olhemos a literatura de longe. Num trabalho conjunto, que Moretti uma vez chamou de “divisão cósmica do trabalho intelectual”, muitos leriam, produzindo dados, e alguém, situado num ponto privilegiado, de longe, faria o genial trabalho de síntese que explicaria como as coisas são.

O problema é que essa solução pode ser apenas aparente e não desloca a discussão com a radicalidade que a proposta – não ler – parece sugerir. Ora, ninguém deixa de ler o que já leu, e por isso Moretti não consegue se desvencilhar de Jane Austen, de Flaubert, de Balzac, de Dostoiévski, de Conan Doyle e de tantos outros autores canônicos. A decisão de não ler, portanto, não os pode atingir. Afeta apenas aqueles outros que, afinal, não seriam mesmo lidos. Não há confronto, e tudo corre o risco de ficar reduzido ao velho sistema centro-periferia, que se mantém intacto e até se reforça, já que estrutura o método.

Talvez a solução seja outra: ler também o que está na periferia tanto do cânone literário como do crítico. Não ler tudo, nem mesmo ler mais, mas ler outras coisas e verificar que dinâmica produzem quando postas ao lado daquilo que todos leem.

*Luís Bueno é professor na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Autor, entre outros, livros de Uma história do romance de 30 (Edusp/Unicamp).

Referência


Franco Moretti. A literatura vista de longe. Tradução: Anselmo Pessoa Neto. Porto Alegre, Arquipélago editorial, 184 págs.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luciano Nascimento Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Afonso da Silva Lincoln Secco Gabriel Cohn Vanderlei Tenório Jean Pierre Chauvin João Feres Júnior Ronald León Núñez Caio Bugiato Jorge Branco Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Lorenzo Vitral Marcus Ianoni Francisco Fernandes Ladeira Afrânio Catani Chico Alencar Eleonora Albano Anselm Jappe Ricardo Fabbrini Renato Dagnino Gerson Almeida Daniel Brazil Rafael R. Ioris Leonardo Avritzer Henry Burnett Bernardo Ricupero José Luís Fiori Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Alexandre de Freitas Barbosa Manchetômetro Marcelo Guimarães Lima João Sette Whitaker Ferreira Jean Marc Von Der Weid Walnice Nogueira Galvão Luiz Renato Martins Heraldo Campos Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Kátia Gerab Baggio Atilio A. Boron Matheus Silveira de Souza Mário Maestri Marcos Silva Luiz Eduardo Soares Eugênio Trivinho Andrew Korybko Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Bucci Luiz Roberto Alves Paulo Capel Narvai Tadeu Valadares Ronald Rocha André Singer Maria Rita Kehl Andrés del Río Alysson Leandro Mascaro Milton Pinheiro Claudio Katz Marilena Chauí Marcelo Módolo Tarso Genro Celso Favaretto José Dirceu Rubens Pinto Lyra Flávio Aguiar Benicio Viero Schmidt Sandra Bitencourt José Raimundo Trindade Érico Andrade Mariarosaria Fabris Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Antunes José Micaelson Lacerda Morais Elias Jabbour João Carlos Loebens Tales Ab'Sáber Michael Roberts Alexandre de Lima Castro Tranjan Henri Acselrad Marjorie C. Marona João Lanari Bo Paulo Martins Carla Teixeira Fernando Nogueira da Costa Gilberto Lopes André Márcio Neves Soares Dênis de Moraes José Costa Júnior Airton Paschoa Eliziário Andrade Ricardo Musse Jorge Luiz Souto Maior Valerio Arcary Francisco Pereira de Farias Annateresa Fabris Manuel Domingos Neto Paulo Sérgio Pinheiro José Geraldo Couto Carlos Tautz Julian Rodrigues Daniel Costa Remy José Fontana Liszt Vieira Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Vinício Carrilho Martinez Boaventura de Sousa Santos Flávio R. Kothe Berenice Bento Chico Whitaker Armando Boito Luís Fernando Vitagliano Luiz Bernardo Pericás Fernão Pessoa Ramos José Machado Moita Neto Denilson Cordeiro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ladislau Dowbor Slavoj Žižek Thomas Piketty Francisco de Oliveira Barros Júnior Antônio Sales Rios Neto Eleutério F. S. Prado Paulo Fernandes Silveira Leonardo Boff Osvaldo Coggiola Luiz Carlos Bresser-Pereira João Adolfo Hansen Ari Marcelo Solon Gilberto Maringoni Leonardo Sacramento Celso Frederico Dennis Oliveira Eduardo Borges Vladimir Safatle Otaviano Helene Luiz Marques Salem Nasser Antonino Infranca Rodrigo de Faria Marcos Aurélio da Silva Yuri Martins-Fontes João Carlos Salles Michel Goulart da Silva Fábio Konder Comparato Juarez Guimarães Igor Felippe Santos Ricardo Abramovay Bruno Machado Leda Maria Paulani João Paulo Ayub Fonseca Plínio de Arruda Sampaio Jr. Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna Bento Prado Jr. Samuel Kilsztajn Marilia Pacheco Fiorillo Antonio Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada