Carta a João Doria

Escultura José Resende / Praça da Sé, S.Paulo, SP foto A. Saggese
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

Bolsonaro não pode continuar governando, o Estado está se deteriorando e a aposta dele no “quanto pior melhor” só favorece os assaltantes do caos

Prezado Governador João Doria:

Escrevo-lhe abrigado em três acontecimentos políticos, que me autorizam pensar que esta carta é oportuna. Não tenho evidentemente credenciais políticas para lhe propor qualquer aliança política e nem esta é a minha intenção, com esta mensagem que torno pública. Aliança dignas desse nome se fazem em torno de programas e não creio que isso fosse factível entre nós, de uma parte porque tenho pouco poder convocatório, de outra porque pensamos de modo diferente sobre muitas coisas essenciais, exceto – provavelmente – a respeito dos males de todos os tipos, que o Presidente Bolsonaro tem proporcionado à Federação e a todo nosso povo.

A política negacionista do Presidente, suas posições ideológicas medievais e a sua lassidão – como gestor e governante – cujo apetite principal só está expresso na loucura das incomensuráveis asneiras que diz todos os dias e nas agressões que promove todas as horas do dia, tanto ao bom senso como à própria dignidade republicana do país.

O primeiro acontecimento político a que me referi no início desta carta foi a sua manifestação – praticamente em conjunto com o Presidente Lula – que a união na luta contra a Pandemia precede todas as demais questões políticas na conjuntura; o segundo acontecimento é o ódio exalado pelos dementes da base fascista do Presidente, que tem sido direcionado ao Senhor de uma maneira sordidamente especial; o terceiro é a gravação de um vídeo, pelo Presidente Bolsonaro – largamente difundido nas redes – onde ele comete no mínimo três delitos, ao reportar-se ao Senhor: difamação, o primeiro; ameaça (contra a sua pessoa) o segundo; e chamamento à organização de Milícias (formação de quadrilhas politizadas), o terceiro, que configura ameaça direta ao Estado de Direito Democrático.

O conjunto destas manifestações, já “naturalizadas” no país, conforma mais um crime de responsabilidade do Presidente da República, cuja inaptidão para o cargo já extravasou todos os limites.

A “putrefação do Estado”, Sr. Governador, pode ocorrer quando as partes conflitantes, em um dado momento da história, não têm forças suficientes para levar a termo o controle do poder – democraticamente ou não – e o “empate” permanente entre as forças políticas leva os organismos do Estado a uma lenta desagregação, até que a crise seja solucionada pelo caos, que provém da inércia.

Esta é a situação do país, não só pela divisão entre as forças que formaram blocos distintos, depois da deposição ilegal da Presidenta Dilma, bem como entre a totalidade daquelas forças – antes unidas – e a oposição social e política formada pela esquerda e a centro-esquerda. Nenhuma destas forças tem a possibilidade de comandar, no momento, a derrubada constitucional do Governo, pelo impedimento do Presidente: a inércia se consolida e o Estado adoece gravemente.

Churchill dizia que o pessimista vê dificuldade em toda a oportunidade e o otimista vê oportunidade em toda a dificuldade e, mais ainda: que um demagogo se move pensando nas próximas eleições e um estadista o faz pensando nas próximas gerações. Nesta situação complexa que vive o país precisamos de um grande gesto que, se não partir do bloco que derrubou a Presidente da Dilma – da parte que está em estranhamento com o fascismo emergente – poderá chegar tarde demais, quando a oposição reunir forças para sermos sujeitos iniciantes deste processo.

Pela sua condição de Governador do Estado mais importante do país, no qual suas classes dominantes têm exercido uma tutela quase plena, há muitos anos, o Sr. detém hoje a legitimidade necessária para – através dos devidos processos legais – desequilibrar o jogo contra Bolsonaro. Pode reunir em torno de si um apoio significativo do empresariado mais privilegiado e rico do país, para defender seu Estado da barbárie negacionista e – por tabela – também ajudar o país: Bolsonaro não pode continuar governando, o Estado está se deteriorando e a aposta dele no “quanto pior melhor” só favorece os assaltantes do caos.

Conhecendo a História do seu pai, Deputado João Doria do Partido Democrata Cristão dos idos de 64 (que pouco tem a ver com uma boa parte dos ditos cristãos atuais) penso que ele se orgulharia de uma atitude como a que lhe sugiro, digna de um Chefe de Estado: iniciar um “impeachment” em defesa da nação.

Seu pai, como o meu, foi cassado nos primeiros dias do Golpe de 64, e nós – como seus descendentes morais e de “sangue” – tomamos caminhos diferentes. Um à esquerda, outro à direita, mas nada impede que falemos para – pelo menos por carta – compormos um momento unitário de redução de danos, visando livrar o país do seu verdadeiro Satanás, como disse o Governador Flávio Dino, referindo-se ao atual Presidente da República.

Centenas de organizações políticas em rede do país buscam os caminhos da unidade, em um território desarmado da sua dignidade republicana, no qual traçam os difíceis caminhos para a regeneração política e econômica da nação. Dia 18, começaremos – Instituto Novos Paradigmas, Instituto Declatra (Defesa da Classe Trabalhadora) e DDF (Democracia e Direitos Fundamentais) mais um destes debates entre grandes lideranças de esquerda e centro-esquerda no país. É para buscarmos um caminho comum, que não será composto sem a derrubada constitucional do Satã em compota que nos assola: reúna sua turma, Governador, e responda – como Chefe de Estado – as ofensas que ele lhe assacou. Por São Paulo e pelo Brasil.

Respeitosamente. Tarso Genro.

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jorge Branco Renato Dagnino Marcelo Módolo Paulo Capel Narvai Bruno Machado Dênis de Moraes Liszt Vieira Lorenzo Vitral Flávio R. Kothe Luiz Carlos Bresser-Pereira Annateresa Fabris Yuri Martins-Fontes Leda Maria Paulani Valerio Arcary Lucas Fiaschetti Estevez José Micaelson Lacerda Morais Eugênio Bucci Andrés del Río Salem Nasser Ronald León Núñez Paulo Martins Jean Pierre Chauvin Milton Pinheiro Rafael R. Ioris Rubens Pinto Lyra Plínio de Arruda Sampaio Jr. Kátia Gerab Baggio João Paulo Ayub Fonseca Afrânio Catani José Dirceu Luciano Nascimento Julian Rodrigues Alexandre de Freitas Barbosa Manchetômetro Francisco Fernandes Ladeira Luís Fernando Vitagliano Ricardo Musse Alexandre de Lima Castro Tranjan João Adolfo Hansen Priscila Figueiredo Osvaldo Coggiola André Márcio Neves Soares Fernão Pessoa Ramos Jorge Luiz Souto Maior Celso Favaretto José Costa Júnior Gabriel Cohn Michel Goulart da Silva Vanderlei Tenório Antonio Martins Michael Roberts Mariarosaria Fabris Thomas Piketty Matheus Silveira de Souza João Sette Whitaker Ferreira José Luís Fiori Antônio Sales Rios Neto Rodrigo de Faria Paulo Nogueira Batista Jr Eleonora Albano Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luiz Eduardo Soares Slavoj Žižek Daniel Costa Luis Felipe Miguel Lincoln Secco Leonardo Boff Henry Burnett Mário Maestri Fernando Nogueira da Costa Paulo Fernandes Silveira Chico Alencar Sandra Bitencourt Bento Prado Jr. Daniel Afonso da Silva Luiz Renato Martins João Carlos Loebens Gilberto Maringoni Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Abramovay João Carlos Salles Ari Marcelo Solon Ricardo Fabbrini João Lanari Bo Michael Löwy Tarso Genro Marcus Ianoni Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Machado Moita Neto Tales Ab'Sáber Marcos Silva Gilberto Lopes Walnice Nogueira Galvão Érico Andrade Eduardo Borges Marcelo Guimarães Lima Airton Paschoa José Geraldo Couto Samuel Kilsztajn Manuel Domingos Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Atilio A. Boron Chico Whitaker Celso Frederico Otaviano Helene Anselm Jappe Paulo Sérgio Pinheiro Berenice Bento José Raimundo Trindade Jean Marc Von Der Weid Elias Jabbour Valerio Arcary Ricardo Antunes Dennis Oliveira Francisco Pereira de Farias Denilson Cordeiro Tadeu Valadares Marilena Chauí Gerson Almeida Eugênio Trivinho Sergio Amadeu da Silveira Luiz Bernardo Pericás Vladimir Safatle Marjorie C. Marona Daniel Brazil André Singer Armando Boito Vinício Carrilho Martinez Fábio Konder Comparato Juarez Guimarães Leonardo Sacramento Eliziário Andrade Luiz Werneck Vianna Ronald Rocha Eleutério F. S. Prado Claudio Katz Luiz Marques Marcos Aurélio da Silva Boaventura de Sousa Santos Everaldo de Oliveira Andrade Henri Acselrad Luiz Roberto Alves Carla Teixeira João Feres Júnior Andrew Korybko Caio Bugiato Marilia Pacheco Fiorillo Carlos Tautz Leonardo Avritzer Antonino Infranca Flávio Aguiar Igor Felippe Santos Remy José Fontana Benicio Viero Schmidt Bernardo Ricupero Ladislau Dowbor Heraldo Campos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada