A memória remoída

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EDSON TELES*

O desconhecimento dos fatos ou o voluntário arquivamento da história tem causado danos à democracia brasileira

Entre 2019 e 2022 o país viveu um governo que negou fatos e tentou subverter os sentidos da história ao glorificar a ditadura e homenagear torturadores, como o fez com o coronel Ustra (condenado como torturador da família Teles em todas as instâncias da Justiça). Um dos resultados mais impactantes do negacionismo estatizado foi a recente tentativa de golpe de Estado de nossa história: o de 8 de janeiro de 2023.

A mobilização da massa de apoiadores da extrema direita somente foi possível com a narrativa de que houve na Ditadura de 64 um momento de crescimento e de ordem, favorável às pessoas “de bem” e à “família”. Com essa fake news histórica somada a estratégias nacionais e globais da direita se criaram condições favoráveis à emergência das forças golpistas.

Claro que tudo isso somente sendo viabilizado pela presença e atuação direta das Forças Armadas, instituição historicamente envolvida com os ilegalismos e que saiu da Ditadura sem ser responsabilizada pelas graves violações de direitos cometidas pelos seus comandantes e subordinados. Não se apurou também o sequestro das instituições do Estado para promover o crescimento das grandes corporações do capital por meio da promoção de benefícios econômicos e promovendo processos repressivos contra os trabalhadores, os sindicatos e as populações tradicionais e originárias.

Conhecer essas histórias, diferentemente do que foi recentemente declarado pelo presidente Lula, não é remoer o passado. O desconhecimento dos fatos ou o voluntário arquivamento da história tem causado danos à democracia brasileira, a qual já era, antes mesmo do governo do inelegível, um regime de baixa qualidade. Prova eloquente disso foi a articulação da direita “amiga” tucanada que se aliou às outras direitas (inclusive à extrema direita) para dar o golpe “institucional” contra a presidente Dilma Rousseff. Inclusive utilizando do discurso das pessoas “de bem”, da “família” e do elogio aos torturadores. Parte desta direita se arrependeu da aliança. A outra parte faturou e segue faturando.

Isso indica o contexto no qual a entrevista do presidente se insere. Em seu terceiro mandato Lula evidentemente não tem nem mais o apoio popular que teve em outros momentos, nem um partido com a força de antes. Soma-se a isso o fato de que os militares galgaram lugares de poder nunca antes alcançados desde a Ditadura. Isso o obriga a aliar-se com boa parte daqueles que assinaram o golpe contra a única mulher presidente que tivemos e que estiveram no governo autoritário derrotado nas urnas em 2022.

Sem eles não se governa. O curioso é que com eles também não se governa. O cobertor da democracia é curto e o clima da quebra institucional castiga constantemente.

Nesse contexto, outro aspecto relevante salta aos olhos: a história. O poder dos militares nesse momento é tamanho que nem mesmo a recriação da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos (CEMDP), instituição criada pela Lei 9.140/95 (mediante projeto do governo FHC) pôde ser reconstruída.

Em um jogo desrespeitoso com a sociedade e com os movimentos familiares de desaparecidos políticos e de vítimas desse tal passado, o governo faz o jogo de empurrar a responsabilidade de recriação da Comissão de um ministério para outro e não restabelece o direito humanitário e constitucional de conhecer a história, encontrar os restos mortais e realizar o digno enterro que aquelas pessoas merecem.

Para não falar no devido julgamento dos agentes responsáveis (esse foi sempre um passo inaceitável para a nossa democracia, seja no contexto atual ou nos governos anteriores). Assim, a excelentíssima memória do presidente, ao procurar não remoer o passado, parece politicamente confluir narrativas várias: do Estado, de parte da sociedade, da esquerda, da democracia.

É preciso lembrar que a história hegemonicamente narrada fez o apagamento dos crimes da escravidão. Se construiu a falsa narrativa de que o país viveu uma “democracia racial” para diminuir ou anular os conflitos decorrentes da sociedade racista em que vivemos. Com o passado da Ditadura, o Estado brasileiro parece caminhar na mesma direção ao criar, ao menos até o governo do inelegível, a narrativa de que vivíamos em um regime com instituições consolidadas e que, gradativamente, o país iria crescer, sua economia se desenvolver e a miséria e as desigualdades diminuírem. Vimos que o que se consolidava era o modelo de uma democracia liberal, submissa ao capital das grandes corporações, às aristocracias regionais e ao processo de extração de nossas riquezas, da nossa terra e do nosso povo.

É fato que devemos concordar que o golpe de 1964 é história. Contudo, revivê-lo enquanto fatos significativos para a compreensão do presente parece fundamental. Lembro de um discurso do presidente Lula quando ele era deputado constituinte, se encontrava em outro contexto político e o Congresso estava prestes a aprovar a nova Constituição: “Os militares continuam intocáveis, como se fossem cidadãos de primeira classe, para, em nome da Lei e da Ordem, poderem repetir o que fizeram em 1964 (…). Votamos contra porque, mesmo havendo avanços na Constituinte, a essência do poder, a essência da propriedade privada, a essência do poder dos militares continua intacta” (Brasília, 22 de setembro de 1988).

*Edson Teles é professor de filosofia política na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Autor, entre outros livros, de O abismo na história: ensaios sobre o Brasil em tempos de comissão da verdade (Alameda). [https://amzn.to/48Esshj]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES