A morte como personagem

Imagem: Nico Becker
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ FERES SABINO*

No cinema e na literatura ela se apresenta não como a inimiga tão temida dos vivos, mas sim o duplo de qualquer mortal

Quando terminei de ler A Morte na Macieira (Der Tod auf dem Apfelbaum, Atlantis Verlag, 2015), escrito e ilustrado por Kathrin Schärer, recordei de outros dois livros, também ilustrados, que havia lido: O Pato, a Morte e a Tulipa (trad. José Marcos Macedo, Companhia das Letras, 2022), de Wolf Erlbruch, e Limonade (Aladin, 2015), de Jutta Bauer. Nos três, o personagem central é a morte.

Comecei a pensar então por que esse interesse pelo tema na literatura infantil. Não que seja proibido falar da morte para crianças, mas, em curto espaço de tempo – o de Erlbruch foi publicado, na Alemanha, em 2007, e, no Brasil, em 2009 – os autores de língua alemã andam zelando esse personagem indelével.

Ao assistir a um filme de Wim Wenders, Imagens de Palermo (Palermo Shooting, 2008), entrevi uma leitura que os entrelaça. Em todos os casos, a morte se apresenta – ou é apresentada – da mesma forma. Não é a inimiga tão temida dos vivos, mas sim o duplo de qualquer mortal. Embora mantenha a figuração clássica, ou seja, pálida, cadavérica, vestindo manto preto, sua função na vida é o inverso de sua aparência.

Surge justamente para aqueles mortais que, por assim dizer, desfaleceram em vida, para aqueles que desperdiçaram a vida, para aqueles que se esqueceram que o relógio da vida está correndo, para esses mortos em vida; para todos estes, ela aparece para não deixarmos de celebrar a vida. Outro papel seu é remover da vida o corpo inerte – daqueles que adormeceram de vez. Enfim, ou ela nos acorda para a vida ainda a ser vivida, ou nos conduz para o sono eterno.

No filme, o famoso fotógrafo Finn está passando por uma crise – semelhante aos personagens dos filmes de Michelangelo Antonioni, a quem o filme é dedicado –, que poderia ser descrita por dois traços: ele não consegue mais dormir e está empanturrado das imagens que produz.

Uma modelo, grávida, que havia sido fotografada por ele para uma campanha de moda, e que não está satisfeita com as últimas fotos, diz que gostaria de fazer outras fotos, mas mais reais, e lhe sugere Palermo como locação. Ao cruzar com a morte e ouvir do próprio fantasma de Lou Reed a pergunta “o que te faz recuar?”, o fotógrafo decide aceitar o convite da modelo.

Terminado o trabalho, o fotógrafo decide ficar em Palermo e, vagando pela cidade, começa a cruzar com a morte, que aparece em dois momentos, sempre na figura de um arqueiro. Este arremessa, nas duas vezes, duas flechas contra o fotógrafo. Mas tanto a aparência da morte quanto o ato de atirar as flechas encerram o contrário daquilo que aparentam ser. A flecha visa ao alvo apenas para trazê-lo de volta à vida. É um golpe de misericórdia a fim de que o fotógrafo abandone a superficialidade de sua vida e a obscenidade de seu ato de capturar vivências, passando de fato a viver.

Em Palermo, Finn conhece uma restauradora de pinturas que acredita em suas experiências com a morte. Num dos diálogos, Finn confessa que até então ele só acreditava no que via. E, indagada com a mesma pergunta, ela responde que só acredita no que não pode ver: no amor, na vida, em Deus. Um fotógrafo querendo captar o visível; uma restauradora querendo restituir o invisível.

Tendo já incorporado o aprendizado do invisível, o fotógrafo se depara com a morte e entabulam então um longo diálogo – homenagem ao O sétimo selo (1956) de Ingmar Bergman, a quem o filme também é dedicado. Depois de a morte se apresentar ao fotógrafo, este acaba por lhe perguntar: o que eu posso fazer por você?

A morte responde ao fotógrafo que ele anda fotografando aquilo que não pode ser fotografado. Dele, ela exige apenas uma coisa: mostrar que ela não é o que todos pensam dela. No fundo, ela ama a vida e quer apenas celebrá-la.

Pede então ao fotógrafo que seja capaz de transformar a imagem da morte, que seja capaz de transformar seu olhar para a vida, que seja capaz de fotografar sempre com a lembrança de que cada foto é portadora de um negativo, que, por detrás da luz, há a escuridão, e esse oposto é a garantia de que ele fotografará apenas o que pode ser fotografado para algo permanecer intacto. De agora em diante, ele deveria fotografar o invisível da vida e não a aparência visível do mundo.

*José Feres Sabino é doutorando no Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES