As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Portugal – o colapso da geringonça

Imagem: Lisa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS*

A vitória do PS e a derrota da esquerda à esquerda nas eleições portuguesas

Em Portugal, a esquerda à esquerda é constituída pelos partidos à esquerda do Partido Socialista (PS), ou seja, o Partido Comunista (PCP) e o Bloco de Esquerda (BE). Nas eleições de 30 de Janeiro de 2022, o PS ganhou as eleições com maioria absoluta. Portugal será a partir de agora o único país europeu com um governo de maioria absoluta de um partido de esquerda, o Partido Socialista.

Os dois partidos à sua esquerda tiveram os piores resultados de sempre. O PCP que tinha doze deputados no parlamento passa a ter metade e o BE que tinha dezenove deputados passa a ter cinco. O BE passa de terceira força política para quinta e o PCP, de quarta para sexta. As posições destes partidos passaram a ser ocupadas por forças de ultra-direita, uma de inspiração fascista, (Chega), agora terceira força política, da família do Vox e da extrema-direita europeia e mundial, e uma de recorte hiper-neoliberal, darwinismo social puro e duro, ou seja, sobrevivência do mais forte (Iniciativa Liberal), agora quarta força política.

Os resultados eleitorais mostram que a esquerda à esquerda do PS perdeu a oportunidade histórica que granjeou depois de 2015 ao construir uma solução de governo de esquerda que ficou conhecida por geringonça (PS, BE, PCP), uma solução que travou a austeridade imposta pela solução neoliberal da crise financeira de 2008 e lançou o país numa recuperação econômica e social modesta mas consistente. Esta solução começou a precarizar-se em 2020 e colapsou em finais de 2021 com a rejeição do orçamento apresentado pelo governo. Foi isso que levou às eleições antecipadas de 30 de janeiro.

Levará tempo até que estes partidos de esquerda tenham outra oportunidade e oxalá que então se lembrem dos desaires anteriores e aprendam a não os repetir. Serão certamente outros líderes e é de esperar que sejam também outras as políticas. A análise mais aprofundada dos resultados terá de vir depois. Por agora, podemo-nos ficar pelo mais evidente. É preciso distinguir entre o BE e o PCP. Os dois partidos têm um passado remoto comum, a fratura do movimento operário no início do século XX entre socialistas e comunistas. O PCP pertence à facção comunista e o BE, às divergências que ocorreram posteriormente no seio desta facção em resultado da evolução da Revolução Russa de 1917.

O que une os dois partidos e é mais relevante para entender as causas profundas do seu desaire nestas eleições é que para ambos o Partido Socialista é, no fundo, um partido de direita, uma direita que se disfarça de esquerda, mas que verdadeiramente não o é. Esquerda verdadeira são eles. Os seus dirigentes não o dizem, mas pensam-no. Não imaginam considerar a vitória do PS nestas eleições como uma vitória de esquerda.

O PCP tem razões históricas para esta atitude, pois os comunistas e a sua base privilegiada (o movimento operário) foram muitas vezes vítimas das políticas socialistas e, em parte por isso, esta atitude anti-socialista é largamente partilhada entre dirigentes, militantes e simpatizantes. No caso do BE a história é mais ambígua, tal partilha não existe nos mesmos termos e isso foi evidente desde a fundação do partido. Ambos os partidos têm uma tradição de pensamento vanguardista. Quando a teoria colapsa ante a realidade (por exemplo, colapso eleitoral) a culpa é da realidade, nunca da teoria.

O patético discurso de Catarina Martins na noite das eleições foi prova cabal disso. E lembremos que, em 2011, o mesmo desprezo pela realidade levou o Bloco de Esquerda a chumbar o Plano de Estabilidade e Crescimento do governo socialista (José Sócrates), abrindo as portas para a direita mais anti-social que o país já conheceu. Desta vez, é mérito incondicional do PS de António Costa ter evitado a emergência de uma geringonça de direita. Mesmo assim, a porta para a extrema direita ficou mais que entreaberta.

No contexto português, a queda do Partido Comunista é estrutural porque está ligada ao declínio dos sindicatos, a base da implantação social do partido. O PCP é um dos únicos partidos comunistas europeus que não se renovou depois da queda do muro de Berlim e por isso ficou refém da evolução da sua base social organizada, os sindicatos. O declínio destes arrasta o declínio do partido. A não renovação do PCP foi, aliás, uma das razões da emergência e do êxito do Bloco de Esquerda. A tragédia do BE tem sido a de, em vez de acentuar a sua diferença, deixar que ela se vá diluindo. Nestas eleições, ninguém notou qualquer diferença relevante entre o discurso bloquista e o comunista. Mas a queda do BE explica-se pela acumulação de outros erros nos últimos anos.

A pandemia conferiu uma nova dimensão à fragilidade humana, durou o suficiente para não ser considerada um acidente menor e atingiu particularmente as populações envelhecidas, sobretudo as habituadas a um mínimo de proteção social que, de repente, pareceu precioso, não por ser satisfatório, mas por existir apesar das deficiências. Aumentou exponencialmente o desequilíbrio entre o medo e a esperança. Este desequilíbrio a favor do medo criou duas emoções coletivas distintas: o temor da precariedade acrescida e o desespero vivido como ressentimento.

A primeira emoção alimentou o desejo da estabilidade e foi captada quase totalmente pelo Partido Socialista. A segunda emoção alimentou o desejo do autoritarismo necessário para partir a loiça e foi captado pela ultradireita sob duas formas, o autoritarismo do Estado que, em Portugal, equivale ao saudosismo salazarista (Chega) ou o autoritarismo do capital e do darwinismo social, ou seja, a sobrevivência do mais forte (IL). Nestas circunstâncias é evidente que o Bloco de Esquerda só podia estar do lado da estabilidade para a poder fortalecer e qualificar. Tal como fez brilhantemente o Livre. Em vez disso, jogou tudo na aventura de uma terceira emoção coletiva para a qual não havia base social.

O BE não entendeu os sinais do seu eleitorado porque o seu pensamento vanguardista não lhe permitiu descer até onde os cidadãos discutem, nos seus próprios termos, os seus medos e as suas esperanças. Não os escutou e se algum impacto teve foi o de os fazer suspeitar que o seu reforço eleitoral significaria mais instabilidade. A dirigente bloquista passou a primeira metade da campanha a justificar a decisão da rejeição do Orçamento e a segunda metade a parecer querer pedir desculpa por tê-lo feito. Que credibilidade pode ter tal dirigente?

Acresce que se o Bloco de Esquerda tivesse aprovado o Orçamento do Estado, este poderia ter sido melhorado na especialidade e em boa parte graças às propostas tecnicamente competentes do BE. Em vez disso acabou por objetivamente contribuir para eventualmente virmos a ter um OE menos bom do que aquele que teríamos se não tivesse havido eleições. Acresce que, ao auto-infligir-se esta derrota, deixou o PS solto para ser menos de esquerda do que que gostaríamos que fosse. O partido que consegue dar simultaneamente dois tiros nos dois pés só por milagre não cairia.

*Boaventura de Sousa Santos é professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Autor, entre outros livros, de O fim do império cognitivo (Autêntica).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Freitas Barbosa Eugênio Trivinho Eduardo Borges Marcus Ianoni Walnice Nogueira Galvão Eleutério F. S. Prado Chico Whitaker Denilson Cordeiro Milton Pinheiro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Pierre Chauvin Luiz Eduardo Soares Annateresa Fabris Eugênio Bucci Jorge Luiz Souto Maior Luiz Renato Martins Daniel Costa Fernando Nogueira da Costa Flávio Aguiar Lincoln Secco Gilberto Lopes Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Sacramento Igor Felippe Santos Luciano Nascimento Daniel Afonso da Silva José Machado Moita Neto Tarso Genro Liszt Vieira Tales Ab'Sáber Manuel Domingos Neto Marilena Chauí Anselm Jappe Ladislau Dowbor Andrew Korybko Armando Boito André Singer Alexandre Aragão de Albuquerque Henry Burnett Ari Marcelo Solon Flávio R. Kothe Antonino Infranca João Carlos Salles Rubens Pinto Lyra Roberto Noritomi Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio Sandra Bitencourt Jean Marc Von Der Weid Maria Rita Kehl Slavoj Žižek Manchetômetro Carlos Tautz Carla Teixeira Fernão Pessoa Ramos Everaldo de Oliveira Andrade Claudio Katz Berenice Bento Anderson Alves Esteves Luiz Werneck Vianna José Costa Júnior Luiz Marques Valério Arcary Luiz Roberto Alves Elias Jabbour João Adolfo Hansen Leonardo Boff Dennis Oliveira Julian Rodrigues Paulo Nogueira Batista Jr Celso Favaretto Paulo Sérgio Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Mário Maestri João Sette Whitaker Ferreira Vinício Carrilho Martinez João Paulo Ayub Fonseca Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Martins Marjorie C. Marona Samuel Kilsztajn Heraldo Campos Leda Maria Paulani Roberto Bueno Gerson Almeida José Dirceu Paulo Capel Narvai João Carlos Loebens Bernardo Ricupero Osvaldo Coggiola Michael Roberts Michael Löwy Vanderlei Tenório Lucas Fiaschetti Estevez Bento Prado Jr. Ronald Rocha Alexandre de Lima Castro Tranjan Marilia Pacheco Fiorillo Remy José Fontana Tadeu Valadares Marcos Aurélio da Silva Yuri Martins-Fontes Chico Alencar Paulo Fernandes Silveira Rafael R. Ioris Valerio Arcary Henri Acselrad José Micaelson Lacerda Morais Juarez Guimarães Jorge Branco Vladimir Safatle Atilio A. Boron José Geraldo Couto Marcelo Módolo Alysson Leandro Mascaro Ronald León Núñez Antônio Sales Rios Neto Renato Dagnino Benicio Viero Schmidt João Lanari Bo Afrânio Catani Rodrigo de Faria Francisco Pereira de Farias André Márcio Neves Soares Salem Nasser Thomas Piketty Eliziário Andrade Lorenzo Vitral Mariarosaria Fabris Otaviano Helene Marcelo Guimarães Lima Priscila Figueiredo José Luís Fiori Antonio Martins João Feres Júnior Luiz Bernardo Pericás Ricardo Fabbrini Caio Bugiato Luis Felipe Miguel José Raimundo Trindade Dênis de Moraes Ronaldo Tadeu de Souza Sergio Amadeu da Silveira Bruno Machado Eleonora Albano Daniel Brazil Luís Fernando Vitagliano Airton Paschoa Ricardo Abramovay Leonardo Avritzer Ricardo Musse Gilberto Maringoni Celso Frederico Gabriel Cohn Luiz Carlos Bresser-Pereira Fábio Konder Comparato Luiz Costa Lima Érico Andrade Ricardo Antunes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada