A primeira guerra conjunta EUA-Israel

Imagem: reprodução Telegram
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GILBERT ACHCAR*

A responsabilidade dos EUA no massacre ao povo palestino inclui o fornecimento a Israel de grande parte dos meios para cometê-lo

A guerra das forças militares israelenses em Gaza, após o ataque do Hamas em 7 de outubro, é a primeira guerra israelense de que participa Washington. Os EUA apoiam abertamente o objetivo proclamado da guerra e estão bloqueando os pedidos de cessar-fogo nas Nações Unidas, ao mesmo tempo em que fornecem armas e munição a Israel e agem para dissuadir outros atores regionais de intervir no conflito para ajudar o Hamas.

Os EUA não deram apoio militar a Israel em sua criação: no início, apresentaram-se como árbitro imparcial entre Israel e seus vizinhos árabes, ordenando um embargo aos pacotes de armamentos para ambos que permaneceu em vigor até o final da presidência de Dwight Eisenhower (1953-61). No início, Israel teve que contar com a Alemanha Ocidental e a França para seu financiamento e armamento. A situação mudou quando John F. Kennedy, diante do nacionalismo árabe radicalizado liderado pelo Egito de Nasser e dos reveses na influência dos EUA no Oriente Médio, decidiu confiar em Israel e começou a enviar-lhe armas.

Este foi o início de um “relacionamento especial” que se mostraria realmente muito especial: entre sua criação em 1948 e o início de 2023, Israel recebeu mais de 158 bilhões de dólares em ajuda dos EUA, incluindo mais de 124 bilhões de dólares em ajuda militar, o que o torna o maior destinatário cumulativo de financiamento dos EUA desde a Segunda Guerra Mundial[i]. Todos os anos, os EUA fornecem ajuda militar a Israel no valor de quase 4 bilhões de dólares.

No entanto, Washington não apoiou abertamente a guerra de Israel contra seus vizinhos árabes em 1967 (não podia endossar a invasão da Cisjordânia às custas da Jordânia, outro aliado). Durante a guerra de outubro de 1973, o “relacionamento especial” traduziu-se num transporte aéreo de armas para Israel – o objetivo, porém, era ajudá-los a conter a ofensiva lançada pelo Egito e pela Síria. Quando Israel conseguiu reverter a situação a seu favor, Washington exerceu forte pressão para que o país encerrasse as hostilidades. Os EUA não apoiaram abertamente a invasão israelense do Líbano em 1982 e intervieram como mediadores na evacuação dos combatentes da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) em Beirute. Também não apoiaram a guerra lançada por Israel contra o Líbano em 2006, nem suas sucessivas ofensivas contra Gaza.

Desta vez, contudo, o apoio dos EUA a Israel tem sido explícito e massivo. Ao findar o dia 7 de outubro, Washington decidiu enviar dois grupos de batalha de porta-aviões dos EUA para o Mediterrâneo oriental, liderados pelos porta-aviões USS Eisenhower e USS Ford, uma unidade de intervenção marítima, bem como um grupo de assalto anfíbio liderado pelo USS Bataan no Mar Negro e o submarino nuclear USS Florida, que transporta mísseis de cruzeiro. Ao mesmo tempo, Washington alertou suas bases aéreas na região e entregou urgentemente equipamentos militares a Israel, incluindo mísseis para o sistema de defesa aérea Domo de Ferro.

Dessa forma, Washington forneceu uma cobertura regional a Israel, para que pudesse dedicar a maior parte de suas forças a uma guerra contra Gaza cujo objetivo declarado, desde o início, tem sido a erradicação do Hamas. Os EUA e outros países ocidentais apoiaram abertamente esse objetivo. No entanto, o fato é que a erradicação de uma organização de massa que governa um território pequeno e densamente povoado desde 2007 não pode ocorrer sem um massacre de proporções genocidas. Isso é especialmente verdadeiro porque o exército israelense tinha a clara intenção de minimizar as perdas em suas próprias fileiras durante a invasão, o que exigia o uso intensivo de ataques remotos, o arrasamento de áreas urbanas para evitar uma guerra de guerrilha e, portanto, a maximização das mortes de civis.

A responsabilidade dos EUA nesse massacre inclui o fornecimento a Israel de grande parte dos meios para cometê-lo. No final de novembro, Washington tinha enviado ao seu aliado 57.000 projéteis de artilharia e 15.000 bombas, incluindo mais de 5.400 BLU-117s e 100 bombas BLU-109 (“destruidoras de bunker”), que pesam quase uma tonelada cada[ii]. O New York Times relatou o espanto dos especialistas militares com a utilização “livre” por Israel dessas bombas de quase uma tonelada, cada uma das quais pode arrasar um prédio de vários andares, e que contribuíram para tornar a guerra de Israel contra Gaza um massacre de civis “num ritmo histórico”[iii]. Até 25 de dezembro, os EUA tinham fornecido a Israel 244 remessas de armas por aviões cargueiros, além de 20 remessas por navios[iv]. Além disso, o Guardian revelou que Israel tinha conseguido utilizar o vasto estoque de armas dos EUA já “pré-posicionado” no país[v].

Para financiar tudo isso, em 20 de outubro, o governo Biden fez um pedido extraorçamentário de 105 bilhões de dólares ao Congresso, incluindo 61,4 bilhões de dólares para a Ucrânia (46,3 bilhões de dólares em ajuda militar), 14,1 bilhões de dólares para Israel (13,9 bilhões de dólares em ajuda militar) e 13,6 bilhões para a luta contra a imigração ilegal na fronteira. O presidente dos EUA acreditava que poderia obter um sinal verde da direita republicana para a Ucrânia vinculando essa ajuda (o pomo da discórdia) a causas que lhes são caras – no entanto, até o final de 2023, Biden ainda não havia conseguido aprovar seu pedido. A direita republicana usou a estratégia de Biden contra ele, exigindo medidas ainda mais drásticas na fronteira, colocando-o numa posição desconfortável com seu próprio partido.

Para fornecer aos tanques Merkava israelenses 45.000 projéteis de artilharia por 500 milhões de dólares, o governo Biden driblou o Congresso aprovando em 9 de dezembro, numa medida de emergência, um pacote de 14.000 projéteis por 106,5 milhões de dólares. Ele repetiu essa manobra em 30 de dezembro por 147,5 milhões de dólares, provocando a ira dos democratas que pedem mais controle sobre os pacotes de armas para Israel. Por tudo isso, Biden tem uma parcela direta de responsabilidade pelo massacre perpetrado pelas forças israelenses em Gaza. Suas exortações para que Israel seja mais “humanitário” soam vazias e são facilmente descartadas pelos críticos como hipocrisia. Sua discordância do primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, sobre o plano para o dia seguinte à guerra não altera a responsabilidade conjunta dos dois governos pela guerra em si[vi].

No final das contas, Biden – que, durante sua campanha presidencial de 2020, prometeu reverter o curso da política marcadamente pró-Israel de seu antecessor, principalmente reabrindo o consulado dos EUA em Jerusalém Oriental e o escritório da OLP em Washington – não fez nada disso. Em vez disso, ele seguiu os passos de Donald Trump, primeiro concentrando-se em incentivar a Arábia Saudita a se juntar aos estados árabes que estabeleceram relações diplomáticas com Israel sob a égide de Trump e, depois, dando apoio incondicional a Israel em sua invasão de Gaza. Ao fazer isso, ele conseguiu irritar seu próprio Partido Democrata – que hoje é mais simpático aos palestinos do que aos israelenses (34% a 31%), de acordo com uma pesquisa publicada em 19 de dezembro – sem satisfazer os republicanos. No final, 57% dos americanos desaprovam a forma como Biden está lidando com o conflito, de acordo com a mesma pesquisa[vii].

*Gilbert Achcar é professor de relações internacionais na University of London. Autor, entre outros livros, de Morbid Symptoms: Relapse in the Arab Uprising (Saqi Books).

Traduzido por Fernando Lima Neves.

Publicado originalmente no Le Monde Diplomatique.

Notas


[i]               Congressional Research Service, U.S. Foreign Aid to Israel, CRS Report, Washington, 1 Março 2023.

[ii]              Jared Malsin and Nancy A Youssef, ‘U.S. Sends Israel 2,000-Pound Bunker Buster Bombs for Gaza War’, Wall Street Journal, 1 Dezembro 2023.

[iii]             Lauren Leatherby, ‘Gaza Civilians, Under Israeli Barrage, Are Being Killed at Historic Pace’, New York Times, 25 Novembro 2023.

[iv]            ‘244 US cargo planes, 20 ships deliver over 10,000 tons of military equipment to Israel – report’, Times of Israel, 25 Dezembro 2023.

[v]             Harry Davies e Manisha Ganguly, ‘Gaza war puts US’s extensive weapons stockpile in Israel under scrutiny’, The Guardian, 27 Dezembro 2023.

[vi]            Ver Gilbert Achcar, ‘Israeli far right’s plans for expulsion and expansion’, Le Monde diplomatique in English, Dezembro 2023.

[vii]           Jonathan Weisman, Ruth Igielnik e Alyce McFadden, ‘Poll Finds Wide Disapproval of Biden on Gaza, and Little Room to Shift Gears’, New York Times, 19 Dezembro 2023.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • Depois do dilúvioTarso Genro 20/05/2024 Por TARSO GENRO: Um cavaleiro apocalíptico, três negacionismos e muitos funerais
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES