Perdas internacionais

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

A prática de cobrir déficits com poupança externa custou-nos a desindustrialização precoce, com direito a desacoplagem tecnológica e redução da produtividade do trabalho, dentre tantos males

Por Leda Maria Paulani*

Recentemente, o Banco Central divulgou o resultado das contas externas brasileiras de 2019: déficit em transações correntes de US$ 50,7 bilhões de dólares, o maior dos últimos quatro anos. Mas nem nossa autoridade monetária, nem o “mercado” parecem muito incomodados com o resultado. Dos articulistas da imprensa especializada aos executivos financeiros, passando pelos dirigentes da própria autoridade monetária, aparece em uníssono a avaliação de que podemos ficar tranquilos, pois os investimentos diretos no país alcançaram no mesmo ano a respeitável cifra de US$ 78,5 bilhões, mais do que compensando o resultado fortemente negativo da conta corrente.

Contudo, ninguém deu destaque ao fato de nossas reservas de divisas terem despencado US$ 26 bilhões, um recorde absoluto, considerados os 25 anos da série que se inicia em 1995 (ao longo de todo este período só tivemos 5 anos com resultados negativos para as reservas e o maior deles não chega a US$ 8 bilhões). O que está por trás disso?

Há mais de duas décadas, desde pelos menos o início dos anos 1990, a economia brasileira vive sob o mantra dos benefícios da poupança externa. Proposição neoliberal e “mercadista”, a ideia de que a poupança externa é sempre um bom expediente para economias ainda não desenvolvidas é consequência lógica de um dos pressupostos centrais da ortodoxia macroeconômica: assegurada a liberdade de movimentação, a providência da mão invisível produz os resultados virtuosos de sempre, pois o capital flui das economias já desenvolvidas, onde é abundante, para aquelas ainda em processo de desenvolvimento, onde é escasso, garantindo crescimento para todos.

Repetida ad nauseam pela grande mídia e pelos “especialistas” que ela convida, a tese é facilmente contestável e inúmeros argumentos podem ser levantados contra ela, inclusive aqueles relacionados à história do capitalismo. Mas basta que se entenda no que consiste afinal a tal poupança externa para perceber com clareza como é canhestro o argumento.

No juízo convencional a poupança externa é definida de forma positiva: se ela é maior ou menor em cada período, depende da disposição de investir dos proprietários do capital internacional e quanto maior for essa disposição, maior será o montante de poupança externa de que poderá dispor cada país para alavancar seu processo de desenvolvimento. Assim, o mais importante, para países como o nosso, é garantir as condições para que esse maná flua constantemente.

Na verdade, porém, o que importa não é se há tal disposição, mas se o país em questão tem ou não, a cada período, necessidade desses dólares. Se suas contas correntes externas não andarem bem e os resultados forem negativos, ele precisará da disposição camarada dos investidores internacionais para não ter que avançar em suas reservas de divisas. O problema fica ainda maior quando essas reservas não existem, ou são claramente insuficientes. Nessas situações (vejam a Argentina), os países tornam-se completamente reféns das exigências desses capitais, reduzindo sobremaneira seus graus de liberdade na condução da política econômica e submetendo sua soberania aos imperativos da riqueza externa. O mais importante para países como o nosso é não precisar desse maná.

O que significa o resultado de 2019? Significa que, no ano passado, a economia brasileira, andando com suas próprias pernas, não conseguiu produzir correntemente (através da exportação de mercadorias e serviços e dos rendimentos de investimentos brasileiros no exterior) os dólares necessários para enfrentar suas despesas correntes em dólares contraídas no mesmo período: faltaram US$ 51 bilhões. E de onde eles vieram? Dos bondosos investidores externos, que prontamente acorreram para nos salvar, cedendo-nos sua suada riqueza financeira duramente acumulada. A poupança externa, portanto, compareceu, deixando-nos “tranquilos”. Assim, aquilo que é um péssimo resultado fica travestido de vitória.

Ora, é evidente que quando tomaram suas decisões de aplicar seus recursos no país, os detentores do capital internacional não estavam filantropicamente mirando as necessidades de nossa economia e se colocando a postos para socorrê-la. Nesse ponto o discurso convencional tem razão. O capital externo está sempre de olho em seus próprios ganhos – rentistas, especulativos ou derivados da existência de ativos depreciados. Daí a defesa permanente de que lhe sejam criadas as melhores condições para que esteja sempre presente. Mas, se os rentistas e financistas globais devem ou não aplicar seu rico dinheirinho em nossa economia tem que ser um problema deles, não nosso. Ao contrário, nós é que deveríamos criar as condições para não precisar dele. Garantir a constância do maná fluindo desde meados dos anos 1990 custou-nos a desindustrialização precoce, com direito a desacoplagem tecnológica e redução da produtividade do trabalho, dentre tantos males.

Diretamente associada ao argumento raso de que a livre movimentação dos fluxos internacionais de capital assegura crescimento para todos está outra ideia, igualmente rasa, de que o Brasil tem carência de poupança e daí a permanente necessidade de “importá-la”. Em outras palavras, tudo se resolveria se os brasileiros fossem menos gastões e a poupança doméstica crescesse. Como isso não acontece, precisamos permanentemente da poupança externa (para “completar” a nossa) e por isso devemos garantir o bom ambiente macroeconômico exigido por esses capitais (leia-se: elevados rendimentos, plena liberdade e austeridade fiscal).

Mas a pergunta que não quer calar é: por que o investimento é tão baixo com tanta “poupança externa” entrando no país há tanto tempo? Mais de um trilhão de dólares desde 1995, quase um PIB inteiro! Por que a formação bruta de capital fixo é tão reduzida no Brasil? Por que ela não respondeu nunca a estímulo tão poderoso?

A resposta é simples: é que tal discurso é falacioso, baseado que está em teoria falaciosa. A tal poupança externa significa, domesticamente, apenas a existência de dólares adicionais para enfrentar despesas correntes, ou seja, consumo de bens e serviços importados e pagamento de rendas aos capitais externos aqui aplicados. Não tem nenhuma relação imediata com a criação de investimentos produtivos. Ela não vem para “completar” nossa poupança e tampouco é utilizada para “completar” nossa poupança e assim incrementar o investimento. Ela vem buscar a valorização desse estoque de riqueza em dólar já existente e é usada para cobrir os buracos em nossas contas correntes.

Mas, para 2019, mesmo que reduzamos a isso o “benefício” da poupança externa, o argumento permanece falso e não explica de modo algum o otimismo e a tranquilidade do mercado, dos analistas financeiros, da midia “especializada” e do Banco Central. A poupança externa não compareceu como se esperava. O resultado líquido dos investimentos financeiros no país, considerados também os investimentos em carteira e outros investimentos, não foram os celebrados US$ 78,5 bilhões, mas cerca de US$ 27 bilhões. Para fazer frente a seus compromissos externos, o Brasil teve, portanto, que avançar em suas reservas de divisas, numa dimensão inédita até o momento.

E porque os resultados da conta corrente foram tão negativos? Como esperado, a imprensa deu destaque à má performance da balança comercial, que produziu um superávit US$ 13 bilhões menor que em 2018, mas há um número que deveria ter chamado igualmente a atenção: os US$ 82 bilhões de dólares, destinados à remuneração da poupança externa aplicada em nossa economia (pagamento de lucros, dividendos e juros).  E esse não é um episódio isolado: uma história semelhante tem se repetido todos os anos. Então é esse o resumo da trama: precisamos da poupança externa para podermos remunerá-la.

Se não estamos em situação desesperadora é graças às divisas acumuladas nos tempos das vacas gordas (período 2006-2011). Mas os tempos mudaram bruscamente. Nuvens se acumulam pesadamente no cenário geopolítico mundial, colocando enormes incertezas sobre o andamento das transações comerciais globais e, portanto, sobre o resultado de nossas exportações. Mais recentemente, é preciso considerar também as consequências não menos desastrosas para a mesma variável da insana política externa do atual governo (basta que observemos como o Brasil vem sendo tratado por nosso “parceiro preferencial”, os EUA). Quanto aos investimentos financeiros, a generosa poupança externa que nos redime, a situação não é menos preocupante: a média dos ingressos financeiros líquidos dos últimos quatro anos não chega a 30% da média do período 2009-2015.

E assim, sem que tivéssemos tirado qualquer proveito de uma situação externa relativamente folgada, estamos agora enfrentando um cenário muito mais nebuloso e perigoso. De posse de um projeto verdadeiramente nacional, poderíamos ter resgatado nossa economia, inclusive mudando sua direção: investimento verde, ao invés de investimento predatório que destrói a natureza e nossos recursos naturais; generosos investimentos sociais e em ciência e tecnologia, ao invés de políticas austeras para contentar os donos da riqueza financeira internacional.

Há cerca de um quarto de século, nos ofereceram uma corda para nos enforcarmos e nós a aceitamos. Passamos maus bocados com ela no pescoço (quem não se lembra do sufoco cambial de 1998/1999? e das crises de 2001 e 2002 que nos levaram ao FMI?), mas o nó afrouxou e poderíamos tê-lo tirado do aperto. Perdemos a oportunidade. Agora é conviver com a falta de ar, que pode ficar cada vez pior.

*Leda Paulani é professora titular aposentada da Faculdade de Economia e Administração da USP.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Sandra Bitencourt Valerio Arcary Leonardo Avritzer Boaventura de Sousa Santos Chico Alencar Tadeu Valadares Rafael R. Ioris Luiz Carlos Bresser-Pereira João Adolfo Hansen Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Pereira de Farias André Márcio Neves Soares Vladimir Safatle Ronald León Núñez Eleutério F. S. Prado Bernardo Ricupero Renato Dagnino Daniel Brazil Daniel Costa Osvaldo Coggiola Marcos Aurélio da Silva Paulo Capel Narvai Gabriel Cohn Bento Prado Jr. Walnice Nogueira Galvão Priscila Figueiredo Fernando Nogueira da Costa Jorge Branco Francisco Fernandes Ladeira Fernão Pessoa Ramos Afrânio Catani Leonardo Boff Marilena Chauí Leonardo Sacramento Antônio Sales Rios Neto Atilio A. Boron Jean Pierre Chauvin Flávio R. Kothe Luiz Eduardo Soares Gilberto Lopes José Micaelson Lacerda Morais Remy José Fontana Juarez Guimarães Paulo Nogueira Batista Jr Everaldo de Oliveira Andrade Érico Andrade Luciano Nascimento Sergio Amadeu da Silveira Luís Fernando Vitagliano Heraldo Campos Leda Maria Paulani Jorge Luiz Souto Maior Samuel Kilsztajn Armando Boito Henri Acselrad João Paulo Ayub Fonseca João Sette Whitaker Ferreira Vinício Carrilho Martinez Ronald Rocha João Lanari Bo João Feres Júnior Celso Frederico Marcelo Módolo Michael Roberts Thomas Piketty Mariarosaria Fabris Andrew Korybko Claudio Katz Antonio Martins Tarso Genro Liszt Vieira Ricardo Abramovay Matheus Silveira de Souza Benicio Viero Schmidt Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Renato Martins Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro José Costa Júnior Jean Marc Von Der Weid Eleonora Albano Igor Felippe Santos Ricardo Antunes Carlos Tautz Marcelo Guimarães Lima Elias Jabbour Fábio Konder Comparato Paulo Martins Milton Pinheiro Valerio Arcary Michael Löwy Lincoln Secco Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Silva Ricardo Fabbrini Luis Felipe Miguel Michel Goulart da Silva João Carlos Salles José Luís Fiori Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henry Burnett Paulo Sérgio Pinheiro Ladislau Dowbor Marjorie C. Marona Berenice Bento Daniel Afonso da Silva Antonino Infranca Gilberto Maringoni Otaviano Helene Ari Marcelo Solon Luiz Marques Ricardo Musse Paulo Fernandes Silveira Lorenzo Vitral João Carlos Loebens Andrés del Río Eugênio Trivinho Chico Whitaker Tales Ab'Sáber Bruno Machado Manuel Domingos Neto Anselm Jappe Carla Teixeira José Raimundo Trindade Eduardo Borges Marilia Pacheco Fiorillo José Machado Moita Neto Luiz Bernardo Pericás André Singer Marcus Ianoni Salem Nasser Alexandre de Freitas Barbosa Vanderlei Tenório José Dirceu Airton Paschoa Flávio Aguiar Francisco de Oliveira Barros Júnior Gerson Almeida Eliziário Andrade Caio Bugiato Eugênio Bucci Dennis Oliveira Slavoj Žižek Rodrigo de Faria Denilson Cordeiro Alexandre Aragão de Albuquerque Plínio de Arruda Sampaio Jr. Annateresa Fabris Julian Rodrigues Manchetômetro Yuri Martins-Fontes Luiz Werneck Vianna José Geraldo Couto Anderson Alves Esteves Dênis de Moraes Mário Maestri Luiz Roberto Alves Kátia Gerab Baggio Celso Favaretto Rubens Pinto Lyra

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada