As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A tempestade perfeita

Imagem: Paulo Fávero
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ALEXANDRE ARAGÃO DE ALBUQUERQUE*

Na América Latina os grupos poderosos estão cada vez mais usando os tribunais para legitimar o descumprimento da lei ou a instabilidade institucional

Em seu livro “Understanding Institutional Weakness ”, publicado pela Cambridge University Press, os professores Daniel Brinks, Steven Levitsky e Maria Victoria Murillo buscam introduzir o pensamento político ao conceito de “institutional weakness” (fraqueza ou fragilidade institucional) argumentando que a fraqueza é uma função daquilo que uma instituição é capaz (ou não) de promover como resultado social, político e econômico. Para isso eles apresentam uma tipologia em três formas de fragilidade: 1) Insignificância (quando as regras são cumpridas, mas não afetam a forma como os atores se comportam); Descumprimento (quando as elites escolhem não cumprir e nem fazer cumprir as regras, incentivando inclusive a não cooperação social para com estas); Instabilidade (mediante uma alteração das regras de acordo com os interesses dos atores poderosos, como também por uma taxa de alteração das regras em níveis incomuns).

O Estudo destaca que as elites pós-coloniais latino-americanas se engajaram na discriminação, manipulação e evasão na aplicação da Lei, tornando-a uma fonte constante de instabilidade dos regimes democráticos da região, agravada pelo evidente desrespeito às leis constitucionais submetidas repetidamente a alterações conforme os interesses dos grupos de poder ou simplesmente ignoradas as suas aplicações, gerando um quadro de tensão pela discrepância entre as promessas políticas com as desigualdades social e econômica vividas pelas populações desse continente.

A Democracia exige que a Lei seja aplicada de maneira uniforme, em todo território e para todas as categorias de cidadãos e cidadãs, sem discriminação ou privilégios. Mas frequentemente o que se comprova é que as leis, que deveriam combater as desigualdades, são elaboradas e promulgadas justamente para alimentá-las, protegendo as elites autoritárias e seus interesses.

Uma das instituições que está no centro da “weakness” é o poder judiciário, com sua atribuição hermenêutica da lei, capaz de tanto conduzir à instabilidade institucional, quanto ao descumprimento da norma legal, uma vez que interpretações judiciais podem fornecer amplamente cobertura legal e legitimidade para o que é claramente uma violação da regra, como também podem manipular para produzir mudanças frequentes visando a alcançar objetivos particulares.

Na América Latina os grupos poderosos estão cada vez mais usando os tribunais para legitimar o descumprimento da lei ou a instabilidade institucional. Como ocorreu no caso dos impeachments – Nicarágua, Paraguai, Brasil, Bolívia – nos quais uns são mais óbvios do que outros. O esquema da Lava Jato é um “case” exemplar de tempestade perfeita: 1) ao derrubar uma presidenta eleita sem crime de responsabilidade; 2) ao condenar um ex-presidente apenas com convicções, sem provas razoáveis nem substanciais; 3) ao eleger um presidente de extrema-direita, cuja a estrela da Lava-Jato, o ex-juiz Sérgio Moro, foi escolhido com ministro da Justiça.

O respeitado jornalista Luís Nassiff produziu um documentário em série (para aqueles fãs dos seriados da Netflix, recomendamos a excelente série “Lava Jato, Lado B”, by Luís Nassif), cuja pergunta central é: o que está por trás de uma operação que começa no Brasil e coloca a Petrobrás no banco dos réus dos EUA? Há, como se sabe, a criação de uma indústria de enriquecimento utilizando-se da imagem do combate à corrupção – compliance – como arma de instabilidade institucional, perseguição política a opositores, por meio do lawfare, e proteção aos parceiros partidários.

Cabe, portanto, aos cientistas políticos, pesquisadores e professores em geral a tarefa de esclarecer ao público o quanto um tribunal pode ser cúmplice na produção da debilidade institucional e golpe à democracia.

*Alexandre Aragão de Albuquerque é mestre em Políticas Públicas e Sociedade pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre Aragão de Albuquerque Bruno Machado Ari Marcelo Solon Ronald León Núñez Marcos Silva Marcos Aurélio da Silva Marilena Chauí Jorge Luiz Souto Maior José Micaelson Lacerda Morais Elias Jabbour Caio Bugiato Antonio Martins João Carlos Loebens Eliziário Andrade Berenice Bento Luiz Renato Martins Andrew Korybko Daniel Costa Lincoln Secco Mariarosaria Fabris José Machado Moita Neto Ricardo Abramovay Marcus Ianoni Celso Favaretto Osvaldo Coggiola Bento Prado Jr. Luiz Bernardo Pericás Airton Paschoa Carla Teixeira Lorenzo Vitral João Adolfo Hansen Mário Maestri Roberto Noritomi José Luís Fiori Luiz Roberto Alves Milton Pinheiro Valério Arcary Francisco Pereira de Farias Paulo Martins Sergio Amadeu da Silveira Paulo Fernandes Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Sacramento Ronaldo Tadeu de Souza André Márcio Neves Soares Renato Dagnino Igor Felippe Santos Marilia Pacheco Fiorillo Francisco de Oliveira Barros Júnior João Sette Whitaker Ferreira Fábio Konder Comparato Luiz Eduardo Soares Atilio A. Boron Gabriel Cohn Rubens Pinto Lyra Everaldo de Oliveira Andrade Marjorie C. Marona Jean Pierre Chauvin Ricardo Fabbrini Valerio Arcary Lucas Fiaschetti Estevez Dennis Oliveira Carlos Tautz Remy José Fontana Bernardo Ricupero José Dirceu Ladislau Dowbor Luiz Marques Ronald Rocha Manuel Domingos Neto Slavoj Žižek Luiz Werneck Vianna Leda Maria Paulani Eduardo Borges Flávio R. Kothe Henry Burnett Érico Andrade Sandra Bitencourt Juarez Guimarães Ricardo Musse Flávio Aguiar Michael Roberts Eleonora Albano Benicio Viero Schmidt Rafael R. Ioris José Raimundo Trindade Yuri Martins-Fontes Claudio Katz André Singer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tales Ab'Sáber Celso Frederico Vinício Carrilho Martinez Heraldo Campos João Carlos Salles Liszt Vieira José Geraldo Couto Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Sérgio Pinheiro Anselm Jappe Paulo Nogueira Batista Jr Antônio Sales Rios Neto Armando Boito Maria Rita Kehl Ricardo Antunes Marcelo Módolo Gerson Almeida Tadeu Valadares Samuel Kilsztajn Francisco Fernandes Ladeira João Paulo Ayub Fonseca Alysson Leandro Mascaro Thomas Piketty Eugênio Trivinho Rodrigo de Faria Luis Felipe Miguel Alexandre de Freitas Barbosa Eugênio Bucci Antonino Infranca Daniel Afonso da Silva Dênis de Moraes José Costa Júnior Luciano Nascimento Jorge Branco Chico Whitaker Vladimir Safatle Walnice Nogueira Galvão Luís Fernando Vitagliano Paulo Capel Narvai Anderson Alves Esteves Gilberto Maringoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Otaviano Helene Leonardo Avritzer Afrânio Catani Fernando Nogueira da Costa Roberto Bueno Eleutério F. S. Prado Chico Alencar Julian Rodrigues Henri Acselrad Daniel Brazil Jean Marc Von Der Weid Salem Nasser Boaventura de Sousa Santos Denilson Cordeiro João Feres Júnior Tarso Genro Luiz Costa Lima Priscila Figueiredo João Lanari Bo Gilberto Lopes Fernão Pessoa Ramos Kátia Gerab Baggio Marcelo Guimarães Lima Vanderlei Tenório Leonardo Boff Manchetômetro Annateresa Fabris Michael Löwy

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada