As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

19 de Junho: novo ponto de inflexão

Imagem: Grupo de Ação
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ RAIMUNDO TRINDADE*

O quadro atual do país nos leva a uma conjuntura da necessidade urgente de maior ativismo da esquerda, tendo como primeiro passo tornar o 19 de Junho no maior movimento de rua dos últimos anos

A luta social no Brasil historicamente passa por ciclos muito influenciados pelas ondas econômicas e formato de interação da economia e sociedade nacional com o Imperialismo internacional. O final da ditadura empresarial-militar, a partir do final da década de 1970, foi fruto, de um lado da crise econômica e do ascenso das lutas sociais, intensas, nas fábricas, bairros e ruas.

O conjunto do ciclo que se inicia, aproximadamente em 1976, com a retomada de movimentos sindicais e de lutas de bairros, inicialmente em São Paulo e posteriormente no restante do país e que se consolida com a reconstrução das grandes organizações estudantis, operárias e camponesas (UNE, UBES, CUT, MST) nos primeiros anos da década de 1980.

A luta social cíclica culmina na década de 1980 com as grandes manifestações pelas Diretas Já e a Greve Geral de 1987 contra o governo Sarney e as políticas de arrocho salarial característicos daquele governo. Esse longo ciclo de disputas sociais enfrenta uma forte derrota, primeiramente de cunho eleitoral e posteriormente de desorganização dos movimentos sociais em 1995 quando, após os movimentos retirarem Collor de Mello da presidência, temos a eleição de FHC e o primeiro grande momento neoliberal destrutivo que leva a quase destruição do Sindicato dos Petroleiros – naquela altura muito forte – e, também, a onda privatista que desmonta parte do circuito industrial brasileiro (privatização da CVRD, Telebrás, Embratel).

A continuação das lutas sociais e o fracasso do ciclo econômico neoliberal em sua primeira fase (FHC), leva ao fortalecimento de instituições sindicais e da sociedade civil, culminando com o experimento dos governos sociais reformistas do PT.

Esses governos compuseram de fato um interlúdio não neoliberal, resultante de cinco movimentos conjunturais-estruturais da sociedade brasileira que possibilitou a conformação de um bloco histórico inédito na sua história:

i) resultante da crise de direção da burguesia brasileira após o ajuste estrutural neoliberal do governo FHC;

ii) a adequação da resistência dos movimentos sociais representados organicamente em torno das grandes organizações populares (CUT, MST);

iii) um período de crescimento econômico puxado pelo setor exportador de commodities;

iv) um ajuste fordista periférico inédito na história brasileira (expansão da renda interna com distribuição); v) manutenção das condições macroestruturais rentistas.

A retomada neoliberal parcialmente interrompida com a ascensão do PT, se colocou como nova etapa conjuntural. Seis componentes parecem ser centrais neste novo ciclo neoliberal autoritário:

i) A retomada pela burguesia brasileira dos mecanismos clássicos de superexploração do trabalho, desfazendo os mecanismos de recomposição salarial e elevação do salário médio resultante das reformas salariais petistas; por outro, a imposição de jornadas de trabalho mais intensivas e mais flexíveis aos interesses do capital, o que estabelece a elevação da taxa de exploração média da economia com a pretensão de recuperação da taxa de lucro, este foi o objetivo central da LC 13.467/17, EC 06/19.

ii) O controle por parte do capital transnacional das fontes de produção de petróleo estabelecidas no pré-sal e das tecnologias de prospecção controladas pela Petrobras, o que poderá no curto prazo atrair uma onda de investimentos que viabilize o ciclo neoliberal, porém esta possibilidade está na dependência de uma retomada de crescimento das principais economias centrais que viabilize um novo ciclo de crescimento do preço do petróleo e das commodities minerais em geral.

iii) O desmonte e privatização de toda estrutura energética nacional (Eletrobras), aprofundando dois movimentos: a) o definitivo desmonte da estrutura industrial brasileira, tornando o “Padrão de Reprodução de Especialização Primário-Exportadora”, baseado na produção agrária e mineral as únicas cadeias produtivas nacionais; b) definindo uma área de rentismo (com a liquidação de propriedades estatais) para o setor financeiro nacional e internacional.

iv) O acirramento do controle fiscal e implementação de um modelo de equilíbrio fridemiano (Milton Friedman), via Emenda Constitucional 95/16 (Novo regime Fiscal) o que tem dois objetivos: dotar toda a capacidade superavitária do Estado para transferência de rendas para o centro financeiro global e; inviabilizar o uso do orçamento fiscal como ferramenta de acordo social e estabilização de médio prazo de um novo governo popular-reformista.

v) O avanço ideológico de uma cultura individualista-mercantilista total, algo que poderíamos chamar de totalitarismo neoliberal, cujo epicentro se focaliza em atitudes conservadoras, homofóbicas, racistas e de misoginia, favorecendo o discurso da direita, inclusive de segmentos fascistas, e acuando ainda mais a esquerda e as concepções democrático-populares.

vi) A instrumentalização política de setores militares neofascistas, o que se convencionou denominar de Partido Militar. Florestan Fernandes em um dos seus últimos artigos, afirma, com enorme vislumbre, que a “questão militar” é a principal questão candente da situação histórica atual.[1] Ela se põe “no núcleo do poder, da ruptura definitiva com o passado e com as perspectivas de um futuro para a democracia”. Como nos expõe Florestan, os militares “em suas cúpulas, foram amarradas a uma defesa reacionária da ordem existente, no plano interno e no palco internacional”.

A conjuntura conforma, portanto, o acirramento de uma dupla crise: orgânica, sob o ponto de vista político de ruptura da institucionalidade estabelecida com a CF/88 e; estrutural, sob o ponto de vista econômico, com a tentativa de recompor o declínio da rentabilidade dos principais segmentos produtivos (primário-exportadores) e de aprofundamento do padrão primário-exportador, com sua completa integração as condições de dependência ao centro econômico estadunidense e as condições de expansão financeira do capital transnacional.

Essa configuração de crise política e econômica está longe de uma solução, sendo que uma nova repactuação autoritária não está descartada, sendo que movimentos de aprofundamento golpista estabelecidos por Bolsonaro e sua “entourage” militar é um risco muito forte neste momento.

O quadro nos leva a uma conjuntura da necessidade urgente de maior ativismo da esquerda, fortalecendo a proatividade de ações de ruas, inclusive com uma agenda extremamente mais acirrada do que a atual. Porém o primeiro passo é tornar o 19J o maior movimento de ruas dos últimos anos, o que requer uma capacidade mobilizadora que leve as forças democráticas e populares ao máximo da sua capacidade convocatória e de enfrentamento, inclusive com a presença de todas suas maiores lideranças populares e agentes institucionais deste campo nas ruas no próximo sábado, me refiro a governadores, prefeitos, senadores, deputados federais e estaduais, vereadores e as grandes lideranças sociais.

Barrar o aprofundamento do golpe neofascista é a única tarefa central no momento!

*José Raimundo Trindade é professor do Programa de Pós-graduação em Economia da UFPA. Autor, entre outros livros, de Crítica da Economia Política da Dívida Pública e do Sistema de Crédito Capitalista: uma abordagem marxista (CRV).

Nota

[1] FERNANDES, Florestan. Pensamento e ação: o PT e os rumos do Socialismo. São Paulo: Editora Globo, 2006.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Eduardo Soares Mariarosaria Fabris Milton Pinheiro Jorge Branco Walnice Nogueira Galvão Leda Maria Paulani Chico Alencar Eleutério F. S. Prado Celso Favaretto Lucas Fiaschetti Estevez Slavoj Žižek Roberto Bueno Flávio R. Kothe Boaventura de Sousa Santos Ronald Rocha Igor Felippe Santos Claudio Katz Sergio Amadeu da Silveira Rafael R. Ioris Marilena Chauí Gilberto Maringoni José Geraldo Couto Priscila Figueiredo Marcos Aurélio da Silva Anderson Alves Esteves Ricardo Fabbrini Marjorie C. Marona João Adolfo Hansen Eugênio Trivinho Salem Nasser Leonardo Avritzer Luis Felipe Miguel Ronald León Núñez Julian Rodrigues Vinício Carrilho Martinez Celso Frederico Eugênio Bucci Ricardo Antunes Flávio Aguiar José Raimundo Trindade João Feres Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tales Ab'Sáber Tadeu Valadares Ladislau Dowbor Andrew Korybko Liszt Vieira Eleonora Albano José Luís Fiori Benicio Viero Schmidt Marcelo Módolo Érico Andrade Daniel Afonso da Silva Mário Maestri Juarez Guimarães Denilson Cordeiro José Micaelson Lacerda Morais Eliziário Andrade Luiz Marques Alexandre de Freitas Barbosa André Singer Henry Burnett Luiz Werneck Vianna Fernando Nogueira da Costa Fernão Pessoa Ramos Luís Fernando Vitagliano Marcelo Guimarães Lima João Lanari Bo Luciano Nascimento Lincoln Secco Afrânio Catani Tarso Genro André Márcio Neves Soares Manchetômetro Jean Marc Von Der Weid Ricardo Musse Vanderlei Tenório Gilberto Lopes Leonardo Boff Manuel Domingos Neto Elias Jabbour Francisco Pereira de Farias Berenice Bento Maria Rita Kehl Samuel Kilsztajn Luiz Renato Martins Michael Roberts João Sette Whitaker Ferreira Armando Boito Renato Dagnino Luiz Roberto Alves Airton Paschoa Daniel Costa José Machado Moita Neto Carlos Tautz Remy José Fontana Daniel Brazil Anselm Jappe Yuri Martins-Fontes Jean Pierre Chauvin Osvaldo Coggiola Bento Prado Jr. Michael Löwy Luiz Bernardo Pericás Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Fernandes Ladeira Eduardo Borges Rodrigo de Faria Lorenzo Vitral Kátia Gerab Baggio Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Abramovay Alysson Leandro Mascaro Luiz Costa Lima Marcos Silva Bernardo Ricupero Vladimir Safatle Antonino Infranca Marilia Pacheco Fiorillo Fábio Konder Comparato Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcus Ianoni Henri Acselrad Bruno Machado Leonardo Sacramento João Carlos Salles Annateresa Fabris Heraldo Campos Francisco de Oliveira Barros Júnior Dennis Oliveira Roberto Noritomi João Carlos Loebens Carla Teixeira Alexandre Aragão de Albuquerque Caio Bugiato Alexandre de Lima Castro Tranjan Otaviano Helene Sandra Bitencourt Paulo Nogueira Batista Jr Rubens Pinto Lyra José Costa Júnior Paulo Fernandes Silveira João Paulo Ayub Fonseca Antônio Sales Rios Neto Thomas Piketty Paulo Capel Narvai Gabriel Cohn Paulo Martins Ronaldo Tadeu de Souza Antonio Martins Jorge Luiz Souto Maior Chico Whitaker Gerson Almeida José Dirceu Everaldo de Oliveira Andrade Valerio Arcary Ari Marcelo Solon Dênis de Moraes Valério Arcary Atilio A. Boron

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada