A verdadeira conciliação nacional

Imagem: Marcelo Guimarães Lima
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCELO GUIMARÃES LIMA*

Não há como falar de conciliação nacional sem passar antes pela punição dos crimes de Jair Bolsonaro e seus aliados

Segundo alguns especialistas, a chamada Síndrome de Estocolmo, condição na qual a vítima de violência física e/ ou emocional desenvolve reações e relações de afeto para com o seu agressor, pode ser entendida como um mecanismo de defesa psicológica em situações de risco, tensão e dano. Mecanismo pelo qual a vítima tenta, inconscientemente, transformar a gravidade da sua circunstância, tenta minimizar imaginariamente os perigos evidentes e os danos reais de situações de assédio, pressão e agressão.

Com Freud, a psicanálise estudou os mecanismos de defesa do ego, o papel da fantasia na vida e na saúde psíquicas, as disjunções interessadas nas representações de si e do mundo dos sujeitos. Ver a realidade e a sua realidade pessoal tais como são de fato é, para o ser humano, um constante desafio. Um repto “existencial”, algo que faz parte da situação e constituição vital de todos nós.

A vida requer de nós coragem, dizia a sabedoria do jagunço-filósofo retratado por Guimarães Rosa. E a coragem é conquista constante nos desafios impostos pela vida e naqueles autoimpostos como, por exemplo, o pacto com o demônio buscado pelo jagunço Riobaldo em Grande Sertão: Veredas para transformar sua condição de subalterno nas lidas e desafios inevitáveis do sistema de vida do qual fazia parte, a jagunçagem, com seus valores particulares, recompensas e custos, demandas e imposições próprias.

A vitória na guerra jagunça, no caso de Riobaldo, se desdobrou na vitória subsequente contra o demônio ele mesmo, na medida em que o antigo jagunço se desfez, ao menos em seu cotidiano de sitiante retirado da guerra, de sua crença nas trocas com o rei das trevas. De forma ambígua, entre a crença e a descrença narradas, Riobaldo livra-se por aposentadoria do pacto demoníaco como da vida passada de violências.

Riobaldo conheceu a maldade humana de fato na violência atuada e vivida das guerras e dos afrontamentos. Maldade indubitável em contraste à existência e atualidade duvidosas do poder do rei das sombras. Podemos dizer que o jagunço-filósofo da narrativa de Guimarães Rosa é um realista, alguém que conheceu a complexidade de sua condição, que assumiu plenamente suas escolhas na guerra e, tanto quanto possível, dentro da condição sertaneja e guerreira, na amizade e no amor por Diadorim, símbolo hermafrodita da convergência na contenda entre o masculino e o feminino, algo como uma representação da cisão heraclitiana do real que é unidade dos opostos, junção do dividido por meio do conflito. A guerra, o conflito, a luta é a unidade possível do diverso, e é também o princípio e a origem de todas as coisas, dizia Heráclito.

Aqui é importante salientar que Riobaldo, enquanto guerreiro assumido e experimentado, conhecia seus inimigos, não lhe cabia ter quaisquer dúvidas ou ilusões a respeito daqueles que ele combatia. O mesmo não parece suceder na conturbada vida política no Brasil hoje. Certo é que a desorientação é condição geral dos sujeitos e dos grupos humanos (classes, nacionalidades, etc.) na atualidade do mundo neoliberal em crise, algo que podemos reconhecer como fato, mas que não podemos evidentemente justificar. Pois o que está em causa aqui e agora não é a nossa autorrepresentação, o narcisismo cotidiano de todos nós, o “amor-próprio” como tal, mas a eficácia das nossas ideias e ações na realidade dos conflitos da vida humana e do conflito maior que hoje condiciona nossas vidas em suas várias dimensões individuais e coletivas, isto é, o conflito que opõe, de um lado a manutenção das atuais estruturas econômicas e políticas excludentes de poder global e do outro, literalmente, a sobrevivência da civilização, com todos as suas questões, e mesmo, na longa duração relativa, a sobrevivência da espécie humana no chamado período antropoceno.

A sociedade capitalista globalizada parece ter chegado ao ponto de confundir, numa mesma perspectiva mental e atividade material, a reprodução social vital e a destruição das condições básicas da vida planetária. Tal sociedade pode ser e já foi caracterizada, entre outras formulações, como autofágica, esquizofrênica, cega e irracional. Que os indivíduos sejam afetados nas suas representações e autorrepresentações em tal contexto, não é de se estranhar.

Mas é de se estranhar de fato que o mesmo ocorra com os que chamam para si as responsabilidades político-pedagógicas de salvaguarda e transformação radical da sociedade humana pelos valores da inteligência e da liberdade, contra o obscurantismo, a espoliação, a violência, a opressão, contra a pulsão de morte banalizada.

Recentemente, e reincidentemente, o senador Jacques Wagner, líder do PT, defendeu publicamente o general Villas Boas,[1] que teve atuação destacada no golpe de 2016 e que, salvo engano, continua como representante do pensamento obscurantista e antidemocrático da cúpula das Forças Armadas como, ao mesmo tempo, herdeiro e órfão da ditadura empresarial-militar de 1964 e da conveniente ideologia jurássica do “anticomunismo” genérico da Guerra Fria do século XX.

O senador invoca a cordialidade de relações pessoais com o general para defendê-lo do… do quê, exatamente? Dos próprios atos e pronunciamentos do militar a favor do golpe e do regime golpista: a culpa é de Jair Bolsonaro, afirma o parlamentar, não do general! Como se Jair Bolsonaro presidente e seus apoiadores militares em cargos de governo e na burocracia estatal nada tivessem a ver entre si! Se o senador Jacques Wagner não é ingênuo, deve acreditar que todos somos.

A cordialidade é um princípio das relações humanas que devemos sem dúvida cultivar. Não desprezamos a cordialidade: ela é parte do éthos, do conjunto de hábitos e normas da cultura brasileira, presente na cultura popular de maneira direta, e não apenas mera representação conciliadora e mistificadora das relações entre as classes.

Mas as ações e opiniões do general nada, absolutamente nada têm de cordial na vida brasileira. A cordialidade do general para com o senador petista termina exatamente onde começa o poder ditatorial secundado pelos militares como projeto para o país. A ditadura almejada pelos reacionários brasileiros e prometida por Bolsonaro, de modo algum premiaria a cordialidade e generosidade pessoal do senador Jacques Wagner, bem ao contrário.

No mesmo diapasão, o deputado federal petista Washington Quaquá publicou uma foto abraçado ao bolsonarista general Eduardo Pazuello louvando a cordialidade pessoal do general num encontro oficial de trabalho.[2]Honi soit qui mal y pense”, declara preventivamente o deputado e nos oferece generosamente sua justificativa para a foto de congratulações com o general de Jair Bolsonaro. Trata-se da “conciliação”, do interesse nacional, da democracia, e outras altissonantes ideias e argumentos, em suma, de nobres ideais que as pessoas de boa índole e mente aberta podem facilmente entender. Quem não quiser entender ou aceitar tão excelsas justificativas apenas demonstra limitações de compreensão sobre o que é “democracia”, sobre a atividade profissional clarividente da política de todos os dias, tal como a entende o parlamentar, e tantas evidências no mesmo sentido.

Que a boa vontade e as boas intenções unilaterais podem ser fontes de graves erros de avaliação e ação (ou inação) na conjuntura política é algo que a experiência recente nos ensina de modo bem mais claro que as justificativas do parlamentar. É preciso recordar aos representantes petistas o que foi o processo eleitoral recente e o jogo sujo de Jair Bolsonaro para tentar reeleger-se? Com Jair Bolsonaro no poder teríamos hoje generais gentis distribuindo abraços à oposição? É preciso lembrar que a direita e a extrema-direita neste momento estão vivas e de prontidão para novas oportunidades de alianças golpistas? Mesmo o nobre parlamentar conciliador pode entender isto, creio eu. Há os que confundem pensar dialeticamente, quer dizer, reconhecer a complexidade e o dinamismo incessante da realidade, como uma espécie de licença para a incoerência.

A verdadeira conciliação nacional, reconciliar o país consigo mesmo e com sua vocação de terra de seu próprio povo, é aquela que passa pela punição dos crimes de Jair Bolsonaro e seus aliados. A recusa em enfrentar e punir os torturadores fardados e seus mandantes no pós-ditadura militar nas últimas décadas do século passado, nos deixou enquanto país com a herança cruel da impunidade dos golpistas, de incentivo ao golpismo, de irresolução sobre o que somos finalmente como coletividade.

Na conjuntura presente vemos o Partido da Imprensa Golpista retomar suas práticas mentirosas e golpistas contra Lula e o PT, a Faria Lima fazer de conta que não teve nada a ver com Bolsonaro, o centrão e a extrema-direita, assim como os militares, em compasso de espera, de fato reorganizando-se para golpes futuros. O momento não pede “confraternização”, mas luta.

Grande Sertão: Veredas é uma história de aretê, da virtude guerreira de Riobaldo e sobretudo da astúcia pessoal do jagunço que vence os demônios da incerteza e da covardia na ação firme e direcionada de fazer prevalecer a justiça guerreira contra os que romperam as normas fundamentais da sociabilidade jagunça. Pois mesmo na sociedade destes homens violentos existem normas que definem limites, direitos e deveres. Os que violam tais normas contribuem para confundir todos os significados, embaralhar as razões da vida e da morte, verdadeira obra demoníaca do arbítrio e da falta de sentido.

*Marcelo Guimarães Lima é artista plástico, pesquisador, escritor e professor.

Notas


[1] O inacreditável perdão de Jaques Wagner ao general Villas Boas – Pedro Estevam da Rocha Pomar https://pagina13.org.br/o-inacreditavel-perdao-de-jaques-wagner-ao-general-villas-boas/

[2] Valter Pomar: Quaquá, de braço com o genocida Pazuello, “pisoteando o túmulo de mais de 450 mil mortos” https://www.viomundo.com.br/politica/valter-pomar-quaqua-de-braco-com-o-genocida-pazuello-pisoteando-o-tumulo-de-mais-de-450-mil-mortos.html

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Costa Júnior Valerio Arcary Daniel Costa Henry Burnett João Sette Whitaker Ferreira Tales Ab'Sáber Yuri Martins-Fontes Walnice Nogueira Galvão Liszt Vieira João Feres Júnior Luciano Nascimento Igor Felippe Santos Marilia Pacheco Fiorillo Ronald León Núñez Thomas Piketty Ronaldo Tadeu de Souza Sandra Bitencourt Fábio Konder Comparato Bento Prado Jr. Marjorie C. Marona Armando Boito Michael Löwy Luiz Renato Martins Tadeu Valadares João Adolfo Hansen Ari Marcelo Solon Everaldo de Oliveira Andrade Érico Andrade Luiz Roberto Alves Lincoln Secco Mário Maestri José Raimundo Trindade Vinício Carrilho Martinez Maria Rita Kehl Dênis de Moraes Jean Pierre Chauvin Marcelo Guimarães Lima Daniel Afonso da Silva Mariarosaria Fabris Dennis Oliveira Vanderlei Tenório André Márcio Neves Soares Remy José Fontana Anderson Alves Esteves Marcelo Módolo Annateresa Fabris Andrés del Río Manuel Domingos Neto André Singer Luís Fernando Vitagliano Jorge Branco Luiz Marques Heraldo Campos Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn Vladimir Safatle Jean Marc Von Der Weid Alexandre Aragão de Albuquerque Osvaldo Coggiola Marcos Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Boff Antonino Infranca Ladislau Dowbor Leonardo Avritzer Claudio Katz Celso Frederico Andrew Korybko Plínio de Arruda Sampaio Jr. Slavoj Žižek João Carlos Salles Rodrigo de Faria Flávio Aguiar Salem Nasser João Paulo Ayub Fonseca Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bruno Machado Paulo Martins Luiz Werneck Vianna Celso Favaretto Sergio Amadeu da Silveira Daniel Brazil Ricardo Abramovay Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Luiz Souto Maior Eleutério F. S. Prado Paulo Sérgio Pinheiro Gilberto Maringoni Flávio R. Kothe Paulo Fernandes Silveira Chico Whitaker Manchetômetro Antonio Martins Caio Bugiato Bernardo Ricupero Marcus Ianoni Lucas Fiaschetti Estevez Matheus Silveira de Souza Chico Alencar Elias Jabbour José Luís Fiori Eugênio Bucci José Geraldo Couto Luiz Eduardo Soares Airton Paschoa Rafael R. Ioris Luiz Carlos Bresser-Pereira Carlos Tautz Francisco de Oliveira Barros Júnior Milton Pinheiro João Lanari Bo Rubens Pinto Lyra Francisco Fernandes Ladeira José Machado Moita Neto Samuel Kilsztajn Luiz Bernardo Pericás Afrânio Catani Kátia Gerab Baggio Tarso Genro Julian Rodrigues Otaviano Helene José Dirceu Ricardo Fabbrini Eleonora Albano Eliziário Andrade Anselm Jappe Henri Acselrad Renato Dagnino Eduardo Borges Benicio Viero Schmidt Priscila Figueiredo Atilio A. Boron Ricardo Musse Michel Goulart da Silva Valerio Arcary Carla Teixeira Michael Roberts Paulo Capel Narvai Denilson Cordeiro Gilberto Lopes João Carlos Loebens Leonardo Sacramento José Micaelson Lacerda Morais Lorenzo Vitral Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Antunes Gerson Almeida Juarez Guimarães Boaventura de Sousa Santos Alysson Leandro Mascaro Luis Felipe Miguel Fernando Nogueira da Costa Ronald Rocha Marilena Chauí Eugênio Trivinho Antônio Sales Rios Neto Fernão Pessoa Ramos Francisco Pereira de Farias Leda Maria Paulani Berenice Bento

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada