As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A síndrome de Poliana

Imagem: Jimmy Chan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ DAMIÃO TRINDADE*

Durante quanto tempo se sustentaria um governo de mãos amarradas, autorizado apenas a ir tocando medidas assistenciais e algo mais?

Poliana é um clássico da literatura infanto-juvenil, da estadunidense Eleanor Porter, publicado originalmente em 1913. A personagem Pollyanna é uma mocinha que se guia pelo empenho gentil e crédulo de sempre procurar o “lado bom” em tudo. No Brasil o livro popularizou o termo “poliana”, que se transformou em adjetivo. Ainda que a maior parte dos dicionários mais populares não registrem o verbete, ele pode ser encontrado no Wikdicionário, que o descreve como relativo à “pessoa que é excessiva e idealistamente positiva, otimista e inocente, pura, ingênua”. Pois, se procurar com boa vontade, dá mesmo para encontrar um lado “bom” em qualquer coisa. Até no nazismo.

Os nazistas resgataram, no período 1933-45, o orgulho nacional de um país derrotado na Primeira Guerra Mundial, que havia sido colocado de joelhos pelos vencedores. O nazismo foi o primeiro regime do mundo a alcançar o pleno emprego, sua economia saiu da depressão e passou a produzir com frenesi. Suas estradas e conjuntos habitacionais foram os melhores do seu tempo. A ciência alemã saltou para o primeiro plano mundial, e o automóvel Volkswagen, produzido especialmente para uso dos trabalhadores alemães, foi um sucesso internacional por 50 anos.

Dá até calafrios imaginar como poderia ter sido o desfecho da guerra, se Hitler não houvesse cometido a burrada militar de invadir a União Soviética, escolhendo lutar em duas frentes militares. A esmagadora maioria do povo alemão gostou do nazismo, beneficiou-se dele, apoiou aquele regime violento e anti-humano – até mesmo depois do seu fim. Mas nada disso caracterizou o nazismo, não foram esses os traços predominantes daquele regime horroroso.

Conforme Hegel, descobrimos o que uma coisa é, não pelo seu “lado” bom – ou ruim, tanto faz – mas pelo rumo principal, pelo rumo determinante do seu movimento.

Claro que é “melhor” termos Alckmin conosco do que contra nós, ou Michel Temer, ou Sarney, ou o MDB – inteiro ou pela metade – ou qualquer outro político ou bloco de direita que se descole do bolsonarismo. Nem precisamos perder tempo argumentando com esse “lado bom”.

A questão é outra: o que vem junto com esse pacote? Teremos, novamente, de abandonar o nosso programa de governo, como fez Dilma em 2014, uma semana após ser reeleita? Pois não adiantou, derrubaram-na do mesmo jeito – e sem o povo para defendê-la. “Ah, mas Alckmin vai nos trazer os fiéis votos tucanos dos interiores”. Vai mesmo? Quem assegura? Isso é apenas um desejo. Uma variante desse mesmo argumento: “Sem Alckmin, podemos perder as eleições”. Será mesmo? Eis outra convicção indemonstrável.

Mas, polianamente, vamos fazer de conta de que esses dois argumentos são verdadeiros, e de que Lula precisa de Geraldo Alckmin para derrotar eleitoralmente Bolsonaro. Alckmin e a rançosa direita antipovo, sua acompanhante há muito tempo, darão esse apoio de graça, programaticamente falando? Pois o moço já está esbravejando contra mexer na reforma trabalhista de Temer! Convém recordar o conteúdo daquela gamela enorme de maldades: flexibilização/declínio dos direitos trabalhistas, a informalidade passando a ser regra, esticamento das jornadas de trabalho para até 60 horas semanais, emagrecimento das competências da Justiça laboral, fragmentação das férias, autonomização/pejotização dos trabalhadores, terceirização irrestrita de todas as atividades (até das atividades-fim das empresas), o “negociado” sobrepondo-se ao legislado, esvaziamento da responsabilidade patronal nos danos à saúde e à segurança no trabalho, retorno do trabalho obrigatório até para as gestantes e lactantes. Ainda caberia aqui um longo etcetera.

Ademais, é público que esse mesmo veto empresarial também recai sobre todas as outras malvadezas que as direitas governantes perpetraram contra o povo e contra o país de 2016 para cá. Lembrando: a reforma previdenciária que, no limite, extingue ou miserabiliza a aposentadoria, o teto de gastos orçamentários que interdita investimentos sociais, a autonomia do Banco Central, capaz de brecar até políticas desenvolvimentistas, a alienação do pré-sal para o capital estrangeiro, os alívios tributários para as megaempresas exportadoras, o agronegócio predador queimando e esterilizando o cerrado e as florestas, a desigualdade social indecente que não cessa de se aprofundar. Por aí, vai. As direitas são consequentes: estão aí para defender os seus interesses de classe. Levam a sério programas de governo, exigem o seu cumprimento.

E as esquerdas? Assumindo, mesmo informalmente, o compromisso de respeitar esses pontos fortes que a direita interditou – condição para o apoio eleitoral – durante quanto tempo se sustentaria um governo assim, de mãos amarradas, autorizado apenas a ir tocando as medidas assistenciais e algo mais?

Em política, conduzir-se como Poliana é um modo conformista de considerar a realidade. Poliana gasta tantas energias procurando – e encontrando! – o “lado bom” das coisas, que corre o risco de não reconhecer o lado principal delas – aquele lado que, em última instância, determina como elas são/serão.

Poliana não é reformista. É conformista. Conforma-se com qualquer coisinha boa. “Melhor do que nada” é o seu pensamento predileto. Nem suspeita que o “nada” pode estar tão pertinho. Na ficção infantojuvenil, o comportamento poliana não produz mais do que frustração, saudável até, para o amadurecimento emocional. Na política, a “síndrome de Poliana” pode ter consequências que matam um governo antes do seu nascimento.

*José Damião Trindade é procurador aposentado do estado de São Paulo. Autor, entre outros livros, de História Social dos Direitos Humanos (Peirópolis).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Vladimir Safatle Dênis de Moraes Flávio R. Kothe Leonardo Avritzer Denilson Cordeiro Ronald Rocha Annateresa Fabris Chico Whitaker João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Antunes Érico Andrade Marcelo Módolo Liszt Vieira Priscila Figueiredo Bernardo Ricupero Gerson Almeida Fábio Konder Comparato Renato Dagnino Gilberto Lopes Juarez Guimarães Berenice Bento José Raimundo Trindade João Adolfo Hansen Ricardo Fabbrini Daniel Afonso da Silva Bento Prado Jr. Caio Bugiato Afrânio Catani Ricardo Abramovay Celso Frederico Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Roberto Alves Leda Maria Paulani Valerio Arcary Ari Marcelo Solon Julian Rodrigues Luiz Eduardo Soares Claudio Katz Everaldo de Oliveira Andrade Milton Pinheiro Flávio Aguiar João Carlos Loebens Eugênio Bucci Valério Arcary Otaviano Helene Ronaldo Tadeu de Souza Walnice Nogueira Galvão Igor Felippe Santos Lorenzo Vitral Daniel Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan André Singer Paulo Capel Narvai Tadeu Valadares Paulo Nogueira Batista Jr Salem Nasser Paulo Sérgio Pinheiro Chico Alencar Celso Favaretto Elias Jabbour Fernando Nogueira da Costa João Feres Júnior Alysson Leandro Mascaro João Sette Whitaker Ferreira Marilia Pacheco Fiorillo Sergio Amadeu da Silveira Daniel Brazil Luciano Nascimento Paulo Martins Luiz Bernardo Pericás Jean Marc Von Der Weid Bruno Machado Tales Ab'Sáber José Geraldo Couto Eleonora Albano José Luís Fiori Luiz Werneck Vianna Jorge Branco Rubens Pinto Lyra Eliziário Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Anderson Alves Esteves Gilberto Maringoni Marilena Chauí Luís Fernando Vitagliano Paulo Fernandes Silveira Mariarosaria Fabris Luiz Costa Lima José Micaelson Lacerda Morais Luiz Marques Jean Pierre Chauvin Roberto Bueno Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Luiz Souto Maior José Machado Moita Neto Leonardo Boff Henry Burnett Maria Rita Kehl Slavoj Žižek Michael Roberts Manchetômetro Marcos Aurélio da Silva João Lanari Bo Samuel Kilsztajn Luiz Renato Martins Ladislau Dowbor Vanderlei Tenório Thomas Piketty José Costa Júnior Marcelo Guimarães Lima Michael Löwy Sandra Bitencourt Andrew Korybko Antonino Infranca Leonardo Sacramento Eleutério F. S. Prado Marcus Ianoni Remy José Fontana Antônio Sales Rios Neto Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Carlos Bresser-Pereira Vinício Carrilho Martinez Anselm Jappe Carla Teixeira Airton Paschoa Roberto Noritomi Eugênio Trivinho Manuel Domingos Neto Ricardo Musse Mário Maestri João Carlos Salles Antonio Martins Lucas Fiaschetti Estevez Atilio A. Boron Rodrigo de Faria Luis Felipe Miguel Yuri Martins-Fontes André Márcio Neves Soares Armando Boito Marjorie C. Marona Henri Acselrad Francisco Fernandes Ladeira Tarso Genro Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald León Núñez Boaventura de Sousa Santos Heraldo Campos Gabriel Cohn Rafael R. Ioris Francisco Pereira de Farias José Dirceu Carlos Tautz Fernão Pessoa Ramos Kátia Gerab Baggio Dennis Oliveira Lincoln Secco Benicio Viero Schmidt Eduardo Borges Marcos Silva Osvaldo Coggiola

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada